A Hotelaria de luxo e a sustentabilidade possível

Não é de hoje que o turista se preocupa com a sustentabilidade de suas viagens. Do rastro de carbono dos voos aos canudos de nossas bebidas, cada vez mais nos engajamos em fazer nossas viagens mundo afora o mais eco-friendly possíveis. No mercado de luxo, este tem sido um tópico ainda mais pulsante, e há ainda mais tempo – tanto que diversas propriedades perceberam, felizmente, que conjugar o máximo de conforto e a excelência em serviços com sustentabilidade é um casamento pra lá de possível. Tão certeiro, aliás, que diversos hotéis já estão nascendo voltados para essa filosofia.

É o caso, por exemplo, do novíssimo Kudadoo Maldives Private Island by Hurawalhi , um refúgio exclusivo em uma ilha privada das Maldivas com apenas 15 acomodações em sistema overwater bungalow. Ali, tudo está incluído, do fine dining aos tratamentos de spa.  Parte essencial do luxuoso resort desde seu primeiro projeto, 300kv de painéis solares estão incorporados aos telhados, garantindo autosuficiência energérica à ilha – tornando-o o primeiro resort de luxo totalmente sustentável no arquipélago.  Além disso, somente plantas e árvores nativas foram culivadas no local, estrategicamente plantadas para prevenir erosão. O consumo de plástico é reduzido, há programa de reciclagem de alimentos e estufas produzindo localmente itens frescos para os hóspedes.

O Kudadoo Maldives Private Island by Hurawalhi, nas Maldivas. Foto: Diego de Pol (Divulgação).
O Kudadoo Maldives Private Island by Hurawalhi, nas Maldivas. Foto: Diego de Pol (Divulgação).

O adorável Borgo San Pietro , na Toscana, era terra abandonada e foi totalmente re-cultivado pelos donos, que plantaram ali milhares de árvores, certificando suas terras como “organic farmlands” e garantindo produtos fresquíssimos ao seu restaurante estrelado no Michelin.  Também criaram uma linha de cosméticos naturais usando o máximo de sua própria produção agrícola – com direito a laboratório de pesquisa e produção in loco, sem desperdício de nada.

Mas alguns hotéis vão seguramente mais longe, com os safari camps da Great Plains Conservation . A rede de acampamentos de safári estrategicamente distribuídos por 3 países africanos (falo mais deles aqui) , fundada pelo casal Beverly e Derek Joubert, já nasceu de fato sustentável. Seu irretocável Zarafa Camp, no norte da Botsuana, foi o primeiro camp/lodge de safári 100% auto-suficiente energeticamente do país.

Extremo conforto sem abrir mão da sustentabilidade e conservação no Duba Plains da Great Plains Conservation. Foto: Mari Campos
Extremo conforto sem abrir mão da sustentabilidade e conservação no Duba Plains da Great Plains Conservation. Foto: Mari Campos

Mais que isso, a Great Plains desenvolveu todo seu business plan (são oito camps diferentes hoje, incluindo um novinho em folha, o Mpala Jena, inaugurado em dezembro passado no Zimbábue) apostando em um turismo totalmente sustentável (sensível, com baixo volume e baixo impacto), capaz de reverter seus proventos em conservação e apoio às comunidades locais (todo o lucro dos camps é inteiramente reinvestido nos mesmos e nos projetos sócio-ambientais que o casal apoia, dos Rhinos Without Borders ao Lamps for Learning Conservation Camp for Kids).  

Com todas as tendas e áreas comuns construídas com madeiras e lonas recicladas, seus camps unem o máximo do conforto (camas enormes, lençóis de muitos fios, banheiras soak in, gastronomia com selo Relais&Chateaux e outras amenidades de luxo, sobretudo nos absolutamente irrepreensíveis Duba Plains e Zarafa Camp) com o máximo de interação possível com o meio ambiente, incluindo atividades de safári que vão muito além dos game drives tradicionais (como em barcos, canoas, walking safaris etc). Hoje os camps são energeticamente suficientes através de energia solar, reaproveitam alimentos, reciclam lixo etc.

Luxo máximo em sistema tudo incluído no The Brando, um dos hotéis mais sustentáveis do mundo. Foto: Mari Campos
Luxo máximo em sistema tudo incluído no The Brando, um dos hotéis mais sustentáveis do mundo. Foto: Mari Campos

Mas é difícil bater, neste quesito, o resort The Brando , na Polinésia Francesa, considerado um dos mais luxuosos e também um dos mais sustentáveis hotéis do planeta. E também já nasceu 100% sustentável. Para começar, desenvolveu o SWAC (Sea Water Air Conditioning), uma tecnologia de ponta que retira água do mar do fundo do oceano para resfriar o sistema de ar condicionado, de maneira auto-suficiente e em sistema de looping, “devolvendo” a água ao oceano ao final do processo – técnica que já começa a ser pesquisada e implantada por outros hotéis (como o Intercontinental Resort Bora Bora & Thalasso Spa, também no Tahiti; falo mais sobre esses hotéis aqui).

Enquanto isso, estima-se que hotéis da Polinésia Francesa em geral gastem cerca de 60% de seu consumo total apenas em ar condicionado.  O SWAC sozinho é capaz de reduzir em 90% o consumo desse tipo de energia, reduzindo signficantemente os custos da hotelaria enquanto contribui para salvar o planeta – uma solução relativamente simples para ilhas desabitadas (como o atol de Tetiaroa, onde está localizado o The Brando), que são rodeadas de água mas geralmente dependentes do continente para energia. 

O SWAC do The Brando é tão revolucionário que começa a ser implementado também em outros hotéis, como o Intercontinental Resort Bora Bora & Thalasso Spa. Foto: Mari Campos
O SWAC do The Brando é tão revolucionário que começa a ser implementado também em outros hotéis, como o Intercontinental Resort Bora Bora & Thalasso Spa. Foto: Mari Campos

Além disso, o The Brando possui também dois tipos de painéis solares espalhados por toda a propriedade, num total de mais de 3700 deles, que provêem, sozinhos, mais de 60% da energia total necessária para manter um resort de luxo funcionando – sem racionamentos ou restrições para o lado do hóspede.  Até o final desse ano, devem ser auto-suficientes para 75% de sua necessidade energética, dia e noite. Têm também sistema de “food digester” para transformar resíduos alimentícios em composto em 24h, vidros são prensados e entregues a uma companhia polinésia que o reutiliza em construção, latas são vendidas a uma companhia que as transforma em material alumínio básico, óleo de cozinha é redistribuídos a duas companhias que o transforma em combustível biológico, armazenam e reutilizam água das chuvas e mais uma série de medidas inteligentes.

Os hóspedes, é claro, são convidados a separar o lixo inclusive dentro de suas vilas – mas tudo de maneira natural, sem interferir de modo nenhum no conforto deles durante a estadia (o hotel é internacionalmente premiado por seu irrepreensível sistema de hospedagem tudo incluído).  E eles ainda se beneficiam dos produtos fresquíssimos produzidos ali mesmo (de tomates a berinjelas), transformados em pratos de alta gastronomia, e dos mais de 200kg de mel produzidos mensalmente nos apiários espalhados pelo atol. 

É preciso investir alto, é claro. Mas os retornos vêm altos também, seja na redução de custos, na economia de recursos do planeta e, obviamente, nos laços estreitados com os hóspedes – que, sim, estão cada vez mais atentos a tudo. 

Casa de Uco Mendoza

Ainda a retrospectiva 2018: mais melhores hotéis do meu ano

Antes de entrar de vez em 2019, dei uma última olhada para o meu 2018 e selecionei outros bons hotéis do ano. Para ver os primeiros (em ordem cronológica, de janeiro a maio) é só clicar neste link que leva à lista inicial dos melhores hotéis do meu 2018. Agora relaciono os meus hotéis preferidos entre junho e dezembro. Estive em todos estes hotéis durante as minhas viagens, a trabalho ou pessoais. Nestas duas listas não estão incluídas as propriedades visitadas pelos inspectors Fernando Torres e Mari Campos.

Quarto Biltmore Miami
Um dos novos quartos do Biltmore, em Coral Gables, Miami | Foto de divulgação

Junho. Estive em quatro diferentes bons hotéis na Flórida, cada um de um estilo. Dois foram novidades pra mim. Em Palm Beach, pouco mais de uma hora ao norte de Miami, o resort Breakers (com destaque para a exclusiva e recém-renovada área do Flagler Club) e o intimista e low profile Brazilian Court dividiram meu coração. Em Miami, voltei ao Biltmore e ao W South Beach. O clássico Biltmore precisava mesmo de um ar fresco nos quartos, que foram renovados ao longo do segundo semestre. As áreas comuns estavam impecáveis e e o brunch de domingo continua ótimo (e lotado). O festeiro W comemora dez anos este ano em forma e com novas suítes. As áreas ao ar livre foram refeitas depois do furacão Irma, que passou em setembro de 2017. Com humor e foco em sustentabilidade, o novo bar ao ar livre, inaugurado no fim do ano, chama-se Irma’s e aproveita a madeira de uma árvore que ficava no local e foi derrubada pelo vento.

Irma's Bar W South Beach
O novo Irma’s Bar, no W South Beach | Foto de divulgação

Julho e agosto. Foram meses de Rio de Janeiro e viagens curtas pelo Brasil. Aproveitei para voltar aos meus restaurantes favoritos nos hotéis do Rio.

Quarto Andaz Mayakoba Riviera Maya
O quarto do Andaz Mayakoba, na Riviera Maya | Foto de Carla Lencastre

Setembro. Voltei ao delicioso Andaz Mayakoba, onde fiquei pela primeira vez em 2017, alguns meses depois de inaugurado. Conheço os outros três hotéis do complexo na Riviera Maya, todos bons, mas o Andaz me conquistou com seu estilo de casa de praia chique. Desta vez fiquei em um quarto pé na areia, o que recomendo para uma experiência ainda mais relaxante. Clicando aqui você lê sobre outros bons hotéis na Riviera Maya, como o Nizuc, perto de Cancún, e, na direção oposta, perto de Tulum, Hotel Esencia. Gosto dos dois.

Leia mais sobre alta costura e hotelaria de luxo na Riviera Maya

Welcome to Life! A fachada do prédio histórico do Life Hotel | Foto de Carla Lencastre

Outubro. O novo Life Hotel não é de luxo nem fica em uma região de Manhattan que eu curta muito, Midtown. Mas me surpreendeu pela história (fica no prédio da Life Magazine); o quarto confortável, bonito, amplo (para os padrões nova-iorquinos) e com boas soluções de design; o maravilhoso bar e restaurante (na lista das melhores novos restaurantes em Nova York em 2018 segundo o New York Times); a relação custo x benefício e, acredite, o serviço, acima da média para hotéis desta categoria nesta cidade.

O panorama da janela da minha suíte na Casa de Uco, em Mendoza | Foto de Carla Lencastre

Novembro. Duas viagens bem diferentes, dois bons hotéis: Casa de Uco, em Mendoza, na Argentina, e Hyatt Centric Brickell Miami. Com uma vista incrível para a Cordilheira dos Andes e os vinhedos (como mostra a foto em destaque no alto do post), no meio do nada, a Casa de Uco foi um dos hotéis mais gostosos do ano. As 16 suítes do wine lodge são acolhedoras, com design clean e moderno, e amplas janelas em todos os ambientes, inclusive no banheiro. No restaurante com paredes em vidro, durante o dia, fica difícil saber se é melhor olhar o prato ou a vista.

Leia mais sobre o Grand Brizo Buenos Aires, novo hotel no Centro da cidade

Leia mais sobre o novo Hyatt Centric Brickell em Miami

Vista Hotel Lutetia Paris
Outono em Paris visto da suíte presidencial do Hôtel Lutetia | Foto de Carla Lencastre

Dezembro. O ano viajante começou a terminar onde começou, na Europa. Em Paris, visitei a maior novidade de 2018 na hotelaria de luxo da capital francesa, o lindo Hôtel Lutetia. Reaberto em meados do ano passado, parece corresponder a todas as expectativas. E no finzinho de 2018 passei uns dias perfeitos de sol e sal em Búzios. Aqui meu coração é do Casas Brancas, no Morro do Humaitá. Além de um ótimo restaurante, o hotel agora tem um delicioso bar de gim, o 74, com entrada pela Orla Bardot.

Leia mais sobre o Hôtel Lutetia, em Paris, e um grand tour pela Europa

Que venham as novidades de 2019!

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Pôr do sol Arpoador Fasano Rio

Retrospectiva: melhores hotéis do meu 2018

Feliz Ano Novo! Hotel Inspectors entramos em 2019 na contagem regressiva para comemorar nosso primeiro aniversário, em março. Ano 1 do blog, enquanto o Instagram Hotel Inspectors já vai para o seu segundo ano (ainda não segue?!?). Ao longo destes dez últimos meses, publicamos 52 posts sobre temas variados (novidades no mercado hoteleiro, bares e restaurantes concorridos, curiosidades de propriedades históricas e até endereços de fantasmas), além de resenhas sobre hotéis recém-inaugurados ou não.

Viajamos pelo Brasil, pelas Américas, por Europa, África e Oceania. Mostramos os hotéis nos quais se hospedaram as seleções que disputaram a Copa do Mundo, defendemos o fim da cobrança das cápsulas de café expresso nos hotéis de luxo e estivemos entre os primeiros a conhecer novas propriedades, inclusive no Brasil. Participamos de três ILTMs, a mais importante feira de viagens de luxo. E este foi apenas o começo!

Os melhores hotéis do (meu) mundo em 2018

Já eu dou início a 2019 relembrando meus melhores hotéis de 2018. A lista é dos primeiros meses. O restante do ano fica para um próximo post.

Janeiro. O verão começou no Rio, onde tenho o privilégio de morar. Visitei (e aproveitei) os hotéis cariocas e destaco quatro, aos quais voltei ao longo do ano e que estão em ótima forma para 2019: Belmond Copacabana Palace, Emiliano Rio (também na Praia de Copacabana, no Posto 5, perto de Ipanema), Fasano Rio (no Arpoador) e Santa Teresa MGallery by Sofitel. Todos têm ótimos bares e restaurantes. O Fasano, por exemplo, acaba de inaugurar o quiosque Marea, no calçadão de Ipanema, com bons drinques e umas das melhores vistas para o pôr do sol carioca (foto no alto). Agora é aguardar o Fairmont Rio, a mais importante abertura hoteleira no Brasil em 2019, marcada para 2 de abril. Conto mais sobre este e outros novos hotéis de luxo em 2019 na reportagem de capa da Panrotas, páginas 20 a 29.

Mick Jagger Trafalgar St James
O jovem Mick Jagger no meu quarto no Trafalgar St James | Foto de Carla Lencastre

Fevereiro. Depois do carnaval, meu verão virou alto inverno e desembarquei em Londres debaixo de uma das maiores nevascas que a cidade já viu. A neve não chegou a atrapalhar muito o programa, graças à perfeita localização do Trafalgar St. James, hotel na época recém-inaugurado da Curio Collection. Esta é uma das bandeiras mais interessantes da Hilton, da qual já conheci alguns hotéis e sou fã. Gosto muito da ideia de reunir sob um mesmo guarda-chuva hotéis independentes que têm como denominador comum o interesse pela arte. Cada propriedade demonstra isso de uma maneira. No Trafalgar St. James é através de uma espetacular coleção de fotos em preto e branco de ícones pop, de David Bowie e Mick Jagger a William & Kate, feitas ao longo de quatro décadas pelo britânico David Hogan.

Leia mais sobre hotéis assombrados no Reino Unido.

Leia mais sobre o melhor bar de hotel do mundo, em Londres.

Leia mais sobre outro melhor bar de hotel do mundo, também em Londres.

Leia mais sobre o H Hotel, da Curio Collection, no Aeroporto de Los Angeles.

Bungalow ovewater Le Taha'a
O amanhecer visto da cama do meu bangalô em Taha’a | Foto de Carla Lencastre

Março. O grande destaque do mês, e do meu ano viajante, foi finalmente conhecer o verão eterno da Polinésia Francesa. Acordar em um bangalô sobre a água azul-turquesa de Bora Bora foi, sem dúvida, a experiência mais incrível do ano. Mas Bora Bora me deixou com uma conjunção adversativa quando o assunto é hotelaria de luxo, sobre a qual escrevi no meu post de estreia deste Hotel Inspectors. O hotel da Polinésia Francesa que entra na minha lista de melhores é o delicioso Le Taha’a, um Relais & Châteaux com jardim de corais praticamente privativo, na ilha homônima de Taha’a.

Canguru The Louise Barossa Valley
Companhia para o café da manhã no Louise, no Barossa Valley | Foto de Carla Lencastre

Abril. Mês de voltar ao Pacífico Sul e à Austrália. Além de Sydney, onde retornei ao sempre moderno e divertido QT (ainda que não seja para todo tipo de viajante), fui também a Melbourne (fiquei no clássico e bom Langham) e conheci a região de South Australia, onde estão Adelaide e o Barossa Valley, uma das principais regiões vinícolas do mundo. O destaque vai para mais um Relais & Châteaux, The Louise, no Barossa, onde você escolhe entre tomar café da manhã vendo cangurus ou admirando vinhedos.

Leia mais sobre grandes marcas de luxo no cenário da hotelaria australiana.

Restaurante The Art, a Hotel Denver
Rochosas ao fundo (e o “oceano”) no restaurante do Art, em Denver | Foto de Carla Lencastre

Maio. Em Denver, fiquei hospedada no correto Hilton City Center e visitei outros hotéis novos ou renovados, sobre os quais você pode ler nesta reportagem para a Panrotas. Chamo a atenção, excepcionalmente, para um hotel no qual não me hospedei, mas fui conquistada pelo serviço: The Art. Levei um tombo espetacular quase na entrada do hotel, onde cheguei com sangue escorrendo em uma das pernas. Imediatamente o segurança me mostrou o elevador que levava ao lobby. Lá, fui rapidamente encaminhada para o banheiro, onde recuperei um pouco da dignidade.

Enquanto esperava a dor diminuir, aproveitei para o conhecer o bar. O drinque veio acompanhado de gelo para o joelho, que realmente não estava em seu melhor momento. Durante todo o tempo em que estive no Art, os funcionários (portaria, lobby, bar e restaurante) foram extremamente atenciosos, perguntando o tempo todo se eu estava confortável, se precisava de médico, de remédio, de mais gelo, de outro drinque… Deixando de lado a experiência pessoal (e subjetiva), o hotel é dos mais bonitos da cidade. Fica ao lado do Denver Art Museum, projetado pelo star architect Daniel Libeskind, e é decorado com diversas obras de arte contemporânea.

Obrigada pela companhia em 2018! Continue com a gente que tem mais

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Nizuc e a hotelaria mexicana de primeira linha

Não dá para negar que Cancun tenha andado em baixa no fluxo de brasileiros nos últimos anos. Depois de tanto tempo como queridinho nacional, recebendo hordas de turistas todos os anos, Cancun testemunhou considerável queda no número de brasileiros que visitam o destino – principalmente no mercado de luxo. A zona hoteleira se massificou, adolescentes americanos bêbados tomaram boa parte do boulevard em alguns períodos do ano e os hotéis de luxo da orla já precisam de remodelação há um tempo. Com razão, ganharam espaço os charmosos hotéis boutique de Playa de Carmen e os novos hotéis do complexo hoteleiro de luxo de Mayakoba.

Mas há esperança para o turismo de luxo em Cancun, sim (o destino, aliás, deve ganhar novo fôlego entre brasileiros a partir de meados de 2019, quando voltaremos a ter voo direto do Brasil para lá). E essa esperança atualmente atende pelo nome NIZUC. O charmoso hotel, parte do portfólio da Preferred Hotels, trouxe a hotelaria mexicana de primeira linha, enfim, de volta à cidade.

Localizado a menos de 15 minutos do aeroporto de Cancun, o Nizuc ganha pontos já na largada pro estar instalado com exclusividade na linda Punta Nizuc, sem qualquer grande shopping ou balada na vizinhança. Tem hóspede que mal deixa o hotel durante a estadia, mas vale saber que o “entertainment district” de Cancun está a 20 minutos de carro e o hotel é base excelente para passeios clássicos da Riviera Maya, como as ruínas de Tulum ou Chichén Itzá, as esculturas subaquáticas do MUSA ou um dos muitos cenotes da região.

Foto: Mari Campos

Típico hotel-destino, que já vale a viagem por si só (falo mais sobre isso neste texto aqui), o resort ocupa 29 acres de uma antiga propriedade governamental banhada pelas águas transparentes do Caribe, jardins tropicais e uma imensa área de mangue protegida. Não à toa, o Nizuc foi eleito um dos 10 melhores resorts do México por publicações internacionais como a Travel+Leisure – com o adendo importantíssimo de, na maior parte do ano, ter preços bem mais convidativos que hotéis de mesmo nível em outros cantos do país.

O design premiado conta com uma entrada super imponente, com direito a muita madeira e pedra em todo o resort, mesclando com perfeição o design contemporâneo mexicano com o minimalismo asiático. O paisagismo tropical, do manguezal à beira-mar, também merece destaque.  No total, são 274 acomodações distribuídas entre suítes e vilas – sempre com muito espaço e luz natural, e contando com incríveis banheiras, serviço de mordomo e piscinas privativas na maior parte delas. O resort também é totalmente “access-friendly”.

Detalhe do belo lobby do Nizuc. Foto: Mari Campos

A maior vantagem é que a propriedade é tão grande e tão bem planejada (com tantos espaços diferentes) que, apesar das quase três centenas de quartos, não passa a ideia de “lotada” nem mesmo quando está em sua ocupação máxima. Além de duas prainhas privativas simplesmente deliciosas, com direito a bancos de areia, água turquesa e esportes aquáticos como snorkel e kayak incluídos, o Nizuc conta com cinco piscinas, sendo uma exclusiva para adultos. Aliás, o hotel é family friendly, com excelente kids club incluído, mas consegue muito bem manter uma aura de romance na maior parte do hotel (o menu de atividades românticas, aliás, é extenso, incluindo jantares privativos à beira-mar, pé na areia).

Somem-se a isso duas quadras de tênis, 3 lounge bars com vistas perfeitas para o por do sol (incluindo um com música cubana da melhor qualidade ao vivo) e seis restaurantes caprichadíssimos: Ramona, para autêntica comida Mexicana com twist contemporâneo; Indochine, um asiático irretocável, perfeito para o jantar; Terra Nostra, de cozinha mediterrânea com óbvio destaque para pratos italianos, tudo feito lá mesmo, que serve também um famoso brunch de domingo; Ni, o adorável restaurante peruano do hotel, de ambiente super casual e ceviches simplesmente irretocáveis, perfeitos para os dias quentes da Riviera; Café de la Playa,  o restaurante do café da manhã de todo dia, com gigantesco bufê cheio de “corners” diferentes (e mimosas incluídas todos os dias); e o La Punta Grill & Lounge, à beira da piscina exclusiva para adultos, é ótima opção para pratos leves e grelhados, dia e noite.

As espetaculares banheiras “soak in” do quartos do Nizuc. Foto: Mari Campos

Além das muitas atividades incluídas diariamente na programação “oficial do resort” (incluindo degustação de vinhos mexicanos semanalmente), diversos outros programas podem ser organizados privadamente, de cooking classes e “tequila journeys” a passeios privativos em barcos que saem do próprio píer do hotel.  E é recomendadíssima ao menos uma visita ao seu ESPA-spa durante a estadia: além do excelente menu de massagens com produtos naturais e diversas terapias de raízes mexicanas, o spa conta também com uma incrível área de hidroterapia, imensa e incrivelmente bem coordenada (incluindo uma mini massagem de 10 minutos no final!), como nunca vi em nenhuma outra propriedade.

Mas o maior patrimônio do Nizuc, a meu ver, fica por conta de seu numeroso e sempre cálido staff. Todo hóspede, visitante ou outro membro do staff é sempre saudado com o icônico cumprimento da mão pousada sobre o coração em semi-reverência, que já virou marca registrada do resort.  Exceto pelo serviço de praia (que poderia ser mais caprichado, com funcionários mais atentos e mimos como água mineral gelada cortesia, como tantos outros resorts similares fazem), o serviço em geral é consistente, simpático, afável e antecipador de vontades e necessidades. Belo hotel.

Dá para ler mais sobre minha estadia no Nizuc aqui.

Dá para ler mais sobre resorts no México aqui.

 

 

 

Acompanhe também nossas novidades nos perfis Instagram @HotelInspectors , facebook @HotelInspectorsBlog e  Twitter @InspectorsHotel.