Saccage Paris, o hashtag polêmico

Paris – Um novo hashtag criado nesta sexta-feira, 2 de abril, obteve rapidamente milhares de adeptos no Twitter: #SaccageParis

Latas de lixo transbordantes, pilhas de papelão na rua, cones de plástico amarelo deteriorados delimitando ciclovias ou móveis deixados nas calçadas são algumas das imagens vistas no tweets.

Dezenas de milhares de mensagens e fotos denunciam a sujeira da capital francesa sob o atual mandato da prefeita socialista Anne Hidalgo, bem como algumas das escolhas feitas por sua equipe municipal.

Quando questionado pelo jornal Le Parisien, o homem que lançou a hashtag através de sua conta @PanamePropre, no entanto, garante que não segue nenhuma agenda política, reconhecendo simplesmente uma velha proximidade com a UDF, o antigo partido centrista. Ele explicou que tinha feito isso apenas para fazer com que sua “explosão de raiva” fosse ouvida.

reação da oposição

Membros da oposição aproveitaram rapidamente da oportunidade para criticar a gestão do prefeito de Paris.

Marine Le Pen

#saccageparis As milhares de imagens compartilhadas com a hashtag #SaccageParis partem os corações dos amantes de Paris. Parabéns aos parisienses revoltados! A degradação da nossa bela capital pela equipe Hidalgo é um sofrimento nacional que não deve deixar nenhum francês indiferente. MLP

Rachida Dati

#saccageparis: Diante da negação da realidade da equipe municipal, exigimos a realização imediata de um excepcional Conselho de Paris dedicado aos problemas de limpeza e segurança em #Paris.

Paris e a covid-19

De fato, certas circunstâncias contribuem para as condições insalubráveis inegáveis de Paris neste momento.

Visto que as refeições são consumidas exclusivamente ao ar livre encontramos pelas ruas uma maior quantidade de resíduos. Além disso, os terraços de madeira instalados às pressas como resultado das medidas sanitárias no verão de 2020, agora tristemente abandonados, viram suas condições se deteriorar com o inverno.  Hotéis, lojas, restaurantes fechados e ruas vazias, acampamentos de imigrantes sem teto em determinados bairros deixam uma triste impressão para os passantes. 

O movimento online provocou igualmente a reação da prefeita de Paris e sua equipe denunciando nos jornais uma campanha para denegrir sua gestão , com fotos que seriam antigas ou ainda justificando que devido a epidemia de Covid-19 há cortes em cerca de 10% dos serviços responsáveis pela limpeza da cidade.

Esforços da municipalidade

Apesar das reclamações vistas nos tweets, a municipalidade de Paris dispõe de uma equipe de limpeza de 2500 pessoas. Desde 2016 a mesma colocou à disposição dos parisienses um dispositivo chamado “Na Minha Rua”, que os permitem relatar qualquer anomalia no espaço público às equipes municipais, como a presença de resíduos maciços, pichações ou espaços verdes em más condições. 10.000 pedidos são tratados por semana, garante a prefeitura.

Diariamente, mais de 2.900 km de calçadas são varridas e muitos dos 30 000 lixos nas calçadas, espalhados em vias públicas, são esvaziados de 1 a 3 vezes. Em Paris você encontra um lixo público munido com cinzeiro aproximadamente à cada cem metros.

Uma grande frota de “carrinhos aspiradores” é dedicada à limpeza das calçadas da capital francesa. 1.600 km de ruas são aspiradas e lavadas pelo menos uma vez por semana. As intervenções variam dependendo do tamanho da rua e do tipo de atividades. As pistas amplamente utilizadas (avenida periférica, pistas rápidas e subterrâneas.) são limpas à noite, em trechos, a fim de minimizar a interrupção do tráfego. Até as margens do Sena são lavadas toda semana, seja com equipamentos das docas ou de um barco. As pistas ribeirinhas também se beneficiam de uma faxina minuciosa uma vez por mês e após cada inundação do Rio Sena.

Eu me alegro que através das redes sociais sejamos capazes de fazer pressão ao poder público. Acho essencial mesmo.

Porém, não me preocupo com Paris. Sem dúvida a crise do Covid-19 acentuou alguns problemas, como em todos os setores da sociedade este ano.

Como eu já vi Paris passar por muitos sábados de manifestações, por greves de lixeiros, pelas festividades da Copa do Mundo, pela crise econômica de 2008, ou ainda enxentes do Rio Sena e assisti à várias operações de limpeza excepcionais, tenho certeza que esse cápitulo também vai terminar e somente as belas imagens do hashtag Paris ficarão em nossas memórias. #Paris

Lojas fechadas em Paris

Novas medidas sanitárias: Tudo isso para isso?

Novas medidas sanitárias para parisienses e dezesseis departamentos franceses.

Desde os anúncios efetuados pelo primeiro-ministro Jean-Castex comecei a hesitar sobre escrever ou não sobre a questão. O Rodrigo, meu colega do Panrotas perguntou meu parecer sobre o assunto.

A notícia não é desprovida de interesse, estaria de todas as maneiras nos jornais. No entanto, vivendo aqui, eu soube imediatamente que o anunciado nos comunicados de imprensa se traduziria em distintas aplicações e sofreria reajustes.

Apesar do tom didático de primeiro-ministro francês em sua conferência de presse quinta-feira, 17 de março, muitas dúvidas pairavam no ar.

CONFINAMENTO OU NÃO?

Poucos dias antes do anúncio oficial do primeiro-ministro Jean-Castex, diante da insistente pressão dos médicos em prol de um confinamento restrito, o presidente Emmanuel Macron havia declarado desejar evitar a todo custo um novo confinamento, tanto no pequeno estado denomindo Île de France como nas demais localidades francesas.

Em Paris- Apartamentos pequenos pouco convidativos à reclusão

Afinal, apesar dos maus resultados em matéria de disponibilidade hospitalar e contaminações, a região de Île de France abriga Paris e é carro chefe da economia francesa.

De fato, os números permanecem altos em toda a França: 25.537 pacientes infectados com Covid-19 estão internados, dos quais 4.353 estão em reanimação.

Talvez por essa razão o primeiro-ministro adotou um tom grave e didático para explicar essa nova modalidade de confinamento, completamente híbrida e que pode parecer para muitos contraditória.

Na sexta-feira o próprio Ministro da Saúde, Olivier Veran declarou que se recusava a chamar as novas medidas de reconfinamento.

REAJUSTES NECESSÁRIOS

As restrições as quais um terço dos franceses foram submetidos desde sábado começaram sofrendo mudanças desde o primeiro dia de implementação, com a súbita remoção do Atestado Oficial de Deslocamento ou Attestation de Déplacement Dérogatoire. A nova versão do documento, atestando as razões para 3 horas de vida externa e o limite geográfico 10 km,  foi considerada demasiadamente complexa e burocrática, chegando até a contradizer algumas normas anunciadas por Jean-Castex.

Na prática, o Atestado de Deslocamento entre 06:00 e 19:00 nos 16 departamentos sujeitos a novas restrições foi finalmente substituído, em caso de verificação, por um documento simples e uma justificativa de residência, informou o governo no sábado.

Se um dia alguém tivesse me dito que eu deveria assinar para eu mesmo um papel que me autoriza a sair da minha casa!
Se um dia alguém tivesse me dito que eu deveria assinar para eu mesmo um papel que me autoriza a sair da minha casa!

O atestado oficial de deslocamento e a  justificativa de residência continuarão a ser necessárias para deslocamentos de mais de 10 quilômetros.

Quanto ao atestado exigido em toda a França para deslocamentos durante o toque de recolher (das 19:00 às 06:00), ele permanece em vigor.

110 000 portas fechadas

Os grandes shoppings já estavam fechados, mas agora, para grande desespero dos pequenos lojistas, os comércios não essenciais voltam a fechar. Segundo o jornal Le Parisien 110 000 portas se fecham em todo território afetado pelas medidas.

No entanto, desta vez foram classificados como essenciais:

• Floristas

• Cabeleireiros

• Escritórios de advocacia e notários

• Livrarias

Lojas de óculos e chocolateiros já abertos durante o confinamento anterior, seguem abertos durante esse reconfimamento. Assim como reparação de computadores e bens pessoais e domésticos e demais estabelecimentos autorizados pelo decreto anterior datado de outubro.

O toque de recolher passa das 18h para 19h com a chegada da primavera.

As  escolas permanecem abertas com classes divididas em 2 grupos e dias de aulas intercalados. As universidades seguem unicamente com aulas on-line.

Uma página oficial do governo francês explica em detalhes as medidas para cada região.

REAÇÕES

Membros da oposição se mostraram surpresos com a leveza das medidas anunciada aos ansiosos franceses e a repetiram em coro: “Tudo isso pra isso?”

“Tudo isso para isso”, lamentaram em uníssono o líder dos deputados do partido Les Républicains (LR), Damien Abad e o secretário nacional do PCF, Fabien Roussel. “Acho particularmente perigoso tocar na corda psicológica dos franceses, aumentando a ameaça de confinamento nos últimos dias e finalmente enviando um primeiro-ministro envergonhado para fazer pequenos anúncios”, tuitou o deputado Damien Abad .

Na capital, como sempre, muitos parisienses se dirigiram às suas casas secundárias em busca de maior liberdade e muitas vezes em direção à outras regiões onde os comércios se encontram abertos.

Pessoas deixam a cidade de Paris e a região de Île de France

BOA NOTÍCIA

Porém, o que com certeza alegrou a todos é que ao contrário dos dois primeiros confinamentos, agora, com o “desaparecimento” da Attestation de Déplacement Dérogatoire, você pode continuar a ficar fora o tempo que quiser dentro de um raio de 10 km de sua casa.  

No entanto, aglomerações seguem proibidas e os grupos sociais devem seguir restritos à 6 pessoas.

“Agora sabemos que nos contaminamos infinitamente menos quando caminhamos ao ar livre do que quando estamos agrupados sem máscara dentro de casa”, disse o primeiro-ministro ao justificar as decisões.

Polícia evacua beira do Rio Sena dia 7 de março.
Aglomerações seguem proibidas apesar da liberdade.

RESUMINDO

Enfim, com excessão do comércio não essencial que fecha,  a mudança da hora do toque de recolher , o limite de deslocamento de 10 km e o desaparecimento do atestado de deslocamento anunciado, nada muda em nosso quotidiano. Mesmo porque o atestado desaparecido durante a composição deste artigo acaba de reaparecer no site do governo, desta vez, sem limite de tempo.

Daí minha hesitação em escrever esse post sexta-feira passada.  Como explicar o quê, o porquê e como se o pouco a dizer não está claro?

Agora que você o leu pode também dizer: Tudo isso para isso?

De fato, a novidade é que o governo francês implementou assim medidas empíricas, certo, porém fundadas não somente nas necessidades de controle sanitário, mas também no desejo de manter uma economia parcialmente ativa e a saúde mental das pessoas minimamente preservada.

A SURPREENDENTE LIGAÇÃO ENTRE WALT DISNEY E A FRANÇA

Walt Disney e a França – Nestes dias onde só se fala de Covid-19 e em que as bandeiras do turismo estão à meio mastro nem sempre é fácil escrever esse post. No entanto, as numerosas horas passadas na frente da televisão tampouco são sempre à toa. Assisti um documentário incrível e fiquei com vontade de compartilhar essa linda história com você querido leitor.

Tudo mundo conhece Walt Disney, mas poucos conhecem sua forte ligação com a França. Afinal, não foi na Flórida que ele encontrou inspiração para seus lindos castelos, seus contos e filmes, mas sim no velho continente. Poucos sabem que sua própria origem era francesa.

De origem francesa (o nome “Disney” vem de “Isigny” na Normandia), Walt Disney (1901-1966) sempre manteve um vínculo especial com a França, vínculo esse que o trouxe muitas vezes aqui.

Contos de fadas ancestrais, histórias originais, romances de ficção científica : nenhum outro país é a fonte de tantos filmes ao vivo e animados, bem como atrações e essa fonte não secou após a morte de Walt.

NOME DE ORIGEM NORMANDA

O nome da Disney vem de Isigny (agora Isigny-sur-Mer) local de onde Hughes e Robert d’Isigny partiram para acompanhar o Duque da Normandia Guillaume em sua conquista da Inglaterra em 1066.

Foi na Inglaterra que seu nome mudou de Isigny para Disigny e depois Disney. No final do século XVII, muitas pessoas fugiram da Restauração Inglesa passando pela Irlanda. Arundel Elias Disney emigrou de lá em 1834. Mudou-se para o Canadá, e seu neto, Elias, partiu para os Estados Unidos. Seu filho Walt (1901-1966), bem como seus irmãos e irmã, foram a primeira geração a nascer nos Estados Unidos (em Chicago).

Brazão Disney -origem Normandia

Apaixonado pela genealogia, Walt Disney tinha um brasão familiar (inspirado nas armas da Normandia) que ele instalou na entrada dos castelos de seus parques na Califórnia e na Flórida.

Ainda hoje, na Disneyland Paris, a manteiga servida em restaurantes e hotéis vem de Isigny-sur-Mer.

MUITAS VIAGENS À FRANÇA

Voluntário para lutar na linha de frente durante a Primeira Guerra Mundial apesar de sua pouca idade, Walt Disney desembarcou do cruzador Vaubin logo após o Armistício de 11 de junho de 1918.  O que poderia fazer um jovem de apenas 17 anos que descobria a França na exaltação da vitória… senão se apaixonar pelo país? Ele se juntou às fileiras da Cruz Vermelha participando de operações para ajudar as pessoas e decorou a lona de sua ambulância com seus primeiros desenhos. Um dia, seu veículo ficou atolado em um campo em Seine-et-Marne.

Walt Disney na França - Cruz Vermelha 1918
1919 Walt Disney

Voltando aos Estados Unidos, Walt Disney nunca esquecerá este ano passado na França. Em 1935, para celebrar o 10º aniversário de seu casamento com Lilian, foi para cá que ele trouxe sua esposa. Juntos visitaram os lugares que tinha gostado durante sua primeira estada como o Mont Saint-Michel, a cidade de Estrasburgo e a região dos Castelos do Vale do Loire entre outros.

1934: CRIAÇÃO DA DISNEY FRANCE

1930 – O editor Paul Winkler propõe ao jornal Le Petit Parisien publicar as aventuras de Mickey. Na época, adaptar esses quadrinhos algumas semanas após sua publicação nos Estados Unidos significava um verdadeiro feito. Logo depois, Winkler se juntou a Hachette para lançar álbuns ilustrados da Disney. Em 19 de julho de 1934, o Mickey Mouse S.A. (atual The Walt Disney Company France) foi fundada no 25-27 rue d’Astorg , 8o distritode Paris. É uma das primeiras subsidiárias da Disney na Europa para um grupo que está apenas começando a internacionalizar. Foi justamente nesse mesmo ano que ocorreu o nascimento do Jornal do Mickey, outra grande ideia de Paul Winkler que continua sendo um modelo para todas as publicações da Disney no mundo.

Após a 2a Guerre Mundial, em 1946, o jornalista Armand Bigle encontrou Walt Disney enquanto estava em Bruxelas. A corrente passou tão bem entre os dois homens que Bigle foi convidado para reviver a Disney na França. Assim, a partir de 1951, a Walt Disney Productions France gradualmente recuperou sua importante posição na Europa. Bigle assinou contratos de publicação para quadrinhos e distribuição de filmes em todo o continente.

O DIÁRIO DO MICKEY: MARCANDO GERAÇÕES

O Journal de Mickey ou JDM fez sua primeira aparição como uma revista semanal francesa de quadrinhos publicada a partir de 21 de outubro de 1934. A publicação foi descontinuada entre 1944 e 1952 e, em seguida, retomou a numeração a zero. Reconhecida por ser a primeira revista na França a contar com personagens da Disney, é também a revista francesa mais antiga voltada para jovens existente até hoje.

Jornal de Mickey Mouse

A BRANCA DE NEVE NASCEU NA FRANÇA

Ainda em 1935 quando Walt Disney passava pelo Champs-Élysées, ele notou um poster com o Mickey e entrou no cinema que projetava seus desenhos animados continuamente. Walt se encantou ao ver os parisienses sentados durante horas assistindo uma compilação das aventuras de seu personagem até então produzidas em curta metragem.

Em sua terra natal, os Estados Unidos, especialistas afirmavam que os espectadores não ficariam mais do que alguns minutos na frente de um desenho animado sem se cansar… ou ter problemas oculares!

Casa da Branca de Neve em Nantes – criada por um habitante da cidade

Foi no Cinema Gaumont do Champs Elysées que Walt Disney  percebeu que o sonho de realizar seu primeiro longa metragem de animação não era impossível.  Pediu ao responsável da sala o poster que anunciava a amostra e foi apresentando esse cartaz à seu banqueiro que Walt logrou obter o empréstimo necessário para realizar A Branca de Neve e os sete anões (1937).

CARCASSONE E A BELA ADORMECIDA

Enquanto viajava pela França, o artista americano se encantou particularmente com a cidade de Carcassonne. A cidade medieval envolta por 5 km de muralhas e 52 torres, patrimônio Unesco da humanidade, inspirou fortemente o criador em A Bela Adormecida (1959).

Segundo o autor de contos Charles Perrault, Cinderela e A Bela Adormecida (1697), aconteceram na França assim como A Bela e a Fera. Para este último, os artistas da Disney passaram vários meses explorando o campo, os museus e castelos do Loire para se inspirarem.

Mesmo Rapunzel, filme mais recente e inspirado de um conto dos irmãos Grimm, na verdade encontra sua direção artística ao lado de Fragonard e dos pintores franceses do século XVIII.

FANTASIA E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Em 1938, Branca de Neve e os Sete Anões foi o filme que mais fez admissões nos cinemas franceses. A Segunda Guerra Mundial marcou uma parada repentina para as atividades da Disney na França, mas Wally Feignoux, que distribuia os filmes, conseguiu esconder os rolos originais em seu jardim, impedindo-os assim de serem apreendidos pelo ocupante alemão. Assim, logo após o fim das hostilidades, Fantasia pôde ser exibido em Paris, alcançando maior sucesso aqui do que quando foi lançado nos Estados Unidos cinco anos antes.

WALT DISNEY E PARIS

Em 1962, a comédia Bon Voyage com Fred McMurray e Jane Wyman foi em grande parte inspirada por suas próprias memórias: desde sua visita aos esgotos de Paris até a dificuldade de deixar suas filhas adolescentes flertarem com parisienses…

Bon Voyage Filme da Disney em Paris

Foi também em Paris que ele foi condecorado pela Liga das Nações (ancestral das Nações Unidas), enquanto o cônsul francês em Los Angeles lhe concedeu a Legião de Honra por causa dos laços de amizade que o ligam ao país.

Paris também é mais do que um cenário, Paris é um “personagem” por si só em desenhos animados da Disney ou Disney-Pixar, como em O Corcunda de Notre-Dame (criado a partir de Notre-Dame de Paris de Victor Hugo), Ratatouille ou ainda Os Aristocats.

Este último deve muito à participação do autor e cantor francês Maurice Chevalier, que executou a canção título.

WALT DISNEY E LA FONTAINE

Na década de 1930, uma série de desenhos animados chamado Sinfonias Bobas foram inspiradas, entre outros, nas Fábulas de la Fontaine. Alguns, como A Lebre e a Tartaruga ou ainda o Primo do Campo (a partir de O Rato da Cidade e o Rato do Campo), até ganharam o Oscar de melhor curta-metragem de animação.

Walt Disney e La Fontaine

WALT DISNEY E JULES VERNE

Walt Disney gostava de citar a frase de Júlio Verne, seu autor favorito: “O que um homem sonhou, um homem pode fazer.”

O pai da ficção científica era um de seus autores favorito. Um dos maiores triunfos na vida real no Disney Studios foi o filme 20.000 Léguas Submarinas estrelado por James Mason e Kirk Douglas.

20000 mil léguas submarinas de Jules Verne por Walt Disney

A França nos parques de diversão disney

Os “Imagineers” que criam as atrações dos parques da Disney mostraram amplamente seu amor pela França. Muitas vezes claramente, como a silhueta do Castelo da Bela Adormecida que encontra seu modelo nas ilustrações medievais das Horas Mais Ricas do Duque de Berry.

Ou ainda no Mont-Saint-Michel, essa montanha e sua Abadia cuja silhueta muitas vezes inspira artistas da Disney em suas criações como A Bela e a Fera e até mesmo Rapunzel.

Mont Saint-Michel

A TORRE EIFFEL NOS ESTADOS UNIDOS

Uma Torre Eiffel marca a entrada do pavilhão francês no Epcot, o parque temático futurista, localizado no Walt Disney World, na Flórida. O inegável sucesso deste pavilhão é apenas uma das muitas ilustrações do lugar privilegiado que tem a França no coração da The Walt Disney Company.

laços de amizade duradouros

Assim, há mais de 80 anos, a Cia. Disney mantém laços de amor com os franceses, suas belas histórias e paissagens. E os franceses correspondem amplamente. Outrora seus avós aprenderam a ler com o Diário do Mickey, os pais foram ao cinema pela primeira vez para o especial “Disney de Natal” e hoje as crianças aguardam ansiosas pelo último episódio de Mickey no YouTube, todos momentos mágicos que nos fazem lembrar essa relação tão especial entre Disney e a França.


Pela primeira vez desde seu nascimento, há 38 anos, Mickey Mouse está chorando: Walt Disney, seu criador, morreu. Este desenho foi especialmente criado para a capa do Paris Match, em dezembro de 1966, por Pierre Nicolas, autor da série “Mickey Through the Centuries” na edição francesa do Diário do Mickey. Uma escolha saudada em um telegrama pela equipe da Life, o irmão mais velho americano da revista:
“Bravo, não tínhamos pensado nisso!”
 Esta capa ainda é a mais procurada por colecionadores em todo o mundo.

Finalmente, uma última curiosidade nos leva à crer no apego eterno de Walt Disney à França: Marne-la-Vallée foi a preferida de todas as outras cidades candidatas na Europa para sediar a Disneyland Paris. Coincidentemente, o parque temático Disney Paris está localizado perto do campo onde 73 anos antes o jovem voluntário paramédico da Cruz Vermelha ficou atolado.


Notas: O Parque Disney Paris fica fechado até dia 2 de abril

Fontes: Disney Corporate e France TV