FORUM ABRACORP – SAIBA COMO FOI O PRIMEIRO EVENTO PRESENCIAL DE 2020

Sim, fizemos um evento presencial.

Havia também a possibilidade de assisti-lo remotamente ao vivo, mas foi um dos primeiros, senão o primeiro, evento do mercado de viagens corporativas com todos os painelistas (eram 8) e plateia presencial (+/-60 pessoas), durante o período da pandemia.

Obviamente foram cumpridos todos os protocolos recomendados pelos órgãos de saúde e mais alguns, da própria Abracorp, sempre focada na segurança e no compliance.

Com apoio do Hotel Transamerica, infraestrutura da Hoffmann e patrocínio da Localiza, o 6o. Forum Abracorp abordou temas interessantes e fugiu um pouco do ufanismo de celebrar uma retomada que ainda demora (falta a vacina) e tratou do assunto com responsabilidade social (saúde em primeiro lugar), olho nos negócios (todos dependemos das vendas) e visão prospectiva (como será 2021 em diante).

Os CEOs das 3 principais cias. aéreas em operação no Brasil (Gol, Azul e Latam), das 2 maiores locadoras de automóveis (Localiza e Movida) e de 2 das mais relevantes redes hoteleiras do mercado corporativo (Blue Tree e Atlantica) debateram por 90 minutos, moderados pelo CEO do Experience Club.

8 CEOs reuniram-se para debater no evento presencial 6o. Forum Abracorp 2020: Gol, Azul, Latam, Blue Tree, Rede Atlantica, Localiza e Movida, moderados pelo Experience Club

Aprendizado

Vale muito assistir ao vídeo do evento no canal Abracorp no Youtube, mas separei aqui alguns trechos do que ouvi dos painelistas, não precisamente da forma como está escrito, mas da maneira como captei a mensagem, como um verdadeiro aprendizado:

“Estamos vivendo o maior desafio profissional de nossas vidas. Não acrediro em especialistas de situações inéditas.”
Paulo Kakinoff, da Gol, sobre o real tamanho do problema.

“Há previsões de consultores sobre a plena recuperação do mercado de viagens e turismo somente em 2022 ou 2023. Nós nos recusamos a acreditar nisso.”
Eduardo Giestas, da Rede Atlantica, contrariando os pessimistas.

“Eu fiz dois dias de home-office durante toda a pandemia e vou te dizer: foi difícil. Eu acredito no time atuando junto.”
Renato Franklin, da Movida, sentindo falta do escritório

“Parabenizo a Abracorp por estar mostrando aqui hoje, que é possível viajar, reunir pessoas e fazer eventos. Nós somos a prova de que já é possível sim.”
Chieko Aoki, da Blue Tree, afirmativa.

“Este tema da vacina é igual ao tema da economia, são temas polêmicos que só aumentam o cenário de incertezas.”
Jerome Cadier, da Latam, assegurando que ninguém tem todas as respostas para a pandemia.

“Cumprindo os protocolos, voar, viajar é absolutamente seguro.”
Paulo Kakinoff, da Gol, sobre a segurança dos voos durante a pandemia.

“Alguns agentes estão prevendo vendas da ordem de 70% a 80% do volume de 2019, já no segundo semestre de 2021.”
Bruno Lasanski, da Localiza, otimista realista.

“Temos um otimismo prudente, racional, com muita cautela. Os grandes eventos só retornarão com a vacina, imunidade de rebanho ou terapias bem sucedidas. Protocolos não funcionam em mega-eventos.”
Eduardo Giestas, da Rede Atlantica, otimista cauteloso.

“Estamos recebendo muitos eventos pequenos, intimistas, que trazem os CEOs para falar e inspirar suas equipes. Percebemos uma demanda por reaproximação das pessoas.”
Chieko Aoki, da Blue Tree, analisando o comportamento dos clientes corporativos.

“O melhor do meu call center é a preparação das pessoas para assumirem novos desafios na empresa. Isso tem que ser presencial !”
Renato Franklin, da Movida, valorizando a cultura criada no dia-a-dia do escritório.

“O que eu sei é que tem banco comercial viajando cinco vezes mais do que seus concorrentes. Eu diria aos demais bancos: abre o olho porque estão visitando seus clientes.”
John Rodgerson, da Azul, estimulando as viagens corporativas.

“Brasil era 50% da operação da Latam antes da pandemia. Agora, o Brasil representa 80% de todas as nossas operações.”
Jerome Cadier, da Latam, explicando o impacto da pandemia nos voos na America Latina.

“Os EUA não tem muito para ensinar ao Brasil neste momento, mas acho que os brasileiros deveriam amar, defender e vender bem o seu país como os americanos fazem.”
John Rodgerson, da Azul, cada vez mais brasileiro.

“Eu sou argentino, admito o avanço do Brasil nos últimos anos e acho que este é o melhor lugar para se viver. Espero que esta live não seja vista na Argentina…”
Bruno Lasanski, da Localiza, apoiando Rogerdson no amor ao Brasil.

“Meu maior preparo para enfrentar esta pandemia é o fato de eu ser brasileiro, com resiliência para encarar esta crise, que vai demorar algum tempo ainda.”
Jerome Cadier, da Latam, que apesar do nome, é brasileiro mesmo.

Evento presencial e a felicidade de reencontrar os amigos Marcello Restivo, da Tivolitur, Peterson Prado, da Avipam e Luiz Srauss, da Promotional, entre muitos outros.

Foi uma tarde incrível, quando pudemos olhar pra frente enquanto mantemos os pés no chão e atestamos o real significado da estagnação econômica, gerada pela pandemia, no mercado de viagens, ao mesmo tempo em que planejamos como será o próximo ano, quando as vendas provavelmente ainda estarão algo abaixo da força de 2019.

Que venha a vacina, chinesa, russa, americana, inglesa ou brasileira, mas que esteja testada e atestada, para podermos vislumbrar, a longo de 2021, a possibilidade de voltarmos a crescer e sonhar com o patamar de negócios que ralamos muito para conquistar em outros tempos.

.

E AGORA, IATA? O QUE SERÁ DO NDC?

Há 5 anos e meio, em 28 de junho de 2013, postei aqui pela primeira vez sobre o NDC, ou New Distribution Capability, o novo padrão tecnológico, proposto e promovido pelo IATA, para a distribuição de reservas aéreas em todo o mundo, num texto que sequer citava a sigla que agora tornou-se famosa: SOBRE AGÊNCIA, GDS, OTA, CIA. AÉREA E IATA.

De lá para cá, muita coisa mudou, o IATA patrocinou e promoveu de forma obstinada o desenvolvimento deste novo padrão, muitas empresas de tecnologia apostaram no novo modelo, o Brasil foi o primeiro país, ainda em 2015, a homologar oficialmente a emissão do primeiro bilhete aéreo no padrão NDC nas Americas (antes mesmo dos EUA), e toda a indústria de distribuição segue investindo pesadamente na evolução de sistemas baseados no novo padrão.

Atualmente, ouvimos falar do NDC com uma frequência cada vez maior mas, recentemente, um importante movimento de aquisição empresarial lançou uma dúvida sobre o tema:

Com a Farelogix by Sabre e a Navitaire by Amadeus, qual será o futuro do NDC como padrão aberto, democrático e “sem dono”?

Para entender o que está jogo, vale recapitular o resumo desta ópera, em 7 atos:

1) Visando recuperar o controle da estratégia de distribuição dos produtos de suas associadas, as cias. aéreas, o IATA iniciou um ambicioso projeto para estabelecer um novo padrão para o desenvolvimento de sistemas de reservas aéreas.

2) Alguns poucos fornecedores de tecnologia aderiram na primeira hora e se especializaram no novo padrão, o que os levou a conquistar importante espaço junto às cias. aéreas de todo o mundo, para aderirem a seus sistemas de hosting e distribuição de reservas aéreas através de direct connect (conexão direta sem uso de GDS) baseado no novo padrão NDC.

3) As 2 empresas mais proeminentes nesse novo mercado, Farelogix e Navitaire, ambas norteamericanas, cresceram e se desenvolveram graças à oportunidade gerada pelo NDC e, por isso, passaram ambas a serem percebidas como os novos hubs do mercado de distribuição de reservas aéreas.

4) Depois de alguns anos de evolução (das cias. aéreas, do padrão NDC, das plataformas de distribuição, dos OBTs a elas integrados, das TMCs etc) os GDSs perceberam o que um padrão tecnológico único e aberto ao mercado representará para o seu negócio e, imediatamente, reagiram e resolveram “liderar” esta nova corrida do ouro.

5) De uma postura inicial reativa, passaram a participar proativamente, interagir e influenciar as diretrizes do novo NDC, um padrão tecnológico em constante desenvolvimento, através de reuniões, conferências, grupos de trabalho e diversos outros foruns promovidos pelo IATA.

6) Num segundo momento, identificaram os 2 principais players desse novo jogo mundial da distribuição de reservas aéreas, que apesar de ainda incipiente em relação ao volume total de viagens, está em vertiginoso e incontrolável crescimento.

7) Amadeus adquiriu a Navitaire e Sabre adquiriu a Farelogix, duas companhias construídas com o paradigma de superar os padrões fechados (e caros, segundo as cias. aéreas) dos GDSs, utilizando o novo padrão NDC do IATA.

Neste momento, todos os olhos e ouvidos estão voltados para o próximo movimento da IATA, que poderá responder (ou não) o que toda a indústria de distribuição de viagens precisa saber, em especial aqueles que acreditaram e seguiram investindo no NDC, baseados na proposta da IATA de um padrão aberto, democrático e “sem dono”:

Golias venceu David?

.

Veja outros posts sobre o NDC aqui no Blog B2BTech:

NOVA CAPACIDADE DE DISTRIBUIÇÃO de 25/02/2014

NOVO ANTIGO DESAFIO (DESDE 2004) de 05/08/2015

PONDO ORDEM NA CASA de 28/03/2016

BAGAGEM EM TEMPOS DE NDC de 12/06/2017

A ABAV É POP

Ainda estamos sob efeito dos 3 dias da ABAV Expo 2018, a terceira de uma série de edições que começam a refletir as profundas mudanças pelas quais a ABAV vem atravessando nos últimos anos.

A modernização da sua governança e a expansão da abrangência do quadro associativo, entre outras medidas, são estratégias vitais para aquele que é o nosso principal objetivo: a perpetuação da atividade de agenciamento de viagens.

A ABAV é pop !

Poucas siglas associativas têm o mesmo reconhecimento de marca junto ao público consumidor do que a ABAV.

Todos conhecem, sabem ou ouviram falar da Associação Brasileira de Agências de Viagens, uma entidade empresarial cuja sigla abraça desde o imaginário popular relacionado ao sonho de fazer uma viagem de turismo até o compromisso profissional de uma viagem a trabalho, incluindo todas as nuances e variáveis entre esses dois extremos, sempre relacionados a viagens, termo que, não à toa, faz parte do nome da associação.

A ABAV não aceita envelhecer…

Neste ano em que a ABAV completa 65 anos, percebi que o segredo de sua longevidade é justamente o fato de que ela não aceita envelhecer, um conflito que sempre enfrentou ao longo de sua existência.

Todos os seus associados atuais, recentes e antigos, entendem que a renovação é necessária, incluindo um novo “mindset” dos agentes de viagens, para transformá-la numa entidade moderna, com novas propostas, novas abordagens, novas ideias e novos modelos de negócios, bem como mais inclusiva, com oportunidades para novos empresários de atividades ligadas a viagens e turismo, novos associados e novos tipos de associatividade.

Um mundo de oportunidades de inovação se apresenta e a ABAV está ávida por agarrá-las.

ABAV Expo 2018, a melhor de todas

Ao fazer um corpo-a-corpo com visitantes e expositores dentro da feira, colhi testemunhos sobre o caminho que estamos trilhando, para que cada edição da ABAV Expo efetivamente supere as anteriores, em qualidade, em visitantes, em expositores, em capacitação, em network, em negócios…

Os corredores amplos estiveram lotados na maior parte do tempo na ABAV Expo 2018

O espaço gigantesco do Anhembi permitiu mobilidade e muitas conversas nos amplos corredores da feira

A Ilha Corporativa Abracorp estava mais linda do que nunca, espaçosa, com bom acesso e boa visibilidade em todos os totens e lounges

Pontos positivos

– Espaços grandes com corredores amplos e confortáveis
– Expositores com estandes bem decorados e com equipes para fazer negócios
– Participação dos principais players do mercado
– Congresso com conteúdo variado e painelistas de qualidade (destaque para os 3 painéis do ABAV Tech)
– Horários cumpridos à risca
– Mapeamento impresso e exposto na entrada da feira
– Oferta de variadas opções de A&B
– Coffee Lounge free aberto a todos os visitantes
– Organização, credenciamento, acessos, balcão de informações, segurança, apoio a expositores etc tudo funcionou bem
– Pré-lançamento da edição 2019

O cartão Agente ABAV foi lançado e teve ótima aceitação na ABAV Expo 2018

Pontos para melhorar

– Sinalização nos corredores
– Banheiros podem melhorar muito

Pontos negativos

– Climatização inexistente
– Gerador restrito à iluminação da feira
– Decadência da estrutura do Anhembi

Além deste resumo do que foi uma feira muito acima do que se podia esperar para um ano de crise econômica e eleição presidencial (sem falar da greve dos caminhoneiros e da copa do mundo de futebol), os eventos paralelos ainda foram um espetáculo à parte.

O Forum Abracorp bombou, os congressos da OAB e da Ampro mostraram que há espaço para eventos de outras entidades de fora do mercado de viagens e turismo, o sucesso dos espaços do Encontro Comercial Braztoa, da Ilha Corporativa Abracorp, o Lounge da AirTkt, o novo Travelport Conecta Big Data, o estande do grupo CVC Corp e todos os demais espaços multimarcas reafirmaram que esta é uma tendência que veio para ficar e será ampliada nas próximas edições.

O 3o. Forum Abracorp reuniu 8 debatedores para o tema Preço ou valor: o que é mais importante?

O presidente da ABAV

O presidente Geraldo Rocha, onipresente em todos os lugares do Centro de Exposições, estava leve igual a uma criança, “feliz da vida” como ele mesmo afirmava, explicando pacientemente para todos, em coletivas de imprensa, conversas em grupos ou mesmo em bate-papos individuais, os motivos que nos levaram a produzir esta 46a. ABAV Expo e 50o. Encontro Braztoa no Anhembi.

No segundo dia da feira, já havia expositores e visitantes repetindo esses motivos e defendendo a decisão responsável da diretoria executiva da ABAV, apesar do calor, especialmente no primeiro dia.

Ponto para a responsabilidade financeira e a transparência, abraçada pela equipe de ouro da ABAV e entendida por todos os participantes que fizeram desta a melhor ABAV Expo de todos os tempos.

Mas ano que vem tem mais, dias 25 a 27 de setembro de 2019 no Expo Center Norte, ainda em São Paulo, conforme anunciado.

Ou poderia ser no Rio de Janeiro como eu e muitos outros desejamos ??

.