AULA DE CIDADANIA

Ao testemunhar a evolução dos furacões Irma, José e Katia, com suas trajetórias no Caribe, Golfo Mexicano e Flórida, acompanhadas em tempo real, tal e qual um reality show, pelos portais de notícias, redes sociais e até pela TV, impossível não comparar o comportamento da sociedade norte-americana com a brasileira…

Ok, ok, é uma comparação absurda e inútil, na medida em que suas diferenças são tão evidentes e gigantescas, que parece masoquismo imaginar (ou sonhar) que um dia atingiremos nível similar ao do povo americano.

Não me refiro ao nível econômico ou cultural, mas ao conjunto da obra, o nível social, aquele pelo qual se mede a educação, o padrão de relacionamento entre as pessoas, o respeito à lei e à autoridade constituída, o patriotismo (na sua essência mais pura, sem patrulhamento), a qualidade da convivência social, a priorização do conjunto da sociedade sobre o indivíduo, o respeito ao cidadão como contribuinte e protagonista de uma nação.

Neste cenário desigual entre Brasil e EUA, destaco aqui o texto publicado pelo Carlos André Montenegro, empreendedor brasileiro há 2 anos residente em Miami, sobre a experiência de ser tratado como um cidadão de verdade:

Obrigado, Irma !

Faz dois anos que decidi me mudar do Rio de Janeiro para Miami com minha mulher e meus dois filhos, em busca de algo melhor para nossas vidas.

Por ironia, depois de dois anos vivendo na America, recebi o meu Green Card exatamente no dia em que também recebi a notícia de que o furacão Irma, o pai de todos os furacões, também está a caminho.

O governador da Florida, Rick Scott, assim que soube da gravidade do problema, foi para a TV e ordenou que todos no sul da Florida evacuassem suas casas imediatamente, pois as consequências podem ser catastróficas.

A ordem de evacuação do governador da Florida foi seguida pela população de forma civilizada incluindo a entrada nos abrigos (senso de civilidade)

Da noite para o dia, como em um piscar de olhos, milhões, literalmente milhões de pessoas, abandonaram suas casas e já estavam nas estradas, subindo ao Norte.

Eu era mais um na multidão, no meio de um enorme congestionamento, e isso me fez lembrar das minhas voltas dos feriados de Búzios, na Região dos Lagos. A única diferença é que, pasmém, aqui na Florida, mesmo em uma situação absolutamente adversa, as pessoas não trafegam pelo acostamento para tirar vantagem e chegar mais rápido ao destino. Todos respeitam as leis de trânsito, mesmo em situações caóticas, emergenciais. Motociclistas loucos também não existem por aqui. É proibido trafegar entre as faixas. Acho que eles nem sabem o que significa isso, podem acreditar.

Mesmo diante da emergência da fuga do furacão Irma, cidadãos da Florida seguem de forma ordenada rumo ao norte do estado (senso de cidadania)

Quando encontrei um lugar seguro, a primeira coisa que eu fiz foi ligar a TV. Lá estava o Governador novamente falando ao vivo, e eu comecei a ter uma aula de patriotismo, solidariedade, respeito pelo próximo e, acima de tudo, respeito pela vida. A mensagem que mais me tocou foi: “Se você não tem como sair de casa, seja por qual motivo for, ligue para o número que você vê no rodapé da imagem, que iremos agora na sua casa te salvar. Ainda temos tempo!”. Isso me arrepiou! Pensei: esse cara é o meu herói!

Governador da Florida, Rick Scott, onipresente na liderança da população do estado diante da iminente fúria do furacão Irma (senso de autoridade)

Lembrei automaticamente das enchentes de Teresópolis, tenho uma conexão com a cidade pois, desde que me entendo por gente, tenho casa lá. Anos após aquela triste tragédia de 2011, descobriu-se que a quadrilha de Cabral desviou parte do dinheiro que deveria ser utilizado nos resgates das vítimas e reconstrução da cidade. Até o prefeito foi preso. Confesso que tive vontade de vomitar ao comparar!

Voltando ao furacão, as companhias aéreas americanas, das quais todos sempre reclamam, colocaram voos extras, durante toda a madrugada, com preço fixo de $98 dólares, para ajudar a escoar o pessoal pelos céus. A Expedia, site de reservas de hotéis, ofereceu tarifas com descontos especiais em lugares seguros. O mesmo fez o Airbnb, site de reservas de casas e apartamentos. Os hotéis, por sua vez, passaram a aceitar mais hóspedes por quarto e também animais de estimação.

O governador da Florida liberou a cobrança de pedágios para agilizar a passagem dos automóveis em fuga do furacão Irma (senso de prioridade)

As operadoras de telefonia, que normalmente restringem suas redes de wi-fi aos seus clientes, liberaram internet grátis para todos. Onde existir cobertura, existirá wi-fi grátis. Comunicação, ou a falta de, pode salvar uma vida ou causar uma morte nesse tipo de situação. Até o hotel em que estou, acaba de informar que todo o conteúdo de filmes e desenhos, que normalmente é cobrado, será grátis nas próximas 72 horas.

O Google se uniu ao governo, em um esforço sem precedentes, para conseguir localizar e colocar em tempo real nos seus mapas (Google Maps e Waze) as ruas fechadas, bloqueadas e danificadas, após a passagem do Irma.

São muitos os exemplos, que realmente emocionam. Na maioria das vezes coisas simples, mas que trazem o mínimo de conforto nesse momento e esperança de um futuro melhor. Como diz o famoso ditado: depois da tempestade, sempre vem a calmaria.

Carlos Andre Montenegro
08/09/2017

Postagens relacionadas

Published by

Luís Vabo

Fundador e presidente do sistema Reserve, da Solid Corporate Travel e da Solid Consultoria e Tecnologia, diretor de tecnologia e integração da ABAV, fundador e conselheiro da Abracorp e IATA Strategic Partner, Luís Vabo também é corredor de rua, tenista amador e nadador eventual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *