Minha trajetória

Por Natália Chinaqui

Tenho 25 anos e trabalho na Top Service Turismo – Incentive Travel & Events. A Top Service hoje é uma das maiores agências de incentivo da América Latina. No ano de 2010 realizamos a maior viagem de incentivo do Brasil, com 1200 convidados. Com a expansão do ramo de eventos e como a maioria dos nossos clientes, além fazer as viagens de incentivos tem muitos briefings destinados a lançamentos de produtos, hoje além de trabalharmos com o incentivo temos um departamento destinado a eventos na agência.

Minha trajetória na Top começou em agosto de 2011, eu entrei para fazer um job no departamento de “Atendimento ao Convidado”, na época estávamos operando uma viagem de uma famosa montadora de carro que estava levando donos de concessionárias do Brasil para acompanhar o lançamento de um carro em Punta del Este. Inicialmente o job seria para 03 meses, após embarcado o grupo eu fui convidada para permanecer na agência.

No atendimento eu era responsável por confirmar presença dos convidados nas viagens, dar andamento em solicitações de extensões de passagens aéreas, hospedagens,  prestando todo suporte necessário para convidado até o momento do seu embarque. Após 02 anos de atendimento, fui convidada a assumir um novo cargo dentro do departamento chamado Back Office, que surgiu por meio de uma implantação feita pela empresa, onde o objetivo era filtrar e centralizar as informações em uma única pessoa e distribuir para as demais atendentes.

Como Back Office eu participava de reuniões pré e pós viagem, montava cronogramas, controle de banco de horas, atestados médicos, acompanhava e dava suportes em plantões de embarque e desembarque de convidados além de acompanhar toda a rotina do departamento, oferecendo e buscando o suporte necessário para os atendentes.

Fiquei 04 anos no atendimento, primeiro como atendente e depois como Back Office.  Esse departamento em especial recebe muito feedback e treinamentos com gestores e sempre demonstrei o interesse em trabalhar com operações em campo.

Operações em Campo é responsável de todo material dos guias que acompanham os grupos. Temos um documento chamado “Day by Day”, nele descrevemos o passo a passo de todos os serviços contratados pelo cliente, nos mínimos detalhes, além de preparar cash, uniformes dos guias e etc.

Em 2015 a empresa passou por uma enorme reformulação e a o departamento de operações em campo estava desfalcado, contando apenas com uma estagiaria. Com essa reformulação, fui convidada pela gestora do departamento a assumir o cargo de assistente de operações em campo.

Existia um medo muito grande primeiro porque eu estava saindo de uma “zona de conforto”, segundo pela quantidade de detalhes, por exemplo, se você sinaliza que o cliente tem direito a um espumante durante um passeio de balão e isso não for uma verdade, pode causar um transtorno enorme em campo e terceiro pelo desafio que sempre dá um frio na barriga, mais eu me “joguei” e estou amando.

Agência é uma loucura, temos o pic de 1º semestre (Março, Abril, Maio e Junho) e 2º semestre (Agosto, Setembro, Outubro e Novembro), são meses que a superação é testada a cada minuto, principalmente pelo fato de eu ser CLT e fazer faculdade.

Essa semana será “minha prova de fogo”, minha gerente saiu de férias e eu “assumo” o departamento por 15 dias até ela retornar. Os nervos estão aflorados, no final sobrevivemos, sempre!

 

Surpresa e aprendizado: meu trabalho!

Por Késsia Araújo

Comecei a minha carreira profissional estagiando em uma agência muito conhecida no mercado de luxo, a Teresa Perez Tours. Não me imaginava no segmento de agenciamento, mas foi algo que me surpreendeu, é uma área pela qual eu me apaixonei e pretendo me especializar futuramente.

A TPT nos proporciona aprendizado constantemente, através de treinamentos com os representantes de hotéis e fornecedores e com os próprios colaboradores, que relatam em reuniões os países e cidades que conheceram. Toda semana temos o momento “Experiência”, onde é sorteado um consultor para relatar uma experiência que proporcionou ao seu cliente. A empresa é conhecida por vender experiências e não somente viagens, por isso há toda essa valorização de seus diretores e presidente para que possamos dominar cada vez mais os destinos que vendemos e proporcionarmos momentos inesquecíveis para os nossos clientes.

Comecei meu estágio no atendimento direto ao cliente, em abril mudei de departamento, fazendo parte de agências, ou seja, além de agência de viagem, a empresa é consolidadora, fornecendo serviços para agências de porte menor. Como todo estagiário na empresa, eu sou responsável por fazer os materiais de viagens dos clientes, deixando detalhado seu dia a dia, faço reserva de restaurantes e peço para todos os hotéis atenção especial aos nossos clientes.

Esse estágio me permitiu e me permite ver na prática aquilo que estudamos em sala, a essência do Turismo, que é a arte de receber; aprendo sobre as melhores logísticas para cada destino; compreendi a importância de um serviço personalizado, agregando valor àquilo que fazemos; a filosofia nos mostra a importância do trabalho em equipe, onde uma viagem só sai perfeita com a parceria entre o consultor e o operador; enfim, com este trabalho só pude agregar coisas boas para minha vida pessoal e principalmente profissional.

Amadurecimento profissional e pessoal.

Por Lara Rodrigues

No inicio do mês de abril de 2016, comecei a estagiar na agência Top Service, localizada no bairro Alphaville. Diferente de todas minhas experiências profissionais anteriores, a Top Service é pioneira no Brasil em viagens e eventos de incentivo, sendo líder no mercado e satisfazendo seu leque de clientes fiéis com a ideia de experiências únicas a cada viagem. Contando com 100 funcionários, a agência se divide em departamentos: Comercial, Corporativo, Sales Presentation, Cotação, Operações Terrestres, Operações Aéreas, Eventos e Atendimento ao Passageiro. Atuo como estagiária no departamento de Operações Terrestres, e estou inclusa na equipe dedicada a um dos clientes mais importantes da casa.

No momento que comecei a estagiar, o projeto estava no meio e a mil por hora. Consistia em uma viagem de mil premiados de uma empresa para Los Cabos, no México. Premiados de toda parte do país que embarcariam para o destino no final de julho. Minha função foi ser o auxílio da equipe, principalmente na logística nacional (hotéis, transporte, receptivo) e no controle financeiro. Chequei mil passaportes e vistos para ter a certeza que todos iriam embarcar sem nenhuma complicação. Dia após dia, fui entrando de cabeça no projeto. Meu trabalho aumentava conforme a data de embarque se aproximava. No dia do embarque dos passageiros, fui convocada para fazer parte da equipe de auxilio embarque no Aeroporto de Guarulhos, confesso que foi uma realização conhecer a maioria dos passageiros e ver de perto a felicidade no rosto de cada um.

Após o retorno da viagem, minha equipe me introduziu em outros projetos e foi onde fiz meu primeiro break para o cliente. Break é a planilha de custos que o operador terrestre desenha para a viagem do cliente, nele está incluso tudo o que o cliente solicitou para cotar na viagem (hospedagem, atividades, festas) e algumas sugestões que oferecemos, conseguindo uma exclusividade diante dos concorrentes. A imaginação e a criatividade são as duas chaves principais para a montagem de uma viagem, e estou aprendendo cada dia a desenvolver melhor essas habilidades. No contrato meu estágio está previsto para acabar em março de 2017. Caso me contratem no ano que vem, ficarei feliz, me sinto bem na agência e as pessoas são maravilhosas além da vantagem da agência ser localizada apenas 10 minutos da minha casa. Caso contrário, irei levar como uma experiência única na minha vida e vou seguir atrás do meu destino. A forma como amadureci tanto no profissional, quanto no pessoal ficará eternizada na minha carreira e sempre vou agradecer a toda minha equipe por isso, pois cheguei aqui vazia de conhecimento e com toda a certeza do mundo sairei um pouco mais evoluída e preparada para o mercado.

 

Ser empreendedora…

Por Samira Bechara

 

Sou proprietária de uma agência de viagens (uma microempresa individual), chamada LEVART, localizada em Osasco, São Paulo. Em meu trabalho busco satisfazer ao máximo as necessidades dos meus clientes. Ao chegar na agência, logo verifico os e-mails para entrar em contato com possíveis fornecedores ou clientes. Busco as melhores tarifas tanto da parte aérea quanto terrestre para poder transmitir aos passageiros.

Procuro atualizar o website da empresa, bem como as contas das redes sociais (Facebook e Instagram); desenvolvo folhetos informativos para a realização do marketing da minha agência.

Verifico também, a contabilidade do estabelecimento bem como os impostos a pagar, lucro, despesas e gastos. Vou ao banco realizar transações importantes e faço algumas visitas técnicas em busca de contatos para a realização de vendas.

Como é possível notar, ser a própria chefe não é tão simples como imaginamos. Há milhares de outras preocupações e atribuições que não se tem sendo funcionário de uma empresa, pois não tenho férias, não tenho horário de entrar e sair do trabalho, não tenho alguns benefícios como vale refeição e afins.

Desde 2014, tenho participado de diversas feiras e congressos (como a World Trade Market, a ABAV, a Conotel, a EXPO Disney, a feira da CVC, da Agaxtur, etc.), para me atualizar na área, recolhendo materiais e fazendo contato com as empresas presentes nos eventos com o intuito de realizar parcerias com a agência, buscando sempre um leque de destinos para ofertar aos clientes.

Além de me manter atualizada, procuro sempre planejar minhas metas a longo prazo, para isso busco orientação de profissionais como os do SEBRAE, que desde o início da abertura da empresa me auxiliaram para obter êxito.

Embora pareça complicado, empreender sempre foi um sonho meu, estou disposta a assumir riscos, porque tenho disciplina, determinação e sou persistente naquilo que almejo. Sei que não será uma jornada fácil, principalmente devido ao atual momento econômico do país, porém estou comprometida e disposta a enfrentar todos os possíveis desafios.

Experiências vividas durante o estágio

Por Isabella Ciriaco

 

Inevitavelmente todos que estão na faculdade passam por um drama chamado: procurar estágio. Ainda que o Turismo ofereça uma lista quase infindável de opções, conseguir um estágio pode ser uma tarefa não tão fácil e a saga de entregar currículos, realizar entrevistas e receber feedbacks negativos se repete algumas vezes até finalmente conseguir uma resposta positiva.

Minha procura começou durante o 2º semestre da faculdade, assim que terminei o curso técnico de guia de turismo. Toda semana recebia uma enxurrada de e-mails com vagas nos mais diferentes tipos de estabelecimentos e mandei meu currículo para todas. Fui chamada para fazer entrevista em algumas, porém não fui aprovada em nenhuma. Por quê? Existem muitas vagas, mas em contrapartida também existem muitos profissionais no mercado, além disso o fato de não possuir nenhuma experiência profissional sempre pesava de forma negativa: durante algumas dinâmicas conheci pessoas que já haviam se formado e procuravam vagas como recepcionistas de hotel.

Minha chance veio a partir de uma indicação de uma professora que sugeriu uma agência que havia sido recentemente aberta. Mandei meu currículo e durante a entrevista, a supervisora não fez muitas perguntas, simplesmente pediu que eu redigisse um texto sobre Cartagena das Índias com os recursos disponíveis. Ela gostou do meu texto e hoje, além de preparar orçamentos, escrevo sobre destinos de viagem.

Geralmente, todos visam estagiar em grandes empresas e traçar um plano de carreira ao longo dos anos, mas trabalhar em uma agência pequena me permite ter contato com todas as áreas da empresa, desde o contato com o cliente à conversa com o fornecedor, e garantiu um aprendizado incrível. Uma das experiências mais gratificantes foi poder participar da 43ª ABAV Expo Internacional de Turismo no ano 2015 com um crachá que dizia “agente de viagem” ao invés de “estagiária”. O simples gesto da minha agência de me inscrever no evento permitiu que eu pudesse ter um contato diferente com fornecedores e operadores. Me senti uma profissional valorizada de fato (não apenas uma ajudante) e pude aplicar meu conhecimento de agências em conversas que alguém que não fosse da área dificilmente entenderia. A ideia de fechar negócio, procurar empresas para firmar parcerias, tudo me fez sentir no caminho certo.

Por fim, para aqueles que ainda estão buscando uma vaga no mercado sempre vale a pena pedir recomendações de professores e colegas, sempre que possível participar de palestras, realizar trabalhos voluntários e fazer cursos na sua área para compensar a falta de experiência no currículo e o mais importante: nunca deixar passar uma oportunidade que não pareça promissora. Sempre vale a pena continuar tentando.

Atendimento ao cliente: o papel do estagiário

Por Letícia Knupp

 

Pensando no atual mercado de trabalho que está cada vez mais competitivo, o estagiário tem ganhado cada vez mais atribuições e responsabilidades, e deve estar cada vez mais capacitado em todos os aspectos, seja aprendendo um novo idioma, ou algum sistema ou mesmo lidando com situações inusitadas.

Contando um pouco da minha vivencia como estagiaria dentro de uma franquia da maior operadora de turismo do Brasil, é gratificante ter novas experiências diariamente, lidar com clientes é uma missão bastante interessante, pois todos os dias são pessoas com perfis e necessidades diferentes, trabalhar vendendo sonhos é extramente prazeroso, requer paciência, motivação, jogo de cintura e um sorriso no rosto sempre.

No inicio como tudo que se está aprendendo nada é muito fácil, são vários detalhes que você vai aprendendo com o tempo, a linguagem mais correta para cada tipo de atendimento, pois alem do cliente que vai diretamente à loja, tem o cliente que telefona, o cliente que contata através de email e o que uma parcela significativa tem feito: contatado pelo whatsapp, essa tecnologia tem sido de grande valia para otimizar tanto o tempo do estagiário, quanto o tempo do cliente que tem cada vez mais pressa e menos disponibilidade para ir até a loja física, muitas vendas são fechadas através desse aplicativo e o cliente só vai até a loja física para levar os documentos e assinar contratos que ainda não podem ser substituídos.

Para que o atendimento esteja sempre perfeito é via de regra ler constantemente sobre destinos e novas regras dentro do turismo, as agências e operadoras físicas pensando no crescente mercado das OTAs (Online Travel Agencies) em bom português agencias online, tem feito um investimento pesado em capacitações para os funcionários, alem do tradicional famtour (viagem de familiarização custeada pela agencia / operadora) onde se conhece todo trade do destino visitado.

Além do atendimento na hora da compra, o pós venda é interessante para ter um feedback do cliente, é fantástico quantas histórias emocionantes os mesmos relatam de suas viagens.

Tenho a sorte de ter um gestor que me capacita muito bem e me ajuda em todas as dúvidas que tenho, caso contrário é difícil sustentar-se por muito tempo com um trabalho que é complexo.

Trabalhar com atendimento pode ser cansativo, nem todos os clientes são amáveis e como todo trabalho nem todos os dias são flores, é por muitas vezes metódico, mas nunca é entediante, todo dia tem algo novo para se aprender, um destino diferente para se aprimorar e um cliente que chega com um sonho que é posto em suas mãos para realizar.

 

Do estágio a uma vaga efetiva

Por Laís Bernardi

 

Quando entramos em uma faculdade, não vemos a hora de começar a atuar na área escolhida. É uma busca incansável por um estágio, muitas vezes em áreas que ainda nem estudamos e nem sabemos ao certo se é o que queremos. Bom, mas estágio é para isso. Uma fase em que podemos experimentar e principalmente conhecer até conseguirmos um emprego efetivo.

Eu não tive muitos estágios na vida, um durante a graduação de jornalismo e um na de turismo. Mas, em cada um aprendi na prática coisas que vi e não vi na universidade. Foi uma jornada para tentar encontrar a minha área.

Eis que chegou o último ano da faculdade de turismo e, após um semestre de intercâmbio, voltei ao Brasil com a certeza de que não queria ficar parada. Comecei a enviar o currículo para todas as vagas que via de estágio, de freelance e efetivo. Em menos de um mês, fui chamada para uma entrevista na maior operadora da América Latina. Aquele friozinho na barriga. Uma oportunidade e tanto para quem está na área de turismo.

Até então, nunca tinha trabalhado em operadoras ou agências de viagem e só lembrava as aulas na faculdade, em que infelizmente, não se aprofunda tanto no assunto, e, por isso, achava que seria muito difícil conseguir a vaga.

De fato, não passei para a vaga que me candidatei, porém, fui chamada para outra oportunidade, consegui o cargo de assistente de operações. No início, passei por um treinamento e aos poucos fui aprendendo as funções e atividades que hoje desempenho.

A diferença que encontrei em relação ao estágio é a dificuldade de conciliar o trabalho com a faculdade, visto que no estágio a carga horária é menor, então temos tempo tranquilo para trabalhos e atividades. Com o emprego, o tempo fica bem menor e temos que ser muito mais disciplinados para seguir com a faculdade junto.

Ainda não é o emprego dos sonhos ou a área que sempre sonhei. Descobri que não era bem assim a ideia que tinha de quando iniciasse meu primeiro emprego. Tinha aquela ilusão de já ter passado pela fase de conhecer as áreas e saber ao certo o que queria. Porém, vi que na verdade, é mais uma experiência nova e um crescimento profissional.

SITUAÇÕES VIVENCIDAS DURANTE O ESTÁGIO

Por Jéssica Alves

 

O estágio é um período de aprendizado na prática sobre o que é aplicado na teoria no curso superior. Ao decorrer desse período, você vivenciará diversas situações, tanto positivas como negativas, mas que são importantes para o desenvolvimento profissional e até pessoal de cada um. Durante o meu estágio tive muitas situações legais, mas claro que assim como todos estagiários, passei por momentos nada divertidos.

Dentre os momentos positivos, através de uma das empresas que fiz estágio tive a oportunidade de participar de diversos treinamentos sobre destinos e hotéis, dentre outros eventos destinados à agentes de viagens. Aliás, em um desses eventos fui sorteada e ganhei uma viagem de 8 dias para João Pessoa para eu e mais 01 acompanhante. Muito bacana né?! Todos os eventos que participei foram momentos de muito aprendizado e networking com outros profissionais do mercado, então, caso você também tenha essa oportunidade, não perca a chance de conversar com os “colegas de trabalho” e, principalmente, trocar cartões para contato no futuro.

Outro acontecimento que me marcou foram dois famtour’s que participei, sendo um para conhecer um novo resort em Atibaia e o outro um novo resort em Olímpia, ambos no interior de São Paulo. Além de fazer uma visita técnica especial nas dependências desses hotéis e conhecer os detalhes de cada um, o mais legal dessa experiência é ficar hospedado durante alguns dias em um quarto com pessoas que na maioria das vezes você não conhece. Ali nasce novas amizades e são criados novos laços na rede do networking. Gosto muito desses tipos de evento!

Como nem tudo são flores, em uma outra empresa que estagiei, eu passei por algumas situações complicadas, mas que me fizeram ter “pulso firme”, posicionamento claro e lidar com os conflitos da melhor maneira possível. Os ocorridos não valem a pena serem discursados aqui, mas sempre que estiverem realmente a certeza de que estão certos sobre procedimentos e direitos, sejam claros com a pessoa responsável e converse! Não seja um estagiário com responsabilidades de um colaborador. Posicione-se sempre que concordar ou discordar e não tenha medo das consequências. Tenho certeza que você saberá a melhor forma de lidar com situações difíceis e que, assim como eu, terá sucesso!

 

 

Você tem alguma situação para compartilhar conosco? Deixe sua vivência nos comentários!

A valorização do estágio pelo estagiário

Por Cedric Brito

O mundo do estágio, o foco no estagiário, o que fazer? O que pensar? O que é certo ou errado? A oportunidade de estágio é uma forma com que uma pessoa possa aprender sobre tudo numa empresa, às vezes num período muito curto, mas ainda assim é um meio de adquirir informações e opinião sobre o que gostaria de fazer num futuro próximo.

 O conceito de estágio esta um pouco fraco, usando o termo: “escraviário” onde se trabalha muito e se ganha pouco e essa visão poderia e pode ser melhorada diante do seu pensar, da sua posição que pode mudar o seu olhar, mostrando que não irá simplesmente trabalhar muito, mas que irá adquirir novas experiências, novas informações, conhecimentos, é uma alavanca para que possa decidir o que gosta e o que quer fazer da vida. Realmente há lugares em que possa existir certa exploração do estagiário e seria bom tentar tirar o máximo proveito até mesmo dessa situação. O estágio em si, pode trazer coisas muito boas como o que já foi dito: experiências, conhecimentos, uma alavanca para seu futuro, mas há outros benefícios que mesmo que despercebidos você ganha, como por exemplo: a troca de ideias entre superiores aumenta o seu networking, sua habilidade na conversação podendo participar de brainstormings e expor sua opinião sobre algum projeto. Seu networking e a formação de ideias é um forte fator para que seja notado. Outra coisa é que é possível ampliar sua visão diante do segmento em que a empresa trabalha, é muito fácil criticar algo quando não se sabe o que se passa por trás do processo, o que se passa nos bastidores por assim dizer. Relacionamento com novas pessoas também é um beneficio e um dos grandes, tanto com colegas ou superiores e também com clientes ou fornecedores, onde poderá conhecer o jeito das pessoas, como falar diante de diferentes situações, como agir, como interpretar elas e fazer com que a conversa seja algo útil e agradável para ambos os lados.

O mundo do estágio tem muito a oferecer e devia ter mais valor, o reconhecimento de alguém tanto na empresa quanto no mundo (dependendo da vontade, da coragem da pessoa), começa pelo estágio, é onde é encontrado o seu verdadeiro ser, o seu posicionamento e suas habilidades mais fortes.

Estágio e Faculdade: organização do tempo

Por Gustavo Bueno

Quando julho chegar…

Faculdade das 7h30 às 11h30. Academia das 12h às 13h. Trabalho das 15h às 21h. Cidade de São Paulo, 1h de trânsito (no mínimo) para ir a qualquer lugar. Trabalhos para entregar, provas para estudar, livros para ler. Como alguém consegue fazer tanta coisa sem enlouquecer? Esse é o questionamento diário de um estagiário na área do turismo.

Estou no primeiro semestre de turismo na Universidade Anhembi Morumbi e trabalho no setor de viagens de uma empresa full-commerce. Basicamente, trabalho no atendentimento a clientes de determinado banco como um “agente de viagens” via telefone. O turno se encerra às 21h e devo chegar em casa por volta das 22h.

Chegar em casa. Fazer comida. Comer. Tomar um banho.  Esta na hora de estudar. Um estagiario deve ter em mente que cada minuto livre é precioso. Não importa que a prova é daqui a um mês, tenho que estudar durante os dez minutos que tenho agora. Virar a noite estudando ou fazendo trabalho na véspera da entrega vai prejudicar tanto a atenção durante a aula quanto a produtividade durante o trabalho.

No dia seguinte, aula. Para não chegar atrasado todos os dias (eu juro que eu tento) tenho que acordar às 5h da manhã e sair de casa no máximo as 6h. Durante a minha primeira faculdade ou durante o ensino médio, eu não valorizava muito o tempo de aula porque eu sempre tinha muito tempo para estudar quando chegasse em casa. Estagiário pode esquecer essa idéia! O tempo da aula é extremamente importante para diminuir a quantidade de estudo em casa e, com isso, sobrar tempo para dormir.

No meio disso tudo, ainda preciso arranjar tempo pra cuidar de mim mesmo e, por isso, faço um pouco de academia todos os dias (ou quase). Namorar, sair com os amigos, cinema, barzinho não cabem durante a semana. Isso virou uma recompensa pras semanas nas quais eu não tenho matéria acumulada pra estudar. Já me rebatizaram e agora me chamo “Sumido”.

No início de uma rotina com faculdade e trabalho, qualquer um acha que vai enlouquecer (às vezes, ainda acho). Não tem segredo ou poção mágica de energia. O sono muitas vezes me consome. A esperança de que julho chegue logo é o que me move. Porém, basta usar o tempo com sabedoria que as coisas começam a fluir melhor e no final vou ter muita experiência e muita história pra contar.