Marca: como se posicionar em tempos de raiva política

Um aviso, este não é um texto partidário ou com viés ideológico, mas um direcionamento de como sua marca/empresa deve se comportar em sua comunicação em tempos de tanta efervescência causada pela debate político. Portanto, guardem as opiniões político-partidárias para o grupo da família no whatsapp, pois aqui vamos discutir Branding e suas aplicações.

Não adianta esconder, por mais que você possa não ser uma pessoa extremamente presente nas redes sociais ou em rodas de conversa, é notável a movimentação que existe em torno da disputa eleitoral brasileira, que eleva a discussão para além de partidos, mas para valores pessoais, afinal, chega um momento que as propostas ficam de lado e o argumento passa a ser se um candidato rouba mais que o outro, se é preconceituoso, enfim.

E tratando-se de Brasil, nós temos o dom de transformar nossos debates em verdadeiras discussões acaloradas, que chegam a agressão moral. A nossa política beira ao fanatismo por um time de futebol.

E aí vem o perigo, afinal, como minha marca/empresa, deve se comportar nesse momento? Devo me envolver no debate e tomar partido de alguém? Será melhor eu me abster da discussão e esperar as coisas passarem? Como lidar com posicionamento político dos meus colaboradores ou em minhas redes sociais? São várias questões que são abertas, mas que não têm respostas simples.

Posicionamento é renúncia

Já falei isso em artigo anterior, e esse é um mantra que repetimos na INSANE Estratégia e Comunicação, minha agência. A partir do momento que uma empresa define seu posicionamento de marca deve respeitá-lo, e isso vai além da volatilidade da opinião das pessoas que estão representando-a, mas deve-se respeitar os reais atributos definidos para aquela instituição.

Portanto, hipoteticamente, se no posicionamento de sua marca diz que ela é “engajada com as transformações políticas, sociais e econômicas do país que opera”, devemos ter uma comunicação muito mais engajada nessas questões, tomando partido, buscando fazer com que seu público a siga em prol dos mesmos ideais.

Agora, se esse ativismo não está previsto em nenhuma construção de marca, devemos ter muito cuidado, pois, nesse caso, assumir um lado, estará muito mais relacionado ao viés de quem é tomador de decisão do que, realmente, nos reais valores da marca.

Não existe certo ou errado. Mas…

…seja responsável pelos seus atos. A partir do momento que a marca escolhe um lado ela se expõe, com isso seu público se dividirá e o foco da sua comunicação será muito mais voltado para o viés da disputa em questão, portanto, deve-se estar preparado para o debate e para renunciar um público consumidor que não pensa da mesma maneira.

Da mesma forma, se no posicionamento da marca está previsto que ela tem tal engajamento, mas na prática se abstém, pode ser vista com rejeição pelo público que a segue pelos seus valores.

E o posicionamento da minha equipe?

A partir do momento que o colaborador está representando a marca deve respeitar seus valores e seu posicionamento, afinal, uma empresa é feita por pessoas, nada impede que tenham opiniões divergentes, mas deve-se ter respeito. Um outro ponto que deve ser ressaltado é que você não pode trabalhar em um empresa somente pelo dinheiro, mas deve ter também uma afinidade de valores, afinal, grande parte do seu dia ou da vida será lá.

Caso exista algum desvio de conduta, esse deve ser avaliado com muita clareza e alinhado com o profissional envolvido. O que não pode, em hipótese alguma, é deixar que o caso caia no esquecimento ou passe sem a devida atenção.

Para concluir, sim, o público está cada vez mais consumindo de marcas que eles tenham uma afinidade de valores maior, ou seja, as empresas precisam ir além dos 4Ps do marketing (Praça, Produto, Promoção e Preço), devem sim buscar a sua essência. Porém, deve-se entender que assumir um partido requer muita determinação e coragem.

E lidar com isso, em tempos de ódio, é ainda mais desafiador, pois, a marca jamais pode baixar o nível do seu discurso, mesmo sendo atacada. Independente de posicionamento, o bom senso deve imperar, assim como o respeito com que está do outro lado, seja de pensamento igual ou diferente.

Related Post

Published by

Gustavo Ellero

Gustavo Ellero é Jornalista, especialista em Branded Content pela ESPM e acumula experiências em Marketing, Branding e Empreendedorismo. Fundou sua primeira empresa no ramo da comunicação em 2009, atualmente é co-fundador da INSANE Estratégia e Comunicação e co-fundador do portal de turismo Mochilaí. Em 2015, foi eleito o melhor profissional de conteúdo e o mais votado do Prêmio ABC da Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *