Rei momo e a rainha do carnaval de Salvador

Rei momo do carnaval da Bahia, o músico Gerônimo reinava em seu trono no camarote da Bahiatursa, no circuito Dodô. O baiano, que é autor de sucessos como “Eu sou negão” e “É D´Oxum”, foi eleito com 2.645 votos e disputou a coroa com outras 187 pessoas. “Esta foi a primeira vez que fui eleito. Me sinto muito honrado porque para ocupar este cargo é preciso ter a cara da Bahia e foi o povo quem me escolheu em voto popular”, disse o músico. Margareth Menezes, Chiclete com Banana, Daniela Mercury, Netinho, Asa de Águia, Maria Bethânia, Gal Costa e Elba Ramalho foram alguns dos artistas que já gravaram musicas do atual rei momo do carnaval. Quem também reinou neste carnaval, mas com a estrela de miss foi a baiana Daniela Ferreira. Com apenas 21 anos e 1,80 m de altura, a baiana encantou o povo por sua beleza e simpatia.

[photopress:REIRAINHA_1.jpg,full,centered]

Gabriel Guirão

Malabarista do carnaval

Entre um bloco e outro do carnaval de Salvador, um rapaz em uma cadeira de rodas me chamou a atenção. Ele não tinha a firmeza nas pernas para andar, mas os braços eram tão fortes que surpreendiam. O que encantava a todos era a alegria e o modo como ele rebolava as músicas que tocavam durante o carnaval. Com um sorriso enorme no rosto ele acena, rebolava e ainda ganhava uns trocados de quem passava pelos blocos. Um dos garçons que estava trabalhando no camarote da Bahiatursa veio conversar comigo após ver minha indignação de tamanha força nos braços.
-“O senhor está abismado?”
-“Demais…”
-“Esse rapaz mora na minha rua”
-“E você tem contato com ele?”
-“A gente joga bola juntos”, respondeu o garçom na maior naturalidade do mundo.
-“Como? Ele usa algum apoio nas pernas pra correr?”
-“Não, não… Ele joga de atacante e ‘chuta’ com as mãos. É uma força absurda”
Depois desta declaração eu não pensei duas vezes antes de tirar a máquina do bolso e registrar o momento. Dêem uma olhada
[photopress:CADEIRARODA.jpg,full,centered]
Gabriel Guirão[photopress:BANANEIRA.jpg,full,centered]

De quem eles gostam?!

Você já imaginou quem são os blocos preferidos do carnaval de Salvador do governador da Bahia, Jaques Weagner, da presidente da Bahiatursa, Emilia Silva, do secretário de Turismo de Salvador, Paulo Guaranys, e do presidente da Saltur, Cláudio Tinoco? Não?! Nós do PANROTAS tivemos esta curiosidade e perguntamos para eles o que não saia da cabeça deles nos dias de carnaval.

Jaques Wagner – governador da Bahia
“Sou fã de muitos blocos, mas este ano vou ficar com os Filhos de Gandhi porque eles são referência e nasceram para fazer um carnaval de paz. Todo artista tem o seu valor, mas, além disso, neste carnaval os Filhos [de Gandhi] completam 60 anos de existência. Já posso te afirmar que minha aposta no ano que vem de preferência será o Dodô e Osmar porque eles vão completar 40 anos de trio”

Emilia Silva – presidente da Bahiatursa
“Ai meu Deus! Que coisa difícil de escolher…[pausa dramática]. Acho que meu bloco preferido é o de Daniela Mercury, mas tenho uma paixão indescritível pelo Carlinhos Brown, devido ao trabalho social que ele desenvolve. Nós temos muitos artistas bons e o mais importante é que este foi o melhor carnaval dos últimos tempos”

Paulo Guaranys, secretário de Turismo de Salvador
“Eu não consigo falar o nome de um só não. Sem demagogia. São muitos artistas que nós temos bons, mas eu vou te citar alguns… Ivete Sangalo, Chiclete com Banana, Margareth Menezes, Jammil são blocos fantásticos. Eles animam o povo, mas tem uma banda que eu tenho um carinho muito especial e merece destaque: o Motumbá”

Cláudio Tinoco – presidente da Saltur
“Estou há quase dois meses no cargo e fica difícil falar como autoridade sobre o carnaval, mas como folião eu posso te garantir que apreciei de tudo. Já saí no Filhos de Gandhi, em blocos que não existem mais, como o Crocodilo, fiquei em camarotes e até na pipoca eu já pulei. As saídas do Olodum no Pelourinho eu também não perdia. Em um carnaval onde já contamos com a presença de Bono Vox, do U2, nada melhor do que está acontecendo este ano: o fortalecimento de novos artistas baianos e o retorno de blocos que não estavam amis desfilando.

Gabriel Guirão