“NA BAHIA TEM NEVE?”: VISITANDO O MAIOR PARQUE DE DUNAS DO BRASIL

“O maior parque urbano de dunas, lagoas e restingas do Brasil”. Esse é o título de uma das atrações mais conhecidas da região da Praia Flamengo, na orla de Salvador. O lugar é mais visitado por grupos escolares e ambientalistas, mas tem sido descoberto por famílias locais, que buscam novas opções de lazer para as crianças, além de alguns turistas, que eventualmente pesquisam sobre a cidade na Internet.

O Parque das Dunas – não confundir com o xará potiguar, em Natal – é um complexo com 6 milhões de metros quadrados de área, compreendendo uma imensidão de areia branca entre a pista do Aeroporto de Salvador e o Oceano Atlântico. Todas as visitas são guiadas por trilhas interpretativas e devem ser agendadas previamente; há percursos infantis, de 500 metros, e adultos, de até 2Km: você só precisa definir a sua escolha e a duração do passeio. Não existe mínimo de pessoas para realizar as trilhas, mas é bom reunir o maior número possível de participantes, para dar uma força ao trabalho realizado pelo Parque.

Logo na chegada, há uma aula no auditório sobre a fauna e a flora da região, bem como um breve aquecimento e alongamento corporal para preparar os visitantes para a caminhada. É importante utilizar bastante protetor solar, roupas adequadas (preferencialmente com proteção UV), chapéu e óculos escuros – o reflexo do sol na areia branca pode ser bem forte. Na volta, os aventureiros são recebidos no Centro de Visitantes com frutas, água e picolé, todos inclusos no ingresso.

Não espere passeios de buggy, quadriciclo ou o popular “skibunda”, tão presentes nas dunas que se multiplicam no litoral do Nordeste. Aqui, o cenário é a outro e a proposta tem foco na preservação ambiental e no ecossistema.

A imagem via satélite é impressionante e circunda toda a parte sul do Aeroporto, alcançando a famosa Lagoa do Abaeté, já em Itapuã. Isso me faz lembrar da curiosidade e dos comentários dos passageiros que desembarcam em Salvador e sentam na janela do lado direito do avião, principalmente as crianças. Há registros até de um turista-mirim que perguntou se na Bahia tinha neve.

INFORMAÇÕES ÚTEIS

Horário de Funcionamento: das 07h às 17h (Segunda a Sexta) e das 07h às 13h (Sábados)
Taxa de Visitação: R$20,00 por pessoa
Todas as visitas devem ser agendadas pelo e-mail ou telefone.
Tel.: (71) 98888-0188 / (71) 3036-1399
E-mail: trilhas@unidunas.com.br

Salvador é um destino de Sol e Praia (mas pouca gente sabe disso)

Não faz muito tempo, lá pelos anos 90, em que a gente era líder de preferência em viagens no Brasil. Salvador estava no momento certo – auge da Axé Music, visibilidade da Bahia na mídia e um Centro Histórico recém “restaurado” -, despertando o desejo de milhares de turistas. A nosso favor, havia o fato de sermos a capital nordestina mais próxima do Centro-Sul do País e que não tínhamos uma concorrência tão forte nas capitais vizinhas.

Parecia um reinado vitalício, até que outros destinos do Nordeste se profissionalizaram, e começaram a atrair o mesmo perfil de turista brasileiro que em outras épocas estaria batendo ponto na Bahia. Hoje, converse com qualquer especialista do mercado, e entre outros problemas comuns a qualquer metrópole, ele certamente vai dizer que uma das desvantagens de Salvador é que “a cidade não é mais vista como destino de praia”.

Praia da Viração – Ilha dos Frades – Salvador-BA

Foi o que eu ouvi uma vez de um profissional, e fiquei com aquilo na minha mente. Segundo ele, o maior volume de turistas que movimentam o mercado interno busca um pedaço de areia pra chamar de seu, e a divulgação de Salvador lá fora não trabalha essa imagem. Queremos ser vistos pelo nossa riqueza histórica e cultural, pelo calendário de festas, pela ancestralidade africana e pela gastronomia – e tudo isso é válido e um grande diferencial. Por outro lado, de acordo com ele, entre uma foto do Pelourinho e o mar esverdeado de Alagoas, a maior parte dos turistas brasileiros costuma escolher a segunda opção.

Ironicamente, os dados indicam que o número de visitantes em Salvador têm aumentado – e mais, que o feedback tem sido positivo. Outro dia estava na Barra em um dia de Sol e ouvi uma turista de São Paulo exclamar que não imaginava que a água do mar de Salvador seria daquela cor. Assim como ela, pense quantos não exploram nem 10% da nossa orla de quase 50Km (que ainda carece de uma estrutura de barracas e quiosques, como qualquer capital litorânea) e visualize se esse número não poderia ser ainda maior.

Falta muito. Falta tudo, em alguns locais. Mas com tudo o que falta, o mar de Salvador ainda encanta.

Praia de São Tomé de Paripe – Salvador-BA

Ela voltou: rota Salvador-Miami será operada a partir de 2018

Um ano depois do cancelamento dos voos operados pela American Airlines, Salvador voltará a ter uma conexão direta com os Estados Unidos, com a retomada da rota com destino a Miami, a partir de maio de 2018. Esse foi o resultado do acordo assinado entre o Governador da Bahia, Rui Costa, e o diretor da LATAM, Bruno Alessio, nesta terça-feira (10).

O Estado irá garantir a redução do ICMS sobre o querosene de aviação – medida que o Governo de Pernambuco já adota há algum tempo e que ajudou Recife a aumentar consideravelmente a sua malha aérea – e em contrapartida, a LATAM irá operar duas novas rotas internacionais (além de Miami, um novo voo Salvador-Buenos Aires será operado a partir de janeiro, somando-se à rota já existente da Aerolíneas Argentinas e da GOL), além de assegurar a divulgação da Bahia nas revistas de bordo e aumentar as frequências domésticas para os aeroportos de Salvador, Porto Seguro e Ilhéus. O novo voo para a Buenos Aires inclusive já havia sido anunciado pelo PANROTAS aqui.

A notícia havia saído poucas horas antes e as redes sociais já estavam fervendo com os mais diversos comentários. Os detratores, como de praxe, já antecipam que os voos serão um fiasco, alegando que Salvador não teria público ou demanda que sustentasse mais uma rota internacional. O caso mais lembrado foi o do voo para Santiago do Chile, festejado pela Air Europa em 2014 e cancelado seis meses depois, além da rota para Frankfurt (Condor), cancelada em março desse ano. E isso para não falar da constante boataria nos bastidores do trade turístico, que ainda apontam que outros voos internacionais com destino a Salvador deverão sair de cena nos próximos meses.

Por outro lado, há que se reconhecer os avanços: em um ano, Salvador ganhou a rota sazonal para Montevidéu (GOL) e a mais recente ligação do Brasil com a Colômbia, com o voo desde Bogotá (Avianca). Hoje, a capital baiana tem ainda voos diretos para Lisboa (TAP), Madri (Air Europa) e a já citada Buenos Aires (Aerolíneas e GOL).

Recife, enquanto isso, ri à toa com quase 10 destinos internacionais e caminha para acrescentar mais um título à famosa cartilha da megalomania pernambucana. Muito justo, por sinal.