ABRACORP ONIPRESENTE

A Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas, que reúne 29 das mais importantes TMCs do Brasil, sempre foi identificada com profissionalismo, relevância e referência de mercado, desde a sua fundação, e não há nenhuma novidade nisso.

Mas algo vem mudando recentemente, e pra melhor…

Sob orientação do Conselho de Administração, que deu continuidade aos projetos estratégicos de longo prazo lançados nas gestões anteriores, fato é que o retorno do Gervasio Tanabe, nosso experiente diretor executivo, tem feito uma grande diferença nos resultados da entidade.

Transparência e equilíbrio são características da governança moderna e responsável da Abracorp, capitaneada pelo Tanabe com a maestria de quem conhece o mercado (clientes e fornecedores), respeita o associado (são 29 chefes) e foca no futuro de forma obstinada (o hoje eu já tenho), com apoio de uma equipe tão reduzida quanto eficaz.

Os números da Abracorp são, inquestionavelmente, a mais importante referência do mercado de gestão de viagens corporativas brasileiro, divulgados pela imprensa especializada desde sempre e, mais recentemente, considerados por toda a grande imprensa (TVs, jornais, revistas, internet, mídias socias etc), de uma forma abrangente e intensa, no Brasil e no exterior.

Fruto de um trabalho que mescla reputação e prestígio (conquistas de longo prazo) com seriedade e coerência (práticas do dia-a-dia).

O ápice visível de todo este denodo com que cuidamos da Abracorp, pode ser visto através da postagem do presidente da República a respeito do crescimento do mercado de viagens corporativas no primeiro semestre de 2019, festejado como os primeiros sinais da recuperação econômica que, hoje, ninguém mais duvida que está chegando já no próximo ano.

Presidente referencia dados da Abracorp para mostrar primeiros sinais de crescimento econômico

O trabalho em 2018 e 2019 tem sido intenso, culminando com o lançamento dos programas IHC Abracorp (de Inovação, Habilidades e Competências) em parceria com a 4C Solutions e Universidade Anhembi Morumbi, cursos de capacitação abertos aos colaboradores das empresas clientes, das agências associadas e também para não associadas Abracorp, e Parceiro de Valor Abracorp, evento anual que premiará os principais fornecedores do mercado brasileiro de viagens corporativas, segundo 6 critérios qualitativos e objetivos de desempenho:

  • Guia de boas práticas Abracorp
  • Competitividade comercial
  • Eficiência e qualidade no atendimento operacional
  • Tecnologia e inovação
  • Diferenciação na oferta de benefícios
  • Atratividade de produtos

Caso você ainda não tenha assistido, conheça alguns detalhes destes programas, que chegam para impactar a indústria de gestão de viagens corporativas, nesta entrevista do diretor executivo da Abracorp ao editor-chefe e CCO da Panrotas.

Além dessas iniciativas, o 5o. Forum Abracorp, que ocorrerá dentro da ABAV Expo 2019, no Expo Center Norte, promete debates de altíssimo nível com a participação de especialistas atuantes no mercado de gestão de viagens corporativas, além da Ilha Corporativa Abracorp que, em parceria com a GOL, aglutinará também na ABAV Expo 2019, os expositores dedicados ao mercado de gestão de viagens corporativas.

Você não pode perder !

.

ABAV MAIS PODEROSA

Este texto é continuidade do que postei em abril 2019, intitulado ABAV CADA VEZ MAIS INCLUSIVA, o qual concluí com uma frase catártica: “…estamos diante de uma oportunidade singular de iniciar a virada deste jogo e transformar a ABAV na maior associação empresarial do país, em quantidade de associados, força política e resultados”.

Não tenho dúvidas de que muitos leitores tiveram a estranha sensação de que eu estava exagerando, pois às vezes pode parecer que a nossa ABAV parece longe de ser a maior associação empresarial do país…

Será mesmo?

Sou associado ABAV desde 1995 e, desde então, acompanho com interesse o trabalho das diversas diretorias que por ali passaram, todas com características diferentes entre si, mas sempre movidas por tocar adiante o mais importante propósito que uma associação empresarial deve ter: manter a perpetuidade da atividade empresarial e o crescimento contínuo da entidade, nesta ordem.

Assim como a quase totalidade dos associados, sempre mantive um olhar crítico para algumas ações da ABAV, mas dispunha, na época, de pouca ou nenhuma oportunidade de expor as minhas ideias a respeito da gestão da entidade.

Somente após começar a escrever, em março de 2010, o blog Distribuindo Viagens (antecessor do atual B2B Tech), que tornei públicas algumas ideias e opiniões sobre nossa associação e, em especial, sobre nosso evento maior, a ABAV Expo, sempre buscando tecer comentários, críticos ou elogiosos, tão isentos quanto me pareciam possível, visando influenciar, de alguma forma, o objetivo de aprimorar tanto a entidade quanto o evento.

Mas foi na gestão do Antonio Azevedo que tive a chance de aproximar-me do grupo de agentes de viagens que a dirigiam à época, a partir do interesse do então presidente nas críticas e sugestões que eu fazia no Blog sobre a ABAV Expo, comentários que eu formulava enquanto agente de viagens associado, expositor de tecnologia e palestrante convidado para alguns dos eventos.

A partir daí, a minha relação direta com a ABAV Nacional começou a crescer, até que o Edmar Bull convidou-me a integrar sua chapa no final de 2015, depois o Carlos Palmeira, em seguida o Geraldo Rocha e, dando prosseguimento à gestão do Geraldo, participo atualmente da diretoria da Magda Nassar, onde enfrentamos o gigantesco desafio da modernização do estatuto como a principal forma de manter o crescimento contínuo da entidade.

Ou seja, assim como nossa atividade de agenciamento de viagens está em risco, também está a nossa entidade maior, respresentante associativa e, portanto, dependente da sobrevivência do agente de viagens.

Mas o que todos nós agentes de viagens precisamos alinhar é que, com a ABAV maior e mais fortalecida, aumentam consideravelmente as nossas chances de manter a perpetuidade da atividade empresarial.

E o curioso é que estamos num momento crucial de decisão, uma daquelas raras oportunidades históricas em que é preciso chacoalhar absolutamente tudo, a começar pelo estatuto da ABAV, um conjunto de normas e regulamentos que, apesar de sua importância até este momento, atualmente engessam sua governança, dificultam a busca de seus objetivos e complicam sua forma de atuar.

Acredito que tudo pode e deve ser objeto de revisão crítica, num amplo debate com a participação dos agentes de viagens de todos os estados da federação, de todos os segmentos, de todas as associações congêneres, de todas as forças políticas.

Não dá pra ficar de fora.

Eu acredito mesmo que a sobrevivência da atividade de agenciamento de viagens e turismo no Brasil passa pelo resultado desta revisão, que mostra-se mais urgente do que nunca, e já começou…

.

COMPULSÃO POR INOVAR

Não conseguimos evitar…

Nossa iniciativa de investir e acelerar uma startup de operações profissionais e soluções com drones não foi imediatamente assimilada pelo mercado.

“O que, afinal, os drones têm a ver com o negócio do Reserve, de tecnologia e gestão corporativa?” Foi a pergunta que mais ouvimos, cuja resposta só poderia ser ambígua: “Nada, e tudo”.

Quando identificamos uma dor do mercado brasileiro de gestão de viagens corporativas e inovamos ao criar o primeiro OBT do Brasil, nos idos de 2004, estávamos fazendo o que mais gostamos, que é desenvolver novos produtos que as pessoas amem usar.

Este primeiro lançamento deu margem a criarmos diversas outras inovações incrementais (1o. OBT Mobile em 2008, 1o. Robô de Emissão de Bilhetes em 2009, 1o. Expense Management em 2010, 1o. Fast-Scan Reader em 2011, 1o. Sistema Integrado de Gestão de Despesas e Viagens em 2012, 1o. ERP Data Feeder em 2014, 1o. Strategic Procurement Management em 2018), mas a inovação disruptiva foi a primeira, aquele sistema de self-booking batizado de “online booking tool”, hoje ferramenta obrigatória para todas as agências de viagens corporativas e, associado à gestão de despesas, instrumento recomendável para todas as empresas com mais de 50 funcionários.

A questão aqui é que o uso de drones está apenas começando, no Brasil e no mundo, tratando-se portanto de um terreno fértil para aquilo que é a paixão de nosso time: a inovação.

O fato é que, em menos de 6 meses de aceleração, nossa startup MyView concluiu o desenvolvimento de uma aeronave (como chamamos internamente os drones) autônoma, ou seja, capaz de transportar um produto do ponto A ao ponto B, sem a ajuda de um piloto (ou operador), decolando, atingindo uma altitude de voo pré-programada, voando a uma velocidade configurada, evitando ou contornando obstáculos fixos e móveis através de sensores, aterrisando no local determinado, liberando uma encomenda para um consumidor e retornando ao ponto de origem, tudo isso somente com uso de software, baseado em inteligência artificial e robótica cognitiva.

Com esta aeronave, batizada tecnicamente de MVAD4-01 (de MyView Autonomous Door-to-Door Drone Delivery – Versão 01) realizamos a primeiríssima entrega comercial da história de um produto por drone autônomo no Brasil, fato noticiado em primeira mão pelo Portal Panrotas.

A MVAD4-01, criada pela equipe do MyView Dronelab, demandou 8 meses de pesquisa, projeto, prototipação e testes, até ficar pronta para realizar o voo inédito no Brasil

Algumas pessoas se surpreenderam, outras elogiaram, algumas poucas duvidaram, pois “a Boeing, a Amazon e o Google têm projetos anteriores a este, com muito maiores investimentos e expertise de mercado”.

Ok, mas nenhum foi realizado no Brasil.

Outros lembraram que “já houve uma entrega de um sanduíche por drone para um cantor em cima de um trio elétrico em Salvador, no carnaval de 2019”, numa ação de marketing de uma empresa de entrega de comida.

Ok, mas não foi entregue por um drone autônomo.

Houve ainda quem nos avisasse que “já houve simulação de transporte de um produto por drone autônomo, alguns meses antes, no Brasil”, referindo-se a um voo teste, em ambiente controlado, em que um drone transportou uma carga por alguns metros, baseado em geolocalização.

Ok, mas foi apenas uma simulação, não foi uma entrega comercial real.

Quando nos referimos a uma entrega comercial, significa que nosso projeto incluiu a aquisição de um produto real, por um consumidor real, de uma loja real e foi entregue num endereço real, ou seja, uma entrega verdadeira, feita com toda a segurança, em menos de 4 minutos, envolvendo todos os desafios de algo que nunca havia sido realizado no país…

Portanto, esta inovação disruptiva teve 3 características que a tornam única, até esta data: foi a primeira entrega comercial de um produto por drone autônomo no Brasil.

Este é o vídeo da primeira entrega comercial de um produto com drone autônomo no Brasil

Ainda não sabemos quantas inovações incrementais este projeto ainda terá, mas seguramente serão muitas, desde o formato e payload (carga útil) da aeronave, alcance de voo e softwares de navegação, até mecanismos de carga na loja e descarga na entrega do produto ao consumidor, incluindo a logística de armazenamento, distribuição e entrega de produtos por drones em residências complexas e apartamentos, voos com múltiplos obstáculos e voos com entregas múltiplas.

Todos esses desafios estão contemplados e já estão sendo enfrentados nas etapas seguintes deste nosso projeto MyView D4, ou seja, temos ainda muito trabalho pela frente, incluindo o monitoramento da evolução da regulamentação do setor, a cargo da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) e do DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo), órgão vinculado ao Ministério da Defesa, visando regular a entrega de produtos por drones, passo importante e fundamental para o desenvolvimento desta atividade.

Mas o fato é que o voo que inaugurou a entrega comercial por drone autônomo no Brasil ocorreu em 22 de maio de 2019, em Itaipava, Petrópolis, região serrana do estado do Rio de Janeiro, transportando um Leite de Rosas (produto), da Drogaria Venâncio (loja) para o endereço da Dona Wanda (consumidor).

Para nosso time, é isto o que os drones têm a ver com tecnologia ou com gestão corporativa: a motivação para criarmos novas soluções, imaginarmos o que ainda não foi imaginado, fazermos o que ainda não foi feito.

E seguirmos para o próximo desafio…

.