O PRESIDENTE FOI MAL ORIENTADO

Verdade seja dita: o ministro Marcelo Álvaro Antonio tem se empenhado em destravar importantes gargalos ao desenvolvimento do mercado de viagens e turismo brasileiro.

A liberação do visto para americanos, australianos, japoneses e canadenses e a participação de até 100% de capital estrangeiro nas cias. aéreas nacionais são alguns destes acertos, além da aprovação da Lei Geral do Turismo, engavetada há anos sabe-se lá em qual gaveta…

Na ânsia de promover ações assertivas em diversas áreas nestes primeiros 100 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro foi levado ao erro de acreditar que o governo economizará através da compra direta de passagens aéreas pelos órgãos públicos do governo federal.

Esta iniciativa, originada no governo Dilma, provou-se um verdadeiro fracasso devido ao descontrole sobre as tarifas aéreas, quando reservadas e emitidas sem a devida consultoria de uma agência de viagens corporativas (ou TMC).

Sobre este assunto, postei aqui no Blog em 19/07/2016, sobre a desastrosa iniciativa do PT de criar a central de compras de passagens aéreas, incluindo denúncia contra equipe do MPOG Paulo Bernardes, no texto COMPRA DIRETA DE BILHETES AÉREOS PELO GOVERNO FRACASSA

Neste texto, provo matematicamente que o preço médio dos bilhetes aéreos emitidos pela tal central de compras do MPOG foi mais caro do que o preço médio dos bilhetes aéreos emitidos pelas agências de viagens corporativas no ano anterior, apesar da divulgação equivocada do MPOG na época.

Acrescente-se a isto os óbvios custos extras proporcionados pela equipe contratada (ou desviada de função) da central de compras, além do custo da tecnologia (online booking tool) contratada para este projeto e de sua integração ao SCDP (sistema de concessão de diárias e passagens do MPOG).

Governo do PT estatizou a atividade de agenciamento de viagens para servidores do MPOG
Governo do PT tentou estatizar a atividade de agenciamento de viagens para servidores do MPOG e o governo atual caiu neste engodo

Coincidência ou não, a área responsável pelo desenvolvimento deste projeto de estatização no governo do PT, foi a Assessoria Especial para Modernização da Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, cujo titular à época era Valter Correia da Silva, que comandou a “modernização” da gestão do MPOG, de nov/2012 a fev/2015, quando saiu para assumir a Secretaria Municipal de Gestão do prefeito Fernando Haddad.

Em 2016, Valter Correia da Silva, ex-assessor do ministro Paulo Bernardo e ex-secretário do prefeito Haddad, foi preso na Operação Custo Brasil, que apura desvios de mais de R$ 100 milhões em propinas, entre 2010 e 2015, de contratos no Ministério do Planejamento, relacionados a serviços do sistema de empréstimos consignados aos servidores federais.

Como afirmei, o mais provável é que tenha sido “mera coincidência” o fato de que a iniciativa de “modernização” (que culminou com a estatização do agenciamento de viagens e resultou em preço médio de passagem mais caro), tenha sido implementada pelo mesmo assessor especial e pelo mesmo ministro que estão presos por outro projeto de “modernização” de gestão, o dos empréstimos consignados, este também alardeado como uma iniciativa de grande alcance social, com um sistema de controle que traria “muitas vantagens” para a administração pública…

Por tudo isso, reafirmo que o presidente Bolsonaro não foi tecnicamente informado por quem entende do assunto, sobre as desvantagens da compra direta pelos órgãos públicos, da mesma forma que tal iniciativa não encontra sucesso entre as empresas privadas que a implementam.

Não foi à toa que as principais associações de agências de viagens, direta e injustamente impactadas pela medida, reagiram através de correspondência diretamente à Presidência da República, casos da ABAV-DF em 28/03/19, da ABAV Nacional em 29/03/19 e da ABRACORP em 29/03/19 e ABRACORP novamente em 01/04/19.

O jornalista Claudio Humberto também opinou a respeito, em sua coluna no Diario do Poder, atribuindo a lobistas a informação equivocada consumida pelo presidente.

Ok, o governo mudou e o Brasil mudou, mas alguém precisa mostrar ao presidente que a compra direta, através da estatização da atividade de agenciamento de viagens, gera prejuízos aos cofres públicos e não combina com um governo liberal.

TIVEMOS 2 FÓRUM PANROTAS EM 2019: FOFURA X POLÍTICA

Parece mesmo que assistimos a 2 Fórum Panrotas em 2019 !

O primeiro foi em 19/03, caracterizado pela amenidade dos painéis, dos palestrantes e dos “debates”, tudo muito fofo…

O segundo foi em 20/03 e teve a política como mola mestra dos painéis, com o atuante Ministro do Turismo, o animado Governador do Estado do Rio de Janeiro e o mítico Procurador da República.

O FÓRUM PANROTAS 2019.1

Esquenta

A abertura com música ao vivo e a participação especial do The Voice Kid Pedro Miranda já deu o tom de fofura deste primeiro dia do Fórum Panrotas 2019.

Foi um esquenta sensacional.

Abertura do Fórum

A tradicional palestra de boas-vindas do anfitrião Guillermo Alcorta, sempre entremeada da mais pura emoção em todos as 17 edições do evento, ganhou proporções maiores quando ele anunciou, do alto de seus 80 anos e de sua belíssima trajetória como empresário de comunicação, que assim como já vem acontecendo na Editora Panrotas, o seu filho José Guilherme Alcorta assumiria o protagonismo e a liderança também do Fórum Panrotas.

Após um discurso emocionante do Guillermo Alcorta, seu filho José Guilherme Alcorta assumiu de vez a liderança da Editora e do Fórum Panrotas

Foi a conclusão mais transparente de um processo sucessório que eu já testemunhei, compartilhada ao vivo para as principais lideranças e influenciadores do mercado de viagens e turismo brasileiro.

Uma abertura carinhosa e inesquecível, ponto forte do evento deste ano.

Cenário Brasil – até onde vai a confiança do brasileiro?

Palestrante já conhecido e aprovado pelo público do Fórum Panrotas, Renato Meirelles nos fez pensar sobre a forma equivocada como os estrategistas de marketing abordam o público nas campanhas publicitárias.

Uma palestra gostosa de assistir.

O que falta para o turismo ser protagonista?

Com um tema do interesse de todos, o que seria um debate tornou-se um agradável bate-papo entre parceiros e nem tanto. Alexandre Moshe, Bruno Ladanski, Eduardo Bernardes e Luis Fogaça não divergiram, não tiveram nenhum contraditório, não apresentaram nenhuma provocação.

Até as respostas à pergunta final pareceram formar um jogral ensaiado, de tanta sintonia entre os painelistas.

Um painel quase amoroso.

Manu

Nada mais fofo do que a participação da Manu Vazquez como assistente de fotógrafo do Emerson, participando ativamente das atividades do querido Remi.

Manu brilhou.

Transformação digital

A palestra do Hamilton Berteli foi interessante, abordou um tema que, apesar de não ser novo, requer uma reanálise de tempos em tempos.

O executivo deu o seu recado.

O varejo online, offline e híbrido: como outros setores transformam a experiência de compra

O painel moderado pela Adriana Cavalcanti encontrou muito conteúdo na Beth Furtado, uma estudiosa do assunto, em contraponto às experiências vitoriosas, mas monocromáticas, da empreendedora digital Gabryella Correa e do empresário offline Marcelo Carvalho.

Apesar de ter sido um painel difícil de moderar, devido à disparidade entre as trajetórias e os perfis dos debatedores, Adriana mandou bem.

NDC: A transformação na distribuição aérea e experiência do viajante

A texana Kathy Morgan discorreu, pela visão GDS, sobre o New Distribution Capability da IATA. Apesar de demonstrar conhecer profundamente o assunto, em alguns momentos suas opiniões não deixaram claro se os GDSs apoiam mesmo ou estão sendo levados à investir no novo padrão da IATA.

Deixou sem resposta minha pergunta sobre a tentativa dos GDSs de manter o controle estratégico da distribuição através da aquisição dos principais players do NDC ao confirmar que não foi o GDS Sabre que comprou a Farelogix, mas sim o Sabre Airline Solutions…

Ah, então tá…

Solange Vabo, inspirada na Manu, fotografou parte da equipe do Panrotas – ambiente de muitos amigos no Fórum Panrotas

A relevância do influenciador na decisão de compra

Para quem não lembra, Maisa Silva foi aquela atriz-mirim (ou atriz-bebê) que contracenava no programa do Raul Gil e, posteriormente, no de Silvio Santos, dos 3 aos 4 anos de idade. Uma menina prodígio da comunicação que foi muitíssimo bem assessorada e surfou como ninguém a onda dos influenciadores digitais.

Hoje aos 16 anos de idade, com mais de 30 milhões de seguidores no Instagram, arrebatou a plateia com sua espontaneidade adolescente. Moderada por German Carmona, a participação da Maisa resumiu bem o primeiro dia do FP 2019:

Um Fórum Panrotas fofo…

O FÓRUM PANROTAS 2019.2

O ministro do turismo Marcelo Álvaro Antonio só trouxe boas notícias, tanto em relação a planos e metas futuras, quanto à realizações concretas nestes poucos dias de governo, com destaque para a isenção de vistos para turistas norte-americanos, canadenses, japoneses e australianos, a partir de junho de 2019, com potencial de dobrar o fluxo de turistas estrangeiros ao Brasil, até 2022.

Ponto para o governo Bolsonaro.

Segurança e Turismo: combinação que atrai investimentos e turistas

O governador Wilson Witzel foi pontual, apresentou-se com positividade, firmeza e otimismo, mostrando suas recentes ações na área de segurança pública no estado do Rio de Janeiro, que trouxeram resultados expressivos nos menos de 3 meses do novo governo, condição básica para a ampliação do fluxo turístico, doméstico e estrangeiro, para a Cidade Maravilhosa.

Ponto para o governador do Rio de Janeiro.

O governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, mostrou eficácia em ações objetivas na área de segurança pública

As palestras do Henrique Portugal – Inovação é uma questão de talento? –  e da Mariana Aldrigui – Uma nova análise dos números do turismo brasileiro – foram faces distintas de moedas diferentes.

Portugal fez uma apresentação lúdica e cativante sobre os impactos da tecnologia sobre a indústria musical, quase um recado à plateia de executivos do mercado de viagens e turismo: “Não, vocês não foram os únicos impactados”.

Já Mariana, uma estudiosa por excelência (como reafirmou e já sabíamos), fez uma apresentação interessante ao propor uma nova abordagem para a leitura dos dados estatísticos do turismo brasileiro. Uma análise técnica que nos fez refletir sobre o quanto os últimos governos fracassaram nas políticas e estratégias para desenvolvimento do turismo brasileiro. Há que se comparar os dados, sob esta mesma ótica proposta por Mariana, nos próximos 4 anos deste novo governo.

Os desafios das cias. aéreas brasileiras

William Waack moderou o bate-papo com os presidentes da Azul, Latam e Abrear sobre um tema tão intenso e complexo, que os 30 minutos reservados para o painel pareciam insuficientes. Com sua objetividade e franqueza, as respostas do gringo John Rodgerson, da Azul, conquistaram a plateia, um caso raro de sintonia à primeira vista, já que este parece ter sido o primeiro contato direto do presidente da Azul com o público.

Jerome Cadier, da Latam, acompanhava a plateia ao aplaudir respeitosamente o concorrente, o que levou Eduardo Sanovicz, da Abear, a discorrer sobre a união das cias. aéreas durante as reuniões da Abear, sempre quando tratando de temas importantes comuns a todas, como segurança. “Depois elas quebram o pau como qualquer concorrente”, afirmou.

Um painel entre associados.

Tempos de mudanças: a evolução do combate à corrupção e da promoção da ética no Brasil

Deltan Dallagnol, em sua segunda participação consecutiva no Fórum Panrotas, conquistou a plateia outra vez. Assistido com atenção e certa reverência pelo público, que o admira e tieta escancaradamente, o procurador símbolo da Lava-Jato surpreendeu ao manter o tom aguerrido e otimista a respeito dos rumos das investigações, apesar da recente e frustrante decisão do STF sobre a juridição dos crimes associados às campanhas eleitorais.

Integridade acima de tudo: o CEO do Reserve, Sidney Lima Filho, fez questão de uma foto com o Procurador da República, Deltan Dallagnol

A força da Lava-Jato reside em profissionais como Deltan, hoje literalmente idolatrado pelos cidadãos brasileiros. Parabéns ao Panrotas por trazer, de novo, uma figura da envergadura de Deltan Dallagnol para palestrar no Fórum.

A luta continua !

PARTE FINAL – PAI X FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?

As primeira e segunda partes deste texto estão em: PARTE 1 e PARTE 2

Ao perceber que, inesperadamente, eu havia feito o movimento no jogo, Vabo JR entendeu que eu havia concordado em, finalmente, jogar a final do torneio e, a menos que que esta partida terminasse empatada, o vencedor do torneio que iniciara em 1998 finalmente seria conhecido.

Acho que isso o motivou a interromper a série que assistia e sentar-se à mesa, onde ficou refletindo por longos minutos antes de prosseguir com o jogo, desta vez ambos presentes, da forma mais tradicional de uma partida de xadrez, com exceção da cronometragem dos lances, que não havia.

Nenhum dos dois parecia preocupado com o tempo, ninguém cronometrou as jogadas, nem reclamou se o adversário parecia demorar demais para jogar, tampouco distraiu-se com outra coisa durante toda a partida (iPhones nos bolsos).

Somente para nós dois, pai e filho, aquele jogo era uma final de copa do mundo.

Solange observava ao longe e parecia simular a maior naturalidade do mundo. Havia outras pessoas em casa, mas somente ela, Vabo JR e eu sabíamos o que aquela partida representava…

Apesar dos 12 anos que ficamos sem jogar, Vabo JR continuava jogando muito melhor do que eu. Ao que tudo indicava, ele parecia não ter parado de jogar neste período, embora  seguramente não praticasse nem estudasse mais como antes, devido a seus compromissos profissionais.

Para mim, esta era a primeiro partida de xadrez após o super-empate de 2007.

Iniciei com bastante cuidado e redobrada atenção, embora não me parecesse mais fundamental vencer o torneio, ao menos eu não poderia amolecer nesta que poderia ser a derradeira partida de um torneio iniciado há 20 anos.

Surpreendi-me com meu comedimento e, por respeitar o adversário com quem aprendi muito, eu jogava de forma completamente diferente, mais acuado, reativo, na defensiva mesmo, característica que não era a minha.

Em curioso contraponto, Vabo JR insinuava-se pelo seu lado direito do tabuleiro, atacando com a Dama (Rainha), Torre e Bispo, simultaneamente, obrigando-me a raciocinar muitas jogadas à frente, para conseguir manter minha estratégia inicial, sem comprometer as posições de defesa do meu Rei.

Foi quando percebi que meu adversário animou-se com seu “novo estilo” (que no passado fora o meu) ofensivo, seguro, incisivo, e passou a não dar trégua ao meu lado esquerdo, trocando Peões e avançando aos poucos em direção ao meu Rei.

Meu desafio parecia ser continuar mantendo minha posição defensiva e, ao mesmo tempo, preparar um contra-ataque que precisava ser fulminante, definitivo, que não desse chance de reação, o que passei a construir pelo meu lado direito do tabuleiro.

Em cada novo movimento de Vabo JR, eu posicionava minhas peças de forma a defender-me de seu ataque insidioso mas, ao mesmo tempo, mantinha posição de apoio à penetração dissimulada que eu fazia, pelo outro flanco, na direção de seu Rei.

Após uma sucessão de trocas de peças, o jogo acabou decidido por um lance, ou seja, quando Vabo JR preparava-se para me dar xeque ao Rei, o que iniciaria uma sucessão de movimentos até o provável xeque-mate, eu que coloquei o Rei dele em xeque, de forma aparentemente inesperada para ele.

Neste momento, eu o vi passar por uma situação que muitas vezes eu havia passado durante o torneio: a incredulidade diante de uma jogada não prevista do adversário, por ter se concentrado em demasia nos seus objetivos no ataque.

Ciente de que seu próximo movimento seria um ataque definitivo para destruir meu jogo, Vabo JR analisou o xeque que acabara de receber por exatos 22 minutos, enquanto eu permanecia em silêncio obsequioso, pois não havia, nem poderia haver, limite de tempo para uma jogada decisiva numa final de copa do mundo…

Foi quando, surpreendentemente, meu oponente levantou-se, tirou os olhos do tabuleiro e olhou-me fixamente, estendeu a mão direita para cumprimentar-me, enquanto com a mão esquerda derrubava seu Rei. Com um sorriso que misturava alívio e um pouco de desapontamento, ele disse: “Analisei todas as possibilidades e não há saída, você daria o cheque-mate 7 lances à frente”, e complementou: “Parabéns, pai, você venceu o torneio”.

Posição final do tabuleiro após a partida que encerrou o torneio de xadrez com 20 anos de duração

Eu recebi sua decisão com o mesmo duplo sentimento, alívio e desapontamento, mas continuo considerando que empatei com o mais duro jogador de xadrez que enfrentei em toda a minha vida.

O torneio foi encerrado, mas nossa carreira de amantes do xadrez pode estar recomeçando, sem placar, sem pressão, sem competição, apenas uma chance do pai aprender enquanto se diverte com o filho.

.