Paris or not Paris, eis a questão

Difícil escolha no domingo passado, tantas coisas acontecendo que mal sabia o que fazer.

Dentre as atividades possíveis, estava bastante dividida entre ir ao Salão do Livro ou fazer como muitos outros parisienses e sair de Paris.

O Salão do Livro, que aconteceu do dia 20 ao dia 23 de Março no Pavilhão de Exposições de Porte de Versalhes, atrai anualmente quase 200 000 leitores. Em 2014, deste número, mais de 36 000 visitantes se situavam em uma faixa etária abaixo de 18 anos.

Leitora inveterada e ansiosa em legar este prazer ao caçula da família, sabendo que o salão dispunha de mais de 200m2 dedicados da literatura infanto-juvenil, já tinha ai argumento suficiente para o deslocamento até Porte de Versalhes. Além disso, o evento convida em torno de 3 000 autores para encontro com leitores, conferências e sessões de autógrafos. Para ajudar, o metro em linha direta, era gratuito neste domingo. Porém o argumento de maior peso era, sem dúvida, a homenagem que estava sendo feita ao Brasil. Como país em destaque o Brasil trouxe 29 autores e desfrutou de um espaço privilegiado na programação, tendo até um aplicativo para promoção de nossa literatura. Imaginem que o Martinho da Vila, sambista que escutei tanto graças ao meu falecido pai, estaria lá.

Apesar de tantos argumentos para ir ao salão, a ideia de escapar da cidade e ver o horizonte, dizer adeus às luzes de neon e as quatro paredes que nos cercam por mais de 40 horas por semana, sobretudo às vésperas do início de um rodízio de carros em Paris, me pareceu muito tentadora.

Sem saber o que fazer eu decidi utilizar uma técnica infalível adquirida em restaurantes de países estrangeiros. Quando não sei o que pedir, peço exatamente o que está comendo a maioria dos freguêses locais. Em viagem, se estiver em companhia de um amigo da nacionalidade do lugar confie nele. Então na hora da indecisão resolvi fazer o que fazem muitos parisienses que têm carro. Com a família e um amigo resolvemos fugir da cidade. “Outdoors” ai vamos nós! Na mochila: pão de natural, nozes e frutas para aguentar até a chegada ao restaurante há 100 km de Paris. Todos no carro direção à cidade medieval de Provins.

Valeu a pena? Valeu tanto a pena que nas próximas semanas vou contar para você aonde vão tantos parisienses que movimentam o mercado de turismo local enchendo as estradas nos fins de semana em busca de verde e também de história, aventura, arquitetura ou gastronomia. Enfim, aos olhos dos parisienses, vamos à busca da verdadeira França e sua “Art de Vivre” pertinho de Paris.

E como uma imagem vale mais que mil palavras…

11087190_803443549743875_1294339347_n (2)
Nossa creperia com vista para a praça
11081666_803601776394719_1069674823_n (2)
Uma das ruas de acesso a praça central
11072378_803600593061504_1268184812_n (2)
Paisagens arquitetônicas cortam a linha do horizonte
11051230_803601486394748_1094112375_n (2)
Em torno da praça central de Provins, um dos comércios de artesanato
11074779_803600736394823_168512509_n (2)
Praça central, Provins. A sua volta encontramos lojinhas,restaurantes e creperias
11086029_803600316394865_254624724_n (2)
Igreja Saint Quiriace exterior
11079275_803600193061544_5475209_n (2)
Igreja Saint Quiriace
11079830_803596349728595_633217019_n (2)
Igreja Saint Quiriace-no interior ogivas ovais e redondas, 2 momentos da construção religiosa: romana e gótica.
11020325_803580483063515_916172837_n (2)
Igreja Saint Quiriace
11039567_803576776397219_2007051865_n (2)
A cidade recebia feiras comercias importantes nesta época.
314048_422844581090482_182769268_n
Uma vez dentro das portas a visita se faz a pé.
961718_803602226394674_1431618217_n (2)
A Torre é unipresente na paisagem. Detalhe janela casa século XII
11084392_803601033061460_1864309061_n (2)
Servido (a)?
IMG_1473
Voltaremos em breve para ver os show de águias ou cavalos que acontecem nos fins de semana.
11075812_803601526394744_1962501229_n (2)
No primeiro domingo de primavera o turismo na cidade começa a se movimentar timidamente.
11072798_803601396394757_1368581449_n (2)
Simpatia no atendimento e comida fresca
11020367_803601909728039_662055783_n (2)
Restaurantes acolhem locais e visitantes
11040271_803600483061515_1580280940_n (2)
Torre Cesar, aberta para visita, esconde a vida de uma masmorra medieval e desvenda a paisagem do lugar.
IMG_1474
Muralhas cercam a pequena cidade
11038105_10152793537106818_3986890102315314650_n (2)
Sempre que posso levo os amigos em visita.Na foto meu amigo Fernando Santos
11076143_803588316396065_1567621727_n (2)
O rei Felipe Augusto em 1201, Joana D’Arc e Charles VII em 1429 e agora é a nossa vez de visitar a igreja construída em 1160.
11076166_803545933066970_338523677_n (2)
Brincando de cavaleiro sob uma das portas da muralha
11081713_803601313061432_774952234_n (2)
Como resistir ao chantilly fresquinho?
11081381_10152793522776818_3432889275013812723_n (2)
Livraria Medieval- foto Fernando Santos
255309_422794124428861_1789723355_n
100 quilómetros e uma paisagem diferente, ideal para uma escapada de um dia.
11084594_803601243061439_1308184523_n (2)
Simples e delicioso: crepe, cidra e agora falta o chantilly
318776_422844134423860_683813077_n
A cidade é sobretudo ideal para visita nos meses de verão, especialmente durante os animados fins de semana.

E então? O que achou da escolha?

Isso sem dizer que ainda não visitamos os 38 monumentos tombados pelo Patrimônio da Humanidade que se encontram em Provins. Outro dia voltamos!

Postagens relacionadas

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *