Arquivo de agosto de 2011

Liga pra Zulmira…

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Vocês devem se lembrar da música “2 3 4 5 meia 7 8″, do Gabriel ‘O Pensador’…Pois bem, depois de ler o jornal O Globo, de quarta-feira 24/08, e o G1, percebi que acham que os cruzeiros estão perto da letra ‘Z’, de Zulmira, a última opção da agenda do Gabriel…Lembram-se? Se precisar, liga pra Zulmira!

É que, numa entrevista coletiva, o prefeito do Rio de Janeiro disse que a rede hoteleira da cidade deverá bater a meta de leitos necessários até os Jogos Olímpicos de 2016. Acho bom! Mas não acho que os “Navios são um gatilho, que só acionaremos em caso de necessidade”, como disse ele.

Não somos bem um gatilho, muito menos quebra-galho, já que agregamos muita coisa ao Rio de Janeiro, levamos turistas brasileiros e estrangeiros, geramos fomento, empregos e promovemos a imagem da cidade no Brasil e no exterior…

Apenas gostaria de chamar a atenção para o fato de que as empresas de cruzeiros realizam seu planejamento com grande antecedência. E cabe lembrar que, tanto para a Copa 2014 quanto para as Olimpíadas 2016, um eventual déficit de leitos só poderá ser coberto pelos navios se houver providências dentro dos prazos com que as empresas operam.

Com o setor de cruzeiros marítimos, não tem jeitinho… E, se aos 45 minutos do segundo tempo perceberem que não vão dar conta, nem adianta ligar pra Zulmira!

Quem dorme não pega peixe!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Um fator interessante na última pesquisa sobre os cruzeiros no Brasil, da FGV, mostrou que a maioria dos turistas que desembarcaram nos destinos fez passeio por conta própria ou comprou a excursão na própria cidade. Esse é um fato que me faz pensar que os destinos também precisam saber fidelizar seus turistas!

Isso mostra que o interesse do hóspede de cruzeiro em conhecer os municípios por onde passa é grande, mas também revela o quanto é importante um destino preparar bem seu receptivo e montar uma boa estratégia para “pescar” de vez esse turista, que de tão encantado poderá voltar para conhecer melhor a cidade.

Mas, para isso, ele precisa ser bem recebido desde o momento em que desembarca. Por vezes, há tanta desorganização e assédio dos guias turísticos ou das empresas que oferecem os passeios que surgem dúvidas sobre a procedência e segurança do serviço, e muita gente prefere fazer o passeio a pé ou mesmo de táxi.

Se for alguém que não sabe muito bem sobre o local, sua contribuição histórica, cultural ou suas belezas paradisíacas, pode perder a oportunidade de conhecer algo fantástico, que passa em branco, ou mesmo pode ter uma primeira impressão ruim… Taí a dica para os destinos que ainda não acordaram: arrumem suas carretilhas, linhas e anzóis que a temporada de cruzeiros está chegando!