Paris em chamas? Fomos ver de perto

Eu imagino que todos viram as imagens das manifestações em Paris pela televisão. Difícil é saber se o que ouvimos corresponde mesmo a realidade. Então, aproveitei que estava nas imediações do Champs Elysées neste sábado e fui constatar com meus próprios olhos (e senso crítico) a situação. Paris estava mesmo em chamas?

Paris em chamas?  quem são os manifestantes

Aqui, quando vemos pela televisão, temos a impressão que grande parte dos manifestantes são vândalos e marginais, quando na realidade pude constatar que não era essa a situação.

Enquanto esperava para tomar um chocolate na Angelina, assistia o vai e vem de manifestantes

Pela manhã, enquanto aguardava para entrar na casa de chá Angelina da Rua Rivoli, pude observar a população passando, andando de lá para cá, aguardando a chegada de mais manifestantes. Pessoas comuns, pais de família, aposentados, trabalhadores (ou não) e jovens transitavam ainda calmamente.

A diversidade entre os participantes do movimento denominado Gilet Jaune se explica pelo fato do governo Macron ter imposto austeridade para toda população, com exceção das pessoas que fazem parte de sua classe social. E a lista é longa:

  • Retirou benefícios históricos da classe de ferroviários
  • Diminuiu o valor de aposentadoria de milhares de idosos
  • Modificou o sistema de acesso às escolas
  • Retirou a privacidade do cidadão, interligando sistemas informáticos administrativos
  • Fez reforma da previdência
  • Aumentou impostos prediais
  • Diminuiu impostos sobre investimentos em ações
  • Tratou os desempregados de preguiçosos em discurso oficial
  • Aumentou a gasolina e o diesel, diminuindo o poder aquisitivo das populações urbanas e rurais.
  • E por ai vai…

Paris em chamas? O ocorrido

Assim, em torno de duas horas da tarde, hora prevista para a manifestação, as tentativas de acesso à Avenida Champs Elysées pela população heterogênia se intensificaram. Encontrando obviamente maior resistência por parte das “forças da ordem”.

Para você ter uma idéia, no total 10 000 bombas de gás lacrimogênio foram utilizadas sábado dia 1° de dezembro em Paris.

Neste mesmo momento, um cenário parecido se repetia em volta do Arco do Triunfo. Porém lá, não uma, mas doze ruas convergem para a entrada da Avenida Champs Elysées. Ali os manifestantes parecem ter vindo em maior número munidos de máscaras anti-lacrimogênio e, além disso, a situação geográfica permitia a união daqueles com intensões menos pacíficas.

O que era para ser uma manifestação pacífica no Champs Elysées, sob a recusa de acesso e chuva de bombas de gás lacrimogênio, tomou ares de insurreição. Os “confrontos” fizeram 133 feridos, incluindo 23 membros das forças de segurança e levou à prisão  412  pessoas , de acordo com um relatório fornecido pela prefeitura de polícia neste domingo.

Tanto na região da Rua Rivoli, onde eu estava, como nas proximidades do Arco do Triunfo, uma minoria atacou janelas de bancos e o mobiliário urbano (como abrigos de ônibus e alguma decoração). Construíram barricadas usando o que encontravam à frente. Na luxuosa Avenida Foch, incendiaram vários veículos e entraram em confronto com a polícia. Pixaram o Arco do Triunfo.

Então quem viu horrores na telinha pode ficar na dúvida se pode ou não confirmar ou vender Paris.

Manifestantes se dirigem a Praça Vendôme, que ficou intacta.

Paris em Chamas? A verdade

Por essa razão achei importante lembrar que os danos anunciados como o fim do mundo pela imprensa e inaceitáveis pelos governantes foram, no entanto, limitados a um perímetro de 2,0 km em volta de uma avenida e ocorreram precisamente entre 14h e 18h30.

Meu amigo Denison, vindo dos EUA como turista, achou interessante participar do evento e registrar presença com selfie

 

Diga-se de passagem, os manifestantes estavam em situação de superioridade e teriam capacidade de devastar muito mais se fossem todos vândalos. Vi muita gente, entre os mais agitados, ali presente para “fazer número” e acalmando situações de tensão.

Vi idiotas depredando? Vi sim. Para um deles gritei evitando que quebrasse a vitrine de uma joalheria “- Não faça isso, é um comerciante, um trabalhador”  O jovem de cabelos loiros e cacheados como um anjo me dirigiu seu olhar sorrindo e respondeu “ – Queremos tocar as grandes empresas , ele tem seguro.” Insisti: “- É um trabalhador, eu sei o que é isso.” E assim, em um segundo, olhou à sua volta com ares de revolucionário buscando outro jeito de expressar sua frustração e se foi…

 

Paris em chamas? O que fazer

Simultaneamente, meu amigo Denison, que estava hospedado no Westin Vendôme, em plena região de “confrontos” não pode deixar de ser turista e ir fotografando as belezas que encontrava.

Enquanto isso o Champs Elysées, vázio, numa imagem surreal, brilhava impávido, na maior calma se resguardando para acolher parisienses e visitantes.

Então para aqueles que já estão com viagem marcada ou se questionando fica a dica: se houver movimento Gilet Jaune durante o período da estadia ( o que é pouco provável) o mais simples é evitar o perímetro das manifestações durante as 4 horas em que elas acontecem. E no mais aproveitem!

Paris não está em chamas! Paris está linda sob as luzes de Natal, reivindicações aqui fazem parte das tradições e assim, a vida continua normalmente.

A poucos minutos da região dos Champs Elysées, a vida continuava normalmente em Paris

 

 

Por que Paris é a cidade das luzes?

Se hoje os edifícios de cidades como Nova York e Hong Kong ficam iluminados todo o tempo, enquanto Paris reage ao aquecimento climático e apaga as suas luzes a noite, a cidade já foi ( e continua sendo) referência mundial em matéria de iluminação. Para entendermos a origem talvez devêssemos voltar ao século XVII, durante o reinado de Louis XIV. Naquele momento o rei e seu ministro Jean-Baptiste Colbert tentavam por todos os meios cessar a criminalidade que atormentava a cidade. Graças à iniciativa do então tenente-general da polícia Gilbert Nicolas,  em 1667, decidiu-se iluminar a cidade e seus becos escuros com lanternas e tochas.

As primeiras lamparinas

Simultaneamente, os moradores foram incitados a iluminar suas janelas usando velas e lâmpadas de óleo. Uma mudança louvada em vários textos da época testemunhando que visitantes e parisienses se encantavam ao ver tal empreendimento. Alguns dizem que foi neste momento que Paris ganhou o apelido de City of Lights.

 

Já a partir de 1763 as ruas de Paris começaram a brilhar sob as lâmpadas a óleo, o que também foi uma grande inovação para o período. Em 1878, durante a exposição universal de Paris, vários lugares e avenidas foram equipados com velas “Yablochkoff”, um tipo de lâmpadas a base de arcos elétricos. Essas novidades eram de grande impacto quando, naquela época, Paris já rivalizava com Londres sua notoriedade e modernismo. Um ano depois Thomas Edison fundou a Edison Electric Light Company. Não demorou muito e a partir de 1880 em Paris as lamparinas a gás começaram a ser substituídas pelas luminárias elétricas.

Lamparinas de Yablochkov . Avenida da Opera
Luminária séculos XIX e século XX

 

 

 

 

 

 

As explicações que justificam o apelido “City of Lights” são hipóteses, eu, pessoalmente prefiro pensar que Paris é a cidade das luzes graças ao Iluminismo, a noção de igualdade entre os homens pregada por filósofos como Voltaire, Montesquieu, Rousseau, Molière.

Porém tudo isso são detalhes sem importância para muitas pessoas que estão aqui neste momento e que partirão certos de que Paris é incontestavelmente a cidade das luzes, não foi sequer preciso saber por que motivo. Bastou curtir! Veja algumas imagens e receba com elas meus votos de muita luz, paz, saúde e prosperidade para seu 2018 meu querido leitor.*

 

*Na França os votos de feliz ano novo são feitos no decorrer de janeiro.