GENTE X TECNOLOGIA

Apesar de associado à ABAV desde 1995, venho participando mais ativamente de associações somente há pouco mais de 15 anos, desde 2002 quando a Solid, nossa agência de gestão de viagens corporativas, foi admitida no extinto FAVECC.

Alguns anos depois, o Reserve, nossa empresa operadora de sistemas de gestão corporativa, associou-se à ABGEV (depois ALAGEV) e, em ambas as entidades, procurei contribuir participando da construção e gestão de seus respectivos Comitês de Tecnologia e Inovação, os quais, graças à incrível participação de seus integrantes, tornaram-se referência dentro dessas associações, tal a organização, metodologia e empenho individual de seus participantes, profissionais das melhores empresas provedoras de soluções tecnológicas para o mercado de viagens e turismo no Brasil.

Esta referência de engajamento permanece até hoje, com praticamente os mesmos integrantes daqueles comitês de 5 a 10 anos atrás, agora no atual Grupo de Trabalho de Tecnologia da ABAV, rebatizado recentemente como ABAVTech, o que denota a maturidade desses profissionais e de suas empresas, muitas concorrentes entre si, mas todas voluntárias e participativas no debate, na proposição de soluções e nos projetos em prol de um mercado mais moderno, antenado e tecnologicamente atualizado.

Esta base está criada, a tecnologia foi o calcanhar de Aquiles do mercado de viagens e turismo há 15 anos, hoje não é mais, hoje tecnologia é core das agências, operadoras, fornecedores e clientes, mas este estágio de maturidade foi iniciado lá atrás, pela necessidade do mercado, pelas dores que o mercado sentia em 2003, 2004 em diante. Hoje tecnologia é dia-a-dia, é natural, faz parte do cotidiano, não é mais problema, hoje as dores são outras, o foco é outro, a atenção está voltada para outra montanha a ser conquistada: as pessoas.

As pessoas que se transformaram diante da era da informação, que não precisam mais deter conhecimento (todo ele está no Google) e nem memorizar nada (tudo está anotado no smartphone), tampouco fazer cálculos matemáticos ou conhecer rotas e caminhos, sequer escrever corretamente (santo corretor), ou agendar reuniões (basta um conference call), nem mesmo telefonar pra ninguém (zapear é menos invasivo)…

São atos cotidianos hoje realizados de forma completamente diferentes e isso vem moldando a cabeça das pessoas, que podem ser identificadas em 3 macro-grupos:

1) Grupo Sempre Gabriela

Tem o mindset de antes da era da informação, eventualmente usa mas não gosta e alega não perceber vantagens na tecnologia. Não existe faixa etária para este grupo, mas ele é dominado por pessoas que nasceram antes de 1960, seguido de perto por todas aquelas pessoas que achavam legal dizer aquela frase “eu não sou de tecnologia”. Atualmente, poucos tem a desenvoltura de proferi-la sem sentir-se em um museu. Na verdade, essa turma tem todo o direito de agir e pensar “eu nasci assim, vou morrer assim”.

2) Grupo De Volta para o Futuro

É o maior grupo, com todas as pessoas em idade produtiva que vivem a transição entre a era industrial e a era da informação, incluindo a geração X (1960 a 1980), a galerinha moderninha da geração Y, que nasceu antes da popularização da internet (1980 a 1995), além da recentíssima geração Z, que entrou no finzinho desta viagem no túnel do tempo (1995 a 2010). Por serem protagonistas de uma fase de transição entre eras, todos se acham legítimos personagens de uma nova espécie humana sobre a terra…

3) Grupo Te Ensinei Certinho

Formado pelas crianças que nasceram após a popularização da internet (2010 em diante), da preponderância de tablets sobre laptops e do smartphone como continuidade do organismo. Os integrantes deste grupo não sabem o que é telefone fixo, não assistem TV, não imaginam o mundo sem redes sociais e absorvem as novidades tecnológicas com a mesma facilidade com que trocam de preferência sobre qualquer assunto. Acessam tudo, sabem tudo, mas têm dificuldade de se relacionar (presencialmente) com pessoas. Não serão deslumbrados pelo uso da tecnologia, porque ignoram o mundo antes disso. Serão os protagonistas da internet das coisas, que está só começando, do carro autônomo, que está só começando, da inteligência artificial, que está só começando, das criptomoedas, que estão só começando, da robótica cognitiva, que está só começando, da programação genética, que está só começando…

Profissionais de até 3 gerações diferentes convivem nas empresas com suas diferentes aderências às novas tecnologias

São todas essas pessoas, juntas e misturadas, que têm que lidar com novas tecnologias florescendo a todo momento, com as inovações e mudanças frequentes em suas vidas, no trabalho, na forma de se comunicar, nas opções de lazer, no acesso à serviços, produtos e no permanente consumo de informação e conhecimento.

Motivado por este gigantesco desafio, o Comitê de Desenvolvimento Humano da Abracorp vem trabalhando, já há alguns anos, com participação voluntária de apenas 5 integrantes, representantes de algumas das 28 agências associadas Abracorp, que analisam, debatem e buscam soluções para as profundas mudanças no perfil do profissional do mercado de viagens e turismo, suas dúvidas, desafios, requisitos, formação, especialidades, experiência, remuneração, motivação, propósito, entre outros temas relacionados à pessoas.

Comitê de Desenvolvimento Humano ABRACORP
ABRACORP – Daiana Moreira
ALATUR – Fabiana Lage
FLYTOUR – Carla Mota
SOLID – Wilson Marcos (coordenador)
TOUR HOUSE – Jéssica Borzani

Hoje, é este pequeno grupo que vem se destacando e tornando-se uma nova referência em atuação de comitês associativos no mercado de viagens e turismo brasileiro, fundamentalmente tratando de gente…

Para maiores informações, contacte daiana@abracorp.org.br

.

ABRACORP: DA UNIÃO AO SUCESSO

Como todos devem lembrar, a ABRACORP – Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas nasceu da união entre os associados de duas outras entidades congêneres, o FAVECC – Forum das Agências de Viagens Especializadas em Contas Comerciais e o TMC Brasil – Travel Management Companies do Brasil, ambas extintas.

Embora esta união parecesse óbvia ao mercado, já que ambas as entidades possuíam objetivos, conceitos e características muito parecidos, sua realização demandou grande esforço de um grupo de associados, capitaneado pelos ex-presidentes do Conselho de Administração da ABRACORP, Francisco Leme e Edmar Bull, um trabalho cuidadoso, abrangente e detalhista, dada a diversidade de tamanhos e a acirrada competição comercial entre todas as agências associadas, características preservadas até hoje.

Diferentemente do que é comum imaginar, as agências ABRACORP não são todas necessariamente mega TMCs (para usar o anglicismo que se tornou jargão de mercado), mas agências de gestão de viagens corporativas grandes, médias e pequenas (classificadas segundo seu faturamento no ano anterior), que preenchem uma série de requisitos específicos que a tornam elegíveis a participar da entidade.

Todos esses requisitos constam do Estatuto Social da ABRACORP, um documento público acessável no site da associação, de cuja leitura depreende-se qual o real espírito do associado ABRACORP, as linhas mestras que o regem, seu propósito no mais alto nível, conceitos recentemente ampliados e ainda melhor detalhados nos documentos revisados, criados e aprovados no final da gestão Rubens Schwartzmann:

Código de Ética e Conduta

Princípios de Valor do Associado

Guia de Boas Práticas do Fornecedor

Guia de Boas Práticas do Cliente

Balizadores dos procedimentos de cada associada, além de recomendações de procedimentos aos fornecedores e clientes, são justamente esses novos documentos que norterão a gestão do novo presidente do Conselho de Administração Carlos Prado, recém iniciada, de quem tive a confiança de ser escolhido vice-presidente.

Dar continuidade aos projetos estratégicos e consolidar as boas práticas no mercado estão entre os maiores desafios da nova gestão ABRACORP

Durante 8 anos, Leme, Bull e Schwartzmann ajudaram a criar, manter saudável e em permanente evolução, a entidade referência do mercado de gestão de viagens corporativas no Brasil.

Cabe agora ao novo Conselho de Administração (Carlos Prado, Eduardo Vasconcelos, Joaquim Cruz, Luís Vabo, Marianno Santos, Regis Abreu e Reifer Souza) liderar o processo de consolidação das boas práticas da associação que representa 50% dos negócios de viagens corporativas no Brasil ou 1/3 de todos os negócios de agências de viagens brasileiras.

Quando a responsabilidade é grande, o melhor é começar logo a trabalhar.

.