abandono de reservas online?

Photo by Sergey Zolkin on Unsplash

Segundo uma pesquisa realizada pela SaleCycle, o setor de viagens é uma das indústrias com a maior taxa de abandonos.  Os hotéis perdem até 10 bilhões de dólares, todos os anos, com o abandono de reservas online. Mas por que isso acontece? De acordo com os dados apresentados pela pesquisa, existem 6 principais motivos. São eles: preço muito alto ou maior que em outro canal, necessidade de aprovação prévia de uma outra pessoa, problemas técnicos, falta de opção de pagamento, processo de reserva longo e o viajante estava apenas pesquisando/comparando hospedagens.

Conscientes dos motivos apresentados, o que os hotéis poderiam fazer para diminuir o número de abandonos e os prejuízos consequentes? Uma das alternativas a serem pensadas seria a simplificação do processo de reservas nos sites, um objetivo que pode ser alcançado através da diminuição do número de informações solicitadas, em um primeiro momento, e um layout mais limpo. Problemas técnicos também precisam ser resolvidos. Sites fáceis de navegar e de carregamento rápido saem em vantagem, assim como aqueles que são mobile friendly; já falamos sobre isso aqui.

Oferecer uma quantidade razoável de opções de pagamentos é outra medida necessária. 7% dos viajantes abandonam uma reserva por causa da falta de opções e esse é um número que não pode ser ignorado. Portanto, apresentar opções além do cartão de crédito pode ser uma outra excelente alternativa.

Hotéis que se abrem para um diálogo com o cliente também costumam ter seu esforço valorizado. As possibilidades de negociação de preço ou forma de pagamento e de tirar dúvidas acerca da hospedagem através de chats online são bem vistas.

Por fim, é importante que o hotel tenha controle da taxa de abandono de reservas online e saiba cobrir o prejuízo.  Na mesmo pesquisa da SaleCycle 87% dos entrevistados disseram estar dispostos a voltar para a reserva mais tarde. Nesse caso, fazer uso de emails de remarketing, oferecendo vantagens para potenciais hóspedes, pode ser uma opção.

Férias ilimitadas?

Photo by Raphaël Biscaldi on Unsplash

Você já deve ter ouvido falar em PTO, eu não sabia o que era até pouco tempo quando meu filho que trabalha da ADOBE mostrou mensagem de seu chefe autorizando uma Paid Time Off. Fui ler sobre o assunto e descobri que, apesar de não ser algo novo, as empresas estão adotando diversos tipos de períodos de férias para seus funcionários (cada vez mais). Muito comum em empresas de tecnologia, também na NETFLIX ou no SPOTIFY, também ocorrendo bastante na Inglaterra; essas férias ilimitadas são, a meu ver, uma boa reflexão para a indústria de viagens e turismo.

Qual a ideia por traz dessa política? A pessoa pode tirar tempo de folga da forma que quiser, desde que seu trabalho seja entregue no prazo; o foco está nos resultados e não nas longa horas de trabalho. Uma filosofia que vem mudando junto com as formas e relações de trabalho; em décadas anteriores quem mais trabalhava ou ficava até tarde no escritório era visto como bom funcionário, esforçado, comprometido. O comprometimento hoje está nos resultados e na busca da felicidade do talento para não perdê-lo (parece que os millennials não têm muito apego ou não ficam muito tempo na mesma empresa).

As empresas vêm vantagens em adotar políticas flexíveis de férias, sobretudo porque ajudam a reter talentos; contribuem para a felicidade, saúde e bem-estar dos funcionários; cortam custos por não gastar em outras políticas de recursos humanos e colocam o foco em boas entregas de projetos. Mas por que estou falando disso? Porque aqui pode estar uma nova forma de fazer turismo.

Na medida em que as pessoas vão tendo mais tempo livre, escapadas de poucos dias, mais momentos com família ou amigos, mais períodos de relaxamento e desligamento devem ser mais frequentes, e aí nossa indústria pode (e deve) entrar em ação. Ainda estou me debruçando sobre o assunto, e minhas primeiras reflexões vão direto ao tema: como atender esse cliente que está alguns dias fora do trabalho, talvez precise de alguma ferramenta para se conectar em algum momento e que quer aproveitar cada momento de sua experiência?

Bem, muito a refletir, aprender e avaliar, mas vou voltar ao tema por aqui por considerar que novas demandas podem vir, novos estímulos podem ser feitos para as pessoas com férias flexíveis e inovadoras formas de marketing podem ajudar a convencer as pessoas em aproveitar suas férias ilimitadas. Imagino que as empresas, cada uma de acordo com seus objetivos e visão, estão adaptando e se ajustando a esse conceito, vou ficar de olho. Você conhece experiências sobre o tema na área de turismo? Pode compartilhar conosco?

Mais sobre as políticas do NETFLIX aqui.