Arquivo de novembro de 2011

A (DES)INFORMAÇÃO QUE PODE ATRAPALHAR O DESENVOLVIMENTO

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Na última semana, durante uma apresentação que fiz em audiência pública da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados, percebi o quanto de desinformação existe sobre o setor de Cruzeiros Marítimos.

A audiência tinha o propósito de entender melhor as condições de competição entre os setores de hotelaria, resorts e cruzeiros no mercado e esclarecer a disparidade tributária que enfrentam.

Para minha surpresa, muitos acreditavam que os navios não são submetidos a uma tributação tão voraz quanto os setores de acomodação. Não vou entrar no assunto RESORTS X CRUZEIROS, pois isso está inteiramente ultrapassado e nem vale a pena discutir algo tão vazio de argumentação. Aliás, como já contei aqui, os setores estão se aliando por condições melhores para a cadeia turística e para estimular ainda mais o turismo no Brasil.

No entanto, me preocupou bastante a desinformação sobre impostos e procedimentos a que o turismo marítimo é submetido. Muita gente acha que não pagamos alíquotas suficientes, ou que somos privilegiados de alguma maneira. Ou, pior ainda, que não obedecemos a leis para contratação de tripulantes.

Longe disso. Pagamos imposto, sim, e muito. O setor de Cruzeiros Marítimos obedece às regras da CLT e da OIT para contratação de tripulantes e está sob forte regime de tributação: pagamos taxas portuárias, de praticagem, de bagagem, sobre combustível, água, lixo, de cassino, free shop, Visto para tripulantes, PIS, Cofins e muitas outras.

Somos taxados tão exaustivamente quanto diversos outros setores que operam no Brasil. Aliás, já se sabe que essa tributação tem desestimulado a vinda das armadoras para o País, como pode ser visto no crescimento inexpressivo da última temporada.

Espero ter esclarecido isso durante minha exposição. Agora, é bola pra frente! Com espírito de parceria, os setores deverão discutir caminhos para ultrapassar obstáculos comuns, desonerar a cadeia do turismo e desenvolver todo o potencial que nosso país possui!

Viajando e aprendendo

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Muito bacana a iniciativa de algumas escolas particulares do Rio de Janeiro, mostrada pelo jornal O Globo (21/11), de incluir viagens turísticas como complemento à grade curricular dos seus alunos. 

Esse sim é um projeto interessante que dinamiza o ensino e aguça o instinto curioso dos jovens, que são incentivados a conhecer de perto o que aprendem em sala de aula. Deveria ser matéria obrigatória no ensino brasileiro! 

Afinal de contas, quando a gente viaja, aprende muita coisa sobre história, geografia, biologia, cultura, não é mesmo? Por que não permitir que os nossos alunos realmente se apaixonem por esses assuntos? Duvido que a meninada não se interesse em aprender mais sobre espécies de plantas no meio do Pantanal, por exemplo, e sobre o comportamento dos animais em observações noturnas. Ou então, porque não aprender mais sobre a história do Brasil, visitando cidades importantes neste contexto, como Porto Seguro, com objetivo didático de verdade? 

Fica a sugestão aos nossos representantes e parlamentares que ainda não encontraram uma maneira de estimular o brasileiro a consumir o turismo nacional em todas as suas potencialidades.