DADOS DO TURISMO EM RESUMO E DESTAQUE

As informações do último Barômetro da ONU TURISMO (novo nome da OMT) publicado em 19 de fevereiro de 2024 trazem informações relevantes para o turismo global, que somamos aos dados do Ministério do Turismo e EMBRATUR. Veja os destaques em dados: 

DESTAQUES MUNDO 

– Cerca de 1.286 milhões de turistas internacionais viajaram ao redor do mundo em 2023, um aumento de 34% em relação a 2022

– O turismo internacional recuperou 88% dos níveis pré-pandemia até 2023 

– As receitas totais de exportação do turismo (incluindo transporte de passageiros) são estimadas em USD 1,6 trilhão em 2023, quase 95% dos USD 1,7 trilhão registrados em 2019

– Estimativas preliminares do Produto Interno Bruto direto do turismo (PIB) apontam para USD 3,3 trilhões em 2023, ou 3% do PIB global, o mesmo nível de 2019, impulsionado tanto pelo turismo doméstico quanto internacional. 

– Espera-se que o turismo internacional recupere totalmente os níveis pré-pandemia em 2024, com estimativas iniciais apontando para um crescimento de 2% acima dos níveis de 2019 em chegadas de turistas internacionais. 

DESTAQUES BRASIL 

– Os turistas internacionais que visitaram o Brasil em 2023 deixaram no país o montante recorde de US$ 6,9 bilhões (R$ 34,5 bilhões), superando em 1,5% a maior arrecadação histórica com o turismo internacional, registrada em 2014, ano da Copa do Mundo FIFA. (FONTE) 

Fonte: Portal de Dados EMBRATUR, 2024. 

– Em 2023, o Brasil recebeu aproximadamente 6 milhões de visitantes internacionais 

Fonte: Portal de Dados EMBRATUR, 2024.

 – Os dados da chegada de viajantes internacionais ao Brasil desde o período pré-pandemia até 2023 mostra em que tivemos uma recuperação mais rápida do que a média mundial e de 1% a menos que a média da América do Sul. Já nosso crescimento em 2023 comparado a 2022 foi bem superior à média da região e global, conforme demonstrado na Tabela abaixo. 

Tabela comparativa de crescimento de chegadas internacionais 2023/2019/2022 

Mundo, América do Sul, Brasil e outros países 

Região/ anos comparados 2023/ 2019 2023/2022 
Mundo -12.2% 33.8% 
América do Sul -6.2% 48.8% 
Brasil -7.3% 70.5% 
Colômbia 32.8% 22.7% 
Argentina 0.4% 94% 
Uruguai 17.5% 76.6% 
Chile -19.5% 99% 
Peru -42.3% 25.7% 
Fonte: Elaborada por Pires iTurismo à partir de dados da ONU TURISMO, 2024.  Valores aproximados até novembro de 2023. 

“Sora desafia o conteúdo em Turismo

A OpenAI, a companhia norte-americana de inteligência artificial conhecida pelo ChatGPT, apresentou uma nova ferramenta revolucionária chamada “Sora“. Essa plataforma transforma textos em vídeos realistas de alta definição, com a possibilidade de criar conteúdos de até um minuto, mantendo a fidelidade visual à descrição fornecida. A nova “Sora” não só gera vídeos a partir de imagens estáticas como também pode ampliar vídeos existentes e preencher imagens que faltam em determinado conteúdo.  

Essa evolução no campo da IA está redefinindo vários setores, inclusive o turismo, onde já se desenha um impacto significativo. Por exemplo, agências de viagens poderiam usar “Sora” para criar vídeos promocionais personalizados, mostrando as belezas naturais dos destinos e produtos com um prometido realismo e qualidade impactantes. Imagine um vídeo de um jipe atravessando a Serra do Cipó em Minas Gerais, levantando poeira e revelando paisagens estonteantes; ou ainda, um passeio virtual por galerias de arte contemporânea em São Paulo, ou sobrevoando as Cataratas de Foz do Iguaçu. 

 Além de ajudar a promover destinos, a “Sora” tem o potencial de reimaginar a forma como experiências de viagem são compartilhadas, permitindo aos usuários criar conteúdos que antes exigiriam produções de vídeo profissionais. No entanto, a tecnologia também levanta questões éticas e legais, que podem ser usados para disseminar desinformação ou para fins maliciosos. 

 A inteligência artificial, AI, ainda está em fase de testes com um grupo limitado de usuários, e já promete ser uma ferramenta valiosa para profissionais criativos, incluindo no marketing de turismo, onde vídeos autênticos e cativantes são a essência da venda.   

E isso vai dar certO?

Mesmo que a nossa nova amiga criadora de conteúdos esteja em testes e desenvolvimento, com suas possíveis dificuldades, como a simulação precisa de uma localização ou erros até ridículos, não podemos negar uma nova fase de competitividade de conteúdo. Ainda assim, o potencial para transformar a forma e a qualidade de como apresentamos e promovemos destinos turísticos é imenso, marcando um passo gigante em nessa nova era de marketing digital no turismo.  

Uma coisa é certa: a maneira como experimentamos e promovemos viagens está prestes a mudar ainda mais radicalmente. Habilidades digitais básicas e pensamento criativo serão essenciais nesse novo desafio. Vamos ficar de olho. 

Sua empresa também é signatária da declaração de glasgow Ação Climática no Turismo?

Pires iTurismo orgulha-se de ser signatária da Declaração de Glasgow sobre Ação Climática no Turismo.

Como signatárias da Declaração de Glasgow, nos comprometemos a entregar planos alinhados com os caminhos para reduzir as emissões do turismo pela metade na próxima década e alcançar emissões líquidas zero o mais rápido possível antes de 2050.

Pires iTurismo compromete-se a:

  1. Apoiar o compromisso global de reduzir as emissões para metade até 2030 e atingir o Net Zero o mais rapidamente possível antes de 2050;
  2. Entregar planos de ação climática no prazo de 12 meses após se tornar signatário (ou atualizar os planos existentes) e começar a implementá-los;
  3. Alinhar os planos com os cinco percursos da Declaração (Medir, Descarbonizar, Regenerar, Colaborar, Financiar) para acelerar e coordenar a ação climática no turismo;
  4. Apresentar publicamente, numa base anual, os progressos realizados em relação aos objectivos intermédios e a longo prazo, bem como as medidas tomadas;
  5. Trabalhar num espírito colaborativo, partilhando boas práticas e soluções e divulgando informações para incentivar outras organizações a tornarem-se signatárias e apoiando-se mutuamente para atingirem os objetivos o mais rapidamente possível.

Dados e análises sobre a chegada de estrangeiros entre janeiro e março de 2024: veja as análises

Como será a chegada de estrangeiros ao Brasil em 2024? 

Claro que não tenho bola de cristal, mas confesso que alguns dados, estudos e a inteligência artificial têm me ajudado muito a analisar o cenário desse ano. Antecipar a demanda turística por meio de dados coletados em diversas fontes e usá-los para fazer predição é a melhor coisa que poderia acontecer em nossa indústria. 

Vamos praticar? A seguir, com base em informações fresquinhas da ForwardKeys, da Tourism Economics e OMT trago 2 trilhas que podem nos ajudar a ajustar a bússola de investimentos públicos e privados nos mercados internacionais. 

  1. Mais perto menos tempo, mais longe mais tempo 

A análise das chegadas internacionais ao Brasil no primeiro trimestre de 2024, feita pela ForwardKeys já mostra uma das máximas que conhecemos: turistas da América do Sul fazem estadias mais curtas (média de 10 noites). Visitantes dos EUA ficam um pouco mais por aqui, cerca de 13 noites; e os europeus permanecem uma média de 21 noites no Brasil (3 semanas).  

Os dados do Ministério do Turismo/ EMBRATUR, coletados no Portal de Dados destacam a relevância dessas informações, seguindo uma tendência histórica (2023, 2019 e 2018) de cerca de 60% dos visitantes que chegam ao Brasil saírem da América do Sul. A Europa representa entre 20 e 20% das chegadas e os EUA cerca de 10%, tendo crescido desde 2019 e 2018. 

Diversas fontes mostram São Paulo como destaque em buscas e chegadas aéreas com seu hub em Guarulhos, veja mais detalhes nesse post que falamos da oferta de voos. 

Análise: A depender de onde está o destino, de suas conexões e oferta, balancear o investimento por mercado emissor que possa trazer mais visitantes que fiquem mais tempo e gastem mais. Usar marketing digital corretamente para atingir mais mercados é outra opção. 

Na imagem acima é possível ver o aumento de buscas de alguns países, a depender de onde está seu negócio é possível converter em vendas e ter uma estratégia adequada para cada mercado. Ou ainda usar mecanismos BtoB para vender de forma pontual a esses potenciais visitantes. 

Vamos ainda considerar que o esforço e o custo de promoção do Brasil nos países vizinhos são bem mais fáceis pela familiaridade que estes possuem de nosso país, e que o custo em moeda local para desenvolver ações é muito mais vantajoso do que pagar em dólar ou euro. Nossos vizinhos, em grande parte, já vieram ao Brasil e podem estar dispostos a conhecer novos lugares. 

  1. Nordeste e Sul começam a consolidar a chegada de estrangeiros  

Também a fonte da ForwardKeys mostra o crescimento de 31% das estadias curtas (menos de 5 noites) e de 36% das que duram cerca de 1 semana no Nordeste (em relação a 2023). Estadias entre uma e duas semanas (9 a 13 noites) mostram crescimento modesto sobre o primeiro trimestre de 2023 em +7%, enquanto estadias acima de 14 noites se mantêm estáveis em +1%. 

Segundo dados da Tourism Economics, para 2024 as viagens mais curtas serão uma realidade para a América Latina, continuando ainda em 2025. As viagens domésticas na região Nordeste devem crescer cerca de 12 a 17% em 2024 e 2025; enquanto as internacionais de curta e média distância terão crescimentos acima de 20% em 2024 e acima de 30% em 2025. Esses dados indicam que o Brasil deve continuar a receber muitos visitantes da região, os que ficam menos tempo em nosso país. Veja imagem abaixo:

Análise: Estrangeiros no nordeste vindos por exemplo da Europa podem ficar mais tempo, e os da América do Sul, menos tempo. Com base na conectividade e estudos direcionados ao destino é preciso equilibrar os investimentos de acordo com a origem do visitante. 

Importante notar que as buscas ao Rio de Janeiro no período do Carnaval são altas, principalmente da Europa, que tem interesse em cultura, praias e no estilo de vida do carioca. Salvador também já tem a marca do Carnaval e interesse em todos os continentes. Os sul-americanos buscam Florianópolis ela proximidade e custo mais acessíveis, mas os europeus também têm a curiosidade de conhecer a capital catarinense. Isso é ilustrado pela imagem abaixo que mostra as buscas em voos internacionais com destino Brasil para viagens em fevereiro, no período do Carnaval. 

Domine a Arte da Comunicação com o HUB TURISMO PODCAST

Você já parou para pensar no poder que a comunicação tem em nossas vidas? Seja persuadindo um cliente, resolvendo conflitos, ou simplesmente compartilhando histórias com amigos, a forma como nos expressamos define o curso de nossas relações e, por extensão, de nossas carreiras. Mas aqui vai um segredo: muitos de nós nunca aprendemos a arte da comunicação eficaz de forma estruturada. É justamente por isso que o episódio de hoje do HUB TURISMO PODCAST é tão especial. É só clicar e ouvir; depois me traz seus comentários aqui ou lá no podcast.

Como não levar no-show na vida profissional no turismo

Chegamos a 2024. Será que seu emprego está firme? Sobre o que você precisa se preocupar para não ficar pra trás com tanta informação e novidade? 

Nessa primeira quinzena do ano parei para pensar sobre as tendências do mercado de trabalho e o impacto da tecnologia para a indústria de turismo e hospitalidade. Nos próximos cinco anos nosso setor, orientada ao serviço, enfrentará desafios e oportunidades únicas em termos de desenvolvimento de habilidades e capacitação da força de trabalho. 

 Eu trouxe hoje 3 habilidades listadas pelo Relatório Future of Jobs Report 2023 do World Economic Fórum. Dá uma olhada nas minhas análises e pensa nos seus talentos: 

1. Habilidades Cognitivas e Criativas: Com a crescente importância do pensamento analítico e criativo, profissionais da área precisarão desenvolver habilidades para resolver problemas complexos e inovar em serviços e experiências. Isso é especialmente relevante em um setor que se esforça para oferecer experiências únicas e personalizadas aos clientes. 

2. Flexibilidade e Adaptação: A resiliência, flexibilidade e agilidade serão habilidades chave, pois o setor de turismo e hospitalidade é frequentemente impactado por fatores externos, como mudanças econômicas, tendências de viagem e eventos globais. Os profissionais precisarão se adaptar rapidamente a novas demandas e cenários. 

3. Habilidades Socioemocionais: Empatia, serviço ao cliente e habilidades de comunicação permanecerão fundamentais na indústria de hospitalidade. A capacidade de entender e responder às necessidades dos clientes de maneira eficaz é um diferencial competitivo nessa indústria. 

Agora, essas características são aprendidas e construídas ao longo de nossas carreiras. Como você pode aprender a aprender para a vida toda? Lifelong learning? Segundo as pesquisas desse relatório o pensamento analítico e o pensamento criativo são as principais competências exigidas pelas empresas e pelo mercado nos próximos 5 anos. Você possui essas habilidades? Pode desenvolvê-las? Traz aqui seu pensamento sobre esses temas e compartilhe suas atitudes para não levar um no-show no turismo ou em qualquer atividade profissional.

Retrospectiva 23: Aviação

Nossa série sobre análises do ano de 2023 terá alguns convidados. A ideia é compartilhar as principais conclusões e desafios que marcam o “fim da pandemia”. E 2024?

Nesse papo com Jurema Monteiro, Presidente da ABEAR falamos sobre muitos temas. Está imperdível:

  1. Cenário global da aviação nesse ano de 2023 e as principais diferenças entre os mercados de aviação domésticos e internacionais
  2. O Brasil acompanha esse cenário de recuperação? 
  3. Alta de preços. Como a indústria de viagens pode lidar com essa conjuntura para estimular as viagens domésticas?
  4. Como a sustentabilidade está influenciando as operações das companhias aéreas brasileiras? Há algum avanço significativo em tecnologias mais limpas ou eficientes que você gostaria de destacar?

Acesse e assine nosso podcast HUB TURISMO em sua plataforma preferida. Aqui no SPOTIFY também.

Brasil se aproxima dos níveis pré-pandêmicos em dezembro

Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina se destacam com os melhores desempenhos na chegada de voos internacionais

Um estudo divulgado hoje pela ForwardKeys (empresa de inteligência de viagens com sede na Espanha) há um aumento no interesse dos estrangeiros para visitar o Brasil no mês de dezembro. A informação indica que o país se aproxima dos níveis pré-crise na chegada de viajantes internacionais.  

Os dados são calculados para chegadas aéreas internacionais, que já estão apenas 4% atrás de 2019. Mas a recuperação ainda é diferente em cada estado; variáveis como conectividade e diferenças nos principais mercados emissores ao Brasil podem justificar essas variações. Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina se destacam como os principais desempenhos, superando os níveis pré-pandêmicos de demanda por viagens agora em dezembro. 

Mesmo com a limitada conectividade dos voos internacionais com chegadas ao Brasil, os dados mostram uma demanda aquecida. Em geral, a capacidade de assentos para voos internacionais atingiu o nível pré-pandemia. E, como o restabelecimento das conexões internacionais é desigual entre os estados do Brasil, o cenário reforça a dependência de São Paulo como aeroporto de entrada. Isso ainda pode causar aumento das tarifas afastando potenciais turistas durante os períodos de alta temporada ou futuro próximo. E o Terminal 3 de Guarulhos tem capacidade para essa demanda?

Perspectivas para o primeiro trimestre de 2024

A procura de viagens já está alta no primeiro trimestre de 2024, segundo a ForwardKeys, especialmente de viagens de longo curso. Os viajantes da Alemanha, Suíça e Itália desempenharão um papel crucial para manter o setor de turismo movimentado no início próximo ano. As perspectivas também são muito promissoras para mercados regionais como Uruguai, Chile e Argentina. 

O Portal de Dados da EMBRATUR, que permite a visualização da oferta de voos futuros para o Brasil, entre janeiro e março de 2024, mostra grande parte de origens no Continente Sul-Americano, com a exceção de Lisboa, conforme a imagem abaixo:  

Oferta de voos internacionais para o Brasil, por origem, entre janeiro e março de 2024. Fonte: Portal de Dados da EMBRATUR, 22/11/23.

Os dados da EMBRATUR também trazem mais detalhes da grande disparidade do destino desses voos, quase 57% para São Paulo e 20% para o Rio de Janeiro. Na imagem abaixo é possível ver os destinos dos voos e os desafios regionais que existem para que cada lugar do Brasil possa trazer visitantes internacionais.

Destino dos voos internacionais para o Brasil entre janeiro e março de 2024.
Fonte: Portal de Dados da EMBRATUR, 22/11/23.

Saber qual mercado se promover e criar condições para que o turista chegue ao seu destino é uma tarefa que exige o uso de dados apropriados, e mais, investimentos em marketing internacional que tragam resultados efetivos. 

4 Dados e 5 Dicas para o emissivo brasileiro para a europa nesse final de ano.

Hoje falo de tendências de viagens de longa distância para a Europa com origem no Brasil. A base de minhas análises foi o estudo publicado pela Comissão Europeia de Viagens (ETC) e Eurail BV, focando em seis mercados-chave: Austrália, Brasil, Canadá, China, Japão e Estados Unidos. As informações projetam comportamentos de chegadas futuras à Europa entre setembro a dezembro de 2023. Fatores como a intenção de viagem, fatores que influenciam a decisão de viajar, e modos de transporte preferidos são alguns dos temas explorados pelo relatório.  

Trago para você um D2 – DADOS & DICAS relevantes. Se você vende viagens no Brasil com o objetivo de levar brasileiros à Europa esse conteúdo vai lhe interessas. Ao considerar essas informações e dicas, você ajustar suas estratégias para atender melhor às necessidades e preocupações dos viajantes brasileiros, seja para destinos internacionais ou até domésticos. 

D1 – 4 dados

1. Pequena diminuição na Intenção de Viagem para a Europa: Houve uma ligeira queda de 3% na intenção dos brasileiros de viajar para a Europa em comparação com o ano anterior. No entanto, o sentimento geral ainda é forte, com mais da metade (52%) dos respondentes expressando o desejo de viajar para destinos europeus. 

 2. Custo como Fator Desencorajante: Os altos custos são citados como o principal obstáculo para viajar para a Europa, especialmente relevante para o mercado brasileiro. Isso sugere que estratégias de precificação e pacotes acessíveis podem ser cruciais para atrair viajantes brasileiros. 

 3. Interesse em Ofertas Acessíveis: Os brasileiros estão considerando pacotes all-inclusive acessíveis e programas de fidelidade como formas de tornar a viagem mais acessível.  Lembre que com a baixa temporada na Europa podem ser encontrados preços convidativos aos seus clientes.

 4. Transporte Aéreo em Ascensão na Europa: Embora o transporte ferroviário tenha sido tradicionalmente a escolha preferida para brasileiros viajando quando se deslocam dentro do velho continente, o interesse por voos de baixo custo aumentou 13%. 

D2 – 5 DICAS 

1. Pacotes Acessíveis: Dada a sensibilidade ao preço, oferecer pacotes all-inclusive ou descontos em voos e acomodações pode ser uma estratégia eficaz. 

 2. Programas de Fidelidade: Incentivar o uso de programas de fidelidade de grandes cadeias de hotéis ou outros serviços ainda desconhecidos de muitos brasileiros pode não apenas atrair mais clientes, mas também fomentar o engajamento e repetição de vendas. 

 3. Diversificação de Destinos: Com a diminuição do interesse por destinos europeus, pode ser uma boa oportunidade para promover destinos internacionais mais acessíveis na América Latina. 

 4. Informações Claras sobre Custos: Transparência sobre todos os custos envolvidos na viagem pode ajudar a mitigar preocupações sobre acessibilidade financeira, um ponto especialmente importante para o mercado brasileiro. 

5. Tendência de Viagens Domésticas: A queda na intenção de viajar para a Europa pode indicar uma oportunidade constante para o mercado doméstico. Pacotes de viagens nacionais podem ganhar mais interesse no cenário complexo geopolítico e econômico global.