Volta ao passado em hotéis fazenda no Brasil

Ao longo dos séculos 18 e 19, tropeiros e mineradores cruzavam às matas brasileiras de ponta a ponta, deixando atrás deles rastros de civilização – e uma grande vocação turística. É que a casa-grande das antigas fazendas se transformou em hotel, com piso, paredes e móveis da mesma época em que foram erguidas. Tudo regado à histórica hospitalidade do interior: café passado na hora, licor de jabuticaba e comidas típicas.

Fazenda Fonte Limpa, em Santana dos Montes (MG), de 1742: tombamento histórico | Foto: Fernando Torres

Minas Gerais é uma das campeãs em fazendas históricas. Só o pacato vilarejo Santana dos Montes tem 14 delas, sendo que algumas já descobriram o filão turístico. A Fazenda Fonte Limpa saiu na frente: datada de 1742, foi restaurada nos anos 1990 e abriu as portas para hóspedes em 1997. A casa e a senzala originais, tombadas pelo Patrimônio Histórico, servem comida mineira preparada no fogão à lenha e abrigam boate, biblioteca, capela e um museu da centenária família Nogueira, com vestidos de festa, fotos e documentos. O complexo ainda possui piscinas, sauna, ofurô, salões de jogos, academia e promove cavalgadas pelos arredores nas noites de lua cheia.

Fazenda da Chácara, em Santana dos Montes (MG): casarão de 1741 é porta de entrada para acomodações modernas | Foto: Fernando Torres

Também no município, a Fazenda da Chácara fica em uma área de 126 hectares. Conserva o casarão principal, de 1741, como área de lazer e convivência, mas investe em 28 acomodações modernas e uma taberna para jantares e serestas. Imperdível mesmo é a visita à vizinha Fazenda do Guarará, do mesmo proprietário. Embalado pela cachaça produzida no alambique da fazenda, o fazendeiro Aloísio Pereira gosta de perambular pessoalmente com os visitantes pelos vinhedos de uvas Cabernet, Merlot e Syrah, as plantações de patchouli, o estábulo de criação de gado para leite, o lago de pesca esportiva e, finalmente, a área de produção da cerveja artesanal Loba e da cachaça Itaverense.

Outra dos meus hotéis fazenda preferidos fica em Itu, a Fazenda Capoava, a cerca de 100 km de São Paulo. Erguida em 1750, a casa bandeirista e era um dos maiores engenhos de cana-de-açúcar do século 18; de plantação de café, no século 19; e de gado, nos anos 1930. Só em 2000, a Capoava virou hotel, mantendo a sede principal de taipa e pilão, a capela anexa ao alpendre e as edificações construídas pelos imigrantes italianos, logo após a Abolição.

Restaurante da Fazenda Capoava, em Itu (SP): delícias da culinária caipira | Foto: Fernando Torres

A infraestrutura atual inclui novos chalés, piscina, sauna, quadras de tênis, massoterapia e stand up paddle em um dos cinco lagos que circundam a propriedade. Vale ainda conhecer os arredores, como a Ilha dos Macacos, habitat de macacos-prego, tucanos-toco, araras-canindé e outros animais silvestres, e percorrer a cavalo a trilha de 14 quilômetros que leva ao Armazém do Limoeiro da Concórdia, antiga mercearia que vendia de tudo no século 19. Depois de se empanturrar com as velhas delícias da culinária brasileira, como leitão assado à pururuca, vaca atolada, pão de abobrinha e bolo de milho, a viola caipira anima a noite com o ritmo repentista cururu.

Não é fácil competir com as piscinas naturais e as barreiras de corais de Maragogi, no litoral norte alagoano. Mas a Fazenda Marrecas consegue se sair muito bem. A viagem pelo tempo começa a partir do casarão principal, datado de 1780, que mescla as arquiteturas árabe e portuguesa, na época do governo do português Marquês de Pombal – as paredes são erguidas em torno de armação parecida com uma gaiola de madeira. Outro atrativo histórico é o Engenho Marrecas, cujos registros mais antigos são de 1849. Embora seja uma construção recente, a capela também tem apelo histórico: foi inspirada nas igrejas coloniais de Ouro Preto (MG) e na capela do Forte Brum, em Recife (PE), com peças sacras adquiridas em Roma, sino fabricado em Portugal e altar trazido de Olinda (PE).

Capela da Fazenda Marrecas, com o casarão ao fundo, em Maragogi (AL): cenografia de cinema e novela | Foto: divulgação

Cenográfica, a fazenda serviu de locação para a novela global A Indomada, em 1997 (alô, Canal Viva!), e também do longa Joana Francesa, de Cacá Diegues, de 1973. Só depois dessa fama midiática é que os proprietários decidiam transformá-la em pousada rural, em 2002. Um dos pontos altos dessa fase é a gastronomia, com pratos típicos da culinária nordestina. É o caso das geleias de caju, jaca e banana, bem como a tradicional cachaça envelhecida, ainda produzida no antigo engenho de cana-de-açúcar.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBloge no Twitter @InspectorsHotel. Obrigado pela companhia!

Loberías del Sur, Carretera Austral

Percorrer as principais atrações da mítica Carretera Austral, que liga Puerto Montt a Villa O’Higgins em mais de 1200 km no Chile, não é uma viagem das mais simples. A estrada na Patagônia Norte chilena (também conhecida como Patagônia Aysén) é difícil, com vários trechos de cascalho e muitas, muitas curvas – e os deslocamentos são invariavelmente longos, requerendo bastante logística e atenção constante de quem estiver dirigindo.

Fiz minha primeira viagem para lá há oito anos e caí de amores pela beleza ainda selvagem da região; mas confesso que trouxe memórias bastante duras do excesso de perrengues na hotelaria e na estrada.

Acabo de voltar de mais uma viagem para lá, mas agora com uma experiência completamente diferente. Desta vez, fiquei hospedada no hotel Loberías del Sur, na pequena Puerto Chacabuco, bem diante dos famosos fiordes de Aysén.

O quarto padrão do Loberías. Foto: Mari Campos

Não se trata de um hotel de luxo – longe disso. Mas o Loberías tem instalações bem confortáveis, quartos bastante grandes e cheios de luz natural, cantinhos aconchegantes nas áreas públicas e um serviço bastante simpático e prestativo em todos os setores, da recepção ao restaurante.

A grande sacada do hotel foi ter criado programas de 3 a 7 noites mais ou menos no estilo de outros hotéis chilenos de exploração que fazem muito sucesso entre brasileiros, como os das redes Tierra e explora. Nos programas, transfers de e para aeroporto, passeios, deslocamentos e todas as refeições já estão todos incluídos – só fica faltando mesmo o bar aberto, já que as bebidas alcoólicas ficam de fora. É possível reservar apenas alojamento e café da manhã e comprar passeios avulsos, mas a melhor alternativa, sem dúvidas, é investir no programa completo. 

Detalhe do lobby do Loberías del Sur. Foto: Mari Campos

Desta vez, graças ao programa, não precisei me preocupar nem por um momento com estrada, mapas, rotas ou onde parar para dormir ou fazer refeições. Todos os passeios saem de manhã e voltam para dormir no próprio hotel – com exceção do passeio às famosas Capelas de Mármore que, por serem tão distantes, conta com pernoite em um lodge mais próximo da atração, mas também já incluído no custo do programa.

Os motoristas e guias foram ótimos durante toda a semana, mesmo nos deslocamentos mais longos (vale dizer que tudo ali é sempre longe), e nossa única preocupação a cada passeio era ter memória suficiente na câmera e no celular para as infindáveis fotos que tirávamos. 

No programa, todas as entradas, taxas e refeições já estão incluídas, seja no dia do catamarã que leva à incrível geleira San Rafael com tudo incluído ou na trilha do Parque Aikén del Sur, que termina com um incrível cordeiro patagônico assado em um típico “quincho” de frente para montanhas e lago. E em uma região em que boa parte das operadoras de telefonia falham, o hotel conta com bom serviço de wifi gratuito (e sauna, salão de jogos e um pequeno fitness center também).

A “Catedral de Mármore”, atração mais famosa de Aysén. Foto: Mari Campos

As melhorias poderiam vir apenas nos jantares do hotel: contam com um imenso buffet de saladas (incluindo deliciosos ceviches) e diferentes opções e pratos quentes e sobremesas; mas ainda há pouca variação no cardápio de um dia para o outro.

Mas achei louvável o Loberías del Sur ter criado, enfim, uma maneira prática e prazeirosa de percorrer a incrível Carretera Austral chilena sem stress ou perrengues, e com total segurança. E mais: perfeitamente factível mesmo para famílias com crianças. 

 

Dá pra ler mais sobre o Loberías del Sur e as melhores atrações das minhas viagens pela Patagônia Aysén aqui.

 

 

 

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.