Dicas de acesso a Torre Eiffel

Há muito tempo penso em escrever sobre a Torre Eiffel, afinal como não dar destaque ao monumento mais emblemático da cidade neste blog. Difícil é encontrar sobre qual aspecto falar: história, curiosidades, características tecnológicas ou arquitetônicas…

Após rápida reflexão pareceu-me óbvio responder uma pergunta que ouço com freqüência: Qual a melhor maneira para acessar a Torre? Seguem as dicas:

  1. Tente encontrar entradas no próprio site da Torre Eiffel. É necessária muita antecedência para obtenção destas entradas, mas esta é sem dúvida a maneira mais prática.Você agente não ganha na venda, mas ganha a gratidão e conquista a confiança do cliente para outras oportunidades de vendas:  Entradas Torre Eiffel on-line
  2. Se você (ou seu cliente) não conseguiu as entradas pelo site e deseja subir sem maiores gastos extras, então o negócio agora é chegar cedo. Pela manhã as filas ainda não estão longas*.
  3. Uma vez passado o controle de segurança de entrada, no pátio sob a Torre, você tem a escolha de entrar na primeira fila que encontra e ficar em torno de 45 minutos até a compra de sua entrada e subida. Nos guichês você adquire ingressos para o 1°, 2° e também para o 3° andar.
  4. Para quem prefere mexer ao invés de ficar parado, uma excelente opção é não entrar na fila mais longa, seguir até o pilar Este e comprar entradas para a escadaria. Zero espera. Ah, você não quer subir ou acha que não agüenta os 1585  degraus de escadas até o topo? Normal! Compre nesta bilheteria as entradas do elevador que vai do segundo até terceiro andar e se prepare: 347 degraus até o primeiro andar e no total 674 até o segundo andar.
  5. Existe a compra de ingressos sem fila via operadoras e receptivos, mas são escassas e ao meu ver dispendiosas. Por um valor aproximativo de 50 euros e também com certa antecedência é possível obter ingressos para visitas com hora marcada a serem retirados em ponto comercial à proximidade.
  6. As refeições nos restaurantes da Torre também são uma maneira de aceder sem filas ao monumento. O restaurante 58° oferece almoço, também denominado piquenique na Torre, a partir de 37 euros por pessoa. Para o período noturno os cardápios são bastante elaborados e o valor da refeição começa a 98 euros por pessoa. Mas atenção, às vezes o quiosque de atendimento do restaurante 58° ao pé da Torre tem entradas para o terceiro andar, às vezes não (com freqüência não tem). Já o Jules Vernes, restaurante da marca Alain Ducasse, situado no segundo andar, tem cardápios com 5 serviços que se iniciam a partir de 190 euros, tanto para o almoço como para a janta. Nada indica que a aquisição de uma refeição no Jules Verne dá acesso ao terceiro piso também.

Ainda para quem vai a um dos restaurantes e não tem ingressos para subir ao topo é informado que existe um guichê automático no segundo andar para compra destes bilhetes. Atenção, às vezes funciona, às vezes não.

A Torre não é só uma estrutura metálica, proeza da arquitetura do século XIX, nela encontram-se muitas atividades de lazer permanentes ou temporárias como pista de patinação, mini golfe, exposições, apresentação de documentários, um piso de vidro, maquetes, lojas de lembranças, cafeteria, bar a champanhe, entre outras atrações. Conheça  um pouco do restaurante 58 nas imagens a seguir.

Note como o pátio sob o momunento ficou tranquilo depois das reformas e instalação de pontos de controle.

Note também que o acesso ao 3° piso estará fechado do dia 15 de janeiro até dia 2 de fevereiro. E a venda on-line para este andar será liberada somente a partir do dia 10 de fevereiro.

Agora que você já conhece as dicas de como subir na Torre e viu um pouco do restaurante 58, não resisti e deixei também algumas informações de outra ordem sobre o monumento a quem possa interessar:

*Abertura das 9h00 até 0h45  de 15 de junho a 1° de setembro, o resto do ano das 9h30 até 23h45, a subida pela escadaria fecha 18h30

Altura inicial: 312 m (do piso ao topo do mastro)

Altura atual: 324 m (do piso ao topo da antena)

Peso: 10 100 toneladas,

Número degraus: 1710 (até o topo)

Número de degraus até a parte accessível ao público no 3° andar: 1585

Número de degraus 1° andar: 347 , 2° andar 674

Fundação: 15 metros sob o solo

Número de rebites: 2 500 000

Número de peças de ferro: 18 038

Sua construção durou de 28 de janeiro de 1887 até 31 de março de 1889 totalizando 2 anos, 2 meses e cinco dias de obras, durante os quais ocorreram 2 greves:

Superfície do 1° piso: 4415 metros quadrados

Superfície do 2° piso: 1430 metros quadrados

Superfície do 3°: 250 metros quadrados

Somente o peso da tinta é de 60 toneladas

Periodicidade de pintura: a cada 7 anos

Número de pintores: 25

Custo do monumento em 1889 : 7 799 401,31 francos

Um franco equivale atualmente  a 3,12471 euros

Projetores: 336

Lâmpadas: 20 000

Staff: 280

Transmissores TV/Rádios:

TV analógicas : 6

TNT : 48

Radios : 31

Antenas : 12

Postagens relacionadas

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *