LIÇÃO DAS URNAS

Os resultados do primeiro turno das eleições brasileiras são um claro indicador do rumo que o povo brasileiro deseja para o país: LIBERALISMO.

Em MG, o candidato Zema do NOVO deu uma surra em Anastasia do PSDB e em Pimentel do PT, ambos egressos da velha escola de fazer política e lançando a maior suspeita sobre os institutos de pesquisa que o apontavam na 4a. posição. Tudo indica que Zema será escolhido para governar os mineiros.

No RJ, o novato candidato Witzel do PSC deu outra surra em Paes do DEM e em Romario do PODEMOS, apesar das pesquisas que indicavam que eles refariam a velha dupla do forno x frigideira, que o carioca até se acostumou a encarar no segundo turno. Também o mais provável será a vitória do juiz, livrando os cariocas do estigma da esquerda festiva populista que perdura há decádas e levou o estado do Rio ao caos absoluto em que se encontra.

Em SP, Doria do PSDB ampliou a vantagem que apresentava nas pesquisas sobre França do PSB e Skaf do MDB, reafirmando o que o eleitor deseja e tudo aquilo que ele não aceita mais. Apesar da rejeição ao seu estilo e à sua abrupta e vertiginosa popularidade (que incomoda muita gente), Doria provavelmente será eleito no segundo turno.

Enquanto isso, no Rio de Janeiro, aquele dia que você nunca imaginou que aconteceria finalmente chegou !

O eleitor carioca promoveu uma cirúrgica seleção de quem deveria ser excluído do processo político

Não propriamente por quem elegemos, pois esses ainda vão mostrar ao que vieram, mas pelo esforço de renovação e exclusão do “nepotismo político”, não elegemos o filho do Cabral, nem o filho do Crivela, nem o filho do Picciani, nem a filha do Roberto Jefferson, nem a filha do Cunha, nem o Lindiberg Farias, nem o Cesar Maia, nem o Miro Teixeira e Garotinho foi impedido de concorrer.

Colocamos um juiz novato na política como favorito à disputa pelo governo do Rio no segundo turno, com reais chances de atropelar Eduardo “Maricá” “Ciclovia” Paes.

O PT e os partidos de esquerda já são os grandes derrotados nas eleições 2018

Dos nossos 46 deputados federais eleitos pelo RJ, apenas 5 são de partidos de esquerda (PT, PSOL e PCdoB), o que, por si só, já é motivo para o carioca comemorar.

Renova Rio, Renova Brasil !

.

SOBRE A REJEIÇÃO A ELE

Desculpem, eu bem que tentei, mas eu não poderia deixar de postar sobre as eleições presidenciais 2018…

Tenho deixado claro, desde sempre, que votarei no João Amoedo no primeiro turno, por alinhamento de ideias, propostas e programa de governo.

O Partido NOVO me representa, algumas de suas ideias são até modernas demais para um país como o nosso, mas são ideias em que acredito e, por isso, rejeito o tal do voto útil no primeiro turno (e não me venham com patrulhamento, por favor).

Para o segundo turno, a se confirmar a polarização entre esquerda e direita, não tenho dúvida alguma em quem votarei, apesar de, neste caso, eu não perceber um completo alinhamento de minhas convicções com as ideias, propostas e programa de governo do candidato que, dizem as pesquisas, além de liderar a corrida presidencial, detém o maior índice de rejeição entre todos.

Numa eleição em que o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad apresenta-se como a nova Dilma ou “o novo poste de Lula”, o deputado federal Jair Bolsonaro simboliza todo o sentimento anti-PT reprimido na sociedade brasileira

Refletindo sobre isso e conversando com meus gurus políticos (Vabo Jr, Solange e alguns amigos), reuni alguns conceitos que ouvi e desenvolvi a respeito desta minha rejeição ao candidato que é líder das pesquisas, apesar de não ter participado dos debates em setembro, de não ter tempo decente de TV, nem verba pública (ou privada) milionárias para gastar.

Como no Rio de Janeiro já nos acostumamos a ter que fazer escolhas difíceis no segundo turno (e anular o votar não é uma delas), estes são os conceitos que nortearão a minha decisão no segundo turno desta eleição presidencial:

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha rejeição pela corrupção.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha rejeição de ver o país governado de dentro da prisão por um candidato condenado em duplo grau de jurisdição, assim como ocorre com líderes de facções criminosas.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que os ensinamentos que recebi de meus pais sobre não subtrair aquilo que é dos outros.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que os princípios de educação que aprendi quando criança nos bancos das escolas, na época em que escola ensinava o que era papel da escola.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha indignação com a inversão de valores existentes em nossa sociedade atual.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que meu medo de viver o que já estão vivendo as populações da Venezuela, Bolívia e Cuba.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha indignação com cada escândalo de corrupção e desonestidade revelados na Lava-Jato.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha rejeição pela violência.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que meu pânico de viver numa sociedade insegura, em que audiências de custódias são criadas para soltar aqueles que deveriam pagar por seus crimes.

Que minha rejeição por ele não me leve a aceitar a demonização da polícia e a santificação do bandido.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha defesa da família como estrutura básica da sociedade.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha repulsa ao mal que as drogas tem causado às famílias brasileiras.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha rejeição ao desemprego.

Que minha rejeição por ele não seja maior do que minha esperança de ter um país melhor para viver.

Que minha rejeição por ele não ofusque minha capacidade crítica de apurar tudo o que é tendencioso na mídia.

Que minha rejeição por ele não permita que temas de responsabilidade do poder legislativo, como ideologia de gênero, racismo, machismo e feminismo, sejam usados para confundir o eleitor na escolha do líder do poder executivo.

Que minha rejeição por ele não me faça esquecer de quem levou o Brasil à atual crise econômica, ao desemprego, à violência, à corrupção, à saúde precária e à educação ineficiente, e de que esses são os temas de responsabilidade do poder executivo.

Que minha rejeição por ele não me faça esquecer a minha essência e o que realmente importa para mim, para minha família e para o meu país.

Boa eleição a todos !

.