Spoiler: Banana Moscatel ou, se for careta, não leia!

Os muito caretas aconselho, como os norte-americanos fazem com os spoilers, a parar de ler por aqui… he he

Recentemente visitei Braga, no Minho, norte de Portugal. E confesso que ela tem monumentos – e jardins – muito bonitos. É uma das cidades cristãs mais antigas do mundo e teve sua época áurea na Idade Média. Algumas fotos abaixo dão a dimensão da beleza de alguns de seus espaços.

Arco da Porta Nova

Belos jardins, próximos à catedral

Santuário

Mas pensei cá – ou lá – com meus botões ao andar por seu centro histórico: essa cidadezinha é muito parada… Não faltam barbearias tradicionais, alfaiates um do lado do outro… Parece que o tempo parou em Braga.

Eis que então me deparo com o estabelecimento de Seu Manuel Bento, nome de bom português. O lugar chama-se Casa das Bananas. Só vende licores, bebidas, doces e outros derivados da banana.

Mas em sua vitrine estão vários “consolos”. Isso mesmo, aqueles das sex shops, em formatos já imaginados. Ou vejam as fotos. E para quem achar que exagerei mostrando, está tudo na vitrine, virado para a rua, para todo mundo ver.

É que os portugueses são muito literais – nossas piadas sobre a lógica portuguesa vêm daí. E Seu Manuel Bento não foge à regra. Veja a explicação – “como é uma casa especializada em bananas, pensei num jeito de movimentar e agreguei instrumentos com formatos que remetam a elas”.

E me entendam bem, na loja de Seu Manuel não se vende nada que se encontra em uma sex shop. Só mesmo sua especialidade – derivados comestíveis e bebíveis, literalmente, da banana.

Até aí, nada tão diferente?! Mas os visitantes, principalmente portugueses e brasileiros, que entram descontraidamente na loja de Seu Manuel, podem ser convidados a experimentar a Banana Moscatel, suposta “iguaria” local, segundo ele “o batismo” de quem chega na Casa das Bananas.

Só que Banana Moscatel não é um doce, nem uma comidinha, nem uma bebidinha, como pensei inicialmente. Assim que o visitante topa a “experiência”, Seu Manuel convida-o a sentar-se em um banco de madeira – aparentemente como qualquer outro banco de balcão.

O que ele ainda não sabe, porém, é que o tal banco tem um enorme objeto fálico no meio. Que fica escondido e só “salta” do banco depois que o visitante ali senta – e ao que Seu Manuel chama de Banana Moscatel.

É… é isso mesmo. Para levantar a “coisa”, ou a “Banana Moscatel”, Seu Manuel finge que vai pegar o que foi oferecido no balcão e aciona uma manivela – tudo feito por ele. E o “sentante” sente o efeito.

Dois momentos de Seu Manuel: na hora de convidar a provar a banana moscatel…

… e rindo descontraidamente da peça (ou pegadinha!) que ele pregou…

Claro que fotografei, só não vou mostrar… Mas morri de rir com a criatividade, o estilo literal e a coragem dele em desafiar a calmaria de Braga com sua Casa das Bananas.

O lugar é um sucesso. Ao falar com a guia, ela disse que costuma orientar as pessoas que passem por lá. E todo mundo adora.

Criatividade nos negócios é isso, ainda que de forma inusitada ou não ortodoxa… Fato é que fica difícil esquecer a Casa das Bananas depois dessa. Para o bem ou para o mal.

E você, o que acha?

FABIOLA BEMFEITO

Viagem a convite de Abav e Turismo de Portugal, voando Tap, com assistência internacional GTA e Travel Ace

Postagens relacionadas

Published by

6 thoughts on “Spoiler: Banana Moscatel ou, se for careta, não leia!

  1. Fabíola,

    Adorei a história, pois mesmo conhecendo muito bem a bela cidade de Braga (passo vários dias por ano lá) não conhecia a Casa das Bananas. Só um reparo: dizer que Braga é uma cidade parada, só se o comparativo for com as metrópoles brasileiras, pois a cidade portuguesa, a quarta ou quinta maior do país, para os padrões Lusitanos é até bem movimentada. Seu comércio é poderoso, há modernos (e enormes) shoppings, ruas com trânsito intenso, uma universidade que é das melhores e mais frequentadas do país, o que faz com que o movimento de estudantes (e suas constantes festas) seja bastante notado, e onde há muita coisa para fazer. É uma das cidades com melhor qualidade de vida de Portugal, exatamente por oferecer tudo que uma grande metrópole oferece, sem apresentar os mesmos problemas. Além disso está muito bem localizada, a 20 minutos do Porto e a pouco mais de uma hora da Espanha. Não creio que descrever Braga como uma cidade de “pasmaceira” retrate bem a realidade da querida “Braccara Augusta”. É claro que, como bom português, pode ser que eu esteja sendo muito literal na interpretação de suas palavras! (rs)

    Por fim um ditado que ouvia de meu avô nas longas noites de inverno à lareira, em Chaves, a 100 km de Braga, e que, na sabedoria popular, descrevia a vocação das 4 maiores cidades portuguesas na época: ” O Porto trabalha, Coimbra estuda, Braga reza e Lisboa goza”. Como vê, já naquela época Braga era considerado um centro religioso importante, e Lisboa tinha fama de saber aproveitar a vida, enquanto a economia portuguesa se fortalecia com a locomotiva que era o Porto e a estudantada aprendia numa das mais antigas universidades da europa, Coimbra. Naquele tempo os portugueses não me pareciam tão literais, mas hoje, tenho que concordar com você, nunca pergunte a um deles se tem horas, pois pode ser que a resposta seja um simples e contundente “tenho sim senhoire”!

    Um abraço

  2. Ei Rui, muito legal seu post. Quem me dera conhecer Portugal como você. Realmente pelo que vi de Braga não posso dizer que é das mais animadas…

    Especialmente comparando com outras cidades portuguesas por que passei (devo admitir que com mais calma), como Lisboa, Porto e Coimbra, cuja universidade e clima adorei.

    Vou ficar te devendo essa segunda observação… Bjs e obrigada! Fabiola

  3. Fabíola,

    Pois foi o que pensei. Na verdade você percorreu antes as maiores cidades do país (Lisboa, Porto e Coimbra), por isso achou Braga mais parada e com razão. Entretanto, se Braga for comparada com cidades como Vila Real, Viana do Castelo, Beja, Évora, Bragança, Portalegre, Vizeu, Faro, Guimarães e tantas outras, ela pode, sim, ser considerada bem movimentada. Mas na próxima você poderá verificar isso com mais calma. Eu conheço bem Portugal por ter nascido e vivido lá até os 21 anos e por passar, desde então, 30 dias por ano naquelas terras, por isso não se culpe! rssss

    um abraço.

  4. Olá, tudo bem?

    Adorei o site! Gostaria de entrar em contato para lhe fazer uma proposta interessante para o site.
    Por favor, aguardo seu retorno.

    Grata, Verônica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *