Bom, bonito e gratuito

Classificadas Patrimônio Histórico da Unesco, as bordas do Rio Sena ganharam mais um novo espaço de lazer, diversão e descanso. 

Após grande polêmica e estudos quanto ao impacto no trânsito da cidade, a prefeitura de Paris não cedeu ao pânico geral dos automobilistas e inaugurou mais um trecho do grande Parque das Margens do Sena.

Este novo espaço, outrora uma avenida para carros, completa o projeto que transformou a beira d’água em um parque com mais de dez hectares, possibilitando inclusive uma caminhada de seis quilômetros da Bastilha até a Torre Eiffel. Ou ainda para aqueles com os pés cansados de tantas visitas turísticas, o lugar pode ser ideal para uma pausa, contemplar a paisagem e a “art de vivre” dos parisienses.

Veja o parque no vídeo a seguir:

Você sabia?

A semana passada não consegui “postar” e escrever sobre as diversas atrações turísticas parisienses,  o clima político me manteve prisioneira de um estado inexplicável. Como a grande maioria dos cidadãos que vive aqui, estava segurando o fôlego.

Depois da tempestade, a calmaria. Sendo assim, o momento não poderia ser mais propício para compartilhar com você leitor um fato pouco conhecido sobre Paris e, no entanto extremamente interessante:

Você sabia que a origem histórica da divisão entre a esquerda e a direita na política encontra-se na localização geográfica que tomaram os partidos políticos na Assembléia Nacional de Paris em agosto de 1789?  Durante um debate, sobre o peso da autoridade real face ao poder da assembléia popular na futura constituição, deputados em prol do veto real (principalmente membros da nobreza e do clero) reagruparam-se à direita do Presidente da Assembléia Constituinte (posição relacionada ao uso dos lugares de honra). Enquanto adversários deste veto reuniram-se à esquerda sob o rótulo de “patriotas”.

Após a revolução esta clivagem foi instituída no sistema de assembléias por todo o país: de um lado, à direita,  contra revolucionários e favoráveis das causas reais, do outro lado, à esquerda, os liberais, principais herdeiros da Revolução francesa, das liberdades individuais e defensores do livre comércio, partidários de uma monarquia constitucional equilibrada. No meio, entre os dois extremos, o Centro ou os Constitucionais e os Independentes.

No decorrer dos séculos seguintes essa cultura política se espalhou pelo planeta. Um conceito que atravessou os mares, o tempo, veio construir minha visão política do mundo. Por esta razão, cada vez que vejo o prédio da Assembléia Nacional fico emocionada e penso o quanto isso é incrível. Paris é e sempre foi assim, um caldeirão de novas idéias !

Além de ser o berço deste paradigma extraordinário, o antigo palácio Bourbon está situado na magnífica Praça da Concordia, frente ao Obelisco de Luxor e a Igreja da Madeleine. O conjunto arquitetônico é também de tirar o fôlego, mas felizmente graças ao centrista (socialista? quem sabe?!) Macron, voltamos a respirar tranquilamente!

fotos Wikipédia

Post-Scriptum

O edifício Palais de Bourbon foi uma mansão privada, construída pela duquesa de Bourbon, filha de Louis XIV e Madame de Montespan em 1722.  A primeira reunião da Assembléia Nacional foi realizada em Versalhes, mudou-se para Paris pouco depois, quando o povo trouxe Luís XVI e sua família de Versalhes para a capital.