Hotel do Café, fazenda Guaritá

Novo Hotel do Café aposta em história no interior do Rio de Janeiro

Quase ao mesmo tempo em que os proprietários da Fazenda Marambaia se inspiravam em tempos de outrora para inaugurar um hotel boutique de luxo em Petrópolis, em um ponto mais no interior do Rio de Janeiro, perto de Vassouras, antigo domínio de outro ramo da família imperial brasileira, os donos da Fazenda Guaritá abriram o Hotel do Café. Os dois novos tranquilos hotéis fluminenses inaugurados durante a pandemia possuem uma imensa área verde, mas nada têm a ver com “hotel fazenda”. São voltados para adultos, ainda que aceitem crianças. No hotel Casa Marambaia, instalado em um casarão de meados do século 20, a gastronomia de inspiração francesa é um ponto fortíssimo. Já no Hotel do Café, em uma fazenda de 1875, é o acervo histórico que torna a viagem à região do Vale do Café especial e imperdível.

Leia também: Como foi a nossa hospedagem na Casa Marambaia, em Petrópolis

O Hotel do Café é um endereço para quem quer passar uns dias imerso em natureza e história e desconectado da vida urbana. Sem sinal de telefone e com Wi-Fi fraco e intermitente, que os proprietários estão tentando melhorar, por enquanto não é endereço para instalar um anywhere office. A internet irregular me proporcionou um check-out idílico: paguei a conta embaixo de uma figueira no jardim, o único ponto onde a máquina de cartão funcionou.

Inspiração & informação: Veja fotos do Hotel do Café no Instagram Hotel Inspectors

O empresário Omar “Catito” Peres, dono de dois restaurantes tradicionais do Rio, do Bar Lagoa e da Fiorentina (este fechado no momento), comprou e restaurou a Fazenda Guaritá há cerca de 20 anos. O acervo histórico espetacular foi garimpado em leilões e antiquários no Brasil e na Europa por Catito e sua mulher, a jornalista Lenise Figueiredo, que guia um imperdível tour pela coleção da propriedade. O casal vivia entre a fazenda do Vale do Café, onde recebiam amigos com frequência, e Roma. Mas, desde o início da pandemia os dois estão na fazenda, e daí veio a ideia de transformar a propriedade em um hotel. A estreia do casal na hotelaria foi em dose dupla: além do Hotel do Café, a dupla arrendou o Mara Palace, o mais tradicional hotel de Vassouras, que tem um público fiel e está sendo renovado.

Leia também: Hotéis para respirar ar puro na serra fluminense

Hotel do Café, na Fazenda Guaritá, de 1875: à esquerda estão os quartos; à direita, o restaurante; ao fundo, o Rio Paraíba do Sul. O gramado fica na antiga área de secagem do café | Foto de Carla Lencastre

.

Como é se hospedar no Hotel do Café

O Hotel do Café se apresenta como um hotel de luxo. O projeto ainda está na fase inicial, e há ajustes a serem efeitos, principalmente na área de alimentos e bebidas. Por enquanto, o hotel funciona apenas de quinta a segunda-feira. A seguir, alguns detalhes da minha hospedagem de três dias, no início de julho. Estou mostrando outras fotos também no meu Instagram @CarlaLencastre

Leia também: Onde ficar em Tiradentes, Minas Gerais

Localização

O Hotel do Café fica no pequeno município de Rio das Flores, a cerca de três horas de carro do Rio e a seis de São Paulo. As estradas estão boas condições, com exceção do curto do trecho final, de terra. O hotel está a 30km de Vassouras, que tem um agradável centro histórico. Banhada pelo Paraíba do Sul, a Fazenda Guaritá é de 1875, a fase final do ciclo. Na outra margem do rio passam os trilhos da Ferrovia do Aço.

.

Área verde

O Hotel do Café tem dezenas de palmeiras imperiais, características das fazendas da região, jabuticabeiras e mangueiras. Atualmente há pouquíssimo café no Vale do Café, mas a Guaritá começou a cultivar uma pequena aérea. O hotel tem trilhas para caminhadas, piscina e quadra de tênis ao ar livre, cadeiras espalhadas à beira-rio para ver o trem passar ou estrelas. Em frente à casa principal, onde antes era a secagem dos grãos, há um gramado ladeado por duas construções originais hoje com quartos e salões que abrigam restaurante, bar com piano, cozinha, sala de jogos com sinuca, sala de estar, alambique, e uma locomotiva a vapor do início do século passado. A Maria Fumaça inglesa, com um vagão de passageiros, às vezes faz um percurso de cerca de 1km da entrada da fazenda até a área do hotel. Perto da piscina há sauna seca e outra piscina pequena e coberta. No inverno, os dias no Vale do Café são quentes e ensolarados. À noite, a temperatura cai abaixo de 20 graus Celsius.

.

Quartos

Por enquanto são 12 suítes com nomes de personagens do período imperial, com duas entradas cada, uma voltada para o gramado principal, outra para o rio. O casarão da fazenda tem outros cinco quartos, menores, que ainda estão sendo preparados para receber hóspedes. As suítes, assim como toda a propriedade, são decoradas com um incrível acervo de objetos da época do Brasil Império, garimpados pelos proprietários em leilões e antiquários. É como passar a noite em um museu histórico, e este é o maior luxo do Hotel do Café. Outros confortos nos quartos são a roupa de cama de muitos fios e as toalhas de banho de algodão egípcio (o enxoval tem monograma da fazenda), e amenidades de banheiro da grife italiana Acqua di Parma.

A suíte na qual me hospedei, a D. Pedro I, era aconchegante e confortável, com piso em taco de madeira, saleta com sofá e mesa de centro, quarto com escrivaninha e uma televisão pequena, e dois banheiros. Cada acomodação tem uma decoração única, e algumas têm armário e espelhos. O que não era o caso, com exceção de um espelho acima de uma das pias. Não há roupão de banho, secador de cabelo nem minibar. A arrumação diurna sob demanda é apenas da cama, e não inclui o banheiro.

Gastronomia

O restaurante do Hotel do Café é amplo, com pé direito alto, seis janelas e três portas duplas, boa ventilação cruzada e álcool gel. O ambiente é de alta gastronomia, com mesas com toalhas brancas arrumadas com porcelanas, sousplats, talheres de prata, flores frescas. Café da manhã, almoço e jantar, com bebidas não alcoólicas, estão incluídos na diária. Os pratos são saborosos, ainda que o menu seja bem restrito. Não há carta de bebidas.

O café foi servido de duas maneiras diferentes. No primeiro dia, vieram direto da cozinha para a mesa, como os tempos pandêmicos recomendam, fruta, iogurte, queijos, geleias, pães, e suco e ovos feitos na hora. No segundo dia, o café estava montado em um bufê tradicional, com todos os itens do dia anterior, além de bolos da casa.

Leia também: Como fica o bufê self-service de café da manhã durante a pandemia

A maior parte dos alimentos, em todas as três refeições do Hotel do Café, vem de um atacadista no Rio de Janeiro. O que significa, no caso do café da manhã, geleias e pães de forma industrializados. Na fazenda são feitos queijo minas, ricota, iogurte, bolo aos domingos e uma cachaça envelhecida 18 anos em barril de carvalho. Tudo uma delícia.

O hotel está sem chef de cozinha, e o almoço e o jantar têm apenas um menu do dia. No almoço, sem entrada, havia duas opções de prato principal (carne ou peixe) e goiabada com queijo para sobremesa. À noite, duas sopas (batata-baroa ou canja), um prato principal que escolhi mais cedo e nenhuma sobremesa. No dia seguinte, o almoço foi feijoada, sem alternativa de feijão ou farofa sem carne. Para o jantar, duas opções de sopa (aipim com carne-seca ou canja), três de prato principal (carne, arroz de pato e o mesmo filé de tilápia do dia anterior) e três de sobremesa. Para beber, água em garrafas de plástico, refrigerante, caipirinha de limão e um rótulo de vinho tinto português, que pode ser servido em taça (R$ 23). Quem levar o próprio vinho (recomendo), paga taxa de rolha de R$ 40.

O Hotel do Café tem um interessante “menu imperial”, apresentado aos hóspedes ao final da refeição. Trata-se de uma pesquisa histórica bacana sobre o que os nobres da época gostavam de comer, com detalhes divertidos sobre os personagens e os ingredientes. Pedi para experimentar um dos pratos no jantar. Apostei em almofadinhas de surubim com espuma de capim santo e alcaparras, receita inspirada pela Imperatriz Leopoldina, que, informava o menu, trouxe as alcaparras para o Brasil. À noite, a massa recheada veio à mesa coberta por denso molho branco, sem alcaparras. A dica é folhear o menu como curiosidade, e escolher entre os pratos sugeridos pela casa.

Leia também: Tudo o que publicamos no Hotel Inspectors sobre hotelaria na pandemia

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors

Published by

Carla Lencastre

Jornalista formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhou por mais de 25 anos na redação do jornal O Globo nas áreas de Comportamento, Cultura, Educação e Turismo. Editou a revista e o site Boa Viagem O Globo por mais de uma década e conquistou vários prêmios do setor. Em 2020 foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes do turismo no Brasil pelo ranking Panrotas+Elo. Desde 2015 escreve para diversas publicações, entre elas O Globo e #Colabora, site de jornalismo independente voltado para o desenvolvimento sustentável. Ama viajar e anda mundo afora em busca de boas histórias desde sempre. É carioca de mar e bar. Gosta de dias nublados. Está no Instagram e no Twitter em @CarlaLencastre 

24 thoughts on “Novo Hotel do Café aposta em história no interior do Rio de Janeiro

  1. Maravilhosa, informação sobre esse hotel gostaria muito de conhecê-lo, pois com certeza irei.. Parabéns Carla, por descrever tão bem sobre esse lindíssimo hotel.

  2. Olá, Carla !

    Muito obrigado por seus comentários e sugestões. Certamente, independente de ainda estar em fase inicial de implementações e melhorias, o hotel, assim como o ambiente propriamente dito, devem ser mágicos.
    Amo natureza e interior. E por ser historiador, o clima retrô, me deixa encantado.

    Muito obrigado por esta publicação.

    1. Que bela descrição! Enquanto lia, me senti lá vendo cada detalhe ao vivo, e já com vontade de voltar! Se pudesse ia hoje mesmo!

  3. Eu e minha irmã nos hospedamos nos dias 3 e 4 de julho no Hotel do Café.Nossos parabéns aos proprietários pela idéia.O local é acolhedor e pequenas correções serão feitas com o tempo.Lucia Righy e Isa.

  4. Gostaria muito de curtir essa natureza e este belíssimo lugar. Gostaria também de receber maiores informações sobre as estadias e sobre os período de chuva na região.
    Muito obrigado

  5. Conheço muito bem o Hotel do Café. Ajudei a iniciar as operações.
    Venha conhecer a Fazenda Cachoeira Grande em Vassouras, um conceito diferente de hospedagem. Fazenda do Barão de Vassouras e primeiro lugar em atrações recomendada pelo TripAdvisor.

    1. Oi, Ricardo. Achei que a Cachoeira Grande estava aberta apenas para visitação. Não sabia que funcionava também um hotel. Obrigada pela informação! Tentarei incluir no roteiro em uma próxima oportunidade.

  6. Sinceramente, não li nada de excepcional na sua narrativa. Hotéis desse tipo tem para todos os gostos e preços Brasil afora. Rio das Flores é uma belíssima “cidade-quilombo” fluminense, e o especial nessa região é ver, conviver, desfrutar da cultura de resistência dos afrodescendentes locais. Além do mais, você se esqueceu de informar os preços das diárias, dos quartos-suites, para aqueles apreciadores do passado colonial-escravocrata-imperial brasileiro, na ótica dos dominadores europeus.

    1. Oi, Marco. Obrigada pela leitura. Não conheço os outros hotéis em fazendas coloniais Brasil afora que você menciona. Na Fazenda Guaritá, onde estive, não há qualquer tipo de apologia ao passado escravocrata brasileiro. Quanto ao valor dos diárias, você pode se informar diretamente com o Hotel do Café. Não trabalho com eles nem para eles.

  7. Boa noite!
    Gostei bastante das recomendações e gostaria Dr me hospedar no hotel.
    Poderia informar o valor do investimento para a diária?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *