Pontos altos do centro e do norte de Portugal

Sei que deveria ter publicado este post antes, pois voltei de Portugal dia 6. Mas antes tarde do que nunca, segue uma listinha das coisas e lugares que considero pontos altos da viagem realizada entre 28 de abril e 5 de maio, que percorreu as regiões norte (com destaque para o Porto) e central (especialmente Coimbra) de Portugal. A ordem é aleatória. E eu prometo que este é o último post… dessa viagem, claro.

Quinta São Luiz, em Coimbra, super fashion, uma revisitação do antigo a partir de sua mistura com o moderno. Vejam o resultado:

Na Quinta da Pacheca, no Alto Douro, destaque para a tradição, o bom gosto, as instalações hoteleiras e a hospitalidade

O quarto do Sheraton Porto, com design moderno clean e uma parede de vidro entre o quarto e o banheiro

Museu do Vinho do Porto, no Alto Douro, mais precisamente em Peso da Régua (e onde achei o nome da cidade muito engraçado…) e as obras de arte que contam a história em um período onde as fotos inexistiam

As caves e a ótima aula sobre vinho do Porto que recebi de Adrian Bridge, CEO da Taylor, grande fabricante da bebida

Toda a Ribeira, área à beira do rio Douro na cidade do Porto. Entre seus destaques, o restaurante Chez Lapin (e alguns de seus pratos como o bacalhau com broa, o bacalhau com nata, o polvo e o chouriço), o Bar Buraquinho, o número 50 também no Cais da Ribeira, e o Hotel Pestana Porto, bem próximo a ambos, formado por várias construções ligadas por meio de pontes discretíssimas dentro do hotel

O verde das plantas da Fundação Serralves, no Porto. Será que são apenas 10 jardineiros mesmo que trabalham para mantê-la? Sou muito sem noção. Achava que eram 100… S. Guillermo (Alcorta, presidente da PANROTAS) chegou bem mais perto. Ele arriscou seis e passou perto

livraria Lello, também no Porto

A belíssima Ponte D. Luís, no Porto, e a chance de um passeio à noite pelo rio Douro

Pousada do Porto, que é na verdade o antigo Palácio do Freixo, membro da rede Pousadas de Portugal, do grupo Pestana

O spa e o hotel Curia Palace, em Curia, uma estância hidromineral nos arredores de Coimbra

O ambiente super agradável do A Portuguesa, na beira do rio Mondego, em Coimbra

Hors concours – A Universidade de Coimbra, fundada em 1290, e a belíssima biblioteca Joanina, do século 17

FABIOLA BEMFEITO

Viagem a convite da Abav Nacional, Tap e Turismo de Portugal, com assistência internacional GTA

O voo da Tap

Não foi à toa que a Tap foi escolhida, pela reconhecida revista britânica Condé Nast Traveller, a melhor empresa aérea do planeta. Voei na econômica da companhia e gostei tanto quanto se pode da experiência, especialmente do entretenimento a bordo.

O vôo, ocorrido há alguns dias no A330, era de São Paulo ao Porto, e tinha 24 opções de filmes, vários recentemente indicados ao Oscar 2010.

Vi Crazy Heart, com Jeff Bridges, The Blind Side, com Sandra Bullock e Up in the Air, com George Clooney. Os dois primeiros renderam o Oscar de melhor ator/atriz a seus protagonistas. O terceiro, várias indicações. E ainda tinha Avatar, entre outros. Sem falar na opção “séries” e até videogames.

Cada assento contava com sua própria TV e os filmes tinham início e fim determinados pelo usuário, isto é, por mim. Nada de pegar o filme pelo caminho, como acontece com boa parte das companhias. Você escolhe, on demand, o que quer ver e quando. Interrompe, recupera, revê, recomeça, muda de ideia…

Também gostei bastante da seleção musical da “rádio” Tap. Jazz/blues, MPB, sucessos dos anos 80 e 90…

Mas na volta não dei tanta sorte.

Já estava programando com a UP, a bela revista de bordo da Tap, os filmes que iria ver quando me dei conta de que tinha caído em um equipamento muito mais antigo, apesar de maior. No A340 que voltei de Lisboa, tive de me contentar com aquelas TVs que saem do teto e nem têm a imagem tão boa assim.

Os filmes estavam lá, mas como horário determinado pelo vôo, na ordem escolhida pela companhia. Filmes que eu não escolheria… Um deles até gostei. Mas a verdade é que gostei bem mais do vôo de ida.

FABIOLA BEMFEITO

Viagem a convite da Abav, Tap e Turismo de Portugal, com assistência internacional GTA

Educação de qualidade

Sempre soube que eu ia gostar de visitar a Universidade de Coimbra, em Portugal. Mas não sabia que ia gostar tanto. Fiquei fascinada pelo ambiente local, pensando o quão inspirador deve ser estudar em um local como esse.

Há nada menos que 30 bibliotecas na universidade, que é uma das dez mais antigas do mundo, tendo sido fundada em 1290, pouco depois das de Bologna (Itália) e Salamanca (Espanha). Tem mais de 700 anos, muitas repúblicas, uniforme tradicional, festinhas e festas que perduram desde aqueles tempos…

A Biblioteca Geral e a belíssima biblioteca Joanina, do século 17, de onde não se pode tirar fotos, mas me deram uma rápida licença para registrar a beleza do local

Minha irmã ia ficar louca. Ela, Aninha, é formada em física e matemática, professora universitária e atualmente faz coisas tão loucas quanto uma graduação em direito e um doutorado na teoria do tudo – ou infinito, sei lá. Lembrei dela da hora que entrei até a hora de sair. Se ela entrar, não sai.

Já pensou o que é para uma criança, que hoje não tem intimidade com os livros porque seu barato é ler na internet, crescer e ter 30 bibliotecas em volta de si? Que bom ver que há ambientes que trabalham na preservação de um bem tão grande – a educação de qualidade…

FABIOLA BEMFEITO

Viagem a convite da Abav, da Tap e do Turismo de Portugal, com assistência internacional GTA