Arquivo de maio de 2012

Cruise Day

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Já disse aqui algumas vezes que a capacitação do agente de viagem é fundamental para garantir uma venda de qualidade e fidelizar um cliente em potencial. O consumidor está cada vez mais exigente e vende bem quem conhece o produto que oferece!

E, quando se trata de cruzeiros, o conhecimento é ainda mais importante, pois é um produto que, embora já tenha caído no gosto do brasileiro, possui detalhes fundamentais.

Por isso, gostaria de aproveitar este espaço para lembrá-los que, no próximo dia 5 de junho, a capital paulista irá receber, no Renaissance Hotel, o maior evento de Cruzeiros Marítimos da América Latina, direcionado à qualificação dos agentes de viagens: o Cruise Day 2012. Este é um evento de sucesso, bem aceito pelo mercado, desde seu início, e que a Abremar faz questão de manter anualmente, pela sua importância e pelo interesse do setor em qualificar seus agentes.

Você que trabalha com cruzeiros, ou que pretende trabalhar com um dos nichos mais rentáveis do mercado, tem o dever de participar deste evento para se aproximar das armadoras, fazer negócios, conferir as novidades do setor e conhecer e entender mais sobre os navios e os roteiros da próxima temporada.

Marque na sua agenda. Para inscrições e programação, acesse o site: www.cruiseday.com.br. Espero todos lá!

Veja e o Rio

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Alguém leu a última edição da revista Veja? Mais precisamente a matéria ‘Falta hotel? Fique em uma mansão‘? Penso que é muito improviso recorrer a motéis ou às casas dos cariocas para hospedar príncipes, chefes de estado ou embaixadores. Parece mais uma solução “puxadinho”.

Sabemos que o Brasil tem restrições de hospedagem para eventos grandes, mas a Rio + 20 já estava marcada há tempos. Alguma coisa dava para ser feita com antecedência, até mesmo recorrer aos navios. Mas também temos a noção de que ninguém quer construir hotéis só para atender a um fluxo específico e depois termos um novo problema. Entretanto, a questão onde quero chegar é que não precisamos improvisar e temo que isso aconteça com a Copa do Mundo 2014.

Precisamos passar por isso? Considero este um assunto a ser pensado com atenção e urgência. Aliás, não só quem é do turismo se preocupa com isto. Que o diga o apresentador Luciano Huck, no facebook: “Um aeroporto internacional em uma metrópole é como hall de entrada da sua casa. Esta foto é do aeroporto de Madrid. Se apropriando da máxima popular que diz que a primeira impressão é a que fica…chegar ao Brasil pelo Rio ou SP é como ser recebido pelo depósito da garagem. Arquitetura feia e funcionalidade zero. Qdo é a Copa mesmo?“.

Quem chega de fora do País parece ter esta impressão mesmo, que está entrando pelos fundos da casa, como quem procura pela porta de entrada, esperando por algo que lhe dê uma melhor impressão.

Agora um ponto é fundamental que se reflita: vamos perder a exposição planetária que esses eventos darão ao Brasil de mostrá-lo como destino de negócios, turismo, feiras e exposições?