menos para as mídias sociais na busca de informações em viagens?

Uma surpresa a ser mais explorada a afirmação do IPK essa semana sobre a menor relevância das mídias sociais na escolha de destinos turísticos. Além de ser uma opção de menor escolha para os pesquisadores de viagens, também mostra que ainda permanece relevante a pesquisa em sites de operadores.

Há 10 anos, em todo o mundo, 46% das pessoas recorriam à internet como fonte de informação na decisão e organização de sua viagem. Sabe quanto é hoje? 82%, quase unanimidade. Mas que internet? Aonde? Muito se fala sobre o papel do marketing digital, ótimo, e das mídias sociais como grandes impulsionadores das buscas para viagens. Será que isso não é bem assim?

O informe do World Travel Monitor 2018, feito pelo IPK, diz alguns meios tradicionais e os intermediárias ainda são relevantes. Em pesquisa realizada em cerca de 90% dos mercados emissores pelo mundo, foram identificados os locais na internet em que as pessoas mais fazem buscas de informações para viagens, e os sites ganham. Os mais usados, em múltiplas escolhas, são de hospedagem (45%); destinos (37%); cias aéreas (32%); reservas on-line como Booking e Expedia (26%); opiniões como TripAdvisor (20%), operadores de turismo (19%) e redes sociais (19%).

Ok, mas quais são essas mídias sociais? Importante saber para ver aonde vamos apostar nosso conteúdo e nosso dinheiro: blogs de viagens, fóruns de viagens e redes sociais como Facebook e Instagram. Também o relatório aponta quais seriam os outros lugares, além da internet, que as pessoas buscam informações, e permanecem fontes que conhecemos há tempo: 33% nas agências de viagens; 27% com amigos e parentes; 13% em guias de viagens e 8% na imprensa, TV e rádio.

Opa! Ainda precisamos então levar em consideração duas coisas que parecem ainda ser relevantes em nossa indústria quando se trata de conteúdo, de informação, de subsídios para vendas e promoção de destinos. Primeiro são os intermediários, operadores e agentes de viagens continuam como meios importantes na informação, e claro, na venda; o segundo são as pessoas, guias de turismo e a tradicional mídia (com menos importância do que as demais fontes). Quais os canais usados por sua empresa? Você concorda que o marketing é on-line, mas também off-line no que diria Kotler para o marketing 4.0?

Algumas lições de Instagram para o Turismo

Exemplo de conta em que as imagens “conversam”, dando uma consistência ao tema. (Fonte: Instagram)

O Instagram tem sido um tema comum aqui no blog, já que, como profissional do turismo atuando em marketing de destinos, tenho visto o boom do aplicativo como uma ferramenta de divulgação e acompanhado o seu impacto no nosso setor.

Já falei aqui sobre a “instagramabilidade”no Turismo, a repercussão que a popularidade de um destino no app traz para os adultos até 30 anos e a lista dos 10 destinos mais populares, segundo o próprio Instagram. Hoje trago algumas lições (inspiradas em conteúdos da rede de gerenciamento Hootsuite) que a rede social pode trazer para nós do turismo, tanto no marketing de destinos como para o branding.

Lição 1 e base de tudo: não basta apenas ter uma conta.
Assim como em qualquer rede social de grande alcance, possuir uma @ no Instagram não é sinônimo de visibilidade. Com mais de 500 milhões de usuários, pode ser difícil se destacar na multidão. Possuir um planejamento, observar o calendário sazonal, ter boas imagens, trabalhar na publicação de vídeos e divulgar a @ para o público alvo já é um bom começo.

Estabelecer o tema e dar consistência às imagens não são tarefas fáceis de fazer, mas vale a pena levar um tempo extra para manter um estilo no feed. Concentrar todas as imagens no mesmo filtro ou até paleta de cores “remove o jogo de adivinhação, dá identidade e mantém os usuários voltando à sua página inicial”, segundo o Hootsuite.

Outra dica é utilizar sua grade no Instagram para atrair seus clientes: cada usuário possui suas imagens dispostas em três grades; “brincar”com o layout, dividindo a imagem na grade, pode ser uma ferramenta útil. Claro que é preciso planejamento de detalhes e de design, mas quando feito corretamente gera impacto nos usuários.

Uma lição valiosíssima é o cuidado com o overposting. Postar inúmeras fotos no mesmo dia, sobrecarrega o feed dos usuários e aborrece os seguidores, que não conseguem acompanhar publicações de outros perfis. O overposting no Instagram nunca é positivo e pode trazer repercussão negativa e perda de seguidores do perfil.

Usar a hashtag #TBT não é exclusividade de perfis pessoais! É possível utilizá-la para criar consciência a respeito da sua empresa, promover o tema abordado, evolução do produto ou trazer algum fato histórico que esteja relacionado ao seu perfil.

Criatividade é a palavra de ordem na rede social. Considerar promover marcas e destinos no Instagram é atividade imprescindível em 2018, já que o aplicativo integra as tendências deste ano. Seguimos acompanhando.