U2 em Amsterdã – Eu fui!

[photopress:U2Amsterdan0159.jpg,full,pp_image]

Esse post merece ser antecipado, antes de mais um post de Londres…

Hoje em dia fica mais facil, porque dá pra fazer tudo pela internet.
Eu bem que queria voltar para Amsterdã, já que na minha última viagem para lá, há cerca de um ano, acabei so passando duas noites na cidade, que mal tive tempo de conhecer.
Mas antes precisava conhecer Paris (dizem que ir a Europa e não ir a Paris, é como não ir a Europa), Roma, ou mesmo Viena, Budapeste (tá, tem uma lista enorme e vocês já devem ter entendido) antes de voltar, por mais que eu tenha gostado.

Só que, uma semana antes de viajar, caiu a ficha: a turnê europeia do U2 (show U2 360) tinha acabado de começar, em Barcelona. “Será que consigo assistir a algum dos shows?”

Entrei no u2.com – show dates – Amsterdã 20 e 21 de julho, exatamente na semana quando eu não tinha programação nenhuma! Comprei pelo site – lugar marcado, arquibancada lateral, já que a pista estava esgotada -, paguei no cartão de crédito, reservei noites no mesmo hotel em que fiquei no ano passado (Hotel Plantage, que não é muito caro, mesmo sendo na área mais central de Amsterdã, perto do zoo – info@hotelplantage.nl), comprei as passagens e comecei a atiçar minhas expectativas.

Quem gosta do U2 deve reconhecer que este último CD – No Line on the Horizon – é um dos melhores e tem músicas muito fortes e marcantes, como Breathe, Moment of Surrender e Magnificent. Procurei na internet o set list do show de Barcelona, programei no meu iPod e comecei a me preparar.

Ao chegar em Amsterdã, na tarde de segunda-feira, 20, fui ao posto de informações turisticas, na estação central, para comprar o passe do transporte público e pedi orientações de como chegar na Arena. “Você também vai??”, foi a pergunta-resposta da atendente… pelo jeito muita gente viajou para cá para esta balada! Tive tempo para dar uma voltinha pelos canais da cidade, antes de voltar ao hotel para ir para a Ajax Arena, no sul de Amsterdã.

O acesso à arena é fácil, direto pelo metrô – estava muito cheio, mesmo!, com pessoas esperando por mais de um trem para poder embarcar – e a entrada, superorganizada, também foi simples. Poltronas de couro, estádio todo coberto, tudo muito civilizado. Pra falar a verdade, até demais – perde um pouco em animação, comparando com shows no Brasil, mas ok, eu estava nas cadeiras e não na pista, onde certamente a animação era maior. Mas estamos anos aquém em organização e infraestrutura de transportes e disso eu não senti saudade nenhuma!!

Um ponto que achei interessante, é que a confiança no cidadão, que se manifesta em diversas maneiras, é tanta que não passei por nenhum tipo de revista. Apenas uma olhada do segurança, sem equipamento nenhum, nem aquele detector de metais de aeroportos, e pronto.

O show é excelente, mais focado nas músicas do último CD, mas com os principais sucessos também presentes: Pride (in the name of love), Where the streets have no name, Sunday Bloody Sunday, Vertigo, Beautiful Day, City of Bliding Lights e One – essa última com uma pegada politizada, como sempre tem sido. Além de uma manifestação em suporte à situação do Irã, quando o palco todo ficou verde.

[photopress:U2Amsterdan143.jpg,full,pp_image]
Começa o show: Breathe

[photopress:U2Amsterdan144.jpg,full,pp_image]
A estrutura do palco, claro, é gigantesca, assim como o telão

[photopress:U2Amsterdan0150.jpg,full,pp_image]
The Edge vai pra galera

[photopress:U2Amsterdan0165.jpg,full,pp_image]
O telão abre e desce, em um efeito fantástico

[photopress:U2Amsterdan166.jpg,full,pp_image]
City of Bliding Lights

[photopress:U2Amsterdan50170.jpg,full,pp_image]
O telão, fechado novamente, desce e parece ainda maior

Tenho que admitir que esta brincadeira toda não saiu muito barata, mas é DEMAIS, e valeu cada centavo (de euros).

Depois escrevo o final de Londres, algumas dicas de Amsterdã e, Oslo, de onde escrevo agora. Vim visitar um amigo brasileiro (que trabalha em navios de cruzeiros e casou com uma norueguesa), nessa que dizem ser a capital mais cara da Europa – e onde o sol mal se põe no verão para já nascer de novo.

[photopress:U2Amsterdan157.jpg,full,pp_image]

[photopress:U2Amsterdan137.jpg,full,pp_image]
Eu, na arquibancada civilizada

[photopress:U2Amsterdan50174.jpg,full,pp_image]
Going green for Iran

Jaime Scatena, fotógrafo e engenheiro, especial para o Panrotas em viagem

Postagens relacionadas

Published by

One thought on “U2 em Amsterdã – Eu fui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *