LET’S STARTUP: O QUE NOS MOVE A (RE)COMEÇAR?

Já faz algum tempo que uma ideia veio surgindo, devagar no início, insistente depois, durante minhas conversas com a Solange sobre futuro (uma de nossas obsessões) e volta e meia me pegava planejando um próximo passo, mesmo antes de qualquer decisão ter sido tomada sobre isso.

De certa forma inspirados por Vabo Junior, empreendedor e professor de empreendedorismo da PUC-Rio e, mais recentemente, do Insper em São Paulo, decidimos levar adiante um novo sonho: devolver ao mercado e à sociedade um pouco da nossa própria experiência de empreendedores, adquirida ao longo dos últimos 23 anos, uma breve história construída com 20% de teoria e 80% de esforço, criatividade e obstinação.

Com o aprendizado do próprio Reserve ter sido uma startup, que nasceu e foi acelerada pela nossa TMC, a Solid Corporate Travel, nos idos de 2004, foi natural a criação de um programa de aceleração de startups, anglicismo que resume a descrição de “novas empresas criadas a partir de uma ideia, trabalhando em condições de extrema incerteza, em busca de um modelo de negócios repetível e escalável, com muito foco e absoluta obstinação por resultados”, essas que são características comuns a todo novo empreendimento para que seja bem sucedido.

Para iniciar nossa trajetória para este novo sonho, definimos então alguns requisitos para as startups que acreditamos que podemos contribuir, requisitos estes originados nos principais objetivos relacionados ao nosso propósito inicial, aquilo que nos moveu a partir para este novo sonho a esta altura de nossas vidas, que são:

1 – Estimular novos empreendedores

2 – Desenvolver tecnologias emergentes

3 – Resolver um problema do mercado

4 – Criar valor para a sociedade

Baseados nestes 4 macro-objetivos, os requisitos são a base do programa e descrevem as condições de participação de novas startups, sendo por isso apresentados para os empreendedores que manifestam o interesse em ingressar no programa.

O pontapé inicial do Programa Reserve de Aceleração de Startups foi dado neste final de 2018, com a adesão das duas primeiras empresas, a MyView Soluções com Drones e o Ligaí Conexões Inteligentes, ambas integralmente alinhadas com os objetivos do programa e com seus requisitos.

O Ligaí é uma startup que nasceu dentro do Reserve ou seja, é uma outra empresa com outro CNPJ e outro corpo de acionistas, na qual o Reserve participa societariamente com tecnologia, gestão corporativa e mentoria executiva.

O Ligaí resolve problemas relacionados às integrações entre sistemas e mineração de dados aplicando robótica cognitiva e aprendizado de máquina

É o mesmo processo de aceleração de startup que estamos implementando na MyView, sendo que esta é uma empresa que já existe há 3 anos e está no precioso momento de começar a voar alto.

A pesquisa de soluções inteligentes com a aplicação de drones autônomos faz parte do negócio da MyView

Ambas foram idealizadas por jovens empreendedores, demandam tecnologia nos seus projetos dominantes, solucionam alguns problemas do mercado e criam valor para a sociedade.

Na MyView, utilizaremos AI para o desenvolvimento de drones autônomos (sem piloto remoto) e para reconhecimento de imagens complexas em inspeções técnicas, que é o atual core-business da empresa (plataformas offshore, linhas de torres de transmissão, tanques e ambientes confinados etc), substituindo procedimentos menos seguros e caríssimos, como helicópteros e/ou técnicos alpinistas.

No Ligaí, o sistema permite a criação de robôs que vasculham dados, higienizam, transformam, mineram e analisam padrões ocultos que se escondem dos relatórios comuns. Com o volume de informações que as empresas trabalham, o Ligaí, também com o uso de AI, tem a capacidade de separar o joio do trigo, os dados irrelevantes das informações cruciais, filtrar o que é mais importante para a tomada de decisão, tudo com máxima privacidade e segurança.

O Programa Reserve de Aceleração de Startups prioriza empresas que tenham sinergia de cultura, com empreendedores que alinhem valores e atitude empreendedora

Respondendo diretamente à pergunta do título, nosso propósito é estimular startups a resolver problemas reais do dia-a-dia, mas o que nos move mesmo nesta direção é o desejo de deixar um legado, seja de um aprendizado específico, de uma metodologia de gestão, de uma pesquisa científica ou mesmo de um estilo de vida em que trabalhar, produzir, correr riscos e gerar empregos são atividades totalmente compatíveis, ou mesmo condicionantes, para ser feliz.

Feliz Natal e um próspero, desafiador, produtivo e eficaz 2019 !

Em tempo: para contactar o Programa Reserve de Aceleração de Startups, envie email para: watc@reserve.com.br

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NA GESTÃO CORPORATIVA

Falar em disrupção tecnológica nos faz pensar em quantas inovações provocadas pela tecnologia testemunhamos neste século, que tem menos de 20 anos…

Inovação é uma palavra desgastada atualmente, tudo (ou quase tudo) se diz inovador, os termos novidade e inovação são frequentemente confundidos, por equívoco, por hábito ou por exagero mesmo.

Vamos então falar da verdadeira disrupção, da genuína inovação tecnológica, resumindo: a inovação disruptiva.

A mais recente foi mesmo a internet e não é nosso objetivo aqui discorrer sobre ela, assunto velho, manjado, presente em nossas vidas, em nossas mãos e mentes, 24 horas por dia. Apesar de jovem, cerca de 20 aninhos se considerarmos o início da aderência popular, praticamente uma menina no frescor da juventude, o fato é que a internet transformou-se num grande “museu de novidades”.

Se você acredita que, entre as diversas tecnologias em pesquisa e desenvolvimento nos laboratórios em todo o mundo, nehuma impactará tanto a nossa vida quanto a internet, é hora de rever seus conceitos.

A Inteligência Artificial vai superar a internet em termos de impacto disruptivo

1) O avanço da IA será estimulado pela própria internet e por uma indústria em ascensão, apesar de ainda pouco difundida no uso popular: a robótica cognitiva.

2) Os grandes players da tecnologia de massa (Microsoft, Apple, Google e Facebook) e os grandes marcas da indústria de bens de consumo (automobilística, eletroeletrônicos etc) investem muito dinheiro e esforço em IA, visando perpetuar seus negócios e sair na frente nesta que consideram a nova fronteira do comportamento humano.

3) Os algoritmos baseados em IA já superam algumas das maiores barreiras da inteligência humana, estabelecidas desde que o supercomputador Deep Blue da IBM venceu o campeão mundial de xadrez Gary Kasparov no final do milênio passado, e seu sucessor Watson, também da IBM, venceu 2 super-campeões do tradicional programa de conhecimentos Jeopardy, da TV americana, em 2011.

O super-computador Watson da IBM: pela primeira vez na história, a inteligência artificial venceu a inteligência humana

4) IA já tem capacidade de i) aprender e aplicar conhecimento, ii) entender, simular e reagir de acordo com o comportamento humano, iii) ensinar, ludibriar e emocionar um ser humano, iv) sentir emoções e reagir de acordo.

5) Cientistas já trabalham e avançam no que consideram o último elo deste caminho sem volta: o sentido ético, o discernimento entre o certo e o errado, aquilo que define a sociabilidade de um indivíduo, o elo que levará à capacidade de julgamento por IA…

IA + Big Data + IoT + Robótica Cognitiva, juntas, levarão a humanidade a uma nova ordem

Diante do desafio de encarar essa nova onda gigantesca, esse verdadeiro tsunami tecnológico que começa a se formar, algumas empresas de tecnologia tentam boiar para sobreviver, enquanto outras simplesmente mergulham, apesar do risco de não mais emergir.

Vertente fundamental da IA, o “machine learning” ou aprendizado de máquina significa um avanço tecnológico sem precedentes, tema de inúmeras pesquisas e teses de mestrado e doutorado, mas a verdade é que ninguém ainda faz ideia do quanto IA impactará o mercado de gestão corporativa.

O conceito de inteligência artificial considera a tomada de decisões a partir do processamento e análise de quantidade massiva de dados

Imagine um cenário em que você receberá uma oferta de transporte (avião, ônibus ou carro alugado), da melhor hospedagem (hotel, hostel ou Airbnb), do transfer (99taxi, Uber ou Cabify), recomendação de restaurantes e outros serviços diretamente em seu smartphone, tudo isso para as datas de uma viagem que você está ainda pensando em fazer…

Ou ainda um sistema de reservas em que seu cliente corporativo simplesmente fala para o smartphone o que deseja em quais datas, e o sistema responde com as melhores opções de serviços, após pesquisar online todos os fornecedores e cruzar a política de viagens da empresa com o perfil de preferências e comportamento do passageiro.

Nós decidimos surfar esta nova onda, Inteligência Artificial já faz parte de nosso roadmap de produtos em 2017

Não, isso não é ficção científica, esses são apenas exemplos de soluções já em desenvolvimento, sistemas que contarão com algoritmos de IA para antecipar a demanda do cliente, no momento em que ele deseja e na forma que ele aceita, tudo em compliance com as regras de negócio e com as políticas de despesas e viagens da empresa pagante.

Como se vê, o futuro chegou. Podemos desacreditar o inexorável ou até achar que não estaremos aqui para presenciar isso, mas em algum momento teremos que escolher entre sermos expectadores ou protagonistas desta nova realidade, que já está sendo considerada a Quarta Revolução Industrial.

.