E se as viagens de negócios…

…fossem cortadas do orçamento das empresas por dois anos consecutivos? O PIB mundial cairia em 5% e seriam perdidos cerca de 30 milhões de empregos no planeta.

Essa é uma das conclusões de um estudo que o WTTC – World Travel & Tourism Council encomendou à Orford Economics. O trabalho, que incluiu o Brasil, mostra que as viagens de negócios são necessárias para manter clientes, gerar novos negócios, inovar e ter sucesso nos negócios.

Cerca de 29% das vendas das empresas dependem de viagens e 3/4 dos executivos consideram as viagens extremamente ou muito importantes para aumentar vendas, fazer parceria com fornecedores e inspirar inovação.

Feiras de negócios servem para prospectar novos negócios para 66% dos executivos, como também para relacionamento com clientes já existentes para 61% deles.

Os dados são muitos, mas vale finalizar com a afirmativa de 4 em cada 5 executivos de que as reuniões “cara a cara” são essenciais para o sucesso de seus negócios.

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

15 thoughts on “E se as viagens de negócios…

  1. Excelente, Jeanine.

    Agora, o cenário pode inverter aqui no Brasil como já aconteceu nos EUA e Europa: viagens de lazer superando corporate em participação.
    Mais acesso, menores tarifas, financiamento… só falta mesmo é concorrência e infraestrutura!

    Abraços

    1. É verdade Gustavo, com esse crescimento interno esse cenário é provável. Também acho que precisamos de mais pesquisas e estudos para analisar tendências e ajudar o mercado.

  2. Muito interessantes estes números ! É um segmento que viaja sempre, alta e baixa temporada. Faça chuva ou sol (menos vulcão é claro)

    Concordo com você que o setor poderia ser melhor atendido, se houvessem estatísticas mais atualizadas e abrangentes. bjs

    1. Helo, a cada dia estou mais convencida da necessidade de trabalharmos com base em dados, numeros, estudos. Isso se chama profissionalismo! Esses investimentos sao altos, mas importantes a ponto de comprometer investimentos ou tomadas de decisao

  3. Concordo com todos quanto à necessidade de mais pesquisas e dados que nos ajudem a tomar as decisões corretas. O Brasil melhorou muito nesse aspecto com a Embratur e o MinTur fornecendo dados mais claros e mais atualizados, mas ainda são muito voltados para a medição do turismo internacional e de lazer. Precisamos pesquisas sérias e completas sobre turismo de eventos no Brasil e sobre o turismo interno. Agora com relação aos dados que a Jeanine nos trouxe aqui, há outro aspecto positivo: parece decretado o fim (ou inutilidade) das malfadadas “conference calls” ou “video conference” ferramentas bastante uteis, mas das quais os americanos costumam abusar. Pelo que 4 em cada 5 executivos dizem, nada como o bom, velho e extremamente latino “olho no olho”! Melhor para nós, que dependemos do mercado de viagens.

    1. Rui, isso mesmo. Sempre ouvimos o fim das viagens e que o uso de tecnologias iria acabar com os eventos. O numero de eventos no mundo tem aumento, e ao contrario, alem de oportunidades de atualizacao profissional, os eventos sao motivadores de viagens. E mais uma vez, precisamos conhecer impactos, retorno de investimentos, legado. A era dos eventos no Brasil ainda esta por vir, vamos lembrar disso em 2017, 2018….

  4. Querida Jeanine,
    Acompanho teu blog, não tenho teu novo e-mail para enviar este comentário de outra forma e sei que você esteve presente em Las Vegas em maio, por ocasião do 11th Global Travel & Tourism Summit do WTTC, quando esse relatório sobre business travel foi publicado (tive a oportunidade de divulgar os principais destaques no site da BUSINESS TRAVEL Magazine). Como meu foco exclusivo justamente é o business travel, sinto-me na obrigação de alertar para um equívoco em teu post. Na realidade, o estudo do Oxford Economics para o WTTC não menciona o corte integral das viagens de negócios por dois anos consecutivos para provocar uma redução de 5% no PIB mundial. Para provocar essa queda, o estudo do WTTC menciona o corte de apenas 25% das viagens de negócios anuais, por dois anos consecutivos, e não de 100% (o que seria um tsunami para o PIB global). Pela importância do assunto, acho o post merece essa correção.
    Abraço,
    Rubem

  5. I loved up to you’ll obtain performed proper here. The sketch is attractive, your authored subject matter stylish. nevertheless, you command get got an edginess over that you wish be delivering the following. in poor health definitely come more earlier once more as precisely the same just about a lot frequently within case you defend this hike.

Deixe uma resposta para visit site Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *