O INIMIGO DO PRESIDENTE EMPREENDEDOR

Quando teremos um governador empreendedor?

Esta foi a pergunta que Vabo Jr fez ao Bernardinho, a quem entrevistou durante o Scale-up Summit 2017, evento realizado pela Endeavor e Ernst Young, em 27/10/17 (e que pré-lançou sua candidatura ao governo do Estado do Rio de Janeiro).

Vale a pena assistir a este trecho da entrevista (2 min):

A mesma pergunta poderia ser dirigida ao prefeito de São Paulo, João Doria:

Quando teremos um presidente empreendedor?

Quando observo a ascensão meteórica do Doria na prefeitura de São Paulo, apesar do estado calamitoso que o prefeito anterior deixou a cidade (em especial os cofres públicos), imagino a resistência que ele terá que enfrentar para consolidar seu projeto de governo a partir de seus conceitos claramente liberais, numa sociedade estruturada pelo assistencialismo, pela ineficácia e pela corrupção desenfreada.

Doria decidirá na última hora se virá candidato a governador de SP ou a presidente da República

O problema é que, como escreveu o cineasta José Padilha, existe um “mecanismo” de exploração do povo brasileiro que não permite a evolução da sociedade ou da prática política, impedindo ou dificultando que candidatos como Doria e Bernardinho, que pretendem mudar o jogo político, evoluam rapidamente suas potenciais candidaturas.

Leia a íntegra do texto do José Padilha e conheça como opera este “mecanismo” de exploração da sociedade brasileira:

“01) Na base do sistema político brasileiro, opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do Estado e grandes partidos políticos. (Em meu último artigo, intitulado Desobediência Civil, descrevi como este mecanismo exploratório opera. Adiante, me refiro a ele apenas como “o mecanismo”.)

02) O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no Legislativo, no Executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.

03) No Executivo, ele opera via superfaturamento de obras e de serviços prestados ao estado e às empresas estatais.

04) No Legislativo, ele opera via a formulação de legislações que dão vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas.

05) O mecanismo existe à revelia da ideologia.

06) O mecanismo viabilizou a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.

07) Foi o mecanismo quem manipulou as massas para eleger: o PMDB, o DEM, o PSDB e o PT. Foi o mecanismo quem elegeu José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

08) No sistema político brasileiro, a ideologia está limitada pelo mecanismo: ela pode balizar políticas públicas, mas somente quando estas políticas não interferem com o funcionamento do mecanismo.

09) O mecanismo opera uma seleção: políticos que não aderem a ele têm poucos recursos para fazer campanhas eleitorais e raramente são eleitos ou re-eleitos.

10) A seleção operada pelo mecanismo é ética e moral: políticos que têm valores incompatíveis com a corrupção tendem a ser eliminados do sistema político brasileiro pelo mecanismo.

11) O mecanismo impõe uma barreira para a entrada de pessoas inteligentes e honestas na política nacional, posto que as pessoas inteligentes entendem como ele funciona e as pessoas honestas não o aceitam.

12) A grande maioria dos políticos brasileiros tem baixos padrões morais e éticos. (Não se sabe se isto decorre do mecanismo, ou se o mecanismo decorre disto. Sabe-se, todavia, que na vigência do mecanismo este sempre será o caso.)

13) A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos a repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.

14) Um político que chega ao poder pode fazer mudanças administrativas no país, mas somente quando estas mudanças não colocam em xeque o funcionamento do mecanismo.

15) Um político honesto que porventura chegue ao poder e tente fazer mudanças administrativas e legais que vão contra o mecanismo terá contra ele a maioria dos membros da sua classe.

16) A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo.

17) Resulta daí que na vigência do mecanismo o Estado brasileiro jamais poderá ser eficiente no controle dos gastos públicos.

18) As políticas econômicas e as práticas administrativas que levam ao crescimento econômico sustentável são, portanto, incompatíveis com o mecanismo, que tende a gerar um estado cronicamente deficitário.

19) Embora o mecanismo não possa conviver com um Estado eficiente, ele também não pode deixar o Estado falir. Se o Estado falir o mecanismo morre.

20) A combinação destes dois fatores faz com que a economia brasileira tenha períodos de crescimento baixos, seguidos de crise fiscal, seguidos de ajustes que visam conter os gastos públicos, seguidos de novos períodos de crescimento baixo, seguidos de nova crise fiscal…

21) Como as leis são feitas por congressistas corruptos, e os magistrados das cortes superiores são indicados por políticos eleitos pelo mecanismo, é natural que
tanto a lei quanto os magistrados das instâncias superiores tendam a ser lenientes com a corrupção. (Pense no foro privilegiado. Pense no fato de que apesar de mais de 500 parlamentares terem sido investigados pelo STF desde 1998, a primeira condenação só tenha ocorrido em 2010.)

22) A operação Lava-Jato só foi possível por causa de uma conjunção improvável de fatores: um governo extremamente incompetente e fragilizado diante da derrocada econômica que causou, uma bobeada do parlamento que não percebeu que a legislação que operacionalizou a delação premiada era incompatível com o mecanismo, e o fato de que uma investigação potencialmente explosiva caiu nas mãos de uma equipe de investigadores, procuradores e de juízes, rígida, competente e com bastante sorte.

23) Não é certo que a Lava-Jato vai promover o desmonte do mecanismo. As forças politicas e jurídicas contrárias são significativas.

24) O Brasil atual está sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.

25) O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.

26) Sem forte mobilização popular, é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.

27) Se o desmonte do mecanismo não decorrer da Lava-Jato, os políticos vão alterar a lei, e o Brasil terá que conviver com o mecanismo por um longo tempo.“

.

STARTSE, CONNECT MEETING, PARIS-FORTALEZA, ADRIANA CAVALCANTI, FORUM ABRACORP, ABAV EXPO

Duas semanas extraordinárias em São Paulo: realização, gestão, voluntariado, reconhecimento, tecnologia, empreendedorismo e inovação.

    Semana de 25 a 29/09/17

Reunião de Conselho da ABAV em que o presidente Edmar Bull e diretoria apresentaram um rápido resumo, quase um vídeo clipe, das realizações da atual gestão (e o rápido resumo durou 1 hora)…

Abertura da ABAV Expo 2017 com discursos protocolares de políticos e presidentes de associações e órgãos públicos, além de uma estranha cerimônia de obliteração de selos, com destaque para a metamorfose do prefeito de São Paulo, agora abertamente candidato à presidência, que chegou a concluir o seu discurso com um improvável “Viva o Brasil!”

Edmar Bull e o ministro do Turismo Marx Beltrão, ouvem atentamente o discurso de João Doria

Para fechar a quarta-feira, uma palestra morna da jornalista Cristiana Lôbo, cuja única surpresa foi não ter destilado seu conhecido pessimismo. Talvez por isso a palestra foi morna, é difícil lidar com empresários que esperam qualquer indício de boa notícia, talento que sobra no economista Ricardo Amorim, que retornou ao palco da ABAV Expo no final da quinta-feira, para elencar sinais, evidências e provas de que, agora sim, a economia vai deslanchar…

A ABAV Expo 2017 só pode ser comparada a de 2016, que é considerada a maior de todos os tempos

– A Exposição de 2017 conseguiu superar a de 2016 em beleza dos estandes, em planejamento e organização, em visitantes interessados em negócios, em movimento nos corredores.

– A Vila do Saber de 2017 cresceu em quantidade de painéis, em audiência e em organização, mas a de 2016 mostrou conteúdo mais inovador do que este ano.

– O guarda-chuva da ABAV Expo foi ainda maior em 2017, com os mega-espaços das ABAVs estaduais, Abracorp, AirTkt, Braztoa e Clia Abremar recebendo a adesão do FOHB e ABR (o trade torce pela adesão da Aviesp na ABAV Expo 2018).

– O primeiro Forum Abracorp foi uma sacada que deu brilho extra a ABAV Expo 2017, uma iniciativa que tem tudo para ficar e crescer nos próximos anos.

– O Expo Center Norte deixará saudades (acessos, estacionamento, recepção, escadas rolantes e elevadores, estrutura de salas de reunião, climatização, iluminação, banheiros, restaurantes etc.) só poderão ser superados futuramente se o Anhembi for mesmo privatizado.

Ainda sobre o Forum Abracorp, foi mesmo muito interessante debater abertamente, com profissionalismo e sem meias verdades, alguns dos assuntos que conflitam com as propaladas boas práticas da relação entre as empresas cliente e as TMCs, tema que predominou no debate sublimado pela necessária relação de confiança que deve ser a base de qualquer relação comercial saudável, independentemente da inquestionável legitimidade dos processos de auditoria, desde que verdadeiramente independentes.

O primeiro Forum Abracorp comprovou que o modelo de debate múltiplo funciona bem a partir de uma moderação eficaz

    Semana de 02 a 07/10/17

Hoje, quarta-feira, 04/10, o evento de lançamento do voo para Fortaleza da Air France KLM (de onde a Gol distribuirá para todo o Brasil), com a presença do prefeito de Fotaleza e do governador do Ceará entre outras personalidades, prometia muita emoção pela especialíssima homenagem à Adriana Cavalcanti, caso raro de unanimidade no relacionamento pessoal e profissional com o trade de viagens e turismo.

Adriana Cavalcanti foi homenageada com a comenda da Ordem Nacional do Mérito Francês

Adriana estava deslumbrante, feliz, cercada pela família e amigos, ao receber a Medalha da Ordem Nacional do Mérito Francês, concedida pelo presidente Emmanuel Macron e entregue por seus ex-colegas executivos da Air France KLM, num belíssimo reconhecimento por sua impecável atuação nos 27 anos de carreira na Air France, sobre a qual eu postei aqui em maio de 2011, com o sugestivo título TALENTO NACIONAL.

Na quinta-feira, 05/10, a segunda edição do Connect Meeting, promovido pela GOL, Delta e Air France KLM, promete esquentar o tema da importância dos OBTs na distribuição de serviços de viagens corporativas e nas atividades de gestão de travel managers e TMCs.

Connect Meeting II é uma iniciativa e produção da Gol Delta Air France KLM

Serão os OBTs a solução definitiva ou algo novo está a caminho??

No sábado, 07/10, será hora de imersão nas startups do Vale do Silício. O StartSe Silicon Valley Conference, no Expo Center Norte, que apresentará, das 9:00h às 18:00h, as tecnologias desenvolvidas no Vale do Silício cujo objetivo de mudar o mundo acaba por transformar as nossas vidas, os nossos negócios e a economia global.

O StartSe Silicon Valley Conference é o maior evento de inovação e futuro já realizado no Brasil, abordando especificamente as ideias, conceito e iniciativas das empresas e empreendedores do Vale do Silício.

Semana que vem abordarei aqui o que rolou no Connect Meeting II e no StartSe Silicon Valley.

Até lá…

.