Hotéis que o vento não levou – Georgia, EUA

“O que você vai fazer na Geórgia?”, foi a pergunta que ouvi quando disse que iria passar férias no estado que faz fronteira com a Flórida e, embora tenha o aeroporto mais movimentado do mundo, ainda é tão pouco visitado por brasileiros com fins turísticos. Bem, reconheço que o motivo inicial da viagem era trabalho, mas, ao conseguir esticar por pouco mais de uma semana, nem cogitei ir a outros destinos mais badalados dos Estados Unidos. Preferi passar aqueles dias em meio à atmosfera low-profile de Atlanta e arredores, em busca de vestígios da civilização de Scarlett O’Hara, uma das personagens que mais me fascinam no cinema e na literatura.

Fachada do Georgian Terrace, de 1911, em Midtown | Foto: Fernando Torres

No quesito hotelaria, o assunto tema deste blog, o tour cinematográfico começou com um drinque de bourbon e chá, seguido de jantar, no bar Livingston, no lobby do centenário The Georgian Terrace. O hotel, extremamente bem localizado no trecho de Midtown da Peachtree Street (via arterial que corta praticamente toda Atlanta) hospedou Vivien Leigh (Scarlett), Clark Gable (Rhett Butler) e boa parte do elenco de E o Vento Levou na première do filme em Atlanta, em 1939. Para os fãs, é um deleite!

The Twelve Oaks, a fazenda do songamonga Ashley Wilkes (Leslie Howard), está a cerca de 40 minutos de distância de carro, na cidade de Covington. Não a que aparece no filme, já que este foi filmado na Califórnia, mas uma fazenda de algodão real oficial, de 1836, cujo casarão antebellum serviu de inspiração para Margaret Mitchell, autora do livo E o Vento Levou (off-topic: sua casa, a poucos passos do Georgian Terrace, foi transformada em museu e é atração fundamental para fãs e não fãs da obra).

The Twelve Oaks, o casarão em Covington que inspirou a fazenda homônima de “E o Vento Levou” | Foto: divulgação

Reformada em 2012, The Twelve Oaks funciona hoje como um bed and breakfast, bem ao estilo caloroso e hospitaleiro do Velho Sul. Decoradas com móveis ao estilo do século 19, as suítes contam com confortos bem modernos, tais como lareira com controle remoto e convidativas banheiras vitorianas. Fiquei hospedado na suíte The Frankly Scarlett, em homenagem ao segundo marido da protagonista, mas o encanto maior é com a Magnolia’s Spa Grand Suite, com cama de dossel com cortinas francesas e banheira de cromoterapia.

Magnolia’s Spa Grand Suite: para se sentir como Scarlett – sem espartilho, pfv | Foto: divulgação

De lá, rumei para Savannah, a cidade histórica mais bem preservada dos Estados Unidos. As ruas e casas em estilo cinematográfico foram um presente de Natal do general Sherman ao então presidente Abraham Lincoln, cessando ali a trajetória incendiária e vitoriosa da União (os estados do Norte) sobre a Confederação (estados do Sul) na guerra civil norte-americana, em 1864. Para manter a linha da viagem, me hospedei no bed and breakfast Eliza Thompson House, em um casarão bem no centro, construído em 1847. O hotel se intitula como butique, mas, embora bem confortável, não tem luxos. Os quartos são decorados ao estilo do século 19. O meu tinha vista para o jardim, onde é servido o desjejum. A sala principal é pequena, porém, bem acolhedora, e recepciona os hóspedes ao fim da tarde com vinho e canapés. Outro mimo é o café ou chá servido à noite.

Sala de estar do Eliza Thompson House: vinhos e canapés servidos à noite | Foto: Fernando Torres

O escritor John Kelso, personagem de John Cusack em Meia-Noite no Jardim do Bem e do Mal, descreveu Savannah como “uma mistura fantasmagórica de E o Vento Levou com drogas”. A parte das drogas, não sabemos. Porém, de fato, a cidade conserva toda a atmosfera aristocrática da película, além da fama de mal-assombrada. Outras opções para se hospedar e se sentir dentro do filme é a imponente Kehoe House, de 1892, um casarão de tijolos à vista, piso de madeira e lustres de época; e o The Gastonian, exemplar dos anos 1860.

Kehoe House, em Savannah: cidade faz jus à fama de mal-assombrada | Foto: Fernando Torres

Related Post

Published by

Fernando Torres

Fernando Torres é jornalista e apaixonado por hotéis e viagens de topos os tipos. Gosta, sim, dos highlights e de desbravar as urbanidades, mas também é vidrado em destinos Lado B – adora as lonjuras da Barra da Tijuca e do Recreio, por exemplo –, onde a hospedagem se justifica por si só. É especializado no segmento de wellness e não resiste a uma massagem no spa.

One thought on “Hotéis que o vento não levou – Georgia, EUA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *