Até demorou

Acho que ninguém se surpreendeu com a saída da Azul da Abear. A entidade era a tentativa (ou melhor ainda é) de o setor tratar de temas que interessam a todos, deixando o lado comercial de lado. Concorrentes unidos por causas maiores, mas ainda concorrentes.

Mas o lado concorrencial sempre foi bem acirrado entre Gol, Latam e Azul, e o sangue frio às vezes não vem… esquenta para além dos limites.

Resultado: entidade enfraquecida, com apenas duas grandes empresas (já que Avianca Brasil é uma incógnita, e mesmo assim está reduzida a pouquíssimos voos), e racha declarado na aviação nacional. Como há muito não se via.

Em breve a Azul (que tem share no Brasil de 21%, dados de março 2019) deve ingressar na Star Alliance e na aliança com Copa e United na América Latina (que ainda tem a Avianca Colômbia) e a briga se estenderá pela região, com Latam/Oneworld, e Gol/Delta e cia. formando seus grupos tão poderosos quanto.

Momento delicado. E que merece atenção do trade.

Em tempo: recente visita das entidades de Turismo a Jair Bolsonaro e o ministro Marcelo Álvaro teve pelo menos uma baixa relevante: a própria Abear.

Isso é com as agências

Reportagem do SP2, da Globo, no sábado, mostrava o drama de alguns passageiros desavisados no Aeroporto de Gurulhos, tentando embarcar de Avianca Brasil. Alguns tinham passado 24 horas no aeroporto. Muitos não sabiam como seguir viagem. Não teve tumulto. Só desalento. Tristeza, quase igual à dos comandantes e chefes de base em seus discursos de “último dia de operação”. Alguns vídeos viralizaram e emocionaram.

A frase que me chamou a atenção, lida pela âncora do jornal ao final da matéria: a Avianca Brasil disse que está fazendo o possível para reacomodar os passageiros que compraram diretamente com a empresa. Quem comprou com uma agência de viagens deve procurar a própria agência. Aí entendi o desespero da Abracorp, pedindo solidariedade às concorrentes, à Anac e à Abear… Não são todos passageiros da mesma companhia? E as reuniões secretas entre a Avianca e o trade? Acabaram?

Enquanto isso, continua a fiscalização para as malas de mão que podem embarcar ou não nas aeronaves… Prioridades do País…

Leilão marcado para a próxima semana. Como se sabe, a Avianca Brasil será fatiada… E mais uma página da história da aviação será virada.