PARTE 2 – PAI X FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?

A primeira parte deste texto está em: PARTE 1: PAI X FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?

SEGUNDA FASE (2003 a 2007)

O jogo de Vabo JR mudou de figura… Ficou cada vez mais difícil vencê-lo. A disputa passou a ser de estilos, minha agressividade no jogo contra a sua defesa estratégica, estudada, friamente calculada, contra-atacando pontualmente cada nova investida de minhas peças.

Aprendi nesta fase, que cada simples peão vale muito e que eu só poderia perder uma peça se associado a uma estratégia para conquistar posições ou outra(s) peça(s) do adversário e que o mínimo descuido punha em risco toda a partida, mas a coisa foi ficando esquisita para o meu lado, sentia-me impotente para reagir, pois por mais que eu atacasse, Vabo JR (a esta altura com 18 anos) sempre encontrava uma forma de bloquear-me e, ao mesmo tempo, desferir seus golpes certeiros em busca do meu Rei.

Quando o placar atingiu Vabo SR 8 x 9 Vabo JR (e 6 empates), comecei a preocupar-me quanto ao resultado final do torneio, pois eu estava diante de uma virada espectacular (de 6 x 2 para 8 x 9) e, neste momento, comecei a apelar para o discurso de que, independentemente do resultado, eu só teria a vencer neste torneio, fosse como o jogador ou como o pai do vitorioso, aquele blá-blá-blá de quem percebe que a vitória está se esvaindo entre seus dedos, distanciando-se de suas reais possibilidades…

Foi quando a junção de um esforço extremo, atenção redobrada e acaso do destino (a sorte existe e ajuda), e sem mudar meu estilo “kamikaze”, consegui conquistar o que parecia impossível naquele momento: no final de 2007, o placar mostrava 9 x 9, além de 9 empates.

Ou seja, após 27 sucessivas, lentas e longas, mas emocionantes partidas, tínhamos alcançado um resultado que parecia apontar para um equilíbrio absoluto entre os jogadores: de 1998 a 2007, durante exatos 9 anos, vencemos 9 partidas cada um, perdemos 9 partidas cada um e empatamos 9 partidas !

Foi quando tomei a decidão mais importante do torneio, acredito que para ambos os jogadores, e que definitivamente serviu para comprovar que o mais importante deste jogo é, sempre foi e sempre será, o plano estratégico para o torneio, e não somente o empenho em cada partida.

Decidi parar de jogar.

E usei o argumento de que não fazia mais sentido identificar quem era o vencedor, jogamos durante 9 anos, demos tudo o que tínhamos, nos empenhamos e curtimos cada lance, para chegar a um resultado que me parecia o mais equilibrado empate que se poderia alcançar: 9 anos, 9 vitórias, 9 derrotas e 9 empates.

TERCEIRA FASE (2007 a 2018)

Vabo JR nunca aceitou esta interrupção (e não o recrimino por isso), sempre tentou, nos anos seguintes, retomar o torneio, queria porque queria vencer a derradeira partida (e reunia todos os atributos para isso), não aceitava sequer a possibilidade, não combinada, de vencer por WO.

Ele queria vencer no jogo.

Durante 12 anos, ao nos visitar (sim, os filhos saem de casa) ele armava o tabuleiro, deixava-o em cima da mesa e, sem comentar nada, fazia o primeiro movimento do peão branco, e esperava…

Durante 12 anos, resisti.

Durante 12 anos resisti a responder ao movimento de abertura no xadrez, que Vabo JR sempre fazia, quando nos encontrávamos em casa

Na verdade, acho que no fundo eu não me sentia mais em condições de enfrentar um jogador tão mais capacitado, cuja estratégia de defesa acabou mostrando-se superior à minha estratégia de ataque, meu único trunfo.

Por diversas vezes, Vabo JR aborreceu-se com esta minha decisão e chegou, em algumas ocasiões, a fazer promessas cataclísmicas, de que nunca, jamais, em tempo algum, voltaria a jogar xadrez comigo, essas coisas de filho contrariado.

Solange sempre moderava esses momentos e eu tentava explicar que o empate numérico era o melhor resultado que um pai poderia esperar de um torneio individual com o filho e, portanto, meu objetivo havia sido alcançado, mas Vabo JR era tenaz, obstinado, teimoso…

QUARTA FASE (FINAL)

Até que ele veio passar o Natal de 2018 conosco e, da mesma forma que sempre fazia (talvez por hábito ou simples provocação, embora desta vez sem tanta expectativa), ele armou o tabuleiro, fez o primeiro movimento com o peão branco e deixou o tabuleiro montado (chamando uma resposta que nunca vinha) e foi assistir a uma série na Netflix.

Ao passar diante da mesa, senti-me compelido, pela primeira vez desde 2007, a jogar e, sem qualquer planejamento, 20 anos após a primeira partida, eu respondi movendo o peão preto.

(a terceira e última parte continua no próximo post…)

PARTE 1 – PAI x FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?

Este não é um post sobre tecnologia ou gestão corporativa, nem sobre o mercado de viagens e turismo, tampouco sobre comportamento social e político, os três temas da minha predileção, usuais aqui no Blog B2BTech.

Resolvi contar uma história pessoal, um longo episódio familiar que ilustra bem a importância de uma decisão estratégica e também uma constatação de como o tempo muda a forma como enfrentamos desafios, me refiro a grandes desafios, aqueles que se postam diante de você e, por mais que você reflita, não enxerga uma saída, uma forma de resolvê-lo, sequer um caminho para a solução.

Sempre gostei de jogar xadrez, durante a escola técnica e a faculdade de Engenharia Mecânica, jogava com certa regularidade, mas sem compromisso, sem estudo, sem brilhantismo nenhum, apenas jogava eventualmente, mas sempre com prazer.

Ao longo da infância de Vabo JR, ensinei as regras e o estimulei a jogar xadrez, sempre motivando-o a praticar, aprender, estudar as estratégias do jogo e, como os pais normalmente fazem, a buscar sempre a vitória.

Jogar xadrez desde cedo é uma forma comprovada de estimular o raciocínio e a criatividade

Jogávamos com certa frequência, pai vencendo o filho (sem moleza) e filho esforçando-se para aprender e tentando vencer o pai, até que chegou o ano de 1998, alguns jogos já empatavam e Vabo JR criou o que hoje entendo ter sido uma incrível metodologia de aprimoramento da sua capacidade de jogar xadrez.

Como os pais e filhos nesta fase da vida (eu com 38 anos, ele com quase 13), tínhamos absurdas agendas de trabalho e estudo e, para manter a prática em dia, montamos o tabuleiro sobre a mesa de centro da sala de estar. A cada dia, fazíamos 2 movimentos cada um, de manhã ao sair de casa, e à noite ao retornar à casa, geralmente em horários desconexos. Solange observava e nos ajudava a cuidar para que ninguém mexesse nas peças no tabuleiro, durante os longos dias em que ficava montado.

Ou seja, jogávamos e nos desafiávamos, sem estarmos presentes um à frente do outro, como seria o usual em torneios de xadrez. Nosso limite de tempo para cada lance era determinado pela antecedência com que sentávamos à frente do tabuleiro (planejamento), pela motivação em estudar cada lance anterior do oponente (estímulo), mas principalmente pelo horário do compromisso seguinte, no caso trabalho e escola, nossas prioridades (pressão).

Primeira fase (1998 a 2002)

Logo no início, combinamos que o nosso torneio peculiar seria concluído quando alguém vencesse 10 partidas, ou seja, empates não contavam na pontuação, somente a vitória pontuaria para o resultado final deste torneio, o qual não teria, portanto, prazo determinado para ser concluído. Cada jogo demorava semanas, às vezes meses, devido aos 2 lances por dia e, por isso, esta primeira fase do torneio demorou quase 5 anos, ou seja, até o final de 2002.

Por eu ter vencido os primeiros jogos pela minha maior experiência, Vabo JR começou a aprofundar-se no tema, leu livros dos grandes mestres durante o segundo grau, participou de torneios no colégio e passou a dificultar muito o jogo, venceu algumas partidas, empatou outras e encerramos 2002 com o placar Vabo SR 6 x 2 Vabo JR, sendo que 4 partidas terminaram empatadas (embora estas não importavam para o resultado do torneio).

Apesar de, durante este período, ele ter conquistado um hepta-campeonato de xadrez do Colégio Marista São José (de 1996 a 2002) na Tijuca, eu jogava tranquilo, aplicando a única técnica que eu havia aprendido na prática: eu jogava agressivamente, sempre tomando a iniciativa e acuando o adversário na defesa. Por acreditar que este meu maior trunfo funcionava bem, eu contive o meu orgulho de pai, quando ele venceu essas 2 partidas nesta primeira fase.

As aulas de Christian Toth, mestre e professor de Xadrez (matéria de estratégia para alunos de Engenharia de Produção da PUC-Rio) foram um reforço inesperado para Vabo JR

Foi então que seus primeiros anos de faculdade fizeram a diferença. Meu parceiro de tabuleiro decidiu inscrever-se numa matéria eletiva sobre estratégia através do estudo teórico das grandes partidas da história. A matéria eletiva do curso de graduação em Engenharia de Produção da PUC-Rio chamava-se simplesmente Xadrez e era ministrada por ninguém menos do que Christian Toth, ex-técnico da seleção brasileira e mestre internacional de xadrez.

O resultado de meu amadorismo no xadrez começava a ser posto em xeque…

(Continua no próximo post: PARTE 2 – PAI X FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?)


LET’S STARTUP: O QUE NOS MOVE A (RE)COMEÇAR?

Já faz algum tempo que uma ideia veio surgindo, devagar no início, insistente depois, durante minhas conversas com a Solange sobre futuro (uma de nossas obsessões) e volta e meia me pegava planejando um próximo passo, mesmo antes de qualquer decisão ter sido tomada sobre isso.

De certa forma inspirados por Vabo Junior, empreendedor e professor de empreendedorismo da PUC-Rio e, mais recentemente, do Insper em São Paulo, decidimos levar adiante um novo sonho: devolver ao mercado e à sociedade um pouco da nossa própria experiência de empreendedores, adquirida ao longo dos últimos 23 anos, uma breve história construída com 20% de teoria e 80% de esforço, criatividade e obstinação.

Com o aprendizado do próprio Reserve ter sido uma startup, que nasceu e foi acelerada pela nossa TMC, a Solid Corporate Travel, nos idos de 2004, foi natural a criação de um programa de aceleração de startups, anglicismo que resume a descrição de “novas empresas criadas a partir de uma ideia, trabalhando em condições de extrema incerteza, em busca de um modelo de negócios repetível e escalável, com muito foco e absoluta obstinação por resultados”, essas que são características comuns a todo novo empreendimento para que seja bem sucedido.

Para iniciar nossa trajetória para este novo sonho, definimos então alguns requisitos para as startups que acreditamos que podemos contribuir, requisitos estes originados nos principais objetivos relacionados ao nosso propósito inicial, aquilo que nos moveu a partir para este novo sonho a esta altura de nossas vidas, que são:

1 – Estimular novos empreendedores

2 – Desenvolver tecnologias emergentes

3 – Resolver um problema do mercado

4 – Criar valor para a sociedade

Baseados nestes 4 macro-objetivos, os requisitos são a base do programa e descrevem as condições de participação de novas startups, sendo por isso apresentados para os empreendedores que manifestam o interesse em ingressar no programa.

O pontapé inicial do Programa Reserve de Aceleração de Startups foi dado neste final de 2018, com a adesão das duas primeiras empresas, a MyView Soluções com Drones e o Ligaí Conexões Inteligentes, ambas integralmente alinhadas com os objetivos do programa e com seus requisitos.

O Ligaí é uma startup que nasceu dentro do Reserve ou seja, é uma outra empresa com outro CNPJ e outro corpo de acionistas, na qual o Reserve participa societariamente com tecnologia, gestão corporativa e mentoria executiva.

O Ligaí resolve problemas relacionados às integrações entre sistemas e mineração de dados aplicando robótica cognitiva e aprendizado de máquina

É o mesmo processo de aceleração de startup que estamos implementando na MyView, sendo que esta é uma empresa que já existe há 3 anos e está no precioso momento de começar a voar alto.

A pesquisa de soluções inteligentes com a aplicação de drones autônomos faz parte do negócio da MyView

Ambas foram idealizadas por jovens empreendedores, demandam tecnologia nos seus projetos dominantes, solucionam alguns problemas do mercado e criam valor para a sociedade.

Na MyView, utilizaremos AI para o desenvolvimento de drones autônomos (sem piloto remoto) e para reconhecimento de imagens complexas em inspeções técnicas, que é o atual core-business da empresa (plataformas offshore, linhas de torres de transmissão, tanques e ambientes confinados etc), substituindo procedimentos menos seguros e caríssimos, como helicópteros e/ou técnicos alpinistas.

No Ligaí, o sistema permite a criação de robôs que vasculham dados, higienizam, transformam, mineram e analisam padrões ocultos que se escondem dos relatórios comuns. Com o volume de informações que as empresas trabalham, o Ligaí, também com o uso de AI, tem a capacidade de separar o joio do trigo, os dados irrelevantes das informações cruciais, filtrar o que é mais importante para a tomada de decisão, tudo com máxima privacidade e segurança.

O Programa Reserve de Aceleração de Startups prioriza empresas que tenham sinergia de cultura, com empreendedores que alinhem valores e atitude empreendedora

Respondendo diretamente à pergunta do título, nosso propósito é estimular startups a resolver problemas reais do dia-a-dia, mas o que nos move mesmo nesta direção é o desejo de deixar um legado, seja de um aprendizado específico, de uma metodologia de gestão, de uma pesquisa científica ou mesmo de um estilo de vida em que trabalhar, produzir, correr riscos e gerar empregos são atividades totalmente compatíveis, ou mesmo condicionantes, para ser feliz.

Feliz Natal e um próspero, desafiador, produtivo e eficaz 2019 !

Em tempo: para contactar o Programa Reserve de Aceleração de Startups, envie email para: watc@reserve.com.br