Fairmont Rio: piscina com vista para a Praia de Copacabana

Como é o novo Fairmont Rio, o primeiro da marca na América do Sul

A mais esperada abertura hoteleira do Brasil em 2019 aconteceu esta semana, discretamente. O Fairmont Rio de Janeiro abriu as portas segunda-feira no Posto 6, no final de Copacabana, a cinco minutos a pé do Arpoador e do início de Ipanema. Em uma das localizações mais privilegiadas da cidade, é o primeiro hotel na América do Sul da marca de luxo da Accor. E fomos um dos primeiros a visitá-lo.

De frente para o Oceano Atlântico, o Fairmont ocupa um prédio importante na hotelaria de luxo carioca. Nas décadas de 1980 e 1990 chamava-se Rio Palace e era endereço de celebridades em visita ao Rio, que usavam uma discreta saída pelos fundos. Paul McCartney, por exemplo, foi um dos que se hospedou ali em 1990, quando se apresentou pela primeira vez no Brasil, no Maracanã. Mais recentemente, já parte do portfólio da Accor, o hotel funcionou como Sofitel Copacabana. O restaurante Le Pré Catelan, comandado pelo chef francês Roland Villard, com uma estrela Michelin, fez história na alta gastronomia da cidade.

Os detalhes do hotel de luxo Fairmont Rio, em Copacabana

Depois de dois anos de obras, no Fairmont o glamour e as boas vibrações do passado ecoam em um ambiente contemporâneo. A começar pela chegada do hóspede. Na entrada, na Avenida Atlântica, há o Coa&Co Café e uma loja conceito da H.Stern com objetos criados por designers brasileiros. Entre o café e a loja, esta integrada ao lobby, há um balcão onde o hóspede é encaminhado para o check-in, no sexto andar. Aí entra em ação o “fator uau”.

Loja de design brasileiro, com curadora H.Stern, integrada ao lobby | Foto de Carla Lencastre

O sexto andar é onde bate o novo coração do hotel. A recepção dá acesso direto a uma das duas piscinas do Fairmont, com vista espetacular para toda a praia, com o Forte de Copacabana à direita e o Pão de Açúcar à esquerda (foto no alto em destaque). As portas que separam a piscina da recepção são espelhadas, refletindo a paisagem carioca e permitindo um panorama em 360 graus. O sol bate na parte da manhã. Para o sol da tarde, há uma outra piscina, na parte de trás do hotel, ao lado do fitness center e do spa Willow Stream. Com cinco salas de tratamento, o spa característico dos hotéis Fairmont deve ser aberto na próxima semana.

Fairmont Rio: vista do bar Spirit of Copa
A vista do bar Spirit of Copa em uma manhã de inverno carioca | Foto de Carla Lencastre

A piscina principal, voltada para o mar, é ladeada pelo Marine Restô e o bar Spirit of Copa, ambos com paredes em vidro. O novo diretor de bebidas do hotel é o premiado bartender Tai Barbin. O francês Jérôme Dardillac, que assumiu a cozinha do então Sofitel na saída de Roland Villard, continua como chef executivo. A ideia é oferecer cardápio internacional com toque brasileiro. No bufê de café da manhã, por exemplo, tem pain au chocolat e brigadeiro.

É difícil sair do sexto andar, onde a mágica acontece, mas os hóspedes da exclusiva categoria Fairmont Gold têm ainda um lounge exclusivo para café da manhã e happy hour. Fica no quarto andar, onde funcionava o Le Pré Catelan. São 54 apartamentos nesta categoria, todos no último andar do hotel, o 13º, com serviço de mordomo 24 horas.

Divididos em duas torres interligadas, os 375 quartos com varandas, sendo 68 suítes, têm décor elegante e sóbrio, com móveis de designers brasileiros, pisos em tacos de madeira espinha de peixe, banheiros em mármore (alguns com banheira) e os confortos tecnológicos que se espera em um hotel de luxo moderno. Janelas corta ruído garantem o silêncio. O design valoriza materiais brasileiros e obras de arte originais. É assinado pelo escritório da arquiteta Patricia Anastassiadis, de São Paulo, que também desenhou o paulistano Palácio Tangará, da Oetker Collection.

As acomodações estão divididas em quatro categorias: Signature Suite (apenas duas, nos andares mais altos, com dois quartos, living e sala de jantar), outros dois tipos de suíte e os quartos standard, estes com 35 m². Há três opções de vista: praia, que vale cada centavo; lateral, com visão parcial do mar, e cidade, com quartos voltados para o pôr do sol em Ipanema.

Com a inauguração do Fairmont, a AccorHotels continua investindo no Rio e fecha para obras de renovação o Sofitel Ipanema. Na categoria luxo, a rede francesa tem ainda na cidade o charmoso Santa Teresa Hotel Rio MGallery, sobre o qual escrevemos aqui recentemente.

A fachada do Fairmont Rio, em Copacabana
A fachada do Fairmont Rio, em Copacabana | Foto de Carla Lencastre

Como é o Hotel Arpoador, pé na areia no Rio de Janeiro

Como é o Selina Rio, o primeiro hotel da rede no Brasil

Três restaurantes de hotéis no Rio de Janeiro

O novo Four Seasons São Paulo

Novidades do Sheraton Reserva do Paiva

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Grupo La Réserve inaugura nova propriedade na França

O grupo hoteleiro La Réserve, cujas propriedades são premiadas todos os anos entre as melhores do mundo por publicações como Condé Nast e Travel+Leisure, acaba de inaugurar uma nova propriedade de luxo na França. O novo hotel, o La Maison d’Estournel, fica em Sainte-Estèphe na região vinícola de Médoc, a pouco mais de uma hora de carro do centro de Bordeaux – e nós fomos os primeiros a conhecê-lo neste final de semana.

Como é se hospedar o La Réserve Paris, o melhor hotel da cidade segundo a Travel+Leisure

Foto: Mari Campos

Inaugurada oficialmente no último sábado, 3 de agosto, a a propriedade fica instalada em uma belíssima mansão rodeada de vinhedos. O genial Michel Reybier, proprietário dos hotéis do grupo La Réserve, transformou a casa do século XIX de Louis-Gaspard d’Estournel em uma residência dedicada ao prazer e à joie de vivre, ao lado da premiada vinícola Cos d’Estournel.

O designer Alex Michaelis criou um décor de muitíssimo bom gosto, com peças marcantes, mas sem excessos, em perfeita harmonia com o clima simples, quase rural, do entorno da propriedade (de alguns lugares dá pra ver o estuário do rio Gironde à distância, com barquinhos que parecem quase flutuar sobre os vinhedos).

A enorme área do piso térreo foi criada como uma casa mesmo, com ambientes que misturam lounge, living room, bar e restaurante, tudo meio junto e misturado – e com uma charmosa cozinha parcialmente aberta. No canto oposto à cozinha, uma charmosa biblioteca-living, marca praticamente registrada das propriedades de Reybier. Há também uma belíssima adega subterrânea que funcionará também como local especial para degustações e jantares privativos.

Diante do grande espaço lobby-restaurante há um belíssimo terraço aberto para os imensos jardins da mansão, lindamente decorados com mesas, cadeiras, sofás, poltronas e ombrelones, criando uma série de charmosos espaços seja para comer, conversar, tomar uma taça de vinho, ler ou simplesmente sentar e apreciar a paisagem.

A ideia é que os hóspedes se sintam realmente em casa e circulem livremente pelos ambientes, sem freios, podendo inclusive se servir do bar ou testar os próprios talentos na cozinha (se quiserem). Em toda parte, há serviço extremamente atencioso, atento e responsivo, mas nada invasivo.

Foto: Mari Campos

Espalhados em dois andares, os quartos se dividem em quatro categorias. Por enquanto, são apenas catorze quartos (entre 20 e 31 metros quadrados), todos decorados com extremo esmero e bom gosto – incluindo enormes banheiras, vistas panorâmicas para os arredores da casa e chuveiros instalados em box de concreto que imita os famosos barris do Médoc.

Foto: Mari Campos
Foto: Mari Campos

A Maison d’Estournel conta também com um excelente restaurante que tive o prazer de provar. O menu sazonal valoriza o terroir do Médoc e procura utilizar produtos que estejam a no máximo um raio de 150 km da propriedade – valorizando mais ainda os do seu entorno. O chef também cultiva ali seu próprio jardim orgânico, com flores, frutas, ervas, verduras e legumes de diferentes tipos. E o restaurante está aberto todos os dias também para não hóspedes para café da manhã, almoço e jantar.

Foto: Mari Campos

Belíssima propriedade, para ficar de olho. Até o ano que vem, a propriedade deve ganhar mais quartos e também piscina e spa.

Siga também nossas redes sociais para ficar por dentro de todas elas: Instagram @ HotelInspectors,facebook @HotelInspectors e  Twitter @HotelInspectors.

Leela Palace New Delhi: terceiro melhor hotel urbano da Ásia

A esperada lista World’s Best Awards 2019 da Travel and Leisure acaba de ser divulgada e, como sempre, agita o mercado hoteleiro. Afinal, quem é que não quer ver sua propriedade figurando entre os melhores do mundo, segundo uma das mais prestigiosas publicações internacionais do setor?

A lista deste ano trouxe repetecos bem-vindos – como a escolha da rede Six Senses como a melhor rede hoteleira do mundo – , mas trouxe novidades que nos chamaram atenção. Como, por exemplo, o fato do The Leela Palace New Delhi ter sido escolhido o terceiro melhor hotel de todo o continente asiático.

Afinal, a Ásia é um dos continentes mais férteis do mundo para hotelaria de primeira linha. Veio de lá também o melhor hotel do mundo no ano passado, o Four Seasons Bali at Sayan (que considero também um dos melhores hotéis do meu mundo) e o vencedor deste ano, o Leela Palace Udaipur, na Índia.

A própria Índia é um país que preza pela hotelaria de altíssima qualidade, como já falamos aqui. E Delhi mesma tem vários excelentes hotéis de personalidades bem diferentes espalhados pela cidade toda – mas o Leela Palace merece, sim, estar entre os 100 melhores hotéis do mundo na lista da Travel and Leisure deste ano. Na categoria hotéis urbanos na Ásia, o Leela Palace New Delhi perdeu no ranking deste ano apenas para o novo Rosewood Beijing e para o Oberoi Mumbai.

O The Leela Palace New Delhi realmente superou todas as minhas expectativas durante minha hospedagem ali em abril último, durante um longo périplo indiano – e olha que já me hospedei em diversas pérolas da hotelaria indiana, inclusive na própria capital (como o incrível The Lodhi, do portfólio da Leading Hotels of the World).

O Leela Palace New Delhi segue o melhor estilo da hotelaria indiana, com excelência em serviços e acomodações super confortáveis – mas sem pecar em nenhum momento por excesso. Construído especificamente para ser um hotel de luxo, tem todos os seus móveis e objetos de décor feitos sob medida por artesãos locais – e chama atenção também pelo esmero nos muitos arranjos de flores espalhados pela propriedade toda.

Há certa opulência no lobby de entrada, mas os demais ambientes são bastante contemporâneos e cálidos, daquele tipo que faz o hóspede se sentir confortável rapidamente. Até mesmo a decoração dos quartos, que remete às vibes palacianas aqui e ali, são delicadas e aconchegantes – sua categoria standard tem os maiores quartos da cidade nesta categoria de entrada. Os quartos, aliás, têm excelente isolamento acústico, banheiros em mármore com banheira e chuveiro separados, cafés, chás e biscoitos cortesia e acesso ao sistema de mordomo.

A localização na área das embaixadas de Delhi permite deslocamentos razoavelmente fáceis tanto para o aeroporto como para zonas mais turísticas da cidade (e há muitas opções de restaurantes e compras nos arredores). Da bela rooftop pool com borda infinity no último andar – com água sempre mantida em perfeitos 26 graus – há vista panorâmica para Nova Delhi todinha.

São quatro restaurantes de especialidades diferentes (Internacional, Indiana, Japonesa e Italiana) abertos para almoço e jantar e um ótimo speakeasy bar, o Library Bar. O imenso buffet de café da manhã é servido diariamente no belíssimo Qube, inteiramente construído como um cubo de faces de vidro nos jardins do hotel – com décor cheio de espelhos que permite reflexos caprichados da paisagem externa no interior do restaurante. E ainda há um belo ESPA spa na propriedade.

Não fiquei hospedada em outros hotéis da rede Leela, mas a participação da unidade de New Delhi no World’s Best 2019 está corretíssima na minha opinião. A lista completa dos melhores hotéis do ano segundo a Travel and Leisure pode ser conferida aqui.

E dá pra conferir minha review completinha sobre o Leela Palace New Delhi aqui.

Siga também nossas redes sociais para ficar por dentro de todas elas: Instagram @ HotelInspectors,facebook @HotelInspectors e  Twitter @HotelInspectors.

A excelência da hotelaria de luxo na índia

Pequenas e grandes redes hoteleiras de luxo na Índia estão crescendo rápida e constantemente em comparação a outras redes internacionais. Com uma diferença fundamental: para as redes indianas, o hóspede é sempre e invariavelmente rei – ou, como eles mesmos preferem dizer, “the guest is God”.

Já andava com isso na cabeça desde minha última viagem à Índia, em abril último, mas a ideia ficou ainda mais evidente depois que assisti ao filme “Hotel Mumbai” (que chega aos cinemas brasileiros como “Atentado ao hotel Taj”, e que recomendo muito). Essa máxima comum aos hotéis de luxo indianos aparece repetidas vezes no filme (que é sobre como o papel dos funcionários do hotel Taj de Mumbai foi essencial no salvamento de alguns hóspedes durante os atentados terroristas de 2008).

O senso de hospitalidade faz parte da própria cultura indiana no dia-a-dia, e essa vocação é elevada à décima potência quando o assunto é hotelaria de luxo. Discrição, eficiência, cortesia, antecipação de vontades: tudo isso está ali, o tempo todo, quando somos hóspedes de um bom hotel na Índia. E sempre com gentileza, sorrisos e amabilidade no olhar, de uma forma que acaba frequentemente conectando quase que imediatamente hóspedes ao staff. Não por acaso, funcionários indianos da hotelaria de luxo são frequentemente disputados por grandes redes hoteleiras em outros destinos.

Os investimentos no setor hoteleiro tiveram um boom entre 2005 e 2010, quando muitas propriedades se remodelaram e muitos novos empreendimentos começaram a ser construídos (ainda que haja muito potencial de crescimento, o país recebeu quase nove milhões de turistas internacionais em 2016 contra pouco mais de dois milhões e meio no ano 2000). Desde então, novos subsídios e parcerias são frequentes para estimular tanto a hotelaria quanto o turismo em geral no país e a Índia vive um novo grande momento hoteleiro neste 2019 – incluindo aberturas internacionalmente muito importantes também para o turismo de negócios, como o recém-aberto Four Seasons Bengaluru (em Bangalore).

A hotelaria de luxo no país passou a focar muito na “hospitalidade experiencial”, buscando apelo também junto às novas gerações, introduzindo menu de experiências em seu portfolio e investindo em lounges, práticas sustentáveis e espaços sociais customizados (ou “instagram friendly”, como defendem alguns escritórios de arquitetura e design hoteleiro). O turismo focado em eventos também está redesenhando a hotelaria em alguns destinos que chegam a ver suas reservas crescerem dois dígitos ao ano, incluindo cidades como Varanasi, Puri, Tirupati e Shirdi.

A popularidade do país como destino para turismo de bem-estar também cresce sem parar (um bom exemplo é o hotel Ananda in the Himalayas, sobre o qual falo neste texto aqui) e parte dos hotéis de luxo começa a ver também significativo crescimento no mercado de destination wedding, até então bastante sub-explorado no país.  

Algumas experiências hoteleiras que tive no país estão dentre as mais significativas que já experimentei, incluindo estadias irretocáveis em hotéis como The Lodhi em Delhi, RAAS em Jodhpur, Leela Palace também em Delhi, Evolve Back Resorts em Hampi e as incríveis propriedades da Suján Luxury no Rajastão. Da Suján, já conhecia anteriormente o (ótimo) lodge Jawai Leopard Camp e tive o prazer de me hospedar nesta viagem nos excelentes Sher Bagh (no Ranthambore National Park) e Rajmahal Palace, em Jaipur.

A excelência da hotelaria de luxo na Índia está ajudando o setor a crescer mais rápida e constantemente que em outros destinos.
Piscina aberta para os territórios dos famosos tigres de Ranthambore no Sher Bagh da Suján Luxury. Foto: Mari Campos.

No RajMahal Palace, aliás, me hospedei durante uma viagem a trabalho, mas arrisco dizer que foi a mais impecável experiência hoteleira que já tive na Índia. Um hotel de apenas 14 quartos ocupando a antiga residência do marajá, com instalações, décor, amenidades e serviço simplesmente perfeitos (com café da manhã à la carte, chá da tarde à inglesa e lavanderia incluídos em todas as diárias). Dá pra ler minha review completa sobre o hotel aqui

Leia mais sobre minhas viagens pela Índia e os hotéis testados e aprovados no país aqui.

Siga também nossas redes sociais para ficar por dentro de todas elas: Instagram @ HotelInspectors,facebook @HotelInspectors e  Twitter @HotelInspectors.

Piscina Santa Teresa Hotel Rio de Janeiro MGallery

Accor investe em sustentabilidade e ‘storytelling’ na marca MGallery

Queijo de cabra empanado com perfeição em meio a plantas que você nunca viu. Raviólis recheados de taioba e repletos de sabor. Pudim de pão com gosto de infância, sorbet de goiaba e queijo. Café acompanhado de cocada com casca de melancia ou de petit four de casca de abóbora. Um cardápio original que evita o desperdício de alimentos foi o destaque de um evento realizado esta semana pela rede francesa AccorHotels, no Santa Teresa Rio de Janeiro MGallery, para promover ações que têm como foco reduzir o impacto de seus hotéis e restaurantes no meio ambiente.

Mesas do restaurante Térèze, no Santa Teresa Hotel Rio de Janeiro MGallery
Térèze, o restaurante do Santa Teresa Hotel | Foto de Carla Lencastre

As metas de sustentabilidade do gigante grupo hoteleiro, que faturou 36 bilhões de euros em 2018, estão reunidas no programa Planet 21. São alinhadas com os 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da Organização das Nações Unidas (ONU). O cardápio do almoço no restaurante Térèze, elaborado pelo chef Esteban Mateu, atende ao ODS 12, de produção e consumo sustentáveis. Reduzir o desperdício de alimento é um dos principais compromissos da Accor.

Santa Teresa Rio MGallery é hotel com história singular

O evento demonstra que sustentabilidade e valorização da marca são dois conceitos cada vez mais indissociáveis. Não por acaso, entre seus mais de 30 hotéis no Rio, a rede escolheu como cenário o MGallery, marca de hotéis de lifestyle sempre com uma história única para contar em mais de 100 propriedades boutique mundo afora. O Santa Teresa, por exemplo, tem apenas 48 quartos em um casarão de meados do século 19, sede uma fazenda de café e cercado de verde. Não há dois iguais.

O novo Palladio Hotel Buenos Aires, o primeiro MGallery porteño

Outra característica da marca é ter bons bares e restaurantes com influências locais. No Santa Teresa estão o Bar dos Descasados e o Térèze, ambos frequentado por moradores da cidade. O restaurante já era bom antes de o Santa Teresa ganhar o sobrenome MGallery. A começar pelo ambiente. Janelões mostram um panorama do Centro do Rio e da Baía de Guanabara, bonito de dia e de noite. Mesas e cadeiras, e alguns objetos de decoração, são em madeira certificada, de demolição ou reflorestamento. Há quase dois anos a gastronomia é comandada pelo chef uruguaio Esteban Mateu, que tem no currículo passagens pelos premiados Pujol, na Cidade do México, e D.O.M., em São Paulo. Mateu deu toques mais latinos ao cardápio da casa.

Almoço e jantar começam sempre com uma referência local. Pães frescos e manteiga com flor de sal chegam à mesa em suportes feitos por artistas das redondezas, que lembram o trilho dos bondes que percorrem Santa Teresa e os paralelepípedos que calçam muitas das ruas deste bairro histórico no Centro do Rio. Todos os outros pratos são serviços em louças antigas ou novas feitas em ateliês locais. No menu sustentável do evento da Accor, em seguida veio um crudo de pescado, com ají amarelo e quinoa crocante. O grupo está comprometido em retirar peixes de espécies ameaçadas dos cardápios dos restaurantes de todos os seus hotéis. No caso do Santa Teresa, uma rede de 80 pescadores do Rio atende ao restaurante. A cozinha adapta os pratos ao que tiver sido pescado a cada dia.

Valorizar pequenos produtores locais é outro compromisso. As plantas alimentícias não convencionais (pancs) do menu criado por Mateu vieram da vizinhança, do coletivo Organicidade, que promove biodiversidade alimentar através de agricultura urbana. O ravióli de ervas da floresta já faz parte do cardápio normal do restaurante (está inclusive no menu degustação) e o pudim de pão é servido no bufê do café da manhã. Fico na torcida para que também entre no cardápio o queijo de cabra com picles e pancs, meu prato favorito do almoço por sua variedade de texturas, sabores e cores locais.

Leia mais

Como é o Selina Rio, o primeiro hotel da rede no Brasil

Três restaurantes de hotéis no Rio de Janeiro

O novo Four Seasons São Paulo

Novidades do Sheraton Reserva do Paiva

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.