SOBRE AGÊNCIA, GDS, OTA, CIA. AÉREA E IATA

Em nosso mercado de viagens e turismo, assim como em vários outros mercados, testemunhamos diariamente diversas relações de amor & ódio entre parceiros no negócio e isso é absolutamente normal e até salutar.

Sabemos que esta relação tempestuosa existe entre cias. aéreas e agentes de viagens, por conta do “custo de distribuição” representado pelas agências, embora em momentos de vacas magras, a distribuição barata dos agentes seja vista com muito bons olhos.

Outra relação carinhosa em alguns momentos, mas espinhosa em outros, é a que ocorre entre cias. aéreas e GDSs, mas neste caso é por conta do “custo de distribuição” representado pelos sistemas globais, apesar das cias. aéreas reconhecerem (quase sempre) o valor da capilaridade e a importância deste canal.

Outra recente frente de afagos e rusgas ocorre entre cias. aéreas e OTAs, mas aqui o motivo é justamente o “custo de distribuição” representado atualmente pelas grandes agências de viagens online, mesmo considerando que as cias. aéreas valorizam muito o poder de venda deste novo canal.

Ou seja, o pivô é sempre o mesmo…

É natural e compreensível que a IATA tenha entre seus objetivos, a redução deste “custo de distribuição”, naturalmente melhorando sua qualidade, penetração e controle sobre o mercado.

Encarar cada frente destas (agências, GDSs e OTAs) individualmente tem sido trabalhoso, oneroso e nem sempre com bons resultados.

Mas todos os dias, um fictício gênio da distribuição, consultor do IATA, acorda de manhã cedo com este desafio na cabeça: como reduzir o “custo de distribuição” das cias. aéreas, sem comprometer sua capilaridade e eficácia?

Por ser um desafio tão grande, o consultor evolui na questão: o que pode ser tão disruptor, na distribuição de viagens e turismo, ao ponto de pretender substituir agências, GDSs e OTAs?

Aguarde (preocupado) cenas dos próximos capítulos desta novela…

.

Postagens relacionadas

Published by

Luís Vabo

Fundador e VP da Abracorp e da ABAV Nacional, fundador e CEO dos​ Sistema​s​ Reserve e da Solid Corporate Travel, Luís Vabo é entusiasta da inovação, do empreendedorismo e da alta performance, além de corredor de rua, tenista amador e nadador eventual.

7 thoughts on “SOBRE AGÊNCIA, GDS, OTA, CIA. AÉREA E IATA

  1. Grande Vabo! Boa tarde!

    É incrível como ainda hoje discutimos o tema comissão….

    Parece briga de irmão mais novo com irmão mais velho sendo o mais velho um eterno crianção que sacaneia com o mais novo o tempo inteiro mesmo depois de adulto…

    A redução de comissão se tornou intenso a 15 anos atrás e até hoje é tema Rotineiro…. (Dá vontade de chorar) (Duas crianças adultas ainda batendo boca por coisas obvias)

    Claro que o cliente final tem que pagar pelo serviço da agência, mas também claro que a Cia Aérea tem que pagar pela distribuição do seu produto via agencias de viagens.

    É justo trabalharmos de graça para as cias aéreas e somente o cliente final da agência de viagens pagar a conta?

    É como no mercado de corretagem de seguros onde a seguradora paga uma comissão ao corretor, ou no mercado de corretagem de imoveis, onde o dono do imóvel vendido paga uma comissão ao corretor, ou no mercado de planos de saúde onde a operadora paga uma comissão ao seus vendedores e por ai vai… ou sendo mais moderno, como os desenvolvedores pagam a apple store para distribuir seus produtos….

    A comissão tem que ser algo saudável e ético mas tem que existir!!

    1% de comissão, cá entre nós é RIDÍCULO…

    Se o foco, fosse chegar a um preço justo de distribuição ao invés de como acabar com o custo de distribuição…estaríamos em uma conversa muito mais madura e profissional e já teríamos chegado a uma conclusão a muitos anos e ai sim…

    daríamos outro foco nas relações Agências e Cias aéreas…

    Talvez estaríamos discutindo formas de como distribuir melhor de maneira mais eficaz, com maior resultado para ambas as partes…

    Neste cenário talvez utópico acho que todos (Agências, IATA “Cias Aéreas”, GDS, OTAS, Sistemas etc) estaríamos em outro patamar de resultados financeiros e de relacionamento.

    Bom ficarei ansioso no aguardo das próximos capítulos…

    Grande abraço!

    1. Daniel,

      Parece-me que nos próximos capítulos, o irmão mais velho mostrará sua intenção de eliminar de vez o irmão mais novo e, de quebra, todos os seus coleguinhas…

      []’s

      Luís Vabo

  2. Vabo, boa tarde!

    Filme de terror, hein… estamos vendo este filme a mais de 10 anos… será que chegou o capitulo final?

    Depois se puder veja meu comentário no blog do Edmar….

    Temos que ser agressivos, precisamos de uma GRANDE consultoria de ALTO NIVEL para nossa classe se organizar (Se ainda houver tempo)….

    se puder depois dá uma lida… ultimo post dele…

    Grande abraço!

  3. Eu seria, inocente de mais em dizer que se nós Agentes se unissemos em um ato unico, escolhessemos as cias que não iriamos mais emitir até que melhorasse a relação isso não mudaria??
    exemplo: mês de Agosto nenhum agente emitir tam, em Setembro nenhum emitir GOL, os Consolidadores campeões de Emissões bloqueasse as emissões da cia durante 1 mês!
    será que assim mostrariamos nossa força!?
    por enquanto estamos mostrando nossa desunião.

    abraços!

  4. Como eu venho dizendo: há décadas que o turismo funcionava como um relógio suiço…e então, eis que chegam os nerds Phd’s do vale do silício e decretam que comissão é custo….!…. e agora josé?, digo..Luís???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *