INOVAÇÃO OU NOVIDADE MARKETEIRA?

É usual que as empresas de tecnologia busquem o desenvolvimento de novos produtos, de novos recursos e funcionalidades, inovar (buscar o novo) faz parte do negócio, apresentar sempre uma novidade, fruto do esforço de levar o usuário a fazer sempre mais e melhor, com menos trabalho e menor custo.

Mas o que é mesmo inovação?

Mudar um ícone de posição em um site, alterar o fluxo das telas de um aplicativo ou agregar um novo serviço a um sistema seriam inovações?

Conceitualmente sim, e não…

O termo “inovação” passou pela mesma via crucis de outras expressões que caíram no gosto do mercado, como “parceria”, “sustentabilidade” e, mais recentemente “empoderamento”, entre outras, que foram (e continuam sendo) muito utilizados para qualquer situação, pois soa bonito expressá-las para valorizar qualquer contexto, mas acabaram desgastadas, surradas mesmo, rotas de tanto uso.

Quando esta situação acontece (o enfraquecimento do valor de uma expressão), os especialistas buscam resgatar o seu valor semântico, em geral segmentando seus diversos significados, de forma a separar o trigo, do trigo.

As empresas de tecnologia buscam obstinadamente inovações em seus produtos

Daí surgiram inovação disruptiva, inovação processual, inovação incremental, inovação acessória, inovação paralela, inovação sei lá o quê…

Mesmo para empresas reconhecidamente identificadas como símbolos de inovação, casos da Apple, Google e Facebook, por exemplo, a busca obstinada por inovações (disruptivas, processuais, incrementais etc) leva a um certo esgarçamento do propósito original da companhia, mesmo que a criação de produtos inovadores seja um desses propósitos.

Basta analisar o histórico de empresas mais antigas que, no passado, também foram reconhecidas, durante muitos anos, como emblemas da inovação, casos da Ford e Shell no início do século passado, e da Microsoft e Amazon (para voltar ao segmento tecnologia) no final do século passado, e que surgiram a partir de uma inovação disruptiva que mudou a forma como a sociedade fazia alguma coisa e que, a partir daí, relançam frequentemente novas versões desta mesma inovação original e diversas outras inovações incrementais, acessórias, complementares ou paralelas.

Muitas empresas sucumbem na tentativa de ganhar mercado e, simultaneamente, investir em lançamento de novas ideias e produtos.

Apesar disso, Microsoft e Amazon continuam excepcionalmente bem valorizadas, focando de forma obstinada naquilo que realmente importa para a sobrevivência do negócio: resultado !

Portanto, equilibrar a busca obstinada por resultados com o investimento em P&D para lançamento de novos produtos, parecem ser mesmo estratégias inseparáveis para quem trabalha visando a perpetuidade do negócio.

Já lançar novos produtos (inovando e copiando), operar abaixo da margem, superdimensionar e insuflar a equipe, investir na “compra” de market share, na velha estratégia de “queimar lenha” dos investidores, mesmo sem ter fundamentos consistentes no projeto da empresa, uma estratégia ainda muito utilizada por quem visa passar o negócio adiante, tende a levar ao esgotamento do modelo e, mais cedo ou mais tarde, à morte da galinha dos ovos de ouro.

Também estamos cheios de exemplos, no segmento de tecnologia, em que a injeção contínua de capital, associada a novidades marketeiras, não foi suficiente para catapultar o negócio, tanto no passado (Orkut, MySpace, Starmedia, Second Life), quanto mais recentemente (Groupon, Snapchat etc), e mesmo no futuro (neste caso, só o tempo dirá)…

Conheça outros posts sobre inovação:

INCRÍVEL INOVAÇÃO

ONUS E BONUS DE CHEGAR NA FRENTE

QUANTO VALE ESTAR ATUALIZADO?

.

BOLSONARO É O NOVO LULA?

Como sei que este assunto costuma gerar reações acaloradas nos leitores, antes de mais nada declaro aqui o meu voto no candidato João Amoêdo, do Partido Novo.

Fujo do que Vabo Jr chama de “profecia autorrealizável”, que é quando o eleitor escolhe o seu melhor candidato, mas não vota nele por achar que tem pouca chance de vencer…

Mas o assunto aqui é o Bolsonaro, este personagem político que representa muito mais do que querem desacreditar seus detratores e bem menos do que acreditam seus seguidores.

Pelas entrevistas recentes em que participou (no Roda Viva e na GNT), Bolsonaro confirmou o que todos nós já sabíamos, seus conhecimentos limitados a respeito dos grandes problemas nacionais, sua formação conservadora, seu patriotismo exacerbado, sua intolerância com a desonestidade e o crime, seus conceitos muito pessoais (que alguns chamam de arcaicos, outros de tradicionais), sua doutrina militar, suas opiniões a respeito da ideologia de gênero, do aborto, das drogas, e de outros temas polêmicos etc etc etc.

Mas o que não sabíamos é que ele subiria nas pesquisas amparado justamente nas mesmas 2 premissas fundamentais que elegeram Lula:

1) Bater de frente com a imprensa

Bolsonaro descobriu que brigar com a imprensa pode não dar ibope de imediato, mas rende voto ao longo da campanha.

Apesar de não ser um bom orador e de sua conhecida inflexibilidade política, Bolsonaro foi o entrevistado que melhor usufruiu do espaço dessas entrevistas, pois se expôs abertamente (autêntico), sempre foi direto ao ponto (objetivo), sem fugir das verdades (genuíno), mantendo a coerência até nos absurdos (obstinado), reafirmando a todos que “gostem ou não, eu sou assim”. Cheguei a lembrar da famosa “profecia de Zagalo”…

Do outro lado, jornalistas muito bem preparados para tratar com gênios da política (aquelas velhas figuras poderosas e plastificadas), mas que não sabem entrevistar um sujeito simplório, sem meias verdades, que fala o que lhe vem à cabeça (a exceção entre os entrevistadores foi o Gabeira, que percebeu e considerou a personalidade do entrevistado desde o início).

Bolsonaro segue os passos de Trump até no relacionamento com a imprensa, pois quanto pior a relação com os jornalistas, tanto melhor a aceitação popular

A Miriam Leitão passou pelo maior constrangimento de seus 40 anos de carreira, ao repetir, igual a um papagaio, o que ouvia pelo ponto eletrônico, afirmando que “O Globo mudou de opinião”, apesar de Bolsonaro não ter se referido aO Globo em nenhum momento, mas sim ao Roberto Marinho.

Cheguei a sentir pena da Miriam Leitão, uma ex-guerrilheira que se destacou no jornalismo econômico brasileiro, ter que pagar um mico desta magnitude ao vivo…

São entrevistas como estas, com jornalistas em cima do sapato alto, com falas rebuscadas e doutorados em ciência política, que fazem com que um candidato como este suba nas pesquisas.

A fórmula é tão simples quanto óbvia: o jornalista, preocupado em parecer perspicaz, faz uma pergunta que o povo não entende e o candidato, um homem simples de classe média, responde algo que o povo entende, e ainda aproveita para falar o que o povo quer ouvir.

Pronto, são mais 100 mil votos pra contagem…

2) Falar a linguagem simples, óbvia e direta que o povão entende

Embora situados nos extremos opostos do espectro político brasileiro, Bolsonaro e Lula reúnem características pessoais muito parecidas.

Calma, eu vou explicar !

Bolsonaro me parece tão despreparado quanto Lula há 20 anos (quando o molusco entrou pra valer na corrida presidencial).

Lula também aproximou-se de lideranças de esquerda que o inspiram até hoje, sob o argumento de que o socialismo é maior do que todos os seus personagens.

Ambos (Bolsonaro hoje e Lula há 20 anos) têm o mesmo discurso moralizador (de honestidade e caça aos corruptos), falam em acabar com o desemprego (embora com estratégias bem diferentes), dizem ter a solução para a segurança pública (sem detalhar o que será feito), prometem investir em saúde e educação (sem explicar de onde virão os recursos) e resolver o rombo da previdência (apesar da conta não fechar), mas garantindo aposentadorias dignas (seja lá o que isso significa), além de divulgar que são apegados às suas famílias e amigos (o povo entende isso como honradez), que são muito trabalhadores (embora ambos sejam aposentados), que acreditam no valor de resgate do passivo social (um diz defender a doação do peixe, o outro diz que ensinará a pescar) da população desassistida.

Não quero aqui destilar ceticismo, mas eu já vi esse filme e não gostei do final…

.