Rocco Forte Hotel de la Ville

Na Itália, Rede Rocco Forte investe em luxo resgatando a história

Pouco conhecido no Brasil, por não ter unidades aqui ou em qualquer outro país da América do Sul, o Rocco Forte é uma das referências em hotelaria de alto luxo nas cidades em que atua – a maior parte delas, na Europa. A pequena rede reúne elementos que encantam os sentidos e a memória dos hóspedes, gerando grande fascínio e, claro, a vontade de ficar mais. E voltar.

No Instagram: @rafaelatborges

O charme é a marca registrada da rede, e frequentemente faz um casamento acertado com elementos históricos e design peculiar. Conheci dois hotéis Rocco Forte exatamente em seu país origem, a Itália.

Em Roma, o Rocco Forte Hotel de la Ville foi inaugurado em maio de 2019, e aposta em se tornar um grande ponto de encontro na capital italiana. O Hotel Savoy, em Florença, já está há bem mais tempo sob a bandeira da rede hoteleira de luxo.

LEIA TAMBÉM

Porém, ganhou mais charme e exclusividade em 2018, ao passar por uma completa renovação. Em comum, além de serem representantes da rede Rocco Forte, o De la Ville e o Savoy têm muito. Ambos ocupam localizações privilegiadas em duas das mais visitadas cidades italianas.

Spa no hotel De la Ville

O hotel de Roma – segundo da rede na capital Itália, depois do De Russie – fica bem ao lado da Escadaria de Espanha. O de Florença está na charmosa Praça da República, bem próximo ao imponente Duomo di Firenze.

São também hotéis antigos, que já existiam muito antes de passarem para a administração da rede. Assim, ocupam edifícios históricos, com fachadas impressionantes. Ambos também investem em alta gastronomia.

Rocco Forte Hotel de la Ville


Minha primeira imersão no universo Rocco Forte foi o Hotel de la Ville. Antes de passar para a administração da Rocco Forte, ele era o Intercontinental de la Ville.

Reformado e inaugurado em maio deste ano, o hotel tem uma fachada histórica e uma recepção minimalista, mas extremamente sofisticada. Por trás das portas do edifício, estão móveis contemporâneos em cores vivas, mas sem exageros.

Réplicas de esculturas e quadros inspirados no Renascimento estão por todos os lados. Um elevador panorâmico é o principal acesso aos andares de quartos e suítes.

Escadaria de Espanha, ao lado do hotel

Mas não é o único. Há outros dois blocos de elevadores, e cada um deles é uma obra de arte. Eles são decorados com mosaicos. As áreas abertas do Rocco Forte de la Ville também são destaques. No verão, os hóspedes desfrutam o café da manhã em um terraço.

Nessa área, o clima mediterrâneo domina a decoração, com tons coloridos na medida certa, como o contraste entre o tom do prédio e as janelas na cor verde. Uma imagem que remete bastante ao litoral da França e da Itália.

Bares, restaurantes e spa

No sexto e sétimo andares, o bar “rooftop” (Cielo Bar) serve drinks e refeições leves com uma vista impressionante para a cidade eterna. No verão, há DJs, administrando trilha sonora que acompanha um incrível por do sol. O bar já se tornou um ponto de encontro em Roma.

Bar Cielo

O outro bar do hotel (Julep) investe em decoração inspirada no século XVII de várias capitais europeias, mas com elementos contemporâneos. Durante minha estadia, ele estava fechado, assim como o restaurante que ocupa o mesmo andar (chamado de Mosaico).

Segundo informações do De La Ville, em agosto, por causa do verão, muitos hóspedes preferem desfrutar outras opções da noite de Roma a ficar nessas duas atrações do hotel. Daí, a opção por fechar. Uma pena; perdi a oportunidade de conhecê-los.

Julep

No entanto, estava aberto o outro restaurante, voltado tanto aos hóspedes quanto a clientes não hospedados. Também um ícone do casamento de design contemporâneo e histórico, o “Da Sistina” investe em culinária italiana com toques de cozinha internacional.

Outro destaque do De La Ville é o spa, que oferece diversos tipos de massagem e tratamentos em saunas variadas e banhos de luzes, por exemplo. Os produtos são de uma das marcas do grupo, Irene Forte.

Spa

Quarto Deluxe no De La Ville


Hospedei-me em um dos quartos mais sofisticados do hotel, da categoria Deluxe, com 35 metros quadrados. Alguns apartamentos dessa categoria têm uma entrada imponente, em frente ao elevador panorâmico.

A imponente porta de tom vermelho escuro (muito usado no hotel) dá acesso a um pequeno closet. O banheiro é revestido de mármore claro e azulejo bicolor, com box imenso e funcional – não gostei muito da pressão da água da ducha, para falar a verdade.

As amenidades, que incluem até kit de costura bem completo, são da marca Irene Forte, de excelente qualidade. Os tons de decoração variam bastante.

O quarto em que me hospedei era predominantemente claro, tom que estava nas cortinas, poltronas e até nos quadros com desenhos clássicos da arte italiana. Isso favorece a ampla iluminação proporcionada pelas duas janelas, que se abrem completamente (embora esse apartamento não tenha terraço) e são totalmente à prova de som. A vista é para a Via Sistina, ao lado da famosa Escadaria de Espanha.

Os tons claro são quebrados pelo preto de alguns móveis, como armários e o rack onde estão a TV e o minibar. A cama é do tipo “king”, com lençóis de algodão egípcio e imensos e confortáveis travesseiros.

Além das cortinas, há poucos elementos clássicos na decoração, que é contemporânea sem exageros, deixando o ambiente “clean” e sofisticado.

A TV é equipada com chrome cast, permitindo aos hóspedes visualizar programação em streamings como Netflix.

Suítes


O Rocco Forte De La Ville tem diversos tipos de suítes, das tradicionais “júnior” às chamadas “signatures”, ou topo de linha.

Conheci duas, ambas com terraço. A Grand Suite tem 60 metros quadrados e três ambientes. Já a Roma é uma “signature”. Além de 80 metros quadrados em quatro ambientes, que inclui uma imensa sala com sofá, poltrona e espreguiçadeiras, tem um terraço panorâmico com vistas impressionantes de Roma.

Por ali, há mesa, sofá e diversas espreguiçadeiras, para que os hóspedes possam aproveitar o sol do verão. As réplicas de importantes bustos da arte italiana são um elemento interessante na decoração das suítes do De La Ville.

Savoy


O Savoy é mais clássico que o De La Ville, mas nem por isso abre mão de elementos contemporâneos. Renovado no ano passado, teve seus 120 apartamentos e suítes transformados em apenas 80.

O lobby e outros ambientes do hotel, como bar e restaurante, foram decorados em colaboração com a marca de alta costura Emilio Pucci, que surgiu em Florença.

Lobby

Vários elementos da grife estão em sofás, mesas e outros detalhes do hotel.

As suítes são os destaques do Savoy. Hospedei-me em uma executiva, com 50 metros quadrados separados em sala, quarto e banheiro.

Aqui, o visual é mais clássico que no De La Ville, linha evidenciada em elementos como sofás e papel de parede. As janelas, que também abrem completamente, garantem uma bela vista para a Praça da República.

Quarto da suíte executiva

O imenso banheiro é todo revestido de mármore e tem banheira e box (de tamanho médio) separados. A pia é dupla.

Cama do tipo king, travesseiros imensos e confortáveis e lençóis de algodão egípcio também fazem parte do pacote de luxo dessa suíte do Savoy.

Pude conhecer também outras suítes do hotel. A Junior Deluxe tem o mesmo tamanho da executiva, mas com uma disposição e decoração levemente mais modernas.

Sala da suíte executiva

Já a presidencial, batizada de Duomo, é um ícone da sofisticação clássica. São pelo menos cinco ambientes em 152 metros quadrados, com direito à adega em uma enorme sala de jantar, além de uma cozinha exclusiva.

Há ainda um imenso closet, lavabo e sala, além do quarto principal. Ela pode ser também integrada a um dos quartos clássicos do hotel – os únicos que têm chuveiro sobre a banheira, uma solução que não me agrada.

Banheiro da suíte executiva

Outras atrações


Diferentemente do Rocco Forte De La Ville, o Savoy não tem spa. Em contrapartida, na renovação, foi montada uma imensa sala de ginástica, equipada com modernos e variados aparelhos. Uma academia com essas proporções é rara de se ver em um hotel relativamente pequeno, de design.

O restaurante do hotel é o Irene, especializado em culinária da região da Toscana. Além do salão principal, há ainda uma área externa, em plena Praça da República. Ali, as mesas são decoradas com elementos típicos da marca Emilio Pucci.

Restaurante Irene e bar do hotel

Integrado ao restaurante está o Irene Bar, que costuma reunir hóspedes, visitantes e moradores de Florença para drinks no fim da noite.

Também chama bastante a atenção no Savoy a localização. Quase tudo está a uma “walking distance”. Ou seja: dá para ir caminhando às principais atrações de Florença, como o Duomo, o Palacio Vecchio e a Galleria Uffizzi. Além, claro, dos bons restaurantes, bares e locais de compra da cidade que é o berço do Renascimento.

Lobby

Ao lado do Savoy, aliás, estão lojas de diversas marcas de luxo, como Gucci e Miu Miu.

Serviço


O serviço nos dois hotéis da rede Rocco Forte têm padrões semelhantes – e bastante altos. Da chegada ao check-out, os funcionários são impecáveis.

Após o check-in, há a apresentação do quarto por um funcionário da recepção. Nos dois hotéis Rocco Forte, fui recebida com simpáticas amenidades – chocolates, frutas e, no De la Ville, até garrafa de espumante.

Savoy está entre a Praça da República e o Duomo

Nota dez também para os mensageiros dos dois hotéis, especialmente em Florença. Como eu estava em uma “road trip” pela Toscana, e no centro da cidade é complicado se rodar de carro, eles providenciaram para que eu não tivesse de me preocupar com nada relacionado ao automóvel, além de me ensinarem caminhos que o GPS não conseguia identificar.

Aqui, porém, vale uma ressalva. Nem o hotel Savoy (ou nenhum outro do centro de Florença) é um ponto intermediário aconselhável para uma viagem de carro pela Toscana. As ruas dessa parte da cidade são de acesso limitado. Além disso, os estacionamentos são caríssimos – no Savoy, paguei 50 euros a diária.

Duomo de Florença

Vale também destacar, especialmente em Florença, a facilidade de comunicação com os funcionários no hotel. Todos falam inglês.

Pode parecer óbvio, mas não é. Em Roma esse problema é menos evidente, mas na região da Toscana, até mesmo em Florença, a comunicação em inglês é bastante complicada. Quase ninguém domina o idioma – e isso ocorre até mesmo em hotéis.

Doce veneno

Filmes sobre o verão europeu para curtir na quarentena

Para quem planejava passar o verão na Europa, esta seria a hora de começar a organizar a viagem. Mas a quarentena imposta pelo coronavírus em diversos países pelo globo acabou deixando os planos de férias em segundo plano. Que tal, então, visitar badalados destinos do verão europeu por meio do cinema?

No Instagram: @rafaelatborges

Fiz uma seleção de filmes cujos cenários são na Grécia, Monte Carlo, Provença, Ibiza e Barcelona, entre outros hot spots do verão na Europa. Há longas muito bons, e outros que valem não pela história, mas pela imersão nesses locais.

Os gêneros também são bastante variados, do drama à comédia, com altas pitadas de romance. São dez filmes: “Ibiza – Tudo pelo DJ”; “Amnesia”; “Vicky Christina Barcelona”; “Magia ao Luar”; “Um Bom Ano”; “Doce Veneno”; “Monte Carlo”; “Mistério no Mediterrâneo”, “Me Chame pelo Seu Nome” e “Mamma Mia”.

Separei a seleção por destinos. Todos estão disponíveis em streamings, gratuitamente ou por meio de aluguel.

O VERÃO EUROPEU EM IBIZA

Já assisti dois filmes que têm Ibiza, a meca da badalação embalada por música eletrônica, como cenário. Ambos mostram o estilo de vida agitado dessa ilha espanhola. Mas há espaço também para os magnifícos cenários do destino.

“Ibiza – Tudo pelo DJ” (filme de 2018), original do Netflix, é sobre um trio de amigas que vai a Barcelona. Uma delas se apaixona pelo DJ de uma casa noturna, e as garotas acabam partindo para Ibiza em busca dele.

Richard Madden está em ‘Ibiza – Tudo pelo DJ’

A história é boba, até meio pastelão, mas faz uma imersão bem realista nas baladas de Barcelona e Ibiza. E tem o britânico Richard Madden, o Rob Stark de “Game of Thrones”, como protagonista masculino. Dá para passar o tempo.

Já Amnesia é um belíssimo filme alemão de 2015, que está disponível para aluguel no Now. Jo é um DJ que chega a Ibiza para tentar se dar bem na carreira, logo após a queda do Muro de Berlim. Lá, acaba desenvolvendo uma bonita relação com uma mulher bem mais velha, sua conterrânea, a misteriosa Martha.

Amnesia, filme alemão de 2015

Além de oferecer uma bela história, Amnesia explora muito bem as belezas naturais de Ibiza. No elenco está Bruno Ganz, do aclamado “A Queda – As últimas horas de Hitler”. O ator, falecido em 2019, é responsável pela cena mais forte do longa.

BARCELONA

Woody Allen faz uma verdadeira homenagem ao verão na capital da Catalunha em “Vicky Christina Barcelona”, de 2008. Duas amigas americanas, interpretadas por Scarlett Johansson e Rebecca Hall, estão curtindo o verão em Barcelona e acabam se envolvendo com Juan Antonio (Javier Bardem).

Juan tem uma tumultuada relação com a ex-mulher, Maria Elena (Penélope Cruz), que levou o Oscar de melhor atriz coadjuvante pelo excelente papel.

Scarlett Johansson no verão de Barcelona

O longa é uma imersão nas atrações turísticas, boêmias e culturais de Barcelona, com direito a uma pequena (e bela) apresentação embalada pela guitarra espanhola.

“Vicky Christina Barcelona” está disponível no Locke e para aluguel no Google Play.

FRANÇA

Mais uma vez, Woody Allen explora o verão europeu em um de seus ótimos filmes. Nesse caso, “Magia ao Luar”. O longa de 2014 com os vencedores do Oscar Emma Stone e Colin Firth usa e abusa dos cenários da Riviera Francesa.

‘Magia ao Luar’ tem Colin Firth, Emma Stone e a Riviera Francesa

As locações são em Nice, Antibes, Menton e Juan-les-Pins, entre outros locais da paradisíaca Côte d’Azur (costa azul). A divertida história é sobre um ilusionista (Firth) que recebe uma missão: desmascarar uma suposta médium que pode estar tentando enganar uma família rica.

O longa de Woody Allen está disponível no Amazon Prime, Telecine Play e GloboPlay.

Já “Um Bom Ano” coloca em evidência o estilo de vida lento, bucólico e regado a ótimos vinhos da Provença. Os principais cenários estão no Luberon, o parque que reúne vinícolas e diversas cidadezinhas de arquitetura provençal.

Um executivo britânico workaholic interpretado por Russell Crowe recebe de herança do tio uma vinícola no sul da França. Ele vai até a região para tentar vendê-la, e acaba se encantando com a bela francesa interpretada por Marion Cottilard, que trabalha em um restaurante na bucólica vila de Gordes (onde estão os principais cenários).

O filme está disponível no Claro Vídeo e no Locke.

‘Um Bom Ano’ tem cenários no Luberon, na Provença

Já o francês radicado no Brasil Vincent Cassel é uma das estrelas de “Doce Veneno” (2016). Mas é ofuscado pela beleza da região de Córsega, onde se passa o longa.

No filme, disponível no Telecine Play, são mostrados os belos cenários de Córsega, formado pelo mar esverdeado, cânions e montanhas. Há também uma imersão no estilo de vida da ilha, com seus restaurantes, clubes de praia e festas embaladas por música eletrônica.

LEIA TAMBÉM

Cassel atua ao lado do excelente François Cluzet, de “Os Intocáveis”. Seus personagens são melhores amigos, e viajam juntos a Córsega, acompanhados de suas filhas.

Porém, o personagem de Cassel acaba despertando a paixão da filha de Antoine (Cluzet). A comédia francesa, embora prometa mais do que cumpra, é bastante divertida.

MÔNACO

O principado independente no meio da Riviera Francesa desperta fascínio e é cenário de algumas obras do cinema. Porém, quando o assunto é Mônaco no verão, há uma comédia meio pastelão e um romance adolescente, que podem não agradar a todos – embora tenham a sua graça.

Ainda assim, valem para quem quer explorar cenários de Mônaco por meio do cinema. “Monte Carlo”, de 2011, traz ainda um bônus: Paris.

‘Monte Carlo’: destinos coloca turistas americanas no Hotel de Paris, com tudo pago

Três adolescentes norte-americanas fazem uma viagem bem turística e muito econômica a Paris. Porém, acabam recebendo um empurrãozinho do destino e vão parar na suíte em de um dos hotéis mais badalados do mundo, o Hotel de Paris, em Monte Carlo.

Por lá, experimentam uma vida de extremo luxo, com direito a barcos, competições de polo e até contato com a nobreza europeia. O filme está disponível no Amazon Prime e para aluguel no Google Play e Apple Store. O elenco traz Selena Gomez e Leighton Meester.

“Mistério do Mediterrâneo”, original do Netflix de 2019, reúne os comediantes Jennifer Aniston e Adam Sandler em uma lua de mel fora de época. Em vez de cumprirem o roteiro original, conhecem um bilionário francês no voo para a Europa, e se tornam hóspedes do novo amigo em um luxuoso yatch com destino a Mônaco.

Aniston e Sandler em ‘Mistério no Mediterrâneo’

Porém, o casal norte-americano acaba envolvido em uma trama de assassinato.

GRÉCIA/CROÁCIA

A lista na verdade tem 11 filmes, pois “Mamma Mia” tem dois capítulos (“Mamma Mia – Lá Vamos nós de novo”). E com cenários paradisíacos diferentes.

Tanto no primeiro quanto no segundo filme, a ação é na mesma ilha fictícia da Grécia. No primeiro, as principais locações são na praia de Kastani, na costa sudoeste daquele país.

“Mamma Mia” (2008) é a história de Sophie (Amanda Seyfried), que às vésperas de seu casamento quer saber quem é seu pai, informação nunca revelada pela mãe Donna (Meryl Streep). Porém, acaba descobrindo que há três candidatos, interpretados por Pierce Brosnan, Colin Firth e Stellan Skarsgard.

Colin Firth e Amanda Seyfried em “Mamma Mia” (2008), na Grécia

“Já Mamma Mia – Lá Vamos Nós de Novo” mantém a lista de personagens, mas visita a juventude de Donna e seu encontro, 25 anos antes, com os três candidatos a pais de Sophie. Por isso, o elenco ganha o reforço de novos nomes, como Lily James, a jovem Donna.

O cenário é, teoricamente, a mesma ilha fictícia do primeiro filme. Porém, desta vez as locações foram na Croácia, principalmente na ilha de Vis.

Os dois filmes estão disponíveis no Telecine Play e para aluguel no Google Play e Apple. O primeiro “Mamma Mia” também pode ser visto no Netflix.

Lily James na sequência de “Mamma Mia”, gravada na Croácia

ITÁLIA

O belíssimo “Me Chame pelo Seu Nome”, de 2017, é a história de um pesquisador norte-americano que vai fazer uma espécie de estágio de verão com um renomado professor francês, do qual se hospeda na casa de veraneio, na Itália.

O personagem, interpretado por Armie Harmer, acaba despertando a paixão do jovem Elio (Timothée Chalamet). O filme se passa nos anos 80 na região da Lombardia, na Itália.

‘Me Chame pelo Seu Nome’ explora a Lombardia, na Itália

As principais locações são na cidade de Crema, mas há também cenários em Bérgamo. Além disso, o filme explora as regiões rurais da Lombardia.

“Me Chame pelo Seu Nome” está disponível no Telecine Play, e para aluguel no Google Play e Apple.