CONVERSA DE 170.000.000.000,00

É incrível como essa gente trata de bilhões como se fossem trocados no bolso, talvez porque seja dinheiro público, ou seja, de ninguém…

Em situações como esta, lembro sempre de um amigo que costumava pontuar nossas conversas sobre cenários de crise econômica, com a seguinte frase:

A situação é crítica, mas devemos lembrar que nada está tão ruim que não possa piorar…

Quando estamos quase nos acostumando com as idas e vindas de petralhas, empresários e políticos de diversos partidos, para o tribunal, para a prisão e de volta pra casa;

Quando as figuras ligadas à família Odebrecht começam a se tornar arroz de festa na TV e nas redes sociais;

Quando começamos e acreditar que as tímidas reformas trabalhista e previdenciária seriam algum avanço em relação ao que está aí,

Eis que surge o sertanejo Joesley (nome que mistura Joelma do Calipso e Wesley Safadão), para mostrar que a maior construtora do país talvez seja apenas a segunda maior corruptora de servidores públicos atuando em território nacional (com braços no exterior) já que, diferentemente da Odebrecht, a JBS não dispunha de 78 funcionários atuando num departamento de operações estruturadas (eufemismo para depto da propina) mas, ainda assim, conseguiu financiar seu plano de crescimento para conquistar um extraordinário faturamento superior a R$ 170 bilhões por ano.

Joesley e Temer: intimidade na conversa, em casa, na calada da noite, incrimina o presidente

Mas permanece a dúvida, ainda não respondida, que é mais do que uma mórbida curiosidade: Terá o Grupo JBS superado a Odebrecht em valores “operacionalizados” (é assim que os políticas tratam a transferência criminosa de valores) para representantes dos três poderes?

Marcelo, Guido, Palocci e Dilma: personagens de um filme de horror ou da realidade brasileira?

Depois que os irmãos Batista transformaram a delação “premiada” em delação “o crime compensa” e, de quebra, ganharam ainda mais dinheiro com ela (compraram USD 1 Bi a R$ 3 e venderam a R$ 4), o Eduardo Cunha anda pedindo pelamordeDeus para darem uma chance dele fazer pelo menos uma delaçãozinha, antes que não sobre mais nada para contar…

E aquilo que todos suspeitavam acabou acontecendo: o BNDES finalmente apareceu nas delações dos corruptores, mais uma confirmação de que “nada está tão ruim que não possa piorar…”

Sobre este tema, veja este resumo atualizado sobre a Operação Lava-Jato e suas repercussões, produzido pela CBS News:

Matéria da CBS News sobre a Lava-Jato

.

A NOVA FRONTEIRA DA GESTÃO CORPORATIVA

Estamos quase no meio do ano, um bom momento pra revisitar este texto, que aborda o momento de transição que o conceito de gestão de viagens corporativas anda experimentando.

Nos anos 90, a distribuição de serviços de viagens para empresas era baseada no fluxo:

Cliente > TMC > GDS > Fornecedor (cias. aéreas, hotéis etc.)

Nos anos 2000, a internet impactou este fluxo ao oferecer outras alternativas de distribuição:

Cliente > TMC > Internet > Fornecedor

Cliente > Internet > TMC > Fornecedor

Cliente > Internet > Fornecedor

Em qualquer destes novos fluxos, o GDS deixou de ser protagonista e passou a ser mais um importante canal de distribuição, disponível dentro do novo ator principal: a internet.

Não faço aqui qualquer juízo de valor, mas tão somente reflito sobre o que tenho testemunhado nestes últimos 20 anos e não é nenhuma novidade: a internet, entre tantas outras revoluções, também mudou a forma como pesquisamos, planejamos, reservamos, compramos e vendemos viagens e turismo.

No superespecializado segmento de viagens corporativas não podia ser diferente, com a tecnologia baseada na web oferecendo inúmeros recursos para resolver e apoiar muitas das tarefas desenvolvidas por gestores de contas e consultores de atendimento, entre outros profissionais envolvidos no processo.

Nada mais natural, portanto, que tenha sido o segmento de gestão de viagens corporativas o que primeiro aderiu aos sistemas de auto-reserva (self-booking tool), mais intensamente utilizados no Brasil a partir de 2004 e que, atualmente, são a mola propulsora das OTAs e que viabilizam seu vertiginoso crescimento nos últimos anos.

Mas, e agora? Qual o próximo passo?

Para gestão de viagens corporativas, não há mais dúvidas de que a próxima fronteira a ser desbravada no Brasil são os sistemas de gestão de despesas de viagens (expense management), bastante utilizados nos EUA e presentes na Europa e países da Ásia.

A questão aqui é que, diferentemente de um novo aplicativo ou funcionalidade, o “expense management” abrange um conceito mais amplo que o “travel management”, permitindo o gerenciamento de todas as despesas anteriores e posteriores à viagem, reduzindo custos e processos com relatórios de despesas, conferências e auditorias.

O mindset da gestão financeira tende a predominar também na gestão de viagens e depesas corporativas

Integrado ao ERP da empresa, o “expense & travel management” permite o controle de uma das três maiores rubricas de despesas das grandes empresas, o que acaba por transferir para a área financeira a decisão sobre a implantação de uma tecnologia, até então, dedicada somente à gestão de viagens.

Esta é uma nova fronteira para a gestão corporativa: os processos de gestão de viagens estão migrando, lenta e silenciosamente, para a área financeira das empresas.

.