A pasta do turismo

A manutenção da pasta do turismo é uma boa notícia recebida pelo setor nessa quarta, 28/11.

A anunciada fusão do Ministério com Cidades e Integração traria danos irreversíveis ao segmento que pode gerar empregos, atrair investimentos e aumentar a arrecadação de divisas. Depois desse anúncio, os passos importantes serão a nomeação de pessoas com conhecimento na área e a existência de um orçamento à altura dos desafios que virão pela frente.

Da mesma forma, a continuação das políticas públicas essenciais como o Plano Nacional de Turismo 2018-2022 e o Conselho Nacional de Turismo, podem fazer com que muitos projetos não sejam começados do zero, ou outros abandonados.

Vale aqui lembrar das propostas elaboradas pelas entidades de turismo por meio do Conselho Empresarial da CNC, que é a contribuição dos empresários aos rumos do turismo no país. O documento já foi entregue ao então candidato Jair Bolsonaro, e poderá ser também um instrumento do novo Ministro e sua equipe.

Cada vez mais, a participação efetiva e forte das entidades e empresários se torna uma condição fundamental para os avanços do setor, sem depender de governos, mas interagindo para que cada um possa fazer bem sua parte. Falamos um pouco sobre isso no post da semana passada.

Conheça aqui as propostas do Conselho Empresarial da CNC.

Impacto da receita e despesa cambial nas viagens no Brasil

O ano está chegando ao final, e vale uma análise de como estão se comportando a receita e a despesa das contas de turismo no Brasil.

Essa semana o  Banco Central divulgou os dados desses indicadores, até o mês de outubro deste ano. E a receita cambial referente aos gastos dos turistas estrangeiros sofreu uma queda de 1,58% em comparação com outubro do ano passado. Já no acumulado do ano, de janeiro a outubro de 2018, o percentual é positivo: 3,00% superior ao mesmo período de 2017.

Nos parece um indicador de que o gasto dos estrangeiros não tem aumentado de forma proporcional ao que pensaríamos em relação ao dólar alto. Dólar alto deveria ser mais atrativo aos estrangeiros. Portanto, será que a instabilidade econômica e política influenciaram essa decisão? Ou nossos concorrentes estão mais fortes? Ou nossos produtos ainda precisam de mais competitividade? Precisamos de promoção mais efetiva no exterior? Como vai ficar a imagem do país com o novo governo? Quais outros fatores você acrescentaria?

Com relação à despesa cambial turística, o percentual foi de 2,06% inferior na comparação dos meses de outubro deste ano com outubro de 2017. Um percentual não tão acima do acumulado do ano (de janeiro a outubro de 2018), cuja despesa cambial correspondeu a um percentual de 1,93% inferior ao mesmo período do ano passado. Aqui nos parece que o dólar influenciou nos gastos e viagens ao exterior dos brasileiros. A flutuação da moeda durante o ano, e a chegada ao patamar de R$4,00, somado ao período eleitoral e à situação econômica, nos leva a verificar que as viagens ao exterior foram impactadas negativamente em 2018.