O novo Elora Mill no Canadá

Às vezes, pequenas maravilhas da hotelaria se localizam em destinos que não estão na wish-list generalizada de viajantes. Sou fã de cidades grandes assumida, mas sempre adorei encontrar , por exemplo, esses pequenos hotéis de charme localizados em diminutos vilarejos franceses e italianos, que parecem quase escondidos, tão longe das hordas de turistas.

A boa surpresa da vez foi encontrar agora uma dessas pérolas na minúscula Elora, uma cidadezinha de Ontário, Canadá, a cerca de 1h30 de carro de Toronto.  Pouco conhecida dos viajantes brasileiros, tem jeito de cidade cenográfica, com casinhas de madeira colorida, igrejas de pedra, charmosos cafés, restaurantes com jardins beira-rio. Mas o que sempre levou turistas para lá foram seus impressionantes cânions debruçados sobre os rios Grand e Irvine e suas pequenas piscinas naturais. 

O prédio do spa debruçado sobre o cânion. Foto: Mari Campos

Neste verão canadense, Elora ganhou uma verdadeira jóia da hotelaria: o Elora Mill & Spa, hotel boutique construído no local do antigo edifício do moinho da cidade, em pleno centro. Mantendo o edifício original de 175 anos, o hotel soube mesclar a propriedade histórica com um design elegante e contemporâneo e todas as facilidades dos viajantes do século XXI (incluindo muitas tomadas e entradas usb em toda parte).

Como a propriedade está localizada em um penhasco, debruçada sobre o rio e de frente para os cânions, quartos, bar, restaurante e áreas comuns ganharam imensos janelões do chão ao teto para que a espetacular paisagem que rodeia o hotel estivesse sempre à vista. No edifício anexo, as salas de tratamento do spa e a deliciosa piscina contemplam vista semelhante. 

Janelas do chão ao teto nos quartos para ninguém perder a vista. Foto: Mari Campos

Os quartos, aliás, têm ainda mais atrativos que esse: são muito espaçosos e contam com imensos banheiros com banheiras tipo soak-in e amenidades de luxo, desde Nespresso e San Pellegrino cortesia aos espetaculares secadores de cabelo Dyson Supersonic. Como o foco do hotel são as escapadas românticas (e também o mercado de destination wedding), os quartos são cheios de detalhes nessa vibe, incluindo charmosas lareiras para o inverno. 

Detalhe do banheiro. Foto: Mari Campos

O café da manhã é servido em modo à la carte diariamente no único restaurante da propriedade – que, aliás, aberto todos os dias também para não hóspedes, é a melhor pedida também para a refeição de quem faz apenas um day tour de Toronto a Elora. Ingredientes fresquíssimos e pratos inspirados na culinária local, com atendimento de primeira. Tem tudo para colocar Elora no mapa de muito mais gente. 

Dá pra ler mais sobre aberturas recentes de hotéis que visitamos aqui e aqui e dá pra ler mais sobre meus pitacos a respeito de Elora e do Elora Mill aqui. 

 

 

 

 

O Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel. Acompanhe nossas descobertas pelas nossas redes sociais também.

Four Seasons São Paulo traz nova faceta da hotelaria de luxo à cidade

O bar aberto para o lobby. Foto: Mari Campos

O mercado hoteleiro de luxo no Brasil anda de vento em popa. Depois da abertura do esperado Fasano BH, a contagem regressiva para a abertura do primeiro hotel da rede Four Seasons no Brasil (parte do crescente portfólio do grupo na América Latina) está finalmente terminando: no próximo dia 15 de outubro, segunda-feira, a esperada propriedade brasileira do grupo abrirá oficialmente suas portas, quase às margens do rio Pinheiros. Mas nós já fomos conhecer em primeira mão o que o Four Seasons Hotel São Paulo at Nações Unidas tem de especial.

Parte do Parque da Cidade, o hotel conta com 258 quartos e suítes e 84 residências distribuídos em um edifício de 29 andares em plena Avenida das Nações Unidas.  Por fora, o imponente arranha-céus parece apenas mais um do emaranhado de edifícios da zona financeira em que se encontra. Mas basta cruzar a discreta porta de entrada para ver que o grupo conseguiu, e com esmero, dar uma alma brasileiríssima ao hotel. Projetado pelo escritório norte americano HKS Architects em parceria com os brasileiros Afalo e Gasperini Arquitetos, e com design do norte-americano BAMO, o novo hotel do grupo Four Seasons tem sotaque definitivamente paulistano. 

Linhas curvas por toda parte. Foto: Mari Campos
Elegância nos banheiros. Foto: Mari Campos

O projeto logrou conciliar harmonicamente a estética internacional do luxo contemporâneo com os estilos de grandes nomes brasileiros das artes e da arquitetura, incluindo obras de Francisco Brennand, Burle Marx e Paulo Mendes da Rocha espalhadas pela propriedade. Matérias-primas brasileiras estão também por toda parte, do mármore das áreas comuns aos revestimentos e móveis dos quartos – com direito a muita madeira, janelas que isolam completamente os ruídos externos, linhas sinuosas que lembram Niemeyer e até carpetes cujo design homenageia o vizinho rio Pinheiros. O Brasil só não aparece nas amenidades dos quartos, que utilizam produtos Christian Lacroix. 

Apreço pela matéria-prima brasileira em cada detalhe. Foto: Mari Campos
Os carpetes que homenageiam o Pinheiros. Foto: Mari Campos

Embora a localização seja afastada das principais atrações turísticas da cidade, é visível a tentativa de criar uma importante conexão com o público local nas áreas comuns. Além disso, o hotel criou uma série de experiências exclusivas para hóspedes que queiram ir a fundo no destino – e diversas opções de compras, gastronomia e entretenimento estão a curta distância.

O segundo andar do hotel foi projetado para ser um oásis em meio à selva de pedra, com direito a jardins internos, spa BAMO, fitness center e uma piscina inovadora entre os hotéis paulistanos, com áreas interna e externa divididas por um vidro retrátil. 

Detalhe da piscina do spa. Foto: Mari Campos

Mas a melhor sacada do hotel parece ser sua investida gastronômica, com o botequim-chic CajuSP e o restaurante Neto, ambos colados ao lobby – e separados por uma escadaria que sem dúvidas será uma das imagens mais icônicas da propriedade. Ambos testados e aprovados! 

O CajuSP seguramente movimentará a cena local na happy hour, incluindo no cardápio versões gourmet de clássicos paulistanos como bolinho de bacalhau, asa de frango etc e, é claro, uma série de signature drinks exclusivos. O design sinuoso bar foge do modelo tradicional dos bares de lobby e cria bons espaços de circulação e interação, sem intimidar de forma nenhuma o visitante que não esteja hospedado no hotel. 

Gastronomia ítalo-brasileira no restaurante Neto. Foto: Mari Campos

A cozinha do restaurante Neto (cujo nome homenageia os descendentes de imigrantes italianos em São Paulo) ficou a cargo do sempre excelente Paolo Lavezzini, ex- Fasano Rio, que supervisionará também o botequim e o room service. Para o Neto, ele criou um menu tradicional italiano cheio de toques e releituras brasileiros, utilizando somente produtos locais – e em um ambiente que, apesar do serviço impecável do padrão Four Seasons, é absolutamente informal, incluindo grandes mesas comunais e alguns pratos do cardápio propositalmente criados para serem compartilhados. 

Aproveitar a época de abertura para conhecer o hotel pode ter suas vantagens, já que eles estão anunciando diversas ofertas de inauguração. Para paulistanos que buscam uma staycation ou breve escapada, o Summer Love Romance Package pode ser boa pedida para um final de semana romântico.  A conferir. 

 

 

 

O Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel. Acompanhe nossas descobertas pelas nossas redes sociais também.

Estreamos a cama do novíssimo Fasano BH!

Com ou sem crise, o Brasil está no radar do alto luxo hoteleiro. E não apenas na lista de investidores estrangeiros, como a rede canadense Four Seasons, que, finalmente, irá quebrar o jejum tupiniquim no dia 15 de outubro, com o Four Seasons São Paulo. O zum-zum-zum da vez é o grupo brasileiro Fasano: ao mesmo tempo em que debuta o aniversário de 15 anos do hotel em São Paulo, a marca inaugurou, no dia 28 de setembro, o Fasano Belo Horizonte, o sexto empreendimento no setor. Isso menos de um ano depois de abrir uma unidade em Angra dos Reis e já na contagem regressiva para a estreia do Fasano Salvador, marcada para dezembro.

Fachada do hotel tem tijolos de terracota e revestimento de chapas de alumínio | Foto: Fernando Torres

A chegada à capital mineira é o capítulo final de uma novela. Planejado para antes da Copa de 2014, o Fasano BH, inicialmente, se instalaria na praça da Liberdade, epicentro cultural da cidade. Não deu certo, devido a questões ligadas à licitação do imóvel. O grupo, então, decidiu investir em Lourdes, o bairro mais nobre de Belo Horizonte, onde ergueu um prédio de 12 andares praticamente do zero. A abertura levou quase dois anos além do previsto. Mas valeu a pena esperar, como pudemos comprovar em nosso check-in, logo na primeira semana, com direito a “batismo” de cama.

Legitimada pelo serviço discreto e elegante, a marca mantém o alto padrão em Belo Horizonte. O tom atemporal – clássico e, ao mesmo tempo, contemporâneo – se insinua já na fachada, que mescla tijolos de terracota ao revestimento de chapas de alumínio. Na sequência, o lobby se revela sem meias palavras. A decoração sóbria e refinada tem muita madeira, piso em mármore travertino bruto, luminosidade natural sobre jabuticabeiras indoor e um toque de mineiridade, a exemplo das gamelas de fazenda, que acolhem arranjos de flores.

Jabuticabeiras sob a luz natural na antessala do restaurante Gero, que estreia em hotéis | Foto: Fernando Torres

O DNA mineiro continua elevador acima, nos 77 apartamentos, com diárias que saem a partir de R$ 975 e áreas a partir de 27 m². Fiquei hospedado no confortável apartamento deluxe (35 m²), abraçado por lençóis Trussardi de 300 fios e uma infinidade de travesseiros de plumas de ganso. A atmosfera é clean, puxada para o bege, com cortinas e tapetes de linho, calçadeiras e poltronas de couro, peças de decoração em pedra-sabão. Senti falta de obras de arte e de flores, especialmente nas suítes, que poderiam “esquentar” e personalizar o ambiente monocromático. Nos banheiros, o acabamento é impecável, totalmente recoberto em mármore travertino e box de vidro até o teto, em todas as categorias. Somente as suítes têm banheiras – no caso da Penthouse, de 110 m², há ainda uma jacuzzi na varanda. As amenidades são de marca própria, com óleo de Argan.

Suíte Penthouse: inspiração mineira com escala monocromática | Foto: Fernando Torres

O spa fica na cobertura, no 12º andar, integrado à piscina de mármore, climatizada e aberta (é claro que fiz uso desta belezura!). O menu de tratamentos segue a linha dos outros hotéis Fasano, com produtos de aromaterapia da linha By Samia. Escolhi a massagem Deep Tissue, a quatro mãos e, voilá!, entrou para o segundo lugar do ranking de melhor terapia do meu mundo. Nos pacotes de day spa e alguns tratamentos, o cliente pode utilizar a sauna e a piscina, ao contrário do Fasano de Ipanema, onde o acesso é apenas para hóspedes. Esta, aliás, é uma decisão acertada da rede para se adequar ao mercado de Belo Horizonte, uma cidade que, ao contrário do Rio, tem uma demanda turística reprimida, dependendo, portanto, da aderência dos próprios moradores.

Piscina na cobertura: integrada ao spa, é aberta ao público de clientes | Foto: Fernando Torres

A estratégia se repete no lobby, concebido para ser ocupado pela cidade, seja para um drinque de negócios no bar ou o jantar no restaurante Gero, o primeiro do portfólio Fasano acoplado a um hotel. A cozinha, de pegada italiana clássica, é comandada pelo chef Fábio Aiello, que serve pratos como ravióli de vitelo, penne com pecorino, filé com trufas negras e foie gras, tiramisù. Tudo muito saboroso e elegante, sem afetações. E também uma mineiridade: a carta de cachaças, harmonizada com os pratos (o frigobar também tem um exemplar da cachaça Vale Verde). No primeiro andar, o Fasano traz de São Paulo a marca Baretto, com agenda de jazz, pop rock e discotecagem, de quinta a sábado. A expectativa é que vire point da turma que gosta de ver e ser vista.

Lobby bar, ao fundo: expectativa é ter aderência dos moradores | Foto: Fernando Torres

Walking distance – o que fazer na região
O novo Fasano está localizado a duas quadras do principal centro gastronômico de BH. Os restaurantes em destaque são o contemporâneo Glouton, do chef Leo Paixão; Alma Chef, do francês Emmanuel Ruz (uma estrela Michelin); Trindade, de comida brasileira, e Taste-Vin, uma entidade da cozinha francesa. Para fazer compras, não precisa nem sair do quarteirão: o hotel está ao lado da loja da Animale. As redondezas do bairro arborizado também abrigam as butiques das grifes mineiras Vivaz, Barbara Bela e Zak e uma unidade da Le Lis Blanc. Entre uma compra e outra, vale se esbaldar nas receitas argentinas da sorveteria Alessa. E, claro, fazer uma corrida curta de táxi até a praça da Liberdade para conferir as atrações do circuito cultural.

Hotel Inspectors está também no Instagram, no Facebook e no Twitter. Acompanhe pelas redes sociais as nossas descobertas!

A nova fase da Preferred Hotels

A Preferred Hotels&Resorts chega aos 50 anos como o maior grupo de hotéis independentes de luxo do mundo. De uma ilha privativa nas Maldivas a um boutique super trendy em plena Tribeca novaiorquina, são hoje mais de 700 hotéis e resorts instalados em 85 países compondo um portfólio cada vez maior. A rede acabou de incorporar mais 22 unidades a ele, incluindo propriedades como o Marigot Bay Resort and Marina, em Santa Lucia, e o adorável 9Hotel Confidentiel, projetado por Philippe Starck, que abre suas portas agora no comecinho de outubro em Paris.

Esta nova fase da Preferred foca sobretudo em propriedades que estão investindo pesado não apenas no serviço de qualidade, como nas experiências singulares para seus hóspedes – com destaque para a gastronomia em boa parte delas.

Os hotéis e resorts que compõem o portfólio do grupo são divididos em cinco “coleções” diferentes – Legend, LVX, Lifestyle, Connect e Preferred Residences – focando em diferentes perfis de hóspedes e diferentes estilos de hospedagem.

Quartos minimalistas mas super aconchegantes no Arc The Hotel. Foto: Mari Campos

Neste setembro, durante viagem por Ontário, no Canadá, passei um final de semana no Arc The Hotel, em Ottawa, que integra o portfólio da Preferred na coleção Lifestyle. Como acontece com todos os hotéis desta coleção, a localização da propriedade é imbatível: em plena Downtown da capital, a apenas três quadras do Parlamento canadense, e a uma curta caminhada do delicioso e imperdível (e cada vez melhor!) Byward Market.

O Arc The Hotel foi o primeiro lifestyle boutique hotel da cidade e consegue manter um ambiente discreto e intimista bem no miolo do agito do centro.  O design é moderno e minimalista, com pontos de cor intensa (um vermelho aqui, um roxo ali), repleto de obras de arte de artistas locais – e os quartos seguem a mesma linha.

Praticamente não há lobby: a recepção fica discretamente num “canto” à entrada do hotel e há um pequeno corner com poltronas para quem estiver esperando motorista, por exemplo.  O restaurante serve café da manhã à la carte e, à noite, vira um gostoso bistrô comandado pelo chef Andrew Willis e focado em ingredientes orgânicos canadenses. O serviço é bastante discreto e atencioso, numa experiência redondinha.

Para viajantes e membros do trade, vale saber que a Preferred agora oferece programas de fidelidade diferentes  –  Prefer Hotel Rewards™, Preferred Residences®, Preferred Family®, Preferred Pride® e Preferred Golf ™ – , propondo experiências e recompensas diferentes, de acordo com o perfil do viajante.

 

 

 

 

 

O Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel. Acompanhe nossas descobertas pelas nossas redes sociais também.

Gran Mareiro e Crocobeach: os novos hotéis da Praia do Futuro, em Fortaleza

Com longa faixa de areia branca, mar limpo e espetacular infra de barracas com jeitão de clube, a Praia do Futuro, em Fortaleza, está entre as mais famosas do Nordeste brasileiro. Mas o presente do Futuro ainda é nebuloso. A violência urbana (é praticamente proibitivo circular a pé nas áreas fora do entorno das barracas e dos hotéis), o alto nível de maresia e um mercado imobiliário acomodado são alguns dos entraves que prejudicam o pleno desenvolvimento do turismo na região. Assim, o forte do polo hoteleiro se concentra em Iracema, Meireles ou Mucuripe, onde o mar, embora bonito, geralmente está impróprio para banho. À Praia do Futuro resta a badalação durante o dia, mas o isolamento à noite.

O mar vai dar praia em frente ao hotel: não tem preço | Foto: Fernando Torres

Desde 2001, o hotel Vila Galé reinava absoluto por lá, marcado por quartos envelhecidos*, boa estrutura de lazer e sua própria barraca de praia, tranquila, aberta ao público e reinaugurada há poucos meses. Só que a cena começa a mudar, marcada pela chegada recente de dois hotéis: o Gran Mareiro e o Crocobeach. Ambos são classificados como quatro estrelas e valem o check-in despretensioso e com excelente custo-benefício para quem valoriza a sensação de acordar em frente ao mar que vai dar praia durante o dia.

Parte da piscina sinuosa do Gran Mareiro: área molhada ainda conta com duas jacuzzis | Foto: Fernando Torres

Hospedei-me, em agosto, por três noites no Gran Mareiro, inaugurado em dezembro de 2015, com investimento de quase R$ 100 milhões. Pertencente ao Grupo Mareiro, que possui um hotel em Meireles, o Mareiro, a propriedade tem como ponto forte a agradável piscina ao ar livre, que ocupa toda a extensão do terreno, no térreo. De recorte sinuoso e com trechos rasinhos para as crianças, ela é complementada com duas jacuzzis aquecidas e um bar molhado. Outro destaque é a localização, literalmente em frente à barraca Órbita Blue, inaugurada no segundo semestre de 2016 e que, em ritmo de baladinha, virou “o” point da Praia do Futuro, já demarcando um novo olhar de ocupação para o bairro.

Lobby descontraído e iluminado | Foto: divulgação Gran Mareiro

No interior do hotel, o lobby amplo e iluminado tem decoração descontraída e de bom gosto. Ao contrário dos 270 quartos (14 suítes), que, embora confortáveis e novinhos, soam simplórios  – a peseira amarela soa cafona mesmo. Não é nada tão grave, dá pra superar: reserve um quarto com vista frontal do mar e foque no horizonte. Aproveite para mirar algumas das melhorias implementadas pela prefeitura nos últimos anos: calçadão ampliado, ciclovia, bolsões de estacionamento e areninhas esportivas.

Já que falta bossa nos quartos do Gran Mareiro, foco no horizonte: #apeseiraamarelanao | Foto: Fernando Torres

A apenas 500 m de distância do Gran Mareiro, o hotel Crocobeach foi inaugurado em fevereiro de 2016, como “anexo” à mega barraca homônima, a maior de Fortaleza.  Aliás, eis uma vantagem: os hóspedes têm preços diferenciados nos serviços, como acesso à piscina e aos toboáguas pé na areia, salão de beleza, sauna e espaço de massagem. São 94 quartos por aqui (quatro suítes), com um vislumbre de graça a mais que no concorrente, a maioria deles com varanda e todos bem novos e conservados. A piscina do hotel, porém, é pequena, comparada a do Gran Mareiro.

Embora a piscina do Crocobeach não seja muito grande, os hóspedes têm acesso especial à piscina pé na areia da barraca quase em frente | Foto: divulgação Crocobeach

No quesito gastronomia, ambos servem fausto e delicioso café da manhã incluso na diária e têm restaurantes de bufê no almoço e de opções à la carte à noite. Com pratos bem servidos, são uma mão na roda para quem não quer sair da região. Guarde bem: a única opção para deslocamento à noite é o automóvel, sendo que uma corrida até um dos restaurantes da Varjota ou da avenida Beira-Mar gira entre R$ 15 e R$ 20. Em tempo: em Mucuripe, uma sugestão é provar o menu oriental do Mangostin, restaurante dentro do Gran Marquise, o hotel mais elegante da “velha” Fortaleza.

* O Grupo Vila Galé entrou em contato com o Hotel Inspectors para informar que investiu recentemente R$ 3 milhões na renovação dos quartos e áreas comuns do Vila Galé Fortaleza

Hotel Inspectors está também no Instagram, no Facebook e no Twitter. Acompanhe pelas redes sociais as nossas descobertas!

Rinocerontes em safári na África do Sul

Safári na África do Sul: Shamwari, uma alternativa ao Kruger

Safári é uma das mais emocionantes experiências de viagens. Fiz, repeti, fui outra vez e continuo querendo mais. Vejo um único problema em safári na África do Sul: o preço. Na minha viagem passada ao país conheci a Shamwari Game Reserve, na Costa Leste. Tem os cinco grandes (rinoceronte, leopardo, leão, elefante e búfalo) e lodges confortáveis. Os valores são menores que os das áreas do Kruger Park e do Greater Kruger, ainda que não muito. Pode ser aquela diferença que permite ficar um número maior de noites. O custo com as passagens aéreas internas também ajuda a melhorar a conta final, já que a localização da Shamwari é mais conveniente para roteiros que incluem a Cidade do Cabo e a Rota Jardim.

Lodge em reserva de safári na África do Sul
Founders Lodge: o quarto original de Adrian Gardiner na reserva para safári na África do Sul / Foto de Carla Lencastre

Safári na África do Sul: o adorável Founders Lodge

Fiquei hospedada no Founders Lodge by Mantis, do conservacionista sul-africano Adrian Gardiner, criador da Shamwari (em 1992) e fundador do grupo hoteleiro Mantis Collection. A uma hora de carro de Port Elizabeth, no Cabo Oriental, o lodge foi aberto há dois anos. Como o nome indica, era a casa de Gardiner. Ele vendeu a Shamwari, mas manteve o imóvel e o direito de fazer safáris na reserva. O Founders Lodge tem apenas seis quartos, todos com varanda e confortos modernos. Dois estão na casa original da década de 1940, com decoração clássica. Outros quatro estão em uma construção anexa recente e oferecem ambientes mais contemporâneos. A piscina ao livre encontra-se em meio a um bonito jardim. O ambiente low profile, o serviço atencioso e a sensação de exclusividade me conquistaram imediatamente.

Lodge em reserva de safári na África do Sul
A área ao ar livre do lodge ao lado da Shamwari Game Reserve / Foto de Carla Lencastre

As diárias incluem dois safáris por dia e três refeições (com bebidas alcoólicas nacionais), como é comum neste tipo de hospedagem. O lodge mantém o jeito de casa, com lareira, livros por toda a parte, mesa de sinuca, poltronas e sofás confortáveis, obras de arte, vasos de flores. No bar, conheci um bom gim artesanal da Cidade do Cabo, o Cape Town Rooibos Red Gin. Nas refeições, servidas em um bufê caprichado, destacaram-se o pão assado lá mesmo, carnes e frutos do mar grelhados na hora e na frente dos hóspedes, a variedade de queijos e frutas frescas. As louças são feitas especialmente para o lodge e decoradas com desenhos de animais selvagens. Nos quartos, há uma garrafa de cristal com vinho de sobremesa. Perfeito para o fim de noite.

O mais importante: os safáris foram ótimos. Os quartos têm uma extensa lista com toda a fauna e a flora da região, inclusive deixando claro quais são os animais raros na área, como hipopótamos. Participei de dois games, um à noite e outro na manhã seguinte. Montanhas ao fundo criam um panorama diferente dos safáris no Kruger e arredores. Em momento algum vimos mais do que um outro veículo com passageiros. Na maior parte do tempo, estávamos sozinhos. Dos Big Five, só não encontramos leopardos, mas eles estão por lá. (Neste acaso, acho que o problema sou eu. Em mais de uma década de idas à África do Sul, com amplo currículo de safáris em diferentes áreas do país, o leopardo nunca apareceu para mim.)

Rinocerontes em safári na África do Sul
Rinocerontes no safári de fim de tarde (os da imagem no alto foram vistos pela manhã) / Foto de Carla Lencastre

Os safáris do Founders Lodge não têm trackers. A ausência desta figura importante para uma expedição bem-sucedida é compensada por rangers da região. O que nos acompanhou era bem treinado, divertido e não hesitava em sair das trilhas em busca de guepardos, por exemplo. Sem abrir mão da segurança em momento algum, o que é fundamental neste tipo de atividade. À noite, durante o jantar, contou histórias curiosas sobre a reserva e os arredores.

Os veículos do safári são abertos e o ranger organiza paradas para o café da manhã e os sundowners em meio à expedição, como acontece nos safáris dos lodges mais conhecidos do Kruger e do Great Kruger. No game drive no fim da tarde, a mesa ao ar livre tem vinhos sul-africanos branco e tinto, gim britânico, água tônica, frutas e frutos secos, chips salgados.

Há uma diferença importante em comparação a outros lodges mais luxuosos e integrados à savana. O Founders é cercado e fica em uma área adjacente à Shamwari, onde são feitos os safáris. Ou seja, não há possibilidade de ter elefante bebendo água na piscina. Dentro da reserva, há outras sete opções de hospedagem para diferentes perfis. Confira as outras opções para safáris na África do Sul, na Shamwari, clicando aqui. Como na maioria dos lodges de safáris, na Shamwari não são permitidas crianças menores de 4 anos.

Leão em safári na África do Sul
Não resisto à legenda clichê: acho que vi um gatinho… / Foto de Carla Lencastre

Safári no continente africano é como bangalô sobre as águas de Bora Bora, na Polinésia Francesa: você não espera que seja menos do que perfeito. E isso tem um custo. Safári não tem como ser barato. A inspector Mari Campos explica bem o porquê neste post aqui (e recomenda também lodges incríveis na área do Kruger). Dá para economizar dirigindo seu próprio carro em um parque nacional. Fiz isso no Hluhluwe-iMfolozi e não indico. O motorista até era acostumado com a mão inglesa (o que seria um problema se eu estivesse dirigindo). Ainda assim achei estressantes tanto a sensação de insegurança (este elefante está entretido derrubando a árvore ou vai vir para cima do veículo?) quanto a falta de conforto da hospedagem econômica do parque. O Founders Lodge foi uma surpresa de como gastar um pouco menos mantendo o conforto e a emoção de estar em meio à vida selvagem proporcionada por um bom safári.

Hotel Inspectors está também no Instagram, no Facebook e no Twitter. Acompanhe pelas redes sociais as nossas descobertas!

Mais hotéis de luxo na Geórgia, EUA

No meu post mais recente, que você pode ler aqui, falei sobre alguns hotéis no estado da Geórgia, nos Estados Unidos, relacionados ao filme “E o Vento Levou”, um de meus preferidos na vida – “Frankly, my dear, I don’t give a damn“. Porém, é evidente que a hotelaria da região não se restringe ao tema e à volta ao passado. Na mesma viagem, também fiquei hospedado em dois hotéis de luxo, que renderam experiências incríveis: o Four Seasons Atlanta, na região de Midtown; e o Château Élan, em Braselton, a 40 minutos de carro de Atlanta.

A torre GLG Grand, onde fica o Four Seasons, nos melhores arredores de Atlanta | Foto: divulgação

Não é segredo que a rede Four Seasons escolhe as melhores localizações para se instalar. E, de fato, Midtown Atlanta tem o best of the best da cidade: gastronomia e vida noturna, o pulmão verde Piedmont Park, o Fox Theatre, com musicais da Broadway, e também o centro cultural Woodruff Arts Center, sede do High Museum of Arts, um dos melhores acervos de arte americana no país. A torre art déco do Four Seasons, a GLG Grand, é a mais alta dos arredores, com 186 m e 53 andares, dos quais um terço pertence ao hotel. O átrio não deixa dúvidas sobre a elegância da escolha: uma grande escadaria de mármore espanhol vermelho, lustres de cristal, grandes colunas e mobiliário em estilo europeu.

A elegante escadaria em mármore espanhol vermelho do Four Seasons Atlanta | Foto: divulgação

Em seus 19 andares, o Four Seasons concentra 226 apartamentos e 18 suítes, com vistas panorâmicas para Midtown. Fiquei hospedado na Luxury Suite, decorada em tons pastel e dourado, com sala de estar, camas king size e salas de banho em mármore e banheira. Além dos mimos cinco-estrelas já conhecidos da marca – amenidades assinadas pela Bulgari, vinho, frutas  de boas-vindas, etc. –, a hospitalidade e o atendimento personalizado impressionam. No desjejum, manifestei ao garçom a curiosidade de saber se o carrot cake, bastante comum em outras partes dos Estados Unidos, também era servido na Geórgia. Mais tarde, a surpresa: quatro cupcakes do sabor mencionado estavam à minha espera em cima da mesinha do living.

Luxury Suite e carrot cakes: seu desejo é uma ordem | Fotos: Fernando Torres

Localizado no térreo, o spa foi outro suprassumo. Fiz uma das melhores tratamentos de que tenho lembrança, o The Midtown Massage, que inclui esfoliação, reflexologia e massagem corporal e no couro cabeludo, seguida de uma taça de prosseco. A área ainda abriga o fitness center, com piscina olímpica coberta e aquecida, banheira de hidromassagem, sauna seca e úmida, academia e um terraço.

Château Élan, em Braselton, inspirado nas construções rurais da França| Foto: Fernando Torres

O resort Château Élan, por sua vez, é a opção para quem quer fugir da cidade. O complexo, em uma área verde de 3,5 mil acres, compreende campo de golfe, piscina, jacuzzi, quadra de tênis, vinhedos, adega e sete restaurantes, dos quais o carro-chefe é o Versailles, especializado na tradicional cozinha americana. A atmosfera das construções remete aos castelos rurais da França do século 16, especialmente o prédio principal, com 250 apartamentos e 25 suítes, todos com decoração ao estilo provençal, nos tons dourado e azul-mediterrâneo. Outra opção de pernoite são as vilas, indicadas para grupos maiores, já que têm de dois a três quartos, cozinha equipada e sala com lareira de LED.

Vocês já sentiram que eu gosto de spa, né?! Pois bem, o do Château Élan fica em um prédio reservado, em estilo mansão de campo francesa, e também pode servir de hospedagem. No caso, sai a mesa para laptop, entra a sala de banho, com banheira e velas aromáticas. O compacto restaurante Fleur-de-Lis dá vida para o lago e a floresta que cercam a área, com pratos de calorias controladas, como a salada de camarão asiático em infusão de chá-verde. O fitness center, por sua vez, oferece aulas de ioga, pilates e hidroginástica na piscina aquecida. É pra desligar o celular e se perder em si mesmo…

No Château Élan, apenas desligue o celular e relaxe | Foto: Fernando Torres

Por ser uma vinícola, a exemplo do Vik Chile, que já falei aqui, o Château Élan também promove diariamente degustações de vinhos locais e realiza tours pelos vinhedos e adegas. A casa detém, atualmente, 29 rótulos e se anuncia como a adega mais premiada da costa Leste nos últimos três anos, com mais de 300 prêmios. Entre os destaques, o elegante e premium Nancy, blend branco das uvas Viognier, Trebbiano, Albarino e Chardonnay; o Les Petits, uma mistura de Petit Verdot e Petit Syrah; e o rosé Summer Wine, produzido a partir da uva Muscadine + essência do néctar de pêssego, a fruta ícone da Geórgia. And the livin’ is easy…

Summer Wine, and the livin’ is easy… | Foto: Fernando Torres

Cotton House: oásis em Barcelona

Cheguei em Barcelona na semana passada sob um calor surreal. A cidade estava mais abafada do que nunca e só de pisar na rua a gente sentia. Assim que cheguei ao balcão do Cotton House Hotel, a recepcionista disparou: “Faz muito calor lá fora, não? Prefere um copo d’agua ou uma taça de cava para refrescar enquanto faço seu check in?”.

Minha estada no hotel – que tem meros 3 anos de existência, fica na Gran Via, a três quadras do Paseig de Gràcia, e integra o seleto portfólio da Autograph Collection – foi uma mistura bem bolada de serviço atencioso e caprichado com uma informalidade acolhedora por parte do staff (todo bastante jovem, diga-se de passagem).

A piscina do último andar tem vista para o Eixample, as montanhas e a Sagrada Família. Foto: Mari Campos

A Autograph Collection, bandeira da Marriott que reúne hotéis boutique independentes em diversos cantos do planeta, se consolidou por reunir hotéis únicos, fora do comum (“exactly like nothing else”, como diz seu slogan), cheios de design, com foco em experiências singulares e extremamente conectados com o destino em que se instalaram. E o Cotton House Hotel é uma perfeita tradução dos valores da marca. 

Ocupando a antiga sede da Fundación Textil Algodonera, em um emblemático edifício do século XIX totalmente repaginado pelas mãos do designer Lázaro Rosa-Violán (um dos mais badalados da Espanha na atualidade), o hotel mistura muito bem a sofisticação contemporânea com história e funcionalidade – e valoriza muito a cidade onde está.

A escada espiral suspensa de 1957 foi preservada. Foto: Mari Campos

Vários elementos originais do edifício foram conservados, como o incrível teto da Library (a belíssima biblioteca que é puro sossego e, sem dúvidas, o cômodo mais bonito e fotografado de todo o hotel), a imponente escada de mármore de um lado, a impressionante escada espiral de 1957 do outro (suspensa pelo último andar ao invés de presa ao térreo), o delicado parquet do piso… Ao mesmo tempo, todas as facilidades contemporâneas estão lá (incluindo muitas tomadas e entradas USB nos quartos), wifi de excelente qualidade e móveis de design arrojado que dão a tônica aqui e ali nas áreas comuns. 

O passado têxtil do edifício também é honrado em uma das experiências exclusivas que o hotel oferece aos seus hóspedes: a possibilidade de confeccionar uma camisa sob medida com os alfaiates da Santa Eulalia, os mais premiados de Barcelona.

O Cotton Room tem décor muito leve e adorável terraço para o Eixample. Foto: Mari Campos

Os 83 quartos são puro sossego: todos muito luminosos, cores clarinhas, quietos, e sempre com um toque de algodão na decoração (da plantinha em si aos delicados papéis de parede de inspiração botânica) para lembrar o passado do edifício. A gente sequer tem noção de que o hotel tem esta quantidade de quartos, dado o sossego constante em todas as áreas.

Meu quarto era do tipo Cotton room (há diferentes tipos de quarto, incluindo sete suítes), que tem sempre um adorável terraço privativo olhando para o pátio do hotel e os predinhos típicos do Eixample (perfeito para tomar o primeiro cafezinho da manhã). Cama King size, poltrona, boa mesa de trabalho, Nespresso, banheiro grande com banheira e ducha, luxuosas amenidades de banho 100% naturais e mediterrâneas da marca Ortigia da Sicília e uma completíssima “amenities box” que incluía até escova de cabelos.  O meu quarto era no segundo andar e tinha mesmo vista apenas para o pátio e predinhos do entorno, mas me disseram que os quartos dos andares mais altos chegam a ver o mar. 

Detalhe do Batuar Bar e Restaurante. Foto: Mari Campos

Um importante diferencial do Cotton House em relação a outros hotéis de luxo da cidade é que seu público é essencialmente leisure. Você não vê nunca viajantes a trabalho e sim somente casais, famílias, grupos de amigos e solo travelers, todos a lazer, o que garante um ambiente o tempo todo extremamente casual e relaxado à propriedade. O staff também é sempre muito informal (apesar de chamar os hóspedes pelos nomes e ser sempre solícito), a “welcome message” no quarto é escrita com battom no espelho e a própria área dos concierges é adoravelmente chamada de Gossypium. 

Das áreas comuns, além da biblioteca e da incrível lap pool no rooftop (com vista espetacular para a cidade e a Sagrada família!), destaque para o Batuar Bar & Restaurant. É ali, tanto no belo ambiente interno quanto no charmoso pátio, que o café da manhã em estilo buffet (mas com pratos quentes à la carte) é servido todos os dias até 11h da manhã, e também funciona para almoço e jantar com cozinha Catalã contemporânea (destaque absoluto para as tapas da casa, excelentes!). Ressalva apenas para o serviço de bebidas e pratos quentes no café da manhã, que é bastante lento. Falo mais sobre o restaurante e o bar do hotel neste meu texto para o Estadão. 

 

 

 

 

O Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel. Acompanhe nossas descobertas pelas redes sociais também.

Eu deixei meu coração no Fairmont San Francisco

Dentre as várias possibilidades de experiências de viagem, uma das que mais me encanta é a dos hotéis centenários. Por isso, ao “bookar” uma viagem para San Francisco, na Califórnia, os olhinhos brilharam na quantidade de hotelões históricos, cheios de pompa e circunstância.

O mais antigo da cidade é o Palace, na Montgomery Street, que remonta a 1875. Já o Westin St Francis, de 1904, fica na Union Square e deu por concluída uma reforma de US$ 45 milhões em abril de 2018, o que significa o melhor dos mundos (pelo menos do meu): memórias com conforto. Tem também o Ritz-Carlton, em Nob Hill, de 1910; o Whitcomb, na Market Street, de 1916; o InterContinental Mark Hopkins, de 1926, em Nob Hill; e o Kimpton Sir Francis Drake, de 1928.

Todos lindos, mas cismei mesmo com o The Fairmont, ao qual fui apresentado em um almoço promovido pela AccorHotels, que representa a bandeira desde 2016. Instalado em Nob Hill, um dos bairros mais altos da cidade, o palacete em estilo neoclássico estava quase concluído na época do famoso terremoto de 1906. Enquanto as mansões ao seu redor vieram “na chon”, o futuro hotel sobreviveu.

Desde então, muita história rolou por lá. A começar pelo processo de reconstrução do interior, infelizmente, bastante danificado. Stanford White, o arquiteto escolhido para a missão pelos donos – que, aliás, haviam comprado o hotel dos primeiros investidores, a família irlandesa Graham Fair, poucos dias antes do terremoto –, foi assassinado à queima-roupa enquanto jantava em New York.

A escolha, então, recaiu sob a arquiteta Julia Morgan, primeira mulher formada pela École des Beaux-Arts, em Paris. E ela fez um trabalho magnífico com o The Fairmont, que finalmente foi inaugurado em 1907.

Graças a uma reforma realizada há quase duas décadas, o lobby pode ser conferido atualmente de forma muito fiel ao esplendor de Julia, com os mármores originais do piso e das colunas, sem economizar em douradices.

O lobby projetado por Julia Morgan no início do século 20 em todo o seu esplendor

Estão lá também o lendário Venetian Room, onde Tony Bennet apresentou pela primeira vez a música I left my heart in San Francisco, em 1961 – momento eternizado por uma estátua do cantor em frente ao hotel. Reaberto em 2010, a casa também recebeu, com regularidade, nomes como Ella Fitzgerald, Nat King Cole e Tina Turner. O pitoresco Tonga Room & Hurricane Bar, de comida polinésia, também é uma instituição, inaugurado em 1945, na área da antiga piscina. Já o restaurante oficial Laurel Court, anexo ao lobby, ficou fechado por seis décadas e foi reaberto na virada do século. O Fairmont foi ainda o primeiro hotel dos Estados Unidos a oferecer o serviço de concierge, a partir de 1974, cargo ocupado por Tom Wolfe – outro Tom, não o de A Fogueira das Vaidades.

Os 591 apartamentos e suítes se distribuem entre o prédio principal e uma torre de 23 andares, erguida em 1961. Foi onde me hospedei, na categoria Signature Room, com vista para a baía de San Francisco e a Ilha de Alcatraz. Elegante e renovado, o quarto conta com banheiros em mármore, com banheira, e camas superconfortáveis.

Signature Room…
… e a vista para a baía de San Francisco e a ilha de Alcatraz

As suítes se orgulham de terem recebido todos os presidentes dos Estados Unidos desde 1909, além de reis e rainhas e chefes de estado de inúmeros países (brasileiros, inclusive). A mais impressionante de todas é a Penthouse Suite, de 557 m² e inaugurada em 1926. Ela ocupa todo o oitavo andar do prédio principal, tem três passagens secretas e é alugada não apenas para hóspedes, mas também para festas privadas –  acomoda até 130 pessoas –, ao valor de US$ 18 mil a diária.

Em tempo:  o glamour de se hospedar no Fairmont tem custo relativamente acessível. San Francisco é uma cidade conhecida pelo valor alto das diárias. O Fairmont, por motivos óbvios, não é exceção, mas, quando  estive lá, consegui um preço idêntico a outras opções de categoria bem inferior pelos sites de busca. E, olha: vale cada centavo viver esse “golden dream”!

Vista do H Hotel próximo ao aeroporto de Los Angeles

Hotel novo no aeroporto de Los Angeles

Hotel próximo ou dentro de aeroporto não costuma ter muita graça. É lugar para dormir antes de um voo que parte muito cedo ou para um day use durante uma conexão longa. Mas, como dissemos lá no nosso primeiro post do blog Hotel Inspectors no Portal Panrotas, não acreditamos em hotel só para dormir. Nem mesmo dentro de aeroporto.  Foi uma boa surpresa conhecer o novo H Hotel, da Curio Collection by Hilton, próximo ao  Aeroporto Internacional de Los Angeles.

Lobby do H Hotel, próximo ao aeroporto de Los Angeles
O lobby do H Hotel. Ao fundo, “Llywood”, desenho a lápis sobre papel de Susan Logorecci / Foto de Carla Lencastre

O H Hotel, próximo ao Aeroporto de Los Angeles

Inaugurado em outubro passado, o H Hotel oferece transfer gratuito 24 horas por dia (são apenas cinco minutos de distância do aeroporto), um bom chuveiro, cama confortável, janelas antirruído com vista para o LAX e Wi-Fi grátis. O que se espera hoje em dia de um bom hotel de aeroporto.

Quarto do H Hotel, próximo ao aeroporto de Los Angeles
Um dos quartos do hotel novo do LAX, inaugurado em outubro passado / Foto de Carla Lencastre

O H vai adiante e tem um lobby com design cheio de graça e obras de arte inspiradas em Los Angeles e no aeroporto; quartos amplos, elegantes e de pé direito alto; restaurante de cozinha californiana (Waypoint Kitchen+Bar, com café da manhã das 6h às 10h e jantar das 17h às 22h), piscina ao ar livre, academia de ginástica e divertidos robôs, chamados Hannah, que podem atender pedido simples, como entregar toalhas extras ou um snack.

Robô do H Hotel, próximo ao aeroporto de Los Angeles
Hannah, um dos robôs do H Hotel Los Angeles / Foto de Carla Lencastre

O H Hotel divide um prédio da década de 1960 (e o lobby, o restaurante e a piscina) com o Homewood Suites by Hilton, em uma propriedade dual-branded. Ainda que tenha 168 quartos e suítes, parece um hotel boutique que poderia estar na vizinha Venice Beach.

Lobby do H Hotel, próximo ao aeroporto de Los Angeles
O balcão de check-in, dividido com o Homewood Suites / Foto de Carla Lencastre

A Curio Collection é uma das mais interessantes bandeiras hoteleiras surgidas recentemente. Lançada em 2014, conta com mais de 50 hotéis upscale e de luxo em todo o mundo. São propriedades independentes, que têm em comum arte, design e gastronomia.

Lobby do H Hotel, próximo ao aeroporto de Los Angeles
Prédios de Los Angeles na obra “Facades of LA”, com fotos de Paul Brokering / Foto de Carla Lencastre

O aeroporto de Los Angeles tem um pró e um contra para longas conexões. O pró: está a 20 minutos de táxi ou Uber de Venice e a 30 minutos do Santa Monica Pier. Ou seja, dá para caminhar às margens do Oceano Pacífico entre um voo e outro. O contra: não tem lugar para guardar bagagem. O que torna mais importante um hotel com day use, como o H.

Píer de Santa Monica, em Los Angeles
O píer de Santa Monica, a apenas 30 minutos de carro do H Hotel / Foto de Carla Lencastre

Foi assim que eu o descobri, quando tive 9h30m de conexão antes de voar pela Air Tahiti Nui para Papeete, na Polinésia Francesa (tem uma análise sobre hotéis de luxo em Bora Bora clicando aqui).

Alguma dica de hotel de aeroporto? Deixe na caixa de comentários!

Hotel Inspectors está também no Instagram, no facebook e no Twitter.