Você já dormiu com fantasma em hotel?

Eu já. Teoricamente, com três fantasmas. Recentemente, em uma fria noite de fim de inverno, me hospedei no Macdonald Bear Hotel, em Woodstock, interior da Inglaterra. A propriedade é considerada uma das mais assombradas do Reino Unido. E olha que de assombração os britânicos entendem. Estava indiferente à experiência. Alguns companheiros de viagem também não ligaram. Outros se divertiram. E alguns ficaram muito incomodados. Uma noite em um hotel assombrado pode ser interessante como um parque temático, uma faixa bônus para um viajante. Para outro, é um pesadelo extremamente desconfortável.

O caminho para o sótão do Bear Hotel / Foto de Carla Lencastre

Na minha experiência, o mais incômodo foi ter que subir a escada que levava ao sótão carregando uma mala média. Meu quarto ficava isolado ali, com um teto de pé-direito de menos de dois metros de altura, vigas de carvalho sustentando o telhado e apenas duas minúsculas janelas com vista para a rua. Claustrofóbico, ainda que espaçoso e aparentemente sem fantasmas. Mais tarde, quando encontrei os companheiros de viagem, me dei conta que assombração aparece para cada um de um jeito. Parte do grupo achava graça da fama do hotel, inclusive quem estava em quarto com vista para o cemitério da igreja ao lado. Outros pareciam visivelmente perturbados com a perspectiva de passar a noite no Bear.

Vista de um dos quartos do hotel em Woodstock

Diversos websites listam hotéis assombrados mundo afora. No “English Country Inns”, por exemplo, é possível procurar hospedagem usando filtros como “hotéis românticos”, “gourmet”, “com piscina” ou “assombrados”. É com você. O Bear é uma das opções. Um dos dois fantasmas do hotel moraria no quarto 16.

Já o “Haunted Rooms UK” deixa claro a que se destina logo no nome e apresenta o Bear como “um dos hotéis mais assombrados do Reino Unido”. Os fantasmas residentes seriam de Elizabeth e Christopher Dowing, uma jovem mãe e seu filho de 8 anos, mortos em meados do século XVIII.

A fachada do hotel assombrado no interior da Inglaterra / Foto de Carla Lencastre

Em seu website, o hotel não faz menção a assombrações (só avisa que Elizabeth Taylor e Richard Burton estiveram lá). O local ajuda a manter a fama. O Bear é um dos hotéis mais antigos da Inglaterra e está instalado em prédio histórico que funciona como pouso de viajantes desde o século XIII. Nos séculos seguintes vieram expansões e renovações. Hoje são 54 quartos com confortos modernos. Pelas paredes (algumas em pedras aparentes) dos labirínticos corredores, há objetos, móveis e retratos antigos, estes daquele tipo que parecem seguir o visitante com o olhar.

O quarto no sotão…
…e o quartinho / Fotos de Carla Lencastre

O sótão onde dormi tinha aquecimento funcionando perfeitamente, roupa de cama e roupões de qualidade, máquina de café expresso, banheiro reformado (ainda que não novíssimo), amenities da grife britânica Elemis. Um pequeno hall de entrada dava acesso a um amplo quarto com uma cama de casal, escrivaninha e área de estar e a um minúsculo quarto com apenas uma fresta no alto de uma das paredes e uma cama pequena. Roupões infantis estavam pendurados atrás da porta. Fechei a porta do cubículo sem janela assim que cheguei e não abri mais.

Parte da cena noturna / Foto de Carla Lencastre

O episódio mais estranho da minha experiência de caça-fantasmas aconteceu depois do jantar (a propósito, o hotel tem um ótimo e movimentado restaurante de cozinha britânica moderna servida em um ambiente tradicional). Quando voltei para o quarto, a cama estava preparada para a noite, com dois pequenos chocolates, um em cada travesseiro, e uma Bíblia aberta no meio. Fechei o livro, tirei uma foto, guardei o exemplar em uma gaveta e, como não estava dividindo o quarto com ninguém, comi os dois chocolates logo de uma vez para não dar ideia para fantasma. Só me arrependo de não ter olhado antes em que página a Bíblia estava aberta. Dormi. No dia seguinte, a situação do grupo se repetiu: alguns tinham uma história divertida para contar, outros não tinham dormido nada. Fui visitar o cemitério vizinho. À luz da manhã parecia menos fantasmagórico do que nas fotos que tinha visto no dia anterior.

O cemitério na igreja ao lado do Bear Hotel à luz do dia / Foto de Carla Lencastre

A principal razão para alguém parar em Woodstock é o Blenheim Palace. O palácio pertence à 12ª geração dos duques de Malborough. Mas não é por isso que recebe visitantes, e sim porque Winston Churchill nasceu ali. O mais famoso primeiro-ministro britânico passou parte da infância e da juventude em Blenheim. Vale ir de Londres (a umas duas horas de distância) até lá nem que seja apenas para passear pelos imensos jardins, com direito até a lago com ponte. Woodstock fica perto de Oxford e é uma cidadezinha de praticamente uma rua, com cafés, restaurantes, pubs e galerias de arte. Há outros (poucos) hotéis no vilarejo, para quem preferir descartar o Bear e suas assombrações. Só não há garantia de que fantasmas não saiam para passear.

Blenheim Palace, em Woodstock, onde Winston Churchill nasceu / Foto de Carla Lencastre

Os fantasmas se divertem 2

A silhueta do Ballygally Castle ao entardecer / Foto de Carla Lencastre

Como hotel assombrado é o que não falta no Reino Unido, o Bear foi o segundo que conheci. Já tinha experimentado dormir com um fantasma na Irlanda do Norte, no Ballygally Castle, perto de algumas das locações da série da HBO “Game of Thrones” e da Causeway Coast. Neste hotel, com 54 quartos e hoje parte do Hastings Group, fiquei em uma ala mais nova. Não percebi assombrações. No dia seguinte, companheiros de viagem que ficaram na parte antiga relataram que não conseguiram dormir por causa “do barulho de móveis sendo arrastados”.

O hotel assombrado no litoral da Irlanda do Norte / Foto de Carla Lencastre

Em Ballygally, segundo o site “Haunted Rooms UK”, o fantasma residente é o de Lady Isobella Shaw, que assombra o castelo do início do século XVII há 400 anos. Ou seja, desde quase sempre.

Na categoria cenário, o Ballygally impressiona menos que o Bear. Talvez porque esteja em um hotel sem muita personalidade, de frente para as águas calmas da Baía de Ballygally e com vista para a Escócia, Isobella parece confinada à parte original do castelo.

 

Amanhecer em Ballygally Bay / Foto de Carla Lencastre

Fantasmas britânicos não moram apenas em pequenos hotéis de vilarejos como Woodstock ou Ballygally. Dois hotelões de luxo em Londres aparecem em quase todas as listas de lugares assombrados no Reino Unido. O mais citado é o Langham, que teria nada menos que cinco fantasmas residentes. O Savoy costuma ser o segundo colocado. Março passado, o jornal londrino “The Telegraph” relacionou alguns hotéis com assombrações. Os dois ícones londrinos, instalados em construções de meados do século XIX, estão no topo da lista. Boo!

Fantasma em hotel é diversão ou aborrecimento? A caixa de comentários é sua.

Para ficar por dentro destas e de outras histórias de hotelaria, acompanhe a gente no Instagram @HotelInspectors e no facebook @HotelInspectorsBlog. Obrigada pela companhia!

Related Post

Published by

Carla Lencastre

Jornalista especializada em estilo de vida, gastronomia e viagens. Anda pelo mundo desde sempre a passeio e a trabalho. Ex-editora de turismo do jornal O Globo, hoje colabora com diversas publicações no Brasil. Gosta de visitar novos lugares, de rever velhos conhecidos e de contar histórias que levem os outros a viajar. Suas viagens estão em tempo real no Instagram @CarlaLencastre.

3 thoughts on “Você já dormiu com fantasma em hotel?

    1. Do The Beverly Hills (famoso pelo fantasma da Marilyn, mas vimos uns trecos bem esquisitos lá) a um hotelzinho familiar no País de Gales que não deixou ninguém da turma dormir na noite que passamos lá, lembro de muitos cases. Mas não sei se estou disposta a revisita-los hahahahahha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *