braztoa, magda e 30 anos de evolução

Magda Nassar está saindo da presidência da Braztoa e deixou sua marca bem clara nesses últimos anos. Objetividade, praticidade, papo reto, transparência, inclusão, valorização da equipe, olhar diferenciado para o operador, inovação… foram algumas de suas qualidades. Excesso de projetos e falta de outros porta-vozes (na entidade) são algumas falhas que podem ser corrigidas. Mas ela vai fazer falta…

Não que ela vá sair de vez, já que na única chapa concorrente até agora, a de Roberto Nedelciu, da Raidho, ela é uma das vices. Até o dia 13 possíveis outras chapas podem se inscrever. A eleição é dia 22 de maio e a posse em junho. Que Nedelciu, conhecido por sua operadora de nicho e pelo bom trâmite no trade, também deixe eu legado na entidade.

Entidade essa que completa 30 anos. E que, para mim, teve quatro presidentes que se sobressaíram aos demais (que não fizeram feio, pelo contrário, mas acabaram sendo continuação das bandeiras levantadas por esses quatro). Ao contrário de outras associações, não me recordo da Braztoa ter tido um presidente ruim.

Aldo Leone, seu primeiro presidente, representou esse início dos grandes operadores se unindo para fundar a entidade. E lembro de ter participado de um encontro no Hotel Hilton do Centro, e era só por meio de entrevistas marcadas entre agentes e os fornecedores. Raul Radu (me corrijam se não era esse o nome…nessa época eu morava no Rio), era o xerife que comandava todo o evento e não deixava nada atrapalhar os appointments.

José Zuquim foi um presidente que acompanhei de perto, já em São Paulo, e foi ele que abriu a entidade para a política, dando à Braztoa relevância entre os poderosos e expandindo seus horizonte, ambições e representatividade. Até então só se falava em Abav em Brasília (por mérito da entidade e do momento do mercado até então) e Zuquim mudou isso.

Marco Ferraz modernizou e desenhou os rumos que a Braztoa segue até hoje. Não à toa foi logo contratado pela Clia (então Abremar) e aí o cargo “caiu no colo” da vice-presidente Magda Nassar.

O resto é história, que continua sendo escrita por mais de 80 operadores e outros associados, que evoluíram com a entidade, mostrando que a relevância de um player se dá pelo que ele oferece aos clientes (sejam eles agentes ou consumidores) e como se conectam com as necessidades dos mesmos. Muitos ficaram pelo caminho nesses 30 anos, mas não por isso deixaram de contribuir e mostrar por onde seguir (ou não ir).

Parabéns à Braztoa pelos 30 anos.

Published by

Artur Andrade

Artur Luiz Andrade é carioca, taurino, jornalista e nasceu em 1969. É editor-chefe da PANROTAS Editora e mora em São Paulo desde 1998

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *