Entendendo o “encerrado para férias”

Antes de sair de férias, floricultura faz promoção para desafogar o estoque

Parece inconcebível para os que passam por Portugal em agosto que, em pleno verão, comércios troquem turnos duplos e casas cheias de turistas endinheirados pela tranquilidade de suas próprias férias. Agosto é o mês que escancara a maneira própria dos portugueses em gerir seus negócios, algo um pouco difícil de entrar na cabeça daquele brasileiro, digamos, mais capitalista.

Por aqui, muitos e muitos bares e restaurantes são geridos por famílias. Mesmo aqueles pontos mais tradicionais, que se tornaram clássicos ou “visitas obrigatórias”, não raro têm no comando até hoje os fundadores originais ou parentes próximos. É uma mistura de orgulho, zelo e desconfiança que impede que eles deixem seus negócios nas mãos de terceiros.

Ao mesmo tempo, como qualquer bom profissional que ralou durante o ano todo – e já enfrentou (e faturou) os movimentados meses de maio, junho e julho -, há de se reservar algumas janelas do calendário para o próprio descanso, que em geral acontece ao longo do mês de agosto.

Aí que surge o conflito. Há quem, racionalmente, com números e fórmulas, irá argumentar que é preciso se manter aberto o maior tempo possível na alta. Talvez até aumentar o horário de funcionamento e contratar temporários para maximizar os lucros da temporada.

Fui almoçar e…

No outro lado da argumentação, além do cansaço acumulado por tocar uma operação em ritmo frenético nestes cerca de quatro meses, trabalhar até o fim do verão significa ter para as férias pessoais o outono (que é lindo, mas…), um período menos convidativo, de dias cada vez mais curtos e temperaturas cada vez mais baixas.

Confesso que não foi fácil entender de cara essa opção pelas férias. Mas, pessoalmente, eu respeito muito essa escolha. Fechar seu estabelecimento no meio da alta temporada é tanto um reconhecimento aos funcionários que deram duro nos meses anteriores, quanto um recado a todos de que ali há pessoas que priorizam conforto e bem-estar ao invés de dinheiro.

Dei como exemplo bares e restaurantes, mas isso acontece de uma forma meio que geral pelos mais variados tipos de serviços. Fecham-se papelarias, drogarias e floriculturas (como a da foto). É difícil encontrar dentistas ou advogados atendendo, por exemplo.

Enfim, pode ser bem frustrante dar de cara com a porta fechada e um recado comunicando a data de retorno, mas eu não vou julgar aquele que só quer tirar um tempo para descansar e estar com os seus.

Não deixe de dar uma olhada nos últimos posts e acompanhe a jornada do Viajante 3.0 pela blogosfera da PANROTAS e também pela conta no Instagram.

A Copa do Mundo na Disney

Telas e mais telas com programação esportiva para todos os cantos

Nessa semana eu vim parar no Walt Disney World Resort para a cobertura do lançamento da Toy Story Land, que vocês podem acompanhar no Portal PANROTAS e, em breve, também na Revista PANROTAS. Quando me passaram as datas da viagem, havia um conflito que na minha cabeça seria difícil de resolver: a programação rolava durante a última rodada da primeira fase de grupos da Copa do Mundo!

Como disfarçar que minha cabeça estava em dois lugares enquanto o Brasil jogava sua vida para garantir uma vaga na próxima fase do torneio? A solução veio com a programação oficial, que além de permitir que assistíssimos à partida, nos deu a oportunidade de conhecer esse lado “fã do esporte” do universo Disney.

Se você está na Disney, em Orlando, durante algum evento esportivo global, não se preocupe. Existe o ESPN Club e ele é tudo o que um viciado em esportes como eu precisa por estar longe do sofá e da TV de casa. O bar é aberto a qualquer visitante, estando ou não hospedado em hotéis ou com tíquetes para parques da Disney.

O telão principal, para onde todos os olhos estiveram voltados durante a partida

O ESPN Club fica localizado no famoso e aconchegante Disney’s Boardwalk e tem a estrutura dos sonhos para o espectador mais exigente. São quase 100 (sim, uma CENTENA) de telas, que podem se dividir em diversas modalidades que estejam sendo disputadas ao mesmo tempo. No centro do bar, um telão transmite a programação mais importante do dia – no meu caso, é claro, a vitória do Brasil sobre a Sérvia.

Telas no banheiro, tanto na pia quanto acima dos vasos sanitários

Para eventos concorridos como o jogo do Brasil, é recomendada a reserva prévia de lugares – dessa forma, garante-se as melhores mesas da casa, com vista privilegiada para o telão principal. Ainda assim, mesmo de última hora, é capaz de você conseguir lugares no balcão do bar. Lembrando que aos Sábados e Domingos não são aceitas reservas.

Toda a estrutura do ESPN Club é feita de maneira que você não perde nenhum lance do jogo. No caso de não estar olhando diretamente para o telão principal, com certeza na outra direção terá uma tela mostrando o que se passa na partida. Mesmo no banheiro, caso você precise se ausentar, lá terão mais telas garantindo que você não fique alheio/a aos lances.

O delicioso sanduíche de frango grelhado

No caso do jogo da última quarta-feira, a sensação era de que eu estava em um bar no Brasil. Os brasileiros tomaram o bar com as camisetas da seleção, cantaram o hino nacional, ensaiaram gritos de arquibancada e comemoraram muito os gols de Paulinho e Thiago Silva.

Tudo isso regado a muita bebida e acompanhado de diversas entradinhas e sanduíches. No ESPN Club, são pelo menos oito tipos de cerveja na pressão, com valores que variam US$ 6,75 a US$ 8,50 (copo) ou de US$ 18 a US$ 25 (“pitcher”, a jarra).

O lado gastronômico não pode ser ignorado. As incríveis asinhas de frango (ESPN Wings) custam US$ 12 e o prato de nacho e acompanhamentos (Club Nacho), US$ 14. Os sanduíches são famosos e eu experimentei o caprichado sanduíche de frango grelhado (Grilled Chicken Sandwich), a US$ 15.

Não deixe de dar uma olhada nos últimos posts e acompanhe a jornada do Viajante 3.0 pela blogosfera da PANROTAS e também pela conta no Instagram.

Em Denver, todos os caminhos levam a cerveja

Bar da Great Divide apresenta a variada oferta de rótulos próprios

Ir a Denver e não se debruçar sobre balcões de bar para mergulhar na riquíssima cena cervejeira local é um grande desperdício. Na capital do Colorado e em cidades adjacentes, mais de uma centena de microprodutores usam criatividade, conhecimento e paixão pela bebida para criar todo o tipo de cerveja, que pode variar de acordo com as estações do ano, com o estilo da cervejaria ou mesmo com o gosto do mestre cervejeiro responsável pela produção.

A cultura cervejeira em Denver é tão forte que a indústria virou produto turístico e a cidade faz campanha com suas Beer Trails (Rotas da Cerveja). O Visit Denver, bureau de promoção do Turismo local, criou quatro rotas em regiões centrais da cidade para destacar bares que não podem ficar de fora da sua via sacra. Ao todo, o CVB lista 35 cervejarias que possuem, além da fábrica, instalações de bar que merecem uma visita (no mapa abaixo).

Eu experimentei um desses roteiros e pude ver o quão inteligente é a proposta, que apresenta ao turista novos bairros de Denver, introduz passagens históricas do desenvolvimento da cidade e ainda por cima hidrata gargantas com o que há de melhor da cervejaria artesanal local.

A microcervejaria artesanal é hoje tendência no mundo todo, inclusive no Brasil. Antes que acrescentem que seja algo passageiro, Denver mostra que, pelo menos pelo Colorado, essa moda tem vida longa. A onda de produções caseiras, mais como hobby do que como profissão, surgiu em meados dos anos 90 – muitas das casas, aliás, cresceram e possuem estabelecimentos como os encontrados no mapa acima.

Um estudo apontou que, em 2016, o impacto econômico da indústria foi superior a US$ 15 bilhões no estado do Colorado, empregando cerca de 26 mil pessoas. É verdade que esse dado tem um combustível e tanto: parte das instalações da terceira maior produtora de cerveja do mundo, o grupo Molson Coors.

A demanda por especialistas em cerveja cresceu tanto nesses anos que a Metropolitan State University of Denver viu ali a oportunidade de se ver presente no nicho. A escola de Hospitalidade, Turismo e Eventos da MSU existe há 17 anos e hoje possui diversos programas relacionados à produção de cerveja.

Tivoli, laboratório dos novos cervejeiros da MSU (Visit Denver)

As graduações, em cursos de quatro anos, abordam a operação de uma cervejaria – desde os aspectos biológicos da fermentação até os tipos de cerveja existentes -, e a gestão de bares e brewpubs – com aulas de economia e hospitalidade. Um dos “laboratórios” da universidade nada mais é que uma das cervejarias mais tradicionais de Denver, a Tivoli Brewing Company.

Mais antiga produtora de cerveja do estado, a Tivoli nasceu em 1859, fez fama no início do século 20 comercializando cervejas para os mineiros da região e agora quer retomar sua história pioneira. Atualmente sua carta possui incríveis 150 opções de cerveja, com algumas receitas, como a lager Tivoli Helles, mais antigas que o próprio Colorado, que foi criado apenas em 1876.

Ninguém é de ferro

Como é de se imaginar, a Tivoli está presente em uma das sugeridas Beer Trails – por acaso, a que eu fiz. O brewpub da Tivoli é a união de passado com futuro, juntando as históricas instalações da antiga fábrica ao maquinário de última geração manuseado pelos estudantes que um dia comandarão a indústria cervejeira local (ou, quem sabe, mundial).

Experimentando as cervejas de lá percebe-se que eles sabem o que estão fazendo. A enormidade de opções e a variedade de estilos oferecidos no cardápio fizeram da Tivoli a minha preferida na visita.

Essa escolha não foi fácil de fazer, já que também visitei outras duas incríveis produtoras: a Wynkoop Brewing Company, que está localizada bem no coração de Denver, em frente à Union Station, e a Great Divide Brewing Co., que abusa da criatividade em seus rótulos, com criações excelentes que envolvem até mesmo uísque na receita.

Ou seja, se estiver em Denver e com vontade de tomar uma cerveja, não se preocupe. Opções não faltam, independentemente de seu paladar, do bairro em que está ou do ambiente que procura.

Não deixe de dar uma olhada nos últimos posts e acompanhe a jornada do Viajante 3.0 pela blogosfera da PANROTAS e também pela conta no Instagram.