Paris em chamas? Fomos ver de perto

Eu imagino que todos viram as imagens das manifestações em Paris pela televisão. Difícil é saber se o que ouvimos corresponde mesmo a realidade. Então, aproveitei que estava nas imediações do Champs Elysées neste sábado e fui constatar com meus próprios olhos (e senso crítico) a situação. Paris estava mesmo em chamas?

Paris em chamas?  quem são os manifestantes

Aqui, quando vemos pela televisão, temos a impressão que grande parte dos manifestantes são vândalos e marginais, quando na realidade pude constatar que não era essa a situação.

Enquanto esperava para tomar um chocolate na Angelina, assistia o vai e vem de manifestantes

Pela manhã, enquanto aguardava para entrar na casa de chá Angelina da Rua Rivoli, pude observar a população passando, andando de lá para cá, aguardando a chegada de mais manifestantes. Pessoas comuns, pais de família, aposentados, trabalhadores (ou não) e jovens transitavam ainda calmamente.

A diversidade entre os participantes do movimento denominado Gilet Jaune se explica pelo fato do governo Macron ter imposto austeridade para toda população, com exceção das pessoas que fazem parte de sua classe social. E a lista é longa:

  • Retirou benefícios históricos da classe de ferroviários
  • Diminuiu o valor de aposentadoria de milhares de idosos
  • Modificou o sistema de acesso às escolas
  • Retirou a privacidade do cidadão, interligando sistemas informáticos administrativos
  • Fez reforma da previdência
  • Aumentou impostos prediais
  • Diminuiu impostos sobre investimentos em ações
  • Tratou os desempregados de preguiçosos em discurso oficial
  • Aumentou a gasolina e o diesel, diminuindo o poder aquisitivo das populações urbanas e rurais.
  • E por ai vai…

Paris em chamas? O ocorrido

Assim, em torno de duas horas da tarde, hora prevista para a manifestação, as tentativas de acesso à Avenida Champs Elysées pela população heterogênia se intensificaram. Encontrando obviamente maior resistência por parte das “forças da ordem”.

Para você ter uma idéia, no total 10 000 bombas de gás lacrimogênio foram utilizadas sábado dia 1° de dezembro em Paris.

Neste mesmo momento, um cenário parecido se repetia em volta do Arco do Triunfo. Porém lá, não uma, mas doze ruas convergem para a entrada da Avenida Champs Elysées. Ali os manifestantes parecem ter vindo em maior número munidos de máscaras anti-lacrimogênio e, além disso, a situação geográfica permitia a união daqueles com intensões menos pacíficas.

O que era para ser uma manifestação pacífica no Champs Elysées, sob a recusa de acesso e chuva de bombas de gás lacrimogênio, tomou ares de insurreição. Os “confrontos” fizeram 133 feridos, incluindo 23 membros das forças de segurança e levou à prisão  412  pessoas , de acordo com um relatório fornecido pela prefeitura de polícia neste domingo.

Tanto na região da Rua Rivoli, onde eu estava, como nas proximidades do Arco do Triunfo, uma minoria atacou janelas de bancos e o mobiliário urbano (como abrigos de ônibus e alguma decoração). Construíram barricadas usando o que encontravam à frente. Na luxuosa Avenida Foch, incendiaram vários veículos e entraram em confronto com a polícia. Pixaram o Arco do Triunfo.

Então quem viu horrores na telinha pode ficar na dúvida se pode ou não confirmar ou vender Paris.

Manifestantes se dirigem a Praça Vendôme, que ficou intacta.

Paris em Chamas? A verdade

Por essa razão achei importante lembrar que os danos anunciados como o fim do mundo pela imprensa e inaceitáveis pelos governantes foram, no entanto, limitados a um perímetro de 2,0 km em volta de uma avenida e ocorreram precisamente entre 14h e 18h30.

Meu amigo Denison, vindo dos EUA como turista, achou interessante participar do evento e registrar presença com selfie

 

Diga-se de passagem, os manifestantes estavam em situação de superioridade e teriam capacidade de devastar muito mais se fossem todos vândalos. Vi muita gente, entre os mais agitados, ali presente para “fazer número” e acalmando situações de tensão.

Vi idiotas depredando? Vi sim. Para um deles gritei evitando que quebrasse a vitrine de uma joalheria “- Não faça isso, é um comerciante, um trabalhador”  O jovem de cabelos loiros e cacheados como um anjo me dirigiu seu olhar sorrindo e respondeu “ – Queremos tocar as grandes empresas , ele tem seguro.” Insisti: “- É um trabalhador, eu sei o que é isso.” E assim, em um segundo, olhou à sua volta com ares de revolucionário buscando outro jeito de expressar sua frustração e se foi…

 

Paris em chamas? O que fazer

Simultaneamente, meu amigo Denison, que estava hospedado no Westin Vendôme, em plena região de “confrontos” não pode deixar de ser turista e ir fotografando as belezas que encontrava.

Enquanto isso o Champs Elysées, vázio, numa imagem surreal, brilhava impávido, na maior calma se resguardando para acolher parisienses e visitantes.

Então para aqueles que já estão com viagem marcada ou se questionando fica a dica: se houver movimento Gilet Jaune durante o período da estadia ( o que é pouco provável) o mais simples é evitar o perímetro das manifestações durante as 4 horas em que elas acontecem. E no mais aproveitem!

Paris não está em chamas! Paris está linda sob as luzes de Natal, reivindicações aqui fazem parte das tradições e assim, a vida continua normalmente.

A poucos minutos da região dos Champs Elysées, a vida continuava normalmente em Paris

 

 

Postagens relacionadas

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

4 thoughts on “Paris em chamas? Fomos ver de perto

  1. Oi, Silvia,

    Assisti, aqui dos EUA, às manifestações de Paris e tive esta exata percepção.

    Enquanto a imprensa se esforçava por demonizar as ocorrências, comentei que pouco ou nada deve ter influenciado para os milhares de turistas hospedados ou transitando pela cidade naquele momento.

    Paris segue, linda e impávida.

    []’s

    Luís Vabo

  2. De fato a imprensa fez questão de mostrar um cenario de guerra civil, porém a realidade foi outra. O Turista pôde passear por Paris que continua linda e maravilhosa nesta época do ano.

    Otimo post, o mais realista sobre o assunto 🙂

  3. Boa Noite Silvia,
    Gostei da sua atualização sobre o acontecimento em Paris, estarei indo dia 20/12 e retorno dia 26/12, li nos noticiários sobre uma nova manisfestação dia 08/12, inclusive vários pontos turísticos estarão fechados, isso procede?
    Será que você poderia me atualizar?
    A Champs Elysee está enfeitada?
    Obrigada
    Feliz Natal e feliz Ano Novo!

    1. Oi Fernanda
      Perdoe, não vi seu recado antes do dia 8. Sim, alguns pontos fecharam. Eu fui sentar em um café, comer um pato “confit”, meu filho de 14 anos passou o dia brincando na praça des Halles com amigos, estamos a situados a menos de um quilômetro dos Champs Elysées e tudo estava normal. O Champs Elysées continua enfeitado maravilhosamente. Você vai adorar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *