A Economia Compartilhada continua crescendo e…incomodando

A ‘Economia Compartilhada ou Colaborativa’, modelo de negócios baseado no uso em detrimento da posse, está se espalhando rapidamente em diversos setores….e despertando a ira dos segmentos tradicionais.

O assunto da semana foi o UBER, o aplicativo que está tirando o sono dos taxistas. Recém proibido em São Paulo, funciona, entre amor e ódio, em 57 países.

Conversei com 2 taxistas essa semana com visões muito diferentes:
1) ‘É um absurdo esse Uber, eles não pagam os impostos e taxas que pagamos, cobram mais barato, e roubam nossos clientes. Se for aprovado em São Paulo, vamos parar a cidade em protesto.’
2) ‘Acho que devemos responder com serviço.

Conectei direto com nosso já conhecido Airbnb. Que aliás, para quem não sabe, já afirmou estar aberto à ideia de vender para agências de viagens.

E em resposta aos processos movidos por hoteleiros pelo mundo, os executivos da Airbnb são taxativos: ‘Não somos concorrentes. Somos somente mais uma opção para o viajante.

Aliás, será que Uber e aptos. de pool de hotéis no Airbnb são mesmo parte da tal ‘economia compartilhada’ ou simplesmente mais um tipo de negócio?

Mas independente do que você pensa sobre eles, o fato é que  a escolha agora está 100% nas mãos do cliente.

E se você acha que uma proibição aqui outra acolá está freando a proliferação dessas start ups bilionárias, dá uma olhada em uma pequena amostra do que já existe por aí:
  • ezPark – pessoas físicas e varejistas com vagas desocupadas em determinados horários — podem oferecer o “aluguel” desses espaços, seja por algumas horas ou dias da semana.
  • Tripda – compartilhamento de caronas.
  • Gowalk – pessoas para passear com seu cãozinho.
  • Tem Açúcar – compartilha objetos (Exemplo: precisando de uma furadeira? Veja quem tem para emprestar em seu bairro)
  • Fleety – compartilhamento de carros entre pessoas físicas.
  • Pegcar – qualquer pessoa pode alugar seu carro à interessados em um veículo naquela região e período, que pode variar de uma hora à dias, de acordo com a disponibilidade.
  • Parkingaki – você aluga sua vaga de estacionamento.
  • Couchsurfing – um sofá amigo para dormir na casa de alguém.
  • Bliive – você pode dar aulas no assunto que domina.
  • Dogvacay ou DogHero – hospedagem para bichinhos de estimação.
  • Zopa – empréstimo de dinheiro (esse está esbarrando nas leis de vários países, incluindo o Brasil)
  • Borajunto – dividir a corrida de táxi.
  • Cabe na Mala – encontrar espaço na mala alheia para trazer produtos do exterior.
E o argumento da segurança não vale se você compra ou vende em sites como OLX, Mercado Livre ou Ebay, ok?! Isso sem falar sobre marcar encontros com pessoas que conheceu no Tinder (se nunca ouviu falar no Tinder, continue assim, ok?!).

E as grandes corporações também estão se aproximando do modelo compartilhado. A Toyota aluga carros de concessionárias selecionadas. A Mercedes Benz respondeu aos serviços de carsharing nos EUA com o Cars2Go, que permite alugar SmartCars por 38 centavos de dólar o minuto, com combustível, seguro e estacionamento inclusos.

E o Citibank patrocina um programa de compartilhamento de bicicletas na cidade de Nova York (sim, o Itaú copiou).

Em resumo, após tanta pesquisa e diversas leituras ao longo do tempo, compartilho 3 pensamentos:

  1. “O risco das empresas está em perder o espaço de intermediário entre os clientes, que agora se conectam uns com os outros.”
  2. O grande aprendizado para as empresas é que o relacionamento com os clientes mudou, é hora de libertar a empresa para ganhar o mercado.
  3. Agora cabe ao governo e às entidades reguladoras descobrir qual é o papel deles nessa economia pautada pelo compartilhamento.
Para se aprofundar no assunto, recomendo:
E você hoteleiro, como vai reagir aos serviços e futuras inovações do Airbnb? ‘Vai parar a cidade‘ ou ‘responder com serviço‘?
=======================================
Se gostou desse post, leia também:

Postagens relacionadas

Published by

Gabriela Otto

Gabriela é formada em Comunicação Social pela PUC/RS, Pós em Marketing pela ESPM, MBA Executivo pela FAAP/SP, Leader Coach (Personal e Professional) pela Sociedade Bras. de Coaching, além de inúmeros cursos de qualificação profissional, incluindo 2 certificações internacionais como Leadership Development Trainer e Business Impact Leadership Facilitator. Tem mais de 20 anos de experiência em empresas de grande porte como Caesar Park, InterContinental, Sofitel Luxury Hotels e Worldhotels, sendo a executiva responsável pela divisão América Latina nas duas últimas, o que lhe deu profundo conhecimento sobre gestão de pessoas, luxo e comercialização hoteleira. Além de CEO da GO Associados desde 2010, aceitou o convite para ser Presidente da HSMAI Brasil (Hospitality Sales and Marketing Association International) em 2014, é a principal Palestrante sobre Turismo de Luxo do país, Professora da Educação Executiva da ESPM, Criadora de renomados cursos como “Gestão e Estratégias do Turismo de Luxo” e “Revenue Management e Distribuição Hoteleira”, Articulista de diversos sites, e Blogueira desde 2008.

3 thoughts on “A Economia Compartilhada continua crescendo e…incomodando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *