Mais fake numbers (ou esqueceram de combinar com os russos?)

Desde ontem, 8/2/2018, a imprensa está avida por números do Carnaval. E tem muita gente séria colaborando com os dados.

Quando são divulgados de maneira independente, e o repórter não tem tempo de verificar a veracidade ou plausibilidade, muita gente nem desconfia. Mas quando a gente vai anotando e fazendo as contas, chegamos a cenários como o que descrevo abaixo.

– A plataforma AirBnB divulgou dados indicando que 158 mil pessoas fizeram reservas para passar o Carnaval em São Paulo (confiabilidade: alta);

– A ABIH espera que a ocupação hoteleira da cidade atinja 45% durante o Carnaval (confiabilidade: média, já que nem todos os hotéis da cidade são associados)

– A SPTuris informa que a cidade possui 410 hotéis e 42.000 UHs (confiabilidade: alta);

– A SPTuris informa, já há algum tempo, que a média de turistas que visita a cidade e fica em casa de parentes é de 30% (confiabilidade: média, esse número pode variar sempre);

– A CET indica que 1,9 milhão de veículos deixarão a cidade, o que nos leva a, no mínimo, 3,8 milhões de pessoas a menos no período (confiabilidade: média)

Cabe lembrar que uma parte significativa dos paulistanos não estará aqui – cerca de 25% dos moradores. Pela pirâmide etária, há dois grupos que praticamente não participam – idosos acima de 80 anos e crianças menores de cinco anos, além de que estas últimas não entram em conta de gastos por pessoa. Há uma boa parte de paulistanos que não gosta de Carnaval e não sairá de casa para a festa na rua. E tem o pessoal hospitalizado, que entra no calculo da população, mas não pode ir sambar este ano.

A prefeitura, em diferentes canais, verbalizou que o Carnaval de São Paulo deve ter 7 milhões de pessoas, dos quais 30% são turistas. Não fez destaque metodológico indicando que a mesma pessoa está sendo contada todos os dias, de modo que o leitor considera que são 7 milhões de indivíduos. Alguns jornais foram mais contidos e disseram 4,8 milhões de pessoas.

Às contas, então:

Conta um – Se forem 7 milhões de pessoas, 30% de turistas equivalem a 2,1 milhões. Subtrai-se 160 mil do Airbnb e 840 mil (40%) que podem ficar em casa de parentes. Então tem-se 1,1 milhão se hospedando em hotel. Se apenas 45% está ocupado, tem-se então 18.900 UHs com pessoas. Isso dá cerca de 58 pessoas por quarto.

Conta dois – Tome-se  4,8 milhões de pessoas, e mantendo as proporções. 30% de turistas serão 1,44 milhão de indivíduos. 576 mil (40%) vão para casa de parentes. Então sobram 704 mil turistas, ocupando 45% dos quartos de hotel, o que reduz um pouco a turma em cada em quarto para “apenas” 37 pessoas.

Qualquer uma das duas hipóteses é tão descaradamente exagerada que mesmo que se considere que a mesma pessoa foi contada 4 vezes, ainda assim fala-se de quartos duplos com mais de 5 pessoas por noite, o que quase nenhum hotel de São Paulo aceita.

As fontes dos dados estão listadas nos links abaixo, para quem quiser conferir.

Quem sabe no ano que vem a gente combina antes, ou faz um curso de matemática básica para não correr o risco de passar tanta vergonha.

Fontes:

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/02/feriado-de-carnaval-tera-rodizio-suspenso-estradas-lotadas-e-muito-calor-em-sp.shtml

http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,folia-de-rua-surpreende-ate-os-blocos-se-consolida-em-sp-e-reune-milhoes,70002178023

Globo http://g1.globo.com/sao-paulo/sptv-2edicao/videos/t/edicoes/v/turistas-de-carnaval-devem-preencher-45-dos-quartos-de-hoteis-em-sp/6481067/

 

Postagens relacionadas

Published by

Mariana Aldrigui

Professora e pesquisadora de Turismo na Universidade de São Paulo (USP)

8 thoughts on “Mais fake numbers (ou esqueceram de combinar com os russos?)

  1. 45% taxa de ocupação, como calculam isso?
    Outro número “mágico” Sampa recebe 15. Milhões de visitantes por ano.
    Como calculam isso?

    1. Certamente são mais de 15 milhões, Orlando, pois estes dados são calculados a partir de fontes como Infraero, Abear, Socicam e outros. A questão é como se estima o gasto e qual o argumento político pró turismo a partir dos números.

  2. Parabéns pela análise detalhada, Mariana. Mas, principalmente, parabéns por chamar o tema para uma análise mais séria e responsável. Diariamente deparamo-nos na mídia com uma série de dados que não passariam do segundo “Por quê?” de uma criança.

  3. Mariana, faço minhas as palavras do Roberto Vertemati!
    Parabéns pelo tema, sempre controverso e maltratado no nosso setor aqui no país, e mais ainda pela boa matemática!
    Como alguém que sempre trabalhou com pesquisas e números, através dos dados produzidos pela minha empresa (DIGITUR), sempre para o setor e desde 1981, fico feliz de chegar no século XXI lendo os dois bons textos que você produziu e que certamente são produto da sua reflexão acadêmica apurada ao longo do tempo. Confesso que minhas esperanças por um futuro com dados mais transparentes e confiáveis renascem e se revigoram….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *