6 destinos do Nordeste para visitar no inverno

Gravatá, em Pernambuco, é uma das cidades do Circuito do Frio do estado. (Foto: Paulo Lins via Flickr)

Há quem diga que no Brasil não há inverno ou que a temporada só chega no Sul… Entretanto, em todas as regiões do país, encontramos destinos maravilhosos para desfrutar a estação de temperaturas amenas e clima frio.

Com a chegada da estação, há destaque a diversos destinos brasileiros em que o inverno é a temporada em evidência. E, para não deixar dúvidas de que há sim inverno por aqui, começaremos com o Nordeste. Confira a lista:

Guaramiranga, conhecida como Suíça do Ceará. (Foto: Divulgação)

Guaramiranga (Ceará) – Localizada na Serra de Baturité, região serrana do estado, a 800 metros acima do nível do mar, a cidade é conhecida como a Suíça do Ceará. Bem diferente do resto do estado, sua temperatura no inverno pode chegar a 12°C.

Garanhuns (Pernambuco) – A 230 km de Recife e a 842 metros de altitude, a cidade tem no inverno seu foco de desenvolvimento do Turismo. Com temperatura média em torno dos 16°C, a cidade organiza anualmente o Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), com shows gratuitos, exposição do artesanato local e gastronomia. Alguns pontos do município, como o Monte Magano, ultrapassam os mil metros de altitude.

Piatã (Bahia) – É a cidade com maior altitude de todo o Nordeste: 1265m acima do nível do mar. Localizada na chapada diamantina, possui programações juninas e gastronomia típica de climas frios, inclusive o café plantado e colhido no município. Nas noites mais frias do inverno, os termômetros chegam a marcar 4°C e a temperatura nunca ultrapassa os 20°C no ano.

Martins (Rio Grande do Norte) – A cidade, conhecida como a Campos do Jordão do Rio Grande do Norte e como ‘’princesa serrana’’, apresenta um agradável clima de montanha. A mais de 700 metros de altitude, Martins apresenta, no inverno, temperaturas em torno dos 15°C. Além de ter como pontos de visita mirantes e construções históricas, durante a estação mais fria do ano, a cidade organiza anualmente o Festival Gastronômico e Cultural de Martins.

 

Areia, município declarado Patrimônio Cultural Nacional. (Foto: Wikimedia Commons)

Gravatá (Pernambuco) – Em pleno agreste pernambucano, no Planalto da Borborema, a cidade fica a 447 metros de altitude e tem um dos climas mais frios da região, principalmente no inverno. Gravatá faz parte do Circuito do Frio de Pernambuco, assim como a cidade de Garanhuns (e juntamente com a cidade de Triunfo).

 

Areia (Paraíba) – Com altitude de mais de 600 metros, Areia foi declarada Patrimônio Cultural Nacional por seus conjuntos de construções arquitetônicas históricas, como o Teatro Minerva, de 1859. Apresenta um clima ameno durante todo o ano e, durante o inverno, as temperaturas giram em torno dos 12°C, quando a cidade costuma ficar coberta por neblina.

A Parada que movimenta

Parada LGBT em São paulo movimenta turismo e economia (Foto: Miguel Schincariol)

3 milhões de pessoas em um único evento, 19 trios elétricos, taxa de ocupação de 90% na rede hoteleira localizada no centro da cidade e estimativa de movimentação econômica de R$45 milhões, segundo a prefeitura. Estes são os números que resultam da 21ª Parada do Orgulho LGBT, promovida pela prefeitura de São Paulo e realizada no último domingo, na Avenida Paulista.

Ainda de acordo com a Prefeitura de São paulo, aproximadamente 600 mil participantes do evento vieram de cidades vizinhas, outros estados e outros países.

É constatada a contribuição de grandes eventos para o turismo e para as diversas áreas econômicas envolvidas. O planejamento e a divulgação também exercem um papel indispensável, fazendo com que o evento cresça a cada edição: em 2016, a Parada do Orgulho LGBT em São Paulo reuniu pouco mais de 2 milhões de pessoas. De acordo com o ministério de Turismo, os turistas LGBT representam 10% dos viajantes no mundo.

É substancial para o nosso setor que eventos voltados a públicos específicos constem no calendário de planejamento de qualquer destino. Entretanto, o marketing de eventos não se limita apenas à idealização e realização: entender o público a que se destina e aprimorar as atividades do evento para que ele atraia o maior número de pessoas também são estratégias de ouro.

A Parada é um forte exemplo da relevância das datas do calendário sazonal, eventos e festas populares para nossa economia e para o desenvolvimento do setor. É assunto que merece atenção. Seguimos acompanhando.