Hotel Nacional: esplendor do passado e planos para o futuro

Que tal aproveitar um dia ensolarado do inverno carioca para mergulhar nesta piscina em frente ao Oceano Atlântico sob o olhar da magnífica sereia em bronze de Alfredo Ceschiatti? Depois de 20 anos de abandono, o Hotel Nacional projetado por Oscar Niemeyer, um símbolo do Rio de Janeiro, recuperou o seu esplendor.

O Hotel Nacional, a Praia de São Conrado e o Morro Dois Irmãos / Foto de divulgação

Primeiro Gran Meliá no Brasil, reinaugurado há sete meses, o Hotel Nacional abriu agora para o público o Spa by Clarins.  Especializado em massagens faciais, é o primeiro da grife francesa na América do Sul. A abertura do spa para quem não está hospedado no hotel já estava prevista desde o início do projeto de revitalização do hotel.

Ainda para o público em geral, até o fim deste ano deve ser inaugurado na cobertura, no 32º andar da torre cilíndrica, um restaurante assinado por um chef premiado. O mais cotado é o carioca Felipe Bronze, que comanda a cozinha do Oro, restaurante que recebeu este ano sua primeira estrela Michelin.

O amplo lobby do Hotel Nacional com suas características originais preservadas e restauradas / Foto de divulgação

O Nacional era um dos hotéis mais esperados para os Jogos Olímpicos. Mas só recebeu seus primeiros hóspedes em dezembro do ano passado, ainda parcialmente em obras. A restauração preservou o imenso lobby sem colunas com quase três mil metros quadrados, um dos destaques do moderno projeto de 1972; a impressionante sereia em bronze de Ceschiatti entre a piscina e o Atlântico; os jardins de Roberto Burle Marx com 46 plantas nativas e vista para o mar; o painel em dezenas de placas de concreto assinado por Carybé em uma parede curva no lobby, e a luminária suspensa com 12 metros de extensão do artista plástico Pedro Correa de Araújo. Foram feitas poucas modificações no projeto original, tombado pelo município do Rio.

O Hotel Nacional, a Rocinha, a Avenida Niemeyer e a Praia de São Conrado vistos do alto / Foto de divulgação

As obras custaram mais de 400 milhões. Os 413 apartamentos do Gran Meliá Nacional Rio seguem no inusitado desenho de fatia de pizza com tamanho mínimo de 33 metros quadrados. Os elevadores estão concentrados no centro da torre. A suíte presidencial, no 29º andar, tem 300 metros quadrados e acesso direto pelo heliponto. O objetivo é voltar a atrair as celebridades que no passado colaboraram para a fama do hotel. Os quartos e suítes têm janelas do chão ao teto e podem oferecer vista livre para a Pedra da Gávea, um panorama da praia, a exuberante vegetação do Morro dos Irmãos ou a Rocinha, com o Cristo Redentor ao fundo nos andares mais altos.

Leia também

As comemorações dos 10 anos do Fasano Rio

O novo Hilton Copacabana em prédio ícone da hotelaria carioca

***

Vai ser uma honra se você também quiser me acompanhar no meu perfil do Instagram, @CarlaLencastre.  Lá posto minhas andanças não apenas pelo Rio, mas mundo afora. E há três meses, em parceria com outras três jornalistas especializados em viagens, turismo e lifestyle, comecei o Instagram @HotelInspectors.  A ideia é reunir fatos & fotos de hotéis bacanas que visitamos em todo o mundo e também no Brasil. Passa lá!

Published by

Carla Lencastre

Jornalista formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhou por mais de 25 anos na redação do jornal O Globo nas áreas de Comportamento, Cultura, Educação e Turismo. Editou a revista e o site Boa Viagem O Globo por mais de uma década e conquistou vários prêmios do setor. Em 2020 foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes do turismo no Brasil pelo ranking Panrotas+Elo. Desde 2015 escreve para diversas publicações, entre elas O Globo e #Colabora, site de jornalismo independente voltado para o desenvolvimento sustentável. Ama viajar e anda mundo afora em busca de boas histórias desde sempre. É carioca de mar e bar. Gosta de dias nublados. Está no Instagram e no Twitter em @CarlaLencastre 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *