Quatro razões para a fidelização de um cliente

Uma pesquisa realizada nos EUA, pelo Google, em parceria com a empresa de consultoria Greenberg, revelou quais são os quatro aspectos mais considerados por viajantes frequentes na hora de fazer suas reservas de vôos e hotéis.

Para a realização da pesquisa foram considerados viajantes de alto valor. Ou seja, pessoas que têm uma média anual de sete companhias aéreas e nove reservas de hotéis. E exatamente por isso nutrem grandes expectativas de viagem.

A pesquisa mostrou que os benefícios proporcionados pelos programas de fidelidade ajudam a manter a fidelização dos clientes, mas não impedem que eles se inscrevam nos programas de fidelidade da concorrência.

Segundo os dados reunidos, desses viajantes apenas 21% sacrificam o conforto por um preço menor. E a grande maioria, 87%, é registrada em pelo menos um programa de fidelidade, seja de uma companhia aérea ou de uma rede de hotéis. Porém, os programas de fidelidade não são sequer um dos três principais pontos a serem considerados pelos viajantes na hora de fazerem suas reservas. Nesse aspecto, o atendimento ao cliente fica em primeiro lugar (60%), seguido por um site fácil de usar (55%) e pelas revisões on-line de outros usuários (50%). Os programas de fidelidade ocupam o quarto lugar, motivando menos da metade dos viajantes de alto valor (46%).

A pesquisa também revelou que a lealdade do cliente se relaciona tanto com as associações feitas à marca, e o diferencial que ela apresenta dentro do mercado, quanto com a maneira com a qual a marca se faz presente na indústria, com conteúdo adaptado ao público-alvo em diversas mídias e dispositivos.

É necessário que as marcas fiquem atentas a isso. Pois hoje, com o meio virtual, ampliaram-se as formas de se conhecer o público. Recolher dados, descobrir seus desejos e insatisfações, para conquistar o cliente e, consequentemente, torná-lo fiel. E embora a lealdade com as marcas seja baixa no setor, essas mesmas empresas podem utilizar esses novos recursos a seu favor e tentar mudar o cenário.

 

A pesquisa e o texto do Google podem ser conferidos aqui: https://bit.ly/2wi0ckb

Quantidade ou qualidade de visitantes

Sempre um debate interessante, e mais do que isso, importante para empresas e destinos turísticos: queremos mais visitantes ou mais receitas dos visitantes ? Quantidade ou qualidade?

Essa é uma reflexão que faço sempre, pois o principal objetivo de um lugar ou empresa, ou mesmo daqueles que trabalham com a indústria de viagens é que a atividade traga empregos, rendimentos, lucro; e dure muito, sempre! Recentemente falamos aqui do “Overtourism (termo usado para falar de destinos saturados de números de visitantes). Pode ser uma realidade longe do Brasil ? Não, já temos esse problema em diversos destinos.

Falamos muito em sustentabilidade também, e como funciona essa questão de ser sustentável economicamente, ambientalmente e culturalmente ? Seria incompatível com grandes volumes de visitantes ? Depende.

Depende do destino, de suas características, mas sobretudo de como é sua gestão pública e privada. De como empresários e lideranças encaram o fato de que a grande riqueza de seu negócio é justamente sua cultura (que deve ser valorizada), sua natureza (que precisa ser preservada e cuidada) e sua população (que deve ser beneficiada com a atividade no longo prazo).

Fica aqui a reflexão? E seu destino? E seu negócio? O quanto ele dura e como deve ser sua busca por clientes? Qualidade ou quantidade ?

SalvarSalvar

SalvarSalvar