ABAV CADA VEZ MAIS INCLUSIVA

Sempre participei de associações de classe relacionadas às nossas atividades empresariais, geralmente como integrante da diretoria, em cargos com pomposos títulos de diretor ou vice-presidente de alguma coisa, sempre contribuindo com a gestão de um colega em quem acredito e cujo projeto eu apoio.

Na política, vice-presidente é aquela função estranha, de quem está ali para ocupar o cargo do presidente no caso de seu impedimento, temporário ou permanente. Em associações é um pouco diferente, pelo menos nessas em que busco participar ativamente, onde o que se espera do vice-presidente é contribuir com a visão estratégica e apoiar sua execução de forma alinhada com a gestão vigente, trabalhando com interesse, motivação e algum denodo.

Poucas atividades empresariais reúnem tanta doação pessoal quanto o cargo efetivo numa associação de classe, onde você atua em prol do mercado ou, em última análise, você trabalha para os clientes, para os fornecedores e também para os seus concorrentes.

Parece estranho mas é isso mesmo, ao trabalhar pelo desenvolvimento do mercado, você ajuda a sua empresa, seus clientes e seu fornecedores, ao mesmo tempo em que também favorece todos os seus concorrentes, alguns que estão ali ao seu lado com o mesmo propósito, além de todos aqueles associados que não participam ativamente e de todos os outros empresários que nem associados são, apesar de atuarem na mesma atividade econômica.

Por tudo isso e por acreditar que uma associação é tão mais forte quanto sua representatividade no mercado em que seus associados atuam, afirmo que essa representatividade é estabelecida pela sua capacidade de gerar valor aos associados, pois é isto que estimula o interesse de novos associados, ampliando e renovando permanentemente o quadro associativo ao longo do tempo.

Como todos sabem, a ABAV é uma instituição que está evoluindo para tornar-se secular e, divergindo de algumas opiniões, eu acredito que a ABAV está mais forte do que nunca, pelo raro fato de reunir 3 atributos únicos para qualquer entidade empresarial:

1) A ABAV tem uma marca imbatível

O reconhecimento da marca ABAV é impressionante, gerando respeito e representatividade, tanto nos órgãos de governo, quanto entre os fornecedores e os clientes consumidores de viagens. Apesar de ser uma marca internacional, este brand recall é mais restrito ao nosso país, onde a marca ABAV é igual ao Pelé e ao Papa, você pode gostar ou não, mas todo mundo conhece ou já ouviu falar da Associação Brasileira de Agências de Viagens.

2) A ABAV tem uma capilaridade inigualável

Pode pesquisar no Google, não existe outra entidade com tamanha capilaridade: a ABAV é a única associação empresarial brasileira que possui associados em todo o território brasileiro e dispõe de bases orgânicas em todos os estados da federação. Não é por acaso que a ABAV Expo é o maior evento de viagens e turismo da América Latina, superando todas as demais feiras, exposições e congressos deste segmento econômico, incluindo os privados.

3) A ABAV tem um gigantesco potencial de crescimento

Apesar de já abrigar um enorme contingente de empresas associadas (mais de 2.500 segundo o último Censo Big Data ABAV, de 2017), o potencial de associados à ABAV vem crescendo ao longo dos anos e é estimado hoje em, pelo menos, 5.000 empresas, se considerarmos somente as agências  de viagens e turismo, conforme prevê o atual estatuto. Imagine então se a ABAV fosse ainda mais inclusiva…

Desde 2015, quando fui convidado pelo Edmar Bull a integrar a diretoria da ABAV Nacional, venho me perguntando por que então uma entidade com marca imbatível e capilaridade inigualável não aproveita este gigantesco potencial de crescimento?

E é sobre isso que pretendo discorrer aqui no Blog em próximos posts, pois na atual gestão do Geraldo Rocha, estamos diante de uma oportunidade singular de iniciar a virada deste jogo e transformar a ABAV na maior associação empresarial do país, em quantidade de associados, força política e resultados para o associado.

Siga o Blog e participe deste debate.

(continua em próximo post)

TIVEMOS 2 FÓRUM PANROTAS EM 2019: FOFURA X POLÍTICA

Parece mesmo que assistimos a 2 Fórum Panrotas em 2019 !

O primeiro foi em 19/03, caracterizado pela amenidade dos painéis, dos palestrantes e dos “debates”, tudo muito fofo…

O segundo foi em 20/03 e teve a política como mola mestra dos painéis, com o atuante Ministro do Turismo, o animado Governador do Estado do Rio de Janeiro e o mítico Procurador da República.

O FÓRUM PANROTAS 2019.1

Esquenta

A abertura com música ao vivo e a participação especial do The Voice Kid Pedro Miranda já deu o tom de fofura deste primeiro dia do Fórum Panrotas 2019.

Foi um esquenta sensacional.

Abertura do Fórum

A tradicional palestra de boas-vindas do anfitrião Guillermo Alcorta, sempre entremeada da mais pura emoção em todos as 17 edições do evento, ganhou proporções maiores quando ele anunciou, do alto de seus 80 anos e de sua belíssima trajetória como empresário de comunicação, que assim como já vem acontecendo na Editora Panrotas, o seu filho José Guilherme Alcorta assumiria o protagonismo e a liderança também do Fórum Panrotas.

Após um discurso emocionante do Guillermo Alcorta, seu filho José Guilherme Alcorta assumiu de vez a liderança da Editora e do Fórum Panrotas

Foi a conclusão mais transparente de um processo sucessório que eu já testemunhei, compartilhada ao vivo para as principais lideranças e influenciadores do mercado de viagens e turismo brasileiro.

Uma abertura carinhosa e inesquecível, ponto forte do evento deste ano.

Cenário Brasil – até onde vai a confiança do brasileiro?

Palestrante já conhecido e aprovado pelo público do Fórum Panrotas, Renato Meirelles nos fez pensar sobre a forma equivocada como os estrategistas de marketing abordam o público nas campanhas publicitárias.

Uma palestra gostosa de assistir.

O que falta para o turismo ser protagonista?

Com um tema do interesse de todos, o que seria um debate tornou-se um agradável bate-papo entre parceiros e nem tanto. Alexandre Moshe, Bruno Ladanski, Eduardo Bernardes e Luis Fogaça não divergiram, não tiveram nenhum contraditório, não apresentaram nenhuma provocação.

Até as respostas à pergunta final pareceram formar um jogral ensaiado, de tanta sintonia entre os painelistas.

Um painel quase amoroso.

Manu

Nada mais fofo do que a participação da Manu Vazquez como assistente de fotógrafo do Emerson, participando ativamente das atividades do querido Remi.

Manu brilhou.

Transformação digital

A palestra do Hamilton Berteli foi interessante, abordou um tema que, apesar de não ser novo, requer uma reanálise de tempos em tempos.

O executivo deu o seu recado.

O varejo online, offline e híbrido: como outros setores transformam a experiência de compra

O painel moderado pela Adriana Cavalcanti encontrou muito conteúdo na Beth Furtado, uma estudiosa do assunto, em contraponto às experiências vitoriosas, mas monocromáticas, da empreendedora digital Gabryella Correa e do empresário offline Marcelo Carvalho.

Apesar de ter sido um painel difícil de moderar, devido à disparidade entre as trajetórias e os perfis dos debatedores, Adriana mandou bem.

NDC: A transformação na distribuição aérea e experiência do viajante

A texana Kathy Morgan discorreu, pela visão GDS, sobre o New Distribution Capability da IATA. Apesar de demonstrar conhecer profundamente o assunto, em alguns momentos suas opiniões não deixaram claro se os GDSs apoiam mesmo ou estão sendo levados à investir no novo padrão da IATA.

Deixou sem resposta minha pergunta sobre a tentativa dos GDSs de manter o controle estratégico da distribuição através da aquisição dos principais players do NDC ao confirmar que não foi o GDS Sabre que comprou a Farelogix, mas sim o Sabre Airline Solutions…

Ah, então tá…

Solange Vabo, inspirada na Manu, fotografou parte da equipe do Panrotas – ambiente de muitos amigos no Fórum Panrotas

A relevância do influenciador na decisão de compra

Para quem não lembra, Maisa Silva foi aquela atriz-mirim (ou atriz-bebê) que contracenava no programa do Raul Gil e, posteriormente, no de Silvio Santos, dos 3 aos 4 anos de idade. Uma menina prodígio da comunicação que foi muitíssimo bem assessorada e surfou como ninguém a onda dos influenciadores digitais.

Hoje aos 16 anos de idade, com mais de 30 milhões de seguidores no Instagram, arrebatou a plateia com sua espontaneidade adolescente. Moderada por German Carmona, a participação da Maisa resumiu bem o primeiro dia do FP 2019:

Um Fórum Panrotas fofo…

O FÓRUM PANROTAS 2019.2

O ministro do turismo Marcelo Álvaro Antonio só trouxe boas notícias, tanto em relação a planos e metas futuras, quanto à realizações concretas nestes poucos dias de governo, com destaque para a isenção de vistos para turistas norte-americanos, canadenses, japoneses e australianos, a partir de junho de 2019, com potencial de dobrar o fluxo de turistas estrangeiros ao Brasil, até 2022.

Ponto para o governo Bolsonaro.

Segurança e Turismo: combinação que atrai investimentos e turistas

O governador Wilson Witzel foi pontual, apresentou-se com positividade, firmeza e otimismo, mostrando suas recentes ações na área de segurança pública no estado do Rio de Janeiro, que trouxeram resultados expressivos nos menos de 3 meses do novo governo, condição básica para a ampliação do fluxo turístico, doméstico e estrangeiro, para a Cidade Maravilhosa.

Ponto para o governador do Rio de Janeiro.

O governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, mostrou eficácia em ações objetivas na área de segurança pública

As palestras do Henrique Portugal – Inovação é uma questão de talento? –  e da Mariana Aldrigui – Uma nova análise dos números do turismo brasileiro – foram faces distintas de moedas diferentes.

Portugal fez uma apresentação lúdica e cativante sobre os impactos da tecnologia sobre a indústria musical, quase um recado à plateia de executivos do mercado de viagens e turismo: “Não, vocês não foram os únicos impactados”.

Já Mariana, uma estudiosa por excelência (como reafirmou e já sabíamos), fez uma apresentação interessante ao propor uma nova abordagem para a leitura dos dados estatísticos do turismo brasileiro. Uma análise técnica que nos fez refletir sobre o quanto os últimos governos fracassaram nas políticas e estratégias para desenvolvimento do turismo brasileiro. Há que se comparar os dados, sob esta mesma ótica proposta por Mariana, nos próximos 4 anos deste novo governo.

Os desafios das cias. aéreas brasileiras

William Waack moderou o bate-papo com os presidentes da Azul, Latam e Abrear sobre um tema tão intenso e complexo, que os 30 minutos reservados para o painel pareciam insuficientes. Com sua objetividade e franqueza, as respostas do gringo John Rodgerson, da Azul, conquistaram a plateia, um caso raro de sintonia à primeira vista, já que este parece ter sido o primeiro contato direto do presidente da Azul com o público.

Jerome Cadier, da Latam, acompanhava a plateia ao aplaudir respeitosamente o concorrente, o que levou Eduardo Sanovicz, da Abear, a discorrer sobre a união das cias. aéreas durante as reuniões da Abear, sempre quando tratando de temas importantes comuns a todas, como segurança. “Depois elas quebram o pau como qualquer concorrente”, afirmou.

Um painel entre associados.

Tempos de mudanças: a evolução do combate à corrupção e da promoção da ética no Brasil

Deltan Dallagnol, em sua segunda participação consecutiva no Fórum Panrotas, conquistou a plateia outra vez. Assistido com atenção e certa reverência pelo público, que o admira e tieta escancaradamente, o procurador símbolo da Lava-Jato surpreendeu ao manter o tom aguerrido e otimista a respeito dos rumos das investigações, apesar da recente e frustrante decisão do STF sobre a juridição dos crimes associados às campanhas eleitorais.

Integridade acima de tudo: o CEO do Reserve, Sidney Lima Filho, fez questão de uma foto com o Procurador da República, Deltan Dallagnol

A força da Lava-Jato reside em profissionais como Deltan, hoje literalmente idolatrado pelos cidadãos brasileiros. Parabéns ao Panrotas por trazer, de novo, uma figura da envergadura de Deltan Dallagnol para palestrar no Fórum.

A luta continua !