Arquivo de outubro de 2009

Londres: fechando com chave de ouro a jornada ferroviária

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Esta é minha terceira viagem a Londres, mas a primeira que chego (convenientemente, diga-se de passagem) de trem, diretamente na estação St. Pancras, renovada para ser a parada na capital inglesa do Eurostar.
[photopress:P1070872.JPG,full,pp_image]
Grupo RailEurope na estação londrina de St.Pancras

E chegar nesta estação vitoriana, com sua bela cobertura metálica azul foi um fechamento com classe desta nossa jornada ferroviária pela Europa.
[photopress:IMGP5288.JPG,full,pp_image]
St. Pancras, a estação de Londres do Eurostar

Achava que a viagem no Eurostar, de Bruxelas a Londres, por baixo do Canal da Mancha seria algo espetacular, mas não é nada mais do que um grande túnel, até um pouco sem graça, para falar a verdade. A maior diferença está no serviço de bordo, já que neste trecho é servida uma refeição, como aquelas que estamos acostumados nos nossos voos de maior distância. Nada de especial, mas diferente daquilo que estávamos nos acostumando nos diversos trechos que percorremos. Pra ser correto na manhã deste dia recebemos também uma breve refeição no trecho Paris – Bruxelas, com o Thalys.

Também para ser justo, fiquei um pouco desapontado com o percurso do Thalys, já que ao invés de usarmos o trem normal deste trecho – o único com Internet a bordo, diga-se de passagem – a composição foi substituída por um TGV, equivalente em conforto e velocidade, mas sem a cobertura de wi-fi móvel que seria o diferencial desta viagem.

Aliás, continuando com a série de justiça, Bruxelas foi realmente uma parada especial. Maria Corinaldesi, da RailEurope, fazia sempre questão de frisar que esta aparente loucura – acordar em Paris, almoçar em Bruxelas e dormir em Londres – tinha o propósito de mostrar que é possível conectar três grandes cidades européias em um único dia de trem. E foi muito mais que isso!
[photopress:IMGP5177.JPG,full,pp_image]
A bela praça principal de Bruxelas

A capital belga surpreendeu positivamente a todos do grupo com seu charme – a praça principal da cidade é uma beleza -, com o humor do seu povo – a começar pelo nosso guia, mas completando o time com os dois profissionais do turismo belga que nos acompanharam (ambos casados com brasileiras e falando um português genuíno) -, e com o fantástico restaurante do chefe Bruneau – onde adicionamos mais duas estrelas Michelin ao nosso álbum de viagem.
[photopress:IMGP5211.JPG,full,pp_image]
Chefe (estrelado) Bruneau, que foi mestre do nosso brasileiro Alex Atala

[photopress:IMGP5225.JPG,full,pp_image]
Manneken Pis é um monumento ideal da cidade que se gaba de ter as melhores cervejas da Europa

E as breves viagens de trem – menos de duas horas em cada trecho, Paris – Bruxelas e Bruxelas – Londres, não foram nada cansativas e provaram que é realmente muito simples conectar três grandes cidades européias de trem em um único dia. Tenho certeza que fazer a mesma proposta de conexão voando seria muitíssimo mais cansativo.

Para encerrar nossa viagem passamos a noite hospedados em Gloucester Park, uma alternativa muito interessante para hóspedes “long stay” em Londres, já que só aceitam permanências acima de 90 dias. É como ter seu próprio apartamento na cidade, completamente mobiliado e equipado e em localizações verdadeiramente diferenciadas, mas com serviço de hotel, como arrumadeira, lavanderia, academia, recepção/portaria etc..
[photopress:IMGP5295.JPG,full,pp_image]
Uma casa, completamente mobiliada em Londres

[photopress:IMGP5303.JPG,full,pp_image]
E o apartamento ainda tem uma belíssima vista!

O que ficamos é perto do Hyde Park, mas o Chevalier Group tem empreendimentos semelhantes em outras áreas valorizadas da cidade.

[photopress:IMGP5311.JPG,full,pp_image]

[photopress:IMGP5341.JPG,full,pp_image]
“Good day, sunshine!”, dos Beatles, na London Eye

O dia seguinte começou com um passeio na London Eye; demos muita sorte com o céu lindamente azul, foi seguido de um almoço na Regent Street Food Quarter, na Heddon Street – no primeiro restaurante a quilo de Londres, o charmoso e trendy Tibit e terminou com um shopping tour na Regent Street, a primeira rua projetada para ser um centro de compras na cidade, e na Carnaby Street, o centro de compras mais cool de Londres.
[photopress:P1070901.JPG,full,pp_image]
Regent Street Food Quarter, uma “praça de alimentação” chiquérrima, uma ótima dica!

Alguns dos companheiros de viagem retornaram ao Brasil, na business class da TAM, no final do dia, mas outros, como eu, aproveitaram para estender a estadia na Europa. Agora estou na Italia, em uma parada pessoal na busca de documentos de meus ancestrais. Depois parto para a Espanha onde vou receber meu prêmio da Comissão Européia de Turismo pelos meus blog posts neste Blog PANROTAS em Viagem – como vocês leitores já devem estar sabendo.
Aliás, encerro mais esta série com um agradecimento a equipe do PANROTAS pela oportunidade de escrever neste nobre espaço e a todos vocês leitores que me acompanharam nestas minhas jornadas durante este ano.

[photopress:P1070878.JPG,full,pp_image]
Um grande abraço e até as próximas viagens.

Jaime K. Scatena
Fotógrafo e Engenheiro, especial para o Blog PANROTAS em Viagem

New York, amor antigo

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Estou em Nova York, que amo desde 1988, em minha primeira visita, para a celebração da entrada da Continental Airlines na Star Alliance. A programação está toda concentrada amanhã e hoje deu para matar a saudade. Tento (repito, tento) vir à cidade pelo menos uma vez por ano, nem que seja assim, rapidinho (chego no Brasil na quinta-feira). Aqui chegando não tem mistério: é andar, andar, andar e descobrir as novidades (o metrô ajuda a pular alguns quarteirões e não deve ser temido e sim desbravado). Quando vim a primeira vez o bilhete era um token (uma moedinha dourada com furo no meio); hoje é um Metrocard recarregável. O bilhete custava US$ 1 ou menos. Hoje sai por US$ 2,25. E continua levando a todos os lugares.

Em Nova York já peguei nevasca, chuva, onda de calor, o frescor da primavera, dias perfeitos, outros nem tanto, mas a cidade é e não vai deixar de ser uma de minhas preferidas – onde volto com a sensação boa de rever um velho amigo, relembrar com ele histórias e fatos passados e saber o que há de novo.

Minha caminhada de metrô e a pé (estou hospedado no gigantesco Hilton da Sexta Avenida com a rua 53) já rendeu algumas descobertas:

o Memorial 11 de Setembro será aberto em 2011, mas já há um Preview Site, onde se pode conhecer o projeto. Fica a uma quadra do local onde ficavam as torres gêmeas (site: national911memorial.org). Em 2012 ficará pronto o museu.

a Macy`s da rua 34 (e arredores, pois é a maior loja do mundo) ganhou mais opções gastronômicas, novas seções, como a de esportes, e uma J.R. Express. A tradicional loja de eletrônicos de downtown agora tem filial express dentro da Macy`s.

Já o Manhattan Mall, ao lado da Macy`s, ganhou uma J.C. Penny, a primeira da cidade.

Em frente ao Manhattan Mall já podemos ver algumas novidades. Alguns trechos da Broadway e da Sétima Avenida foram fechados para carros e viraram ruas ou trechos de ruas para pedestres, com mesinhas, bancos e cadeiras. Muito legal. A Times Square (foto) também tem isso e ainda ganhou uma arquibancada vermelha e luminosa. Dá para sentar ali e ficar olhando a movimentação por horas.

[photopress:tsquaret.jpg,full,pp_image]

[photopress:tsquare2t.jpg,full,pp_image]

Por falar em Broadway, Billy Elliott e West Side Story são dois títulos que me chamaram a atenção, mas não terei tempo. Tenho de voltar…

Artur Luiz Andrade
Editor-chefe