Férias: curiosidades do velho mundo

Pois é, como bem lembrou a última edição do Panrotas, quando os clientes estão de férias,  profissionais do turismo estão trabalhando.  Eu costumo brincar dizendo que ou trabalhamos servindo os clientes ou trabalhamos buscando novos clientes, o ciclo é ininterrupto. Brincadeira a parte, a verdade é que para nossa classe profissional “Férias” é coisa séria. Então, aproveitando o tema da última edição do Panrotas, vou compartilhar algumas curiosidades sobre o assunto aqui do velho mundo.

  • Na antiguidade Romanos ricos construíam em terras agrícolas casas secundárias chamadas de Villae onde faziam escapadas para fugir das primeiras grandes cidades por eles construídas.
  • As primeiras férias escolares foram, de fato, criadas pela igreja entorno de 1250 para que as crianças pudessem ajudar seus pais nas colheitas, a pausa era denominada “vendange” ou vindima, nome que subsiste até hoje para as colheitas de uvas na França.
  • Quanto aos adultos, desde a Idade Média, Reis e nobres mudavam de castelo em castelo levando seus pertences em busca de paz social e belas paisagens. Esses mesmos pertences, devido à mobilidade das Cortes passaram a ser chamados de mobília ou móveis.   Quanto aos menos abastados, poucos viajavam. Dentre os poucos viajantes, a peregrinação religiosa era a maior motivação.
  • Porém é no início do século XIX que a burguesia inglesa, nascida com a revolução industrial, começa a se ausentar das grandes cidades durante períodos de calor para fugir da poeira exalada pelas fábricas alimentadas a carvão e do desconforto causado pela mistura da poluição e calor. Aí, em 1841,  começa a história da primeira agencia de viagens, existente até hoje,  criada por Thomas Cook.

Férias , curiosidades Paris

  • Em 1855 Thomas Cook organizou e vendeu o primeiro circuito de viagens da história, o pacote incluía transporte, alojamento e refeições e tinha como destino  Bruxelas, Cologne, Heidelberg, Strasbourg e finalmente Paris para a visita da Exposição Universal de Paris daquele ano.  Em 1868 Thomas Cook inventou o primeiro voucher, entregue à participantes de um cruzeiro sobre o Rio Nilo. Como mencionado no parágrafo anterior, somente pessoas ricas podiam usufruir de tais regalias.

  • Graças as greves trabalhistas dos anos 1930, a classe trabalhadora ( e isso inclui agentes de viagens do século XXI)  também têm férias pagas.

  • A França concedeu férias pagas à sua população 6 anos após o Brasil, em junho de 1936. Hoje, os trabalhadores franceses desfrutam de cinco semanas de licença remunerada por ano. Número que classifica a França como 4° país em termo de dias de férias concedidos, juntamente com Portugal, Espanha e Suécia. Entre os mais generosos da Europa encontramos a Finlândia, (39 dias de férias pagas ao ano), a Áustria (38 dias) e a Grécia (38 dias).
  • As férias escolares francesas acontecem durante o verão, nos meses de julho e agosto. Outros periodos de 15 dias são concedidos em abril, outubro e dezembro.
  • A minha melhor dica para quem busca férias com bons preços é evitar as altas temporadas e férias locais. Porém a boa noticia é que esta dica não se aplica a Paris. Pois as férias em geral representam para o parisiense ( e porque não dizer o francês) a ocasião de visitar parentes, viajar dentro e fora da França, aventurar-se, mudar de ares ou simplesmente descansar. E, durante as férias de verão, o francês busca majoritariamente sol e praia.  Portanto, não é surpreendente ver um grande influxo da população parisiense e francesa à beira do Oceano Atlântico, no Mar Mediterrâneo ou no Mar do Norte.
  • Segundo estudos estatísticos, o francês que não têm uma casa de veraneio tem prazer em economizar, tanto em acomodação quanto em transporte. E para isso, a economia colaborativa tem se mostrado uma grande aliada das férias daqui. Airbnb para moradia, BlaBlaCar para transporte. Outro setor fértil e acessível para o verão: o camping.  57% dos franceses que optaram pelo camping afirmam ter feito a escolha devido à excelente relação custo-benefício.
  • E para terminar a lista de curiosidades, em setembro 2017, Paris dispunha de 86 725 ofertas Airbnb. 1 apartamento da cidade sobre 19 serve para locação. A oferta de alojamentos é ampla e os preços hoteleiros tendem a baixar. (Fica a dica)

 

 

Foto prefeitura de Paris

Nova polêmica em Paris: os uritrottoirs

Uma nova polêmica anima a cidade de Paris: os uritrottoirs.

Estou fora de Paris, de férias nos Alpes Franceses, enquanto aguardo o embarque para Alemanha, e de lá para um cruzeiro pela Suécia, Finlândia, Estônia e Rússia. Um cruzeiro barato, é claro. Afinal, quem quer ir para o Norte ( e frio) da Europa em pleno mês de agosto? (Prefiro dar precisões, antes que meus clientes concluam que, como comerciante, sou careira)

Porém, pelos jornais e redes sociais pude acompanhar nos últimos dias a novíssima polêmica da cidade. A título experimental a cidade “ganhou” quatro mictórios de rua. Uma tentativa honorável para solucionar o problema de bexiga de alguns mal-educados que insistem em não usar os 400 banheiros públicos instalados pela cidade.

Mapa Banheiros Públicos de Paris

Visto o eventual cheiro de urina aqui e ali a iniciativa me parece interessante. Inodoros, ecológicos, criam adubo e enfeitam a cidade. Obviamente ainda não tive a oportunidade de ver alguém usando o dispositivo ( nem o dispositivo pessoal masculino, nem o dispositivo da cidade). Não deve ser muito gracioso, mas enfim… O que é melhor, a peste ou a cólera? O cheiro de urina ou o homem urinando no Urittrotoir? A instalação está em fase de testes. Alguns vizinhos das novas floreiras utilitárias já começaram a reclamar. A cidade se diz aberta ao diálogo, melhor análise e mudança das localizações.

Apresentação Mictórios de calçada de Paris

O futuro nos dirá se a empreitada terá sucesso ou desaparecerá.