Arquivo de julho de 2013

QUANDO UM JANTAR NÃO É APENAS UM JANTAR

terça-feira, 23 de julho de 2013

Engana-se quem pensa que um jantar é só um jantar. Pode até ser, mas não quando se trata de Cruzeiros Marítimos.

Durante as viagens, as companhias têm de pensar em refeições – e assentos – em larga escala, para uma média de 3000 passageiros. Ou seja… as refeições oferecidas a bordo podem se transformar numa verdadeira epopéia se não forem estrategicamente organizadas.

Antigamente, quando os navios eram menores e comportavam menos turistas, era possível pensar em refeições com horário específico. Nessa época, eram comuns também as formalidades, como o Jantar do Comandante, sempre muito prestigiado.

Hoje, com navios maiores e mais passageiros, a adaptação precisou ocorrer para que houvesse lugar nas mesas para todos os turistas – o que ocasionou a ampliação de turnos de refeições e até mesmo de um turno aberto – aquele em que o restaurante fica aberto por cerca de 5h em cada refeição e as pessoas jantam conforme seu horário de preferência.

Aliás, essa é uma curiosidade. Com a globalização dos cruzeiros, onde muitas nacionalidades convivem, é engraçado perceber a diferença cultural entre os turistas. Os americanos, por exemplo, jantam cedo, lá pelas 18h ou 19h. Já os brasileiros preferem comer mais tarde, entre 21h e 22h. Por isso também houve a necessidade de ampliar os horários dos restaurantes.

Regra geral, existem três estilos de jantar em um navio de cruzeiro:

• A abordagem tradicional, que atribui aos hóspedes um tempo específico e mesa de jantar. Ou seja, todas as noites, as mesmas pessoas jantam com os mesmos companheiros de mesa e são servidos pelos mesmos garçons;

• A refeição flexível, oferecida normalmente por linhas de luxo, em que o restaurante principal está aberto durante horas específicas à noite e os hóspedes podem chegar para o jantar quando quiserem.

Ou ambos os planos. Nesse caso, os hóspedes podem tanto se inscrever com antecedência para o jantar tradicional, escolhendo em que restaurante ou nível de sala de jantar ele fará sua refeição; ou escolher a modalidade flexível, na qual ele como quando e onde quiser.

 

GASTRONOMIA A BORDO

segunda-feira, 15 de julho de 2013

No último post, falamos dos passeios terrestres que podem ser feitos nas escalas que ocorrem em viagens de navios. No entanto, um Cruzeiro Marítimo não se limita apenas em conhecer novos lugares.

A quantidade de atividades a bordo é um estímulo à parte. E a alimentação diversificada costuma fazer parte da lista de prioridades de qualquer turista que viaja de navio.

Os cruzeiristas podem experimentar pratos elaborados por chefs badalados da gastronomia internacional, com cardápios variados que representam as culinárias francesa, italiana, japonesa, alemã e portuguesa. Outros restaurantes servem pratos típicos da cozinha brasileira.

Com a intenção de agradar paladares mais sofisticados e exigentes, os navios também oferecem pratos diferenciados, com apresentação impecável, servidos em restaurantes exclusivos.

Na minha opinião, degustar os pratos incríveis da cozinha mediterrânea é sempre uma experiência excelente. Argelia, Chipre, Croácia, Egito, Grécia, Israel, Líbia, Marrocos, Tunísia, Turquia, entre outros, são países com deliciosa gastronomia – e que pode ser encontrada a bordo de inúmeros navios.

Além da diversidade de restaurantes a bordo, os bares temáticos são outra atração, com drinks inusitados, champanhe e vinhos finos oferecidos aos passageiros.

Embarque nessa variedade gastronômica oferecida pelas companhias de Cruzeiros Marítimos e aproveite, com bom apetite!